Trump, ou o triunfo daquilo que não é falado abertamente...

em 9 de novembro de 2016


Ontem, terça-feira, deitei bem cedo, antes das 9 da noite.
Pense num ser vivo cansado...
Não vi notícias, não vi redes sociais. Dormi sabendo que estava tendo eleição nos Estados Unidos. Dormi acreditando que minha geração veria a primeira mulher presidente dos EUA.
Como geralmente acontece, eu estava errada.
Vi, logo de manhã, que Trump fora eleito.

Vi na estrada, não tinha internet pra ver os detalhes, as reações. Só fui ver agora de noitinha, em casa. As reações, o espanto de quem, como eu, não achava que eleger um tipo como  esse seria possível...
E com isso tive tempo pra pensar e pra ver o quão ingênua eu fui.
Claro que ele seria eleito.
Ele, veja bem, não foi eleito só porque ganhou. Foi eleito, sobretudo, porque ela perdeu. A rejeição à Hillary mostrou ser maior do que a rejeição ao Trump.

A gente, quando lê as matérias com as falas dele, o discurso racista, preconceituoso e misógino se espanta.
Mas não deveria.
Donald Trump deu, à uma imensa parcela de americanos, voz e chance de expressar o que sentem no íntimo.
Na era Obama esse pensamento racista, xenófobo, homofóbico, preconceituoso e sexista é mal visto. É feio, politicamente incorreto. Afinal, olha lá o presidente negro.
E uma parcela significativa dos americanos "engoliu" Obama por 8 anos.
Nunca aceitaram, de fato. Aceitar e tolerar, coisas diferentes...

Oculta-se o pensamento porque não é bem visto, cala-se para não ser perseguido ou prejudicado ou taxado de nomes pouco lisonjeiros... Mas o fato de não expressar em voz alta não quer dizer que o pensamento mudou. Ao contrário. Ele fica ali, criando raízes. Ganhando força.
E, quando o momento surge, ele aflora.
Foi o que aconteceu quando os primeiros discursos de Trump começaram a ganhar a mídia, ainda nas primárias.
A fala agressiva, repleta daquilo que citei acima, foi o catalizador que abriu as comportas.

De repente não era mais condenável falar que imigrantes latinos não eram bem vindos, pedir um muro na fronteira com o México, clamar por mais vigilância aos muçulmanos, mandar as mulheres serem aquilo para o qual "nasceram para ser".
''Se o bilionário candidato à presidência pode falar, eu posso também. Posso concordar com ele. O cara tá certo, chega de receber ordens de um negro. Imagina receber ordens de uma mulher?!
E depois? Vou receber ordens de um gay?''

Artistas mundialmente famosos entraram no debate pedindo votos para Hillary. E a gente, cria de Hollywood, acreditou que a América elegeria a menos pior.
Esquecemos que os EUA são imensos.
Esquecemos os estados majoritariamente brancos, os estados industriais, os estados agrícolas.
Esquecemos o eleitor americano branco, aquele que tem suas armas registradas e gosta de tê-las. Aquele que não quer ver dois homens se beijando, muito menos se casando... aquele eleitor que nunca votaria em uma mulher. Aquele eleitor que quer um homem branco, hétero, machão, rico, aparentemente intocável e desbocado como líder.

E esquecemos também do eleitor desempregado, insatisfeito, que acha que nada pode ficar pior do que está e que Trump é uma sacudida nas coisas. Aquele eleitor que já está tão ruim na vida que vota no Trump como forma de protesto contra Obama/Democratas.
Pois foram esses eleitores que elegeram Donald Trump. Esses e aqueles que rejeitaram Hillary por ela ser quem é.



E vi, agora há pouco, um tuíte de Jair Bolsonaro feliz da vida comemorando a vitória de Donald Trump.
Sabe tudo o que falei sobre o eleitor americano?
Se aplica à uma imensa parcela dos eleitores brasileiros.

Eleitores de pensamento racista, misógino, sexista, preconceituoso, saudosos dos generais e da ditadura... que calam as opiniões racistas e misóginas porque tem a Lei Afonso Arinos, a Lei Maria da Penha.
Não falam em voz alta (embora criem perfis fakes nas redes sociais para expressarem o que de fato acreditam) mas o pensamento nunca mudou.
Não há lei que mude a crença e o pensamento de ninguém.

Não falam abertamente (agora) mas é questão de tempo e oportunidade.
Acredite no que eu digo: assim que surgir no Brasil um candidato estilo Trump veremos muitas pessoas finalmente dizendo o que realmente pensam e sentem.
O espanto que senti ao ver os americanos elegerem um cara que acredita (e age de acordo) que mulher é mercadoria, que latinos são lixo e imigrantes brasileiros são porcos... nós sentiremos quando o que realmente vai no coração dos apoiadores de políticos como Bolsonaro e Cia. aparecer, nas falas, nos textões, nas rodas de bate papo...

Eu disse assim que surgir?
Na verdade quero dizer assim que ganhar um pouco mais de apoio e força política porque já surgiu.
Olha o tuíte de um exemplar desse tipo de político:
"Contra tudo e contra todos"
"Em 2018 será o Brasil no mesmo caminho"


Meu Deus... é isso que nos espera???



Para encerrar:
Anos atrás eu li, do autor Jeffrey Archer, o romance A filha pródiga.
O livro narra a saga de Florentyna Rosnovski, filha de um rico imigrante polonês católico que é encantada pela política e sonha um dia ser presidentes dos EUA.

Numa das passagens do livro (pouco antes da eleição do católico Kennedy) ela questiona sua tutora/preceptora:
"-É mesmo possível que um católico seja eleito presidentes dos Estados Unidos?
-Sim, é. Creio que é o que acontecerá - responde a professora.
-E um negro? Pode?
-Creio que sim. Isso se tornará irrelevante ainda enquanto eu viver
-E uma mulher?
-Isso, minha querida, ainda levará tempo. Muito, muito tempo, e muitas mudanças até que aconteça..."



Enfim, está feito. Guarde a data: 09/11. Tomara que não seja um 11/009 às avessas...

Claro que, sendo este um blog pessoal, esse texto é só minha opinião, leiga. Não sou profunda conhecedora de nada. Só de mim mesma, e ainda assim, aprendendo...
E, à cada dia, se surpreendendo. Ora para o bem. Ora para o mal...

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

11 comentários , comente também!

  1. Boa noite, Elaine, excelente texto, só nos resta aguardar o que virá pra nós...
    Retrocesso de todas as nossas conquistas, eclosão do ódio, hoje contido, pelas Leis que nos "protegem".
    Que Deus se apiede de nós, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  2. Eu penso cá com os meus botões... Se nós tivemos um Lula, porquê os americanos não podem ter um Trump? Talvez eles precisem passar pelo ridículo, para que a podridão venha à tona, como no nosso caso. E virá, é só uma questão de tempo.

    Sim, americanos são pedantes, preconceituosos, racistas, principalmente onde ele ganhou, no centro oeste do país. Se a Hillary era a melhor opção, não sei dizer. Se vamos ter Bolsonaro presidente, também não sei.

    Sei que vivemos uma época de valores invertidos, de comoção e de espanto, onde a tragédia é corriqueira e ninguém parece ligar para mais nada.

    Onde isso vai nos levar, só Deus sabe, ou talvez nem Ele.

    beijosssss

    ResponderExcluir
  3. Olá Elaine, concordo com tudo o que diz. faz uma boa análise. É isso mesmo!
    Beijinhos
    Teresa

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente você não entende muito do que fala se vê isso assim, o povo elegeu Trump porque o país deles está em uma crise como o nosso, não que seja tão braba mas esse cara é da politica do protecionismo nacional, eu não acredito que algo vá mudar para os negros americanos, mas quem não é de la, e melhor desistir de ir, quem viu os EUA com outros olhos está muito enganado, um país que vive invetando guerras, é logico que o eleitores vão querer alguém que proteja eles.

    Vai ser ruim para nos o governo do Trump se dê certo vai fazer os EUA crescer muito economicamente, mas por outro ado com os aumentos dos juros lá sobre produtos não nacionais isso vai chegar, e ótimo vai piorar de verdade o Brasil vê se esse povo iludido acorda. E para de deixar o nosso amado presidente aumentar o salario de em milhoes enquanto tira por desculpas ridículas benefícios das massas pobres. Quer saber de uma coisa um país como o nosso que não sabe votar e não sabe se impor não tem que falar nada dos outros.

    Eu particularmente nunca gostei desse país e a Hillary teve um pequeno erro que fez com que as pessoas acreditassem que ela não era confiável, em um país que é alvo de terrorismo e ela também jogou muito sujo nas eleições pois enquanto a gente via todas as loucuras e métodos estranho s de Trump ela por traz arquitetava planos e desmoralizava o inimigo.

    ResponderExcluir
  5. Concordo com você Elaine, muita gente não tem coragem de dizer o que realmente pensa e sente cara a cara e quando encontra alguém que expresse exatamente o que pensam sem medo de represálias e consequências , se fortalecem e apoiam. Depois que passei a acompanhar as redes sociais consegui ver a maldade enraizada nas pessoas(escondidas atrás de perfis falsos ou não), as inversões de valores e como se critica tudo e todos sem medir as consequências, sem pensar que o outro é um ser humano. Muito se fala que nós brasileiros não sabemos votar, mas de fato não sabemos e não porque escolhemos errado (afinal quem sabe qual deles é realmente o certo, ficha limpa não é sinônimo de trabalho bem feito) mas quem de nós que temos que levantar cedo para ganhar o sustento , consegue ficar acompanhando o que os políticos fazem ou deixar de fazer? E quando ficam na mídia nos cobrando para saber votar alguém por acaso nos informa que em determinados casos nem sempre o mais votado é eleito, enfim por trás desse palco chamado política a tantos labirintos que desconhecemos e muitas vezes nem ouvimos falar e nem procuramos saber. O que fica para mim dessa eleição americana e de todos os absurdos ocorridos no nosso país, é o reflexo dos valores que estamos alimentando em casa, na escola e o principal no coração e na mente.

    ResponderExcluir
  6. Oi Elaine, excelente texto! É a treva que se aproxima cada vez mais no planeta. jesus é só uma lenda, mas se viesse ao mundo hoje, seria crucificado rapidinho pela sua visão social.
    O Brasil já deixou seu sinal aberto quando rasgamos o resultado de uma eleição legítima dando voz a políticos muito mais perigosos do que os petralhas.
    Uns orarão, outros sorrirão.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde Elaine
    Faz tempo que acompanho seu blog? rarar (Adoro porque tem de tudo um pouco)
    Mas estou aqui para falar que concordo com voce nesta tão verdadeira postagem. Ainda mais depois de fazer uma pesquisa (vício) sobre o fulaninho Jair Bolsonaro.
    Mas chegou a vez da arrogância daqueles que não emitiam publicamente suas baixas opiniões cair por terra. E pelo que vejo não vai demorar muito não....

    ResponderExcluir
  8. Elaine... acho que vc estava escondida atrás da porta e ouviu a minha conversa com o esposo... rsrsrs... foi exatamente o que nós comentamos com relação à eleição do Trump...
    Eu fico temerosa com relação àa eleições de 2018, pois me parece que caminhamos para o mesmo destino... pois já desponta no horizonte algo parecido... e o pior é ver jovens (bem jovens) idolatrando alguém sem fazer uma prévia pesquisa ou ter conhecimento do que tal pessoa foi ou fez...

    ResponderExcluir
  9. OI Elaine.
    Adorei teu texto, muito bem escrito. Eu,que até agora estava em choque com o resultado da eleição vi mais claramente o que eu não queria acreditar, que o preconceito de algumas pessoas, e não são poucas como podemos constatar, está vindo a tona. Em uma época em que deviamos estar evoluindo isto é um retrocesso.

    ResponderExcluir
  10. Oi, Elaine.
    Achei seu blog por acaso enquanto pesquisava sobre crescimento de blogs já que acabei de criar um e vi um post seu de 2012, logo após fui vendo um pouco mais daqui e achei essa publicação. Estou espantada, parece que fui eu mesma quem escrevi!!
    É muito assustador pensar no que aconteceu e como pessoas assim realmente podem subir ao poder e trazer toda um a multidão de seguidores atrás, eu, não só como como homossexual, mas como brasileira, passo por o medo todos os dias de vivermos a mesma coisa.
    Enfim, um beijo!

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…