Da leveza do amor imperfeito...

em 12 de junho de 2016


À essa altura você já sabe, claro: hoje é Dia dos Namorados.
E eu havia planejado (e combinado) participar de uma Blogagem Coletiva com algumas meninas que também são embaixadoras da marca Cotton Line.
Era, portanto, para o post ter saído ontem, mas por motivos de fiquei chateada e não estava na vibe, não postei. Sim, o meu blog é assim tão eu, tão pessoal, que sim, sou dessas que transfere para o blog a emoção do momento rsrsrsr

Porque o amor, sabe? Ele não é sempre perfeito.
Não, o amor, esse maroto, definitivamente não é coisa pra rede social... sempre lindo, sorridente e sem defeito...
O amor real tem dias com, e tem dias sem.
Tá confuso, né?
Vou clarear:

Tudo começou ontem de noite.
Marido, inocente como ele só, me mostrou uma cesta que alguém havia ganhado de presente do marido, uma cestinha com lacinho vermelho, florzinha e chocolates, eu acho. Uma foto no Facebook.
Eu já tinha visto, mas ele me mostrar me irritou.
Porque faz muito tempo que ele não me dá presente. Nem aniversário, nem Natal, muito menos dia dos namorados.
Justiça seja feita: nem presente de dia das mães, nem dos pais, nem presente de aniversário para os irmãos...
Se não sou eu comprar, ele nem lembra.
Sabe pessoa desligada? Então, ele é o cara.

Nunca me importo com isso, sei como ele é. Mas dessa vez eu perguntei o motivo. Estava irritada mesmo.
E ele só me olhou com aquela cara de "e agora? quem poderá me defender?" e disse o que eu já sabia: que nem pensou... que nunca sabe o que dar, que esqueceu de comprar, que isso, que aquilo...
Pense num ser perdido. Era ele rsrsrsr

Eu, já com um pouco de vontade rir, pela cara de "e agora?" que ele sempre faz nessas situações, acrescentei:
"_Pois até o vizinho presidiário deu presente pra esposinha dele, e você nem pensou?" (um buquê de brigadeiros... que a filhinha deles mordeu todos sem ninguém ver).
E marido lá, realmente consternado, sem ter o que responder.
Fui ver um episódio de Gilmore Girls (tô maratonando, gente!) e fui dormir.


Hoje acordei e nem lembrei da irritação.
Nem ele rsrsrsr que afinal nunca lembra mesmo...

Saímos, fomos ao mercado, fiz almoço, ele foi ver jogo com o pai e os irmãos e eu sentei aqui pra escrever.
E no forno tem um pudim de chocolate assando. Ele ama, eu não gosto.
Mas se ele gosta, eu faço.
Assim como ele não gosta de comida japonesa mas senta comigo no restaurante e come arroz japonês puro só pra me acompanhar. Sorte que servem um frango frito que ele consegue comer enquanto eu vou de peixe cru como ele diz......

Eu também não gosto de barulho de manhã, mas me calo enquanto ele, assim que acorda, liga o aspirador de pó mais barulhento do mundo e passa pela casa toda enquanto eu, que fui dormir às 4 da manhã, estou (em coma) tentando dormir.
Porque ele quer que a casa esteja arrumadinha quando eu levantar...

Porque o amor é assim, leve. Não guarda rancor. Nem conserva a irritação ou a raiva.
Não é perfeito.
Tem momentos, ou tem dias, que realmente deixam a gente irritado. Com raiva.
Sim, ou vai dizer que nunca ficaste com raiva de quem amas?


Mas, enquanto a raiva ou irritação dura um tantinho, o amor de verdade dura um tantão.

O amor, ele fica nas noites frias em que estamos juntos. Quando tá tudo tão calmo e silencioso, quando a paz é quase tangível....

Ele, o amor,  aparece nas horas ruins, quando os problemas, as dívidas e as dores estão presentes. Mas o amor está ali, segurando as pontas, relembrando o motivo de estarmos juntos.
O amor busca o remédio e faz um chá... e busca a solução dos problemas...

O amor também aparece no riso, naquela piada contada mil vezes e que mil vezes me faz rir.
Na dancinha sem charme algum que ele tem, mas que me faz gargalhar.
Nas gracinhas, nas tiradas espontâneas dele, na sua bondade e retidão. No seu amor pelos meus irmãos e sobrinhos. Parecem irmãos dele, de tanto que os acolheu desde os primeiros anos...

O amor aparece nos dias em que não quero papo, cansada e chateada com algo externo. Chata, briguenta, irritada e irritante, essa sou eu em alguns dias.
O amor? Ele suporta.
Por que?
Porque ama.

São quase 24 anos juntos, entre namoro e casamento.
Posso dizer que foram muitos momentos de irritação, muitas brigas (se é que posso chamar de briga já que só eu discuto...), momentos em que o amor passou pelo fogo da provação.

Mas são incontáveis e muito mais numerosos os momentos de leveza. Até na dor o nosso amor tem leveza, tem essa coisa linda que a gente não define mas que sente tão intensamente...

Amor firme, sem a perfeição impossível, sem exigências irrealizáveis... leve...
Tem que ser bom de viver, suave, gostoso, leve, sempre...
Se não fosse leve não seria amor.
Não é?


Blogagem Coletiva Cotton Line: O Amor é Leve como Algodão
Essa Blogagem Coletiva é uma iniciativa da Cotton Line em parceria com os blogs:

Cozinha do Quintal
Mãe Vaidosa
Ariane Baldassin
Dona Maricota Feliz
Estilo Próprio

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

21 comentários , comente também!

  1. Que linda postagem amei, tenha uma semana abençoada.
    Blog:http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/
    Canal:https://www.youtube.com/watch?v=DmO8csZDARM

    ResponderExcluir
  2. Elaine, esse é o amor de verdade, que suporta o que não lhe agrada, porque o amor é muito maior que a vontade de ser perfeito...
    Quando há amor, as diferenças são resolvidas pelo casal, ninguém vai buscar fora o que lhe falta, mas vai compreender que ninguém é perfeito, que acima de qualquer descuido que se possa ter, existe a retidão de caráter, a responsabilidade, a cumplicidade e a bondade, que valem muito mais que qualquer presente!
    Como sempre você prepara textos especiais, felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria Teresa, muito obrigada!
      beijosss, feliz semana nova!

      Excluir
  3. Que fofo, Eliane!!! Marido tb não me deu presente... pedi de presente a vitória do Palmeiras... ele tb não podia me dar pq é corinthiano... roxo!!! Pensa na cara do coitado, quando pedi este presente??? Mas né... ganhei meu presente mesmo assim!!!kkk
    Beijos querida!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrrs dá cá a mão, esses maridos (mas o teu é pior, corintiano???? rsrsrsrsr)
      Minha cunhada é corintiana, meu cunhado, sogro e outro cunhado, palmeirenses.
      Não é fássil rsrsrsrs

      Excluir
  4. Que postagem linda!! Eu também não ganhei presente, mas meu marido estava lá, do meu lado, enquanto eu estava doentinha... isso é o verdadeiro amor!
    bjs pra você

    Amor por Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Renata!
      E pra ser franca, também não dei presente rsrsr
      Você deu? rsrsr

      Excluir
  5. Oi Lindona,
    Que lindo o seu post.

    Tenho o mesmo pensamento que você, nossa vida não é como no facebook. Até o amor se irrita de vez em quando. E, assim como você, eu tb não passei um "final de semana dos namorados" muito feliz. Mas pelo mesmo amor relevamos...
    Também não ganhei presente, mas dei... tentei fazer uma surpresa romântica com uma lingerie bonita, mas meio que dei com meus burros n'água pq achei que o namô teria uma reação diferente, mais impactante e não foi nada do que eu imaginei que seria. Acho que criei expectativas d mais.

    VIvendo e aprendendo, afinal estamos juntos somente a quase 1 ano... mas tenho uma pequena experiência de 10 anos convivendo com uma outra pessoa (ex marido)... cada um tem uma reação diferente.

    Ai, desculpa desabafar... só queria dizer que achei lindo mesmo o que você escreveu.

    Uma semana abençoada pra ti!
    Beijos,
    A Mãe da Estela.

    Mas melhor deixar pra lá, né mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriella, tem uma coisa que minha amiga Lupiza diz: crie um unicórnio, crie um pato, crie um javali mas não crie expectativas rsrsrs
      Bem verdade, a gente em geral se frustra. Já me aconteceu algo parecido e foi ruim, mas sabe?
      A outra pessoa não tem como adivinhar o que a gente gostaria que ocorresse...
      Uma dica? Fale com ele, diga o que sente.
      Nem sempre resolve mas quem sabe...
      Né?
      beijossss

      Excluir
  6. ah, que maravilha ler esse texto...me lavou a alma.
    hoje cedo me aborreci com uma coisa e por mais que não quisesse acabei ficando chateada, mas lendo esse texto realmente as vezes esquecemos da imperfeição do amor, achamos que a vida tem que ser um mar de rosas, que o outro tem que ser o mocinho da história sempre quando nós também somos imperfeitas...amei! bjossss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Wilma, a gente se aborrece mesmo, e isso nunca deixará de acontecer.
      Mas assim como nos chateamos o outro certamente se chateia também.
      amar, muitas vezes, é deixar passar a chateação.
      Né?
      beijossss

      Excluir
  7. Que esses esquecimentos dure por muito e muitos anos...porque o principal vocês já possuem,o Amor.
    Continuem cultivando a felicidade,vocês merecem.
    Beijo no coração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdae, Maria das Graças, verdade!
      beijossss

      Excluir
  8. Elaine,
    Que linda declaração de amor, que bom que apesar de todas as agruras vocês consigam ser "a tampa certa da panela certa" (dito de minha avó que fosse viva teria cento e muitos anos ... mas cada frase acertada tinha ... os anos de criança que vivi perto dela davam para um livro ... senhora com oito filhos que enviuvou pouco depois de ter sido mãe pela última vez e foi aí que se tornou minha avó ... pois a última foi minha mãe ... a esta hora estão juntas lá no céu). Poucas temos a sorte de encontrar um amor assim, então sejam muito felizes.
    Aqui de Lisboa beijos
    Júlia Albuquerque Vieira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Júlia, a tampa da panela... faz uma vida que não ouço essa expressão!
      Define bem, né?
      beijossss

      Excluir
  9. Oi Elaine! O amor é humanamente imperfeito, só o afeto (mútuo) e companheiro faz uma relação valer a pena, mesmo que um dia acabe o fogo da paixão. vida londa ao casal!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Ah, esqueci de comentar: Gilmore Girls é uma delícia de assistir, leve como o amor deve ser.Não vejo a hora de sair os episódios novos, chorar e rir!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dalva, acredita que eu nunca havia assistido?
      Claro, vi no SBT anos atrás um ou outro episódio, mas só depois de ler sobre o revival é que me interessei.
      Terminei a primeira temporada, faltam 6 rsrsrsr
      Sim, ri e chorei, tô amando!!!
      bjssss

      Excluir
  11. Meus pais têm 63 anos de casado - uma vida. Nunca vi eles brigando, enquanto eu era criança e até adolescência. Quando adulta, percebi que, como todo o casal, eles tinham muitas diferenças. Mas, ainda hoje há muito amor envolvido.

    ResponderExcluir
  12. Elaine, estou atrasadinha na leitura deste leve e lindo texto.
    Sua doçura e sinceridade em mostrar o real amor me encantou.
    Beijocas.

    http://escritoradeterminada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…