O que é preciso saber antes de adotar um cachorro?

em 15 de janeiro de 2016


Contei em meu perfil do Facebook mas ainda não havia contado aqui  no blog: adotei um Bloguinho.
Outro, Elaine?
Sim, mas esse é com pelos que se espalham pela casa, 4 patinhas, uns dentinhos afiados que roem almofadas, ração, chinelo, roupa e dedos... e um olhar meigo que derrete o coração da gente.
Esse Bloguinho:

Tão pequeno que o travesseiro parecia enorme...e sujinho...

Crescido, lindo, com o mais doce olhar...


Cachorro ou boizinho?

Sou lindo: sim ou com certeza?

O nome foi dado pela Fernanda Reali, achei tão fofo que não teve jeito: nasceu um Bloguinho!
Apareceu numa noite de chuva, tão pequeno que nem dentes tinha... sujo de barro, cheio de vermes e carrapato, foi amor à primeira vista... um amor que não estava nos planos, de jeito nenhum...

Tenho 3 fêmeas, então adotar um macho não foi decisão simples.
Ele será castrado assim que atingir a maturidade e sarar da doença do carrapato (está em tratamento, o mesmo que descrevo aqui: Como lidar com a doença do carrapato?)

E pensando nisso, nas coisas que a gente precisa saber antes de adotar um cachorro, resolvi compartilhar com você um pouco da minha experiência.

12 anos de gostosura...


Cachorro é bom, mas dura...

Antes de mais nada eu preciso dizer que a gente só deve se comprometer com um cachorro (falo cachorro mas quero dizer qualquer animal, tá?) se tiver certeza.
Não é algo que eu quero hoje e daqui 1 ano enjoo e desisto.
É algo que pode durar anos; minha Menininha, por exemplo, está comigo há 12 anos e espero que fique muitos mais.

Há abandonos demais, e isso é muito cruel!
Recentemente apareceu aqui em minha rua, na mesma semana que adotamos o Bloguinho, uma cachorrinha adulta, linda, peludinha, pequeno porte, recém parida.
Algum filho da puta (sem querer ofender as putas) a colocou na rua e muito provavelmente jogou fora filhotinhos que ela dera à luz. As tetas cheias de leite, um sofrimento.
Ficou uns dias e graças à Deus foi adotada por um vizinho 4 casas acima da minha.


Também acredito que não dá pra romantizar e achar que o cachorrinho adotado será tão grato que se comportará como um anjo, em especial quando é filhote.
Aquele bebezinho lindo vai sim destruir algumas coisas antes de crescer, e em alguns casos pode destruir coisas mesmo depois de adulto.
Bloguinho já destruiu almofadas, um edredon, arrancou plantas como se fosse um roceiro, comeu minha violeta (chorei nesse dia), roeu a ponta do tapete da sala, roeu o canto do sofá e hoje descobriu que se arranhar com determinação a tinta do piso sai.
Ou seja: ele é filhote e filhote é arteiro. E olhe que ele está em tratamento contra a doença do carrapato...
Então, acredite: paciência é a chave, como aliás para tudo na vida, né?


Oi eu sou gordinho e muito feliz.Sou o Bloguinho...
Publicado por Elaine Gaspareto em Segunda, 16 de novembro de 2015


Quanto custa adotar um cachorro?

Falando em doenças, me lembrei dos custos.
No dia seguinte à adoção do Bloguinho ele foi à veterinária, tomou a primeira dose da vacina V12  e fez uma checagem geral.
Ainda assim, 30 dias depois, teve febre, corremos na vet e ele fez exame clínico e de sangue.
Foi confirmada anemia, que ele provavelmente trouxe da mãezinha dele e a febre do carrapato.
Mais gastos com remédios, exames, etc...
E ainda faltam 2 doses da vacina, mais a vacina anti-rábica.
E todo ano tem que tomar.
Ou seja, prepare o bolso.
Sem contar a alimentação.

E, amig@s, como come essa criança!
Aqui em casa são cães em idades e situações  diferentes e portanto, a ração é diferente para cada caso: a Menininha tá de dieta e come ração light, Princesa e Espoleta ração normal e Bloguinho ração de filhote (mas como as outras se conseguir acesso...)



A difícil arte da adaptação

Espoleta, mais mansinha não há... mas valente que só...

Além dos custos tem outros fatores: aqui em casa Menininha só aceita a Espoleta.
Vive, portanto, separada dos mais novos. Vivemos juntas, ela passa o dia comigo em meu home office (sim, migos, eu tenho um escritório!)
Coloquei um portãozinho entre a sala e o resto da casa, igual se tivesse escada e criança pequena, sabe?
Então tem uns stress de vez em quando: ela quer sair, eles querem passar pelo portão, tem dias que é tenso.
De novo, paciência.

E como Menininha é muito apegada comigo raramente fico na sala, porque me dói deixa-la sozinha, ela deita ao lado do portão e me espera, em silêncio... vou olhar e ela tá roncando no piso frio, me esperando... #sofro rsrsr
Até na porta do banheiro ela me espera, e se tem chance, entra comigo...

Então, adaptação pode ser complicado.
E não, não adianta forçar. Há cães que nunca aceitarão um novo membro...
Já tive, no passado, que separar brigas ferrenhas, parecia que valia o cinturão dos pesos pesados do UFC...



Cada caso, uma personalidade


E, finalmente, algo que a gente precisa saber antes de adotar um cachorro: embora tenham similaridades, cada cachorro é único.
Tive muitos e muitos ao longo da vida e nunca achei dois iguais.
Claro, sempre tive viralatas, jamais comprei (não compre, por favor... os abrigos estão lotados...) então não sei se cães de raça são mais iguais, mas minha experiência diz que cães são como pessoas: cada um é um, e tem personalidade própria...
Então, esteja preparado para amar.


Via de regra um cachorro, quando elege seu dono, ele se adapta.
Acho incrível como Menininha se parece comigo: chatinha, quieta, gordinha, amorosa ao extremo com quem ela ama, brava quando a perturbam, detesta barulho, não gosta de calor e não gosta de ser apertada/agarrada/beijada/perturbada.
E Princesa, como se parece com Erdilan: animada, feliz, divertida, faz amizade fácil, se dá com todo mundo, todos os vizinhos conhecem, e ela conhece todos. E é ciumenta com os que ela ama. E sempre tá a fim de passear, faça sol ou chuva...

Mas até que essa identificação aconteça 'é preciso amar seu cachorrinho como se não houvesse amanhã...'
Acredite em mim, vale muito a pena.
Não há nada em minha vida que valha mais a pena do que o tempo, o amor, os cuidados e os gastos que tenho com eles.
Há tanto amor envolvido... e sim, eles me fazem querer ser melhor.

Quero muito ser a pessoa que eles acham que eu sou: confiável, responsável, digna de ser amada, digna de ser respeitada. Alguém com quem eles podem contar em qualquer situação...
Porque é isso que seu cachorro acha de ti.
Tem como não amar quem vê a gente assim, pelo melhor ângulo possível?




Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

8 comentários , comente também!

  1. Oi Elaine,o meu Rico que peguei na rua parece com o seu Bloguinho,parece até o mesmo de tão parecidos que são,a mesma cor e manchas. Eu tenho 2 cachorros e 2 gatos,todos de rua,cada um com personalidade diferente. São bonzinhos,os daqui eu ensino desde pequenos então não sobem em sofá e não estragam nada,mas o Tom(gato) e o Rico,gostam de fazer coco e xixi em lugares errados rsrsrs,tem que ter paciência para ensinar. Bjss.

    ResponderExcluir
  2. Elaine,
    Sem dúvida, adotar um animalzinho além de ser um ato de amor requer muitas responsabilidades com a saúde e bem-estar dos bichinhos.
    "Coisa rica di Bloguinho" ;) rs rs Um fofo!
    Parabéns pelo amor, carinho, dedicação e respeito que trata seus filhinhos!
    Beijos com carinho e ainda mais admiração!

    ResponderExcluir
  3. O meu duke tem 15 anos e já tá sofrendo os problemas da idade este ano deixei até de viajar para ficar com ele,faço o que posso por ele mas tem gente que acha que bicho quando da trabalho é só abandonar,muito triste não é?

    ResponderExcluir
  4. Adorei esta postagem! Me identifiquei muito com tudo o que escreveste. Tenho 17 cães e 6 gatos, todos, sem exceção, foram abandonados por alguém e acabaram chegando até nós. Gosto de ver alguém que pensa como eu, com relação aos animais e adorei quando pediste que não se compre animais. Feliz vida nova ao Bloguinho!

    ResponderExcluir
  5. Adorei o seu post, pois também amo cachorros e tb adotei um há 2 anos...é o amor da nossa vida, SE CHAMA Pitoco, pois nasceu pitoco...rs Ja comeu de td um pouco aqui em casa, mas o que mais gosta é de tapete de crochet, ontem subiu na mesa e comeu minha flor de plástico...mas eu o amo. Te desejo muitas alegrias com seu Bloguinho & companhia...bjs!

    ResponderExcluir
  6. Oi Elaine:
    Como dissestes cada cachorro é único. tenho duas da mesma raça e não tem nada haver uma com a outra. E quero assim amá-las cada uma do seu jeitinho, sendo uma quietinha e a outra arteira. Por causa de suas características cada uma me cobra de um jeito e eu entendo. Um amor imenso diferente para cada uma.

    ResponderExcluir
  7. Que saudades de bater papo contigo. Saudade destes papos mais pessoais e com sentimentos.
    Animal não tem botao de desligar como muita gente imagina. Cansou, deu trabalho desliga e guarda. Uma coisa que tem me chamado atenção é o numero de Chow Chows que tenho visto pela rua (e vai aumentar). O cachorro é lindo, o filhotinho fofo mas a manutenção é cara. Caríssima
    Em dezembro foi encontrado um em situação precária, numa noite chuvosa, com duas patas aparentemente quebradas. Uma alma iluminada conseguiu resgatá-lo, levou ao vet e a possivel fratura das patas se revelou sintomas neurológicos de Cinomose. Com certeza o filho da puta (que me perdoe as putas, que não abandonam animais por aí)do dono não vacinou (filhadaputisse 1) e quando o animal adoeceu com sintomas graves jogou o bicho no mato para morrer a míngua (filhadaputisse elevada à vigésima milésima potência)

    ResponderExcluir
  8. Oi Elaine,
    Amei o post, pois é sensivel e realista.
    Sempre tive cães de raça com pedigree, até que adotei uma cachorra paraplégica que iria ser sacrificada, depois disto entendi que existem bichos que precisam de mim. Hoje tenho um cachorrinho adotado e 6 gatos, todos adotados também. Não pretendo mais comprar nenhum amigo, pois amigo não se compra, se adota, se aceita.
    O Bloguinho é muito lindo.
    Bjs

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…