Esclerose múltipla- reolhar os sentimentos misturados - * Blog Elaine Gaspareto *

Esclerose múltipla- reolhar os sentimentos misturados

Publicado em 13/05/2018


Essa semana foi aquele período do primeiro semestre em que nós (ele e eu) passamos no HC de Ribeirão Preto.
Semestre que vem tem mais #oremos

Caso você tenha caído nesse post por acaso e não saiba de nada o motivo é que meu marido é portador de Esclerose Múltipla há alguns anos e todo o tratamento é feito no HC; só as injeções diárias é que são ministradas aqui onde moramos.
Mas exames, ressonâncias, avaliação de especialistas, avaliação de junta médica, etc... tudo é feito no HC.

E eu detesto ir lá, já falei algumas vezes.
Me quebra, por dentro e por fora, levo dias pra voltar ao meu normal, fico triste e muito sensível nos dias que antecedem e que sucedem as idas...
A gente vê coisas lá que mexem com a gente.

Vemos pacientes de EM nos mais variados estágios da doença, e isso é perturbador.
Vemos jovens bem jovens, ainda muito assustados.
Vemos pessoas mais velhas, em estágio bem avançado da doença.
Vemos gente que anda, que não anda, que fala, que não fala, gente que, como meu marido, está relativamente bem...
E isso é muito "abalador".

Vi um casal lá que a mulher é portadora de EM.
Alta, loura, uns 50 e poucos anos, unhas bem feitas pintadas de vermelho, cabelo curto bem cortado e com luzes, colares e anéis, muito bonita e perfumada.
Estava sentada quando a vi, eu sou dessas pessoas que observa tudo ao redor, que gosta de imaginar as estórias por trás de cada rosto...
Não parecia doente, assim como, à primeira vista, meu marido não parece.
Quando ela se levantou eu vi todo o efeito da doença: ela tem pouca mobilidade, os movimentos são desconexos, ela anda apoiada no marido e em andador, os braços e pernas não obedecem, ela não fala direito.
Mas o marido... ele fala com ela, ele a beijava, ele deitava a cabeça no ombro dela e ela fazia carinho no cabelo dele, os movimentos hesitantes, mas tão cheios de afeto.

Vi tanto afeto ali, em pequeninos gestos, num passar de mão pelo cabelo, um apoiar de queixo no ombro, o jeito de segurar a mão dela, de ajeita-la na cadeira...
No jeito de olhar.
Chorei de soluçar, com a cara enfiada no livro que sempre levo.
Chorei de medo, de empatia, de tristeza, de alegria por ver aquele momento.

Eu sou extremamente agradecida por ter lá pra ir. Sempre tento ter um novo olhar para essas idas... reolhar.
O tratamento tem salvado a vida do meu marido, salvado especialmente no sentido emocional, e também, de certa forma, no sentido físico.
Embora não se morra de EM a qualidade de vida pode sim piorar dramaticamente, e com o tratamento isso é minimizado.
Então é uma dádiva ter o HC pra ir, o tratamento e a medicação de alto custo são gratuitos, nunca falhou.
Exames, ressonâncias, consultas com psicólogos, fisioterapeutas, neurologistas, etc... tudo é de graça. E é tudo muito bom...


Sim, eu tenho medo do futuro.
Racionalmente entendo que não é pra ter medo, mas quem disse que o medo aceita a racionalidade?
Eu sinto tristeza por causa da doença, vejo o quanto ela tirou dele, de nós.

Sinto uma empatia imensa com quem está ao lado de alguém doente, sei exatamente o que o olhar quer dizer, eu vejo esse olhar no espelho, de vez em quando...
Sinto alegria porque pra nós tudo é muito menos dramático do que achei que seria... sinto alívio quando os exames são tão positivos como foram dessa vez.
Sinto dor no corpo, gratidão, dor no coração, gratidão porque tudo poderia ser tão pior e não é...

E nesses dias de ficar em salas lotadas de um imenso hospital lotado eu sinto isso tudo.
Tudo junto, ao mesmo tempo, misturado, viro uma bagunça emocional.
Me abraça?

Ah, e se você pensa que marido fica só abalado, triste, etc...
Que nada! Ele não cultiva os sentimentos ruins, não pensa demais, entende?
Ao contrário de mim, que penso demais, eu sei...


Ele, louvado seja Deus, leva a doença da melhor forma possível, com bom humor, com o máximo de leveza que as circunstâncias permitem.
O médico vira as costas e ele tá fazendo graça.
Mandou essa foto pra minha irmã lá do HC, pra assustar ela dizendo que tava tendo crise rsrsrsrs
Menino, menino...

Painel Reolhar a Vida

Blogagem Coletiva Reolhar a Vida.
Clique aqui e saiba tudo sobre a proposta, e veja como fazer parte!
Seja muito bem-vindo para participar!







9 comentários via Blogger
comentários via Facebook

9 comentários:

  1. Que no futuro tudo continue bem. Não sofra por antecipação.Fé e força.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Existe uma frase que diz: 'Deus não coloca fardos pesados em ombros frágeis'Essas palavras entraram nos meus ouvidos e foram direto à minha alma. São elas que me sustentam em determinadas situações da minha vida. Existem pessoas que possuem uma força extraordinária para passar pelas dificuldades e ao vê-las diríamos que nós não teríamos esse ânimo. É que nós não aprendemos ainda a buscar respostas para as coisas que não conseguimos entender. Algo muito maior, além do nosso entendimento as sustenta e ampara. São pessoas muito evoluídas espiritualmente falando. A mente humana é incapaz de decifrar o porque que certas pessoas carregam suas histórias com leveza, bom animo e ainda por cima possuem a capacidade de nos reconfortar com seu comportamento. Graças a Deus, que não coloca fardos pesados em ombros frágeis!
    Muita paz! Desejo de coração!

    ResponderExcluir
  3. É claro, que ninguém, gosta de frequentar clínicas e hospitais, mas vale mesmo o reolhar domo o teu, mostrando que temos que agradecer por TER uma possibilidade dessas pra se tratar! Belo post e que bom ele leva tudo numa boa! beijos, chica

    ResponderExcluir
  4. Ah Elaine, admiro você e as pessoas que sabem como se dirigir e como se portar ao lado dos seus queridos que sofrem. Sim, não é fácil, e chorar faz parte (se não como aguentaria?). Mas a vida segue e aproveitando os momentos felizes, agradecendo a Deus por estar junto e podendo cuidar. Você é especial para o seu marido, como sempre foi.
    blogjoturquezzamundial
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Há que se enxergar o melhor em tudo mesmo, ou fica mais difícil ainda.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. Oi Elaine,
    Vou contar um segredo... tb tenho medo do futuro. Tenho medo pq meu marido é mais velho do que eu a a saúde dele está ficando frágil. tenho medo pq tive CA e estou perdendo amigas que também tiveram CA, na mesma época que eu e agora apresentam metástase. Só não tem medo do futur quem não pensa nele, e nós pensamos...
    Espero que esta EM seja bem lentinha, e que ele morra be velhinho se que ela consiga devorá-lo.
    Beijos e boa sorte.

    ResponderExcluir
  7. elaine:
    Minha médica que diz que a razão não acompanha o emocional.
    Mas que tudo seja levado da melhor leveza por aí.
    beijocas e saúde
    Sônia

    ResponderExcluir
  8. Você é um exemplo de força, fé e com certeza ele tem essa leveza toda dentro dele porque vc sempre esta junto segurando na mão.
    Porque como canta Oswaldo Montenegro "...pois metade de mim é amor
    e a outra metade também" e vocês são essas duas metades :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Gente como a gente...
    Continue agradecendo apesar de tudo. A gratidão limpa e colore nosso astral.
    Ah! Adoro o seu jeito de escrever Boa sorte!

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…