Setembro Amarelo: vamos falar sobre suicídio? - * Blog Elaine Gaspareto *

Setembro Amarelo: vamos falar sobre suicídio?

Publicado em 10/09/2018

Tempo de leitura:

Talvez você não saiba, mas dia 10 de setembro é Dia mundial de prevenção ao suicídio.
A data foi estabelecida em 2014 e visa conscientizar as pessoas sobre a questão do suicídio no mundo, e desde 2015 setembro ganhou a alcunha de Setembro amarelo, com ações tanto privadas quanto governamentais que visam discutir o suicídio, propondo ações de prevenção e ajuda.
Parece tão vago falando assim, né? Tão distante da realidade da gente, do dia a dia corrido, das demandas da vida.
Mas é justamente o contrário.

Eu conheci, ao longo da vida, algumas pessoas que se suicidaram.
Um tio do meu sobrinho, irmão do pai dele, se enforcou no quarto da casa onde morava sozinho. Ele era solteiro, tinha problemas variados com abuso de álcool e drogas, mas era um cara gentil, tratava todos bem. Tinha 8 irmãos, sobrinhos, amigos, namorada e ninguém conseguiu ajuda-lo. E meu cunhado se viu tendo que explicar suicídio ao meu afilhado de apenas 4 aninhos. Ele amava o tio Lau...
Também enforcado morreu um concunhado de um cunhado meu. Deixou a esposa e 2 filhos, ele tinha 22 anos e morreu sozinho, tentando desesperadamente arrancar a mangueira de jardim que atou ao pescoço para se enforcar.

Quando eu era mais jovem um coroinha da paróquia que eu frequentava se enforcou em uma árvore em frente de casa. Ele tinha 14 anos.
Anos atrás uma amiga blogueira se matou, deixando pra trás o filho, o netinho pequeno e uma vida de dores e muito sofrimento físico. Ela simplesmente não aguentou mais.
Eu tive um paquerinha na época da escola que se atirou na linha do trem, e morreu com 20 anos.
Mas o caso mais marcante de todos, pra mim, foi de um colega de trabalho que eu conheci nos anos 90.

Ele vivia com a mãe e a irmã, trabalhávamos juntos em uma fábrica de calçados. Um dia 20 qualquer, era dia de vale, ele trabalhou quietinho o dia todo. Era quieto por natureza, gente boa demais, melhor colega, ensinava os meninos aprendizes, comprava bala pra gente, almoçava em casa e trazia suco pra gente tomar de tarde.
Nesse dia 20 ele trabalhou normalmente, recebeu o vale no fim do dia, passou no mercadinho onde a gente tinha conta, pagou a conta mensal dele, subiu na bicicleta e pedalou até a linha do trem.
Esperou por umas 2 horas a hora do trem passar. Quando viu o trem se dirigiu até a linha e... bem, o resto você pode imaginar. Massáo era o nome dele, descendente de japoneses.

Ele estava ali todo dia, a fábrica era grande, tinha gente em volta dele, amigos que se viam todo dia, que saiam pra beber juntos, a gente ia na casa dele colher carambola.
E a gente nunca soube dos fantasmas dele, da dor que ele carregava.
A gente não sabia porque não tinha como saber ou porque não queríamos saber?


Suicídio não é covardia. Nem excesso de egoísmo. Pra chegar num ponto tão sem volta é porque a dor se tornou insuportável. Não é pra acabar com a vida, é pra diminuir a dor.
Tem horas que a solidão é tanta, que mesmo num mundo tão lotado de gente não há sequer uma pessoa pra quem a gente possa falar do que nos consome, e isso pode se tornar impossível de lidar.
Não é falta de fé, falta de Deus. Ao contrário, pode ser um grito desesperado por Ele...

Jovens se matam, por tantos motivos diferentes... crianças se matam, velhos se matam e pessoas jovens se matam. Não há uma faixa etária, nem classe social nem grupo de risco pré-definido.
Mas, embora seja complexo identificar um risco iminente há indícios aos quais a gente pode ficar atento. Tanto nos outros quanto em nós mesmos.

  • Tristeza persistente;
  • postagens relacionadas a suicídio ou depressão profunda nas redes sociais;
  • perda de interesse em atividades que antes davam prazer;
  • fadiga;
  • falta de energia;
  • alteração no sono;
  • irritabilidade;
  • alterações no apetite;
  • choro sem razão aparente;
  • ideias de morte;
  • dores e sentimento de inutilidade.


Como surgiu o Setembro Amarelo?


A cor amarela é usada para representar o mês da prevenção do suicídio por causa de Dale Emme e Darlene Emme. O casal foi o início do programa de prevenção de suicídio “fita amarela”, ou “Yellow Ribbon” em inglês.

Em 1994, Mike Emme, filho do casal, com apenas 17, se matou. Mike era conhecido por sua personalidade caridosa e por sua habilidade mecânica. Restaurou um Mustang 68 e o pintou de amarelo. Mike amava aquele carro e por causa dele começou a ser conhecido como “Mustang Mike”.
Entretanto, infelizmente, aqueles próximos de Mike não viram os sinais e o fim da vida do garoto chegou. No dia do funeral dele, uma cesta de cartões com fitas amarelas presas a eles estava disponível para quem quisesse pegá-los. Os 500 cartões e fitas foram feitos pelos amigos de Mike e possuíam uma mensagem: Se você precisar, peça ajuda.

Os cartões se espalharam pelos Estados Unidos. Em poucas semanas começaram a aparecer ligações. Um professor de outro estado havia recebido um dos cartões de uma aluna, pedindo por ajuda. Diversas cartas chegavam de adolescentes buscando ajuda.

Em 2003 a OMS instituiu o dia 10 de setembro para ser o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio, e o amarelo do mustang de Mike é a cor escolhida para representar este sentimento.
A fita amarela foi escolhida como símbolo do programa que incentiva aqueles que têm pensamentos suicidas a buscar ajuda.
Fonte: Minuto Saudável


Centro de Valorização da Vida (CVV)


O Centro de Valorização da Vida é reconhecido como Utilidade Pública Federal desde a década de 70. É uma organização sem fins lucrativos e filantrópica que busca dar apoio emocional e prevenção do suicídio para quem precisa. Desde 2015, é possível entrar em contato com eles através do telefone, de maneira gratuita.

Basta ligar para o número 188 ou 141 (no caso dos estados do Maranhão, Paraná, Pará e Bahia). O atendimento é anônimo e realizado por voluntários que guardam sigilo. Também é possível acessar o chat online, enviar um e-mail ou ir a um dos postos de atendimento físico.

O Setembro Amarelo foi idealizado pelo CVV em 2015 e o mês escolhido é setembro pois é o mesmo mês do Dia Mundial para Prevenção do Suicídio, realizado no dia 10 de setembro.


Para finalizar recomendo vivamente a leitura desse artigo:


Ele é bem completo e pode ajudar muito, tanto quem está vivendo momentos difíceis quanto quem deseja ajudar alguém em situação de risco.
Repito: reolhar ao nosso redor, reolhar para quem está perto da gente, reolhar pra dentro de nós mesmos... pode fazer a diferença entre vida e morte... tanto do outro quanto nossa própria...


Painel Reolhar a Vida

Blogagem Coletiva Reolhar a Vida.
Clique aqui e saiba tudo sobre a proposta, e veja como fazer parte!
Seja muito bem-vindo para participar!







3 comentários via Blogger
comentários via Facebook

3 comentários:

  1. O mundo não está sendo um lugar agradável para viver, não é estranho o número de suicídios estar aumentando no mundo todo. Talvez sejamos egoístas por não perceber o pedido de socorro oculto, talvez os suicidas sejam orgulhosos por não terem se revelado pedindo apoio claramente...Complicado.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. essa campanha é mesmo SUPER importante pois o suicídio mata cada vez mais, precisamos ficar atentos e desmistificar cada vez mais as doenças mentais que levam a ele

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  3. Eu super apoio a campanha principalmente porque já fui vítima, hoje estou em tratamento e ajudo outras pessoas que estão passando pelo mesmo que passei a encontrarem um tratamento adequado e se amarem. É difícil mas é incrível como as pessoas estão se sensibilizando com a causa vendo que há pessoas tão próximas passando por um momento delicado como este... fico feliz que tenho progredido e espero que outros possam vencer também!

    Apenas eu, Day

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…