Agosto 2015 - * Blog Elaine Gaspareto *

Esclerose Múltipla: não tão rara, mas ainda coberta de preconceitos e desinformação

em 30/08/2015


Hoje, dia 30 de agosto, é o Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla.
Não sabia?
Nem eu. Simplesmente porque, até janeiro de 2013, isso não me interessava em nada.

Mas no começo daquele ano tudo mudou, e eu me tornei a maior especialista leiga que conheço em EM. Por causa do diagnóstico do meu marido.
Contei aqui no blog (relembre) como foi o diagnóstico, a adaptação e ao longo do tempo fui falando mais um pouco.
Mas nunca falei tudo, nem cheguei perto disso porque optei assim.
E, acredite em mim, se fosse falar tudo daria um blog só pra isso.

E sim, tem alguns blogs que passei a acompanhar que falam quase que exclusivamente sobre EM.
Eu acho isso uma coisa muito boa, porque ao menos para nós aqui em casa, ler blogs foi o que mais ajudou na compreensão real da doença.

Claro que os médicos do HC são maravilhosos, e Deus sabe o quanto eu os enchi de perguntas, muitas, todas, várias... mas ler os relatos dos blogs de portadores de EM, em linguagem simples e fácil de assimilar, fez toda a diferença pra mim.


Esclerose Múltipla, personagem de novela?




E agora a doença chega ao horário nobre da televisão aberta.
Estreia na segunda a nova novela das 9, e o protagonista será diagnosticado justamente com EM.
Seria uma coisa boa, né? Conscientizar as pessoas sobre o que é e principalmente sobre o que não é a doença, falar dos sintomas, explicar para uma grande parcela da população como a doença age, educar de fato, facilitar diagnósticos, eliminar preconceitos...

Seria... mas todo mundo sabe que ser correta em suas abordagens não é exatamente o forte da televisão aberta no Brasil, né?

Tenho muito medo de que o personagem retratado na novela preste um desserviço em relação à conscientização sobre a doença; fico preocupada que informações erradas sejam colocadas na boca de personagens e assim cheguem ao grande público, que pode acabar comprando situações fictícias como verdade absoluta.
Li na coluna do Extra que o personagem  "à beira da morte" vai se reconciliar com a mãe.
Pronto, já acendeu a luz amarela porque não, não se morre de EM, se morre com EM...

Claro que não podemos fazer nada, só torcer. E as associações médicas precisam ficar de olho, não deixar que informações erradas sejam propagadas como verdades absolutas.
Torcer para que não sejam difundidas mentiras, meias verdades, charlatanismos, informações falsas ou alarmistas sobre a doença.
Diagnóstico correto, tratamento permanente e acompanhamento constante, isso é o que ajuda de fato.


Falando em informações corretas, claras e acessíveis, veja o vídeo abaixo.
Ele é muito didático e ajuda a entender relativamente bem o que a doença causa.
Veja o vídeo, é importante:




Sabe, gente querida, um desabafinho:
Não é a coisa mais simples do mundo lidar com uma doença assim, mas não é a pior coisa que pode acontecer à alguém. Não mesmo.
Acredito que poderia ser muito pior... e não é.

A gente tem a tendência de acreditar em recompensa e castigo. Coisas boas que nos acontecem seriam merecimento, e coisas ruins como uma doença dessas, seria castigo.
Eu, depois que vi meu marido passar por tantas coisas, sendo ele a pessoa que é, a mais doce e gentil das criaturas, o cara mais gente boa, mais amigo e mais simples do mundo... deixei de acreditar em merecimento e castigo.
Isso não existe.

O que existe é um corpo humano, frágil, que adoece. No caso da EM não há prevenção. Não há contágio.
Pode atingir a pessoa legal, pode atingir a pessoa má. Pode acometer eu e você.

Também não acredito em eventos milagrosos, isso não é assim. Francamente acho desrespeitoso quem nos aborda com simpatias, "vai em tal pastor", "vai em tal centro", "reza pra tal santo"...
Também acho desrespeitoso quem diz que "se fizer o tratamento direitinho logo ele tá curado, tem que ter fé". Não é caso de fé, é caso de humanidade. Somos humanos, por isso adoecemos.
Se fosse caso de fé não haveria santos que viveram doentes, ou mortos... estariam todos vivos, vendendo saúde.
Então seria bom parar de falar daquilo que não conhece... sempre digo isso para quem me aborda com coisas assim... é aflitivo e faz mais mal que bem, ainda que a intenção seja a melhor possível...

Não, não há cura. Há tratamento, e quanto antes a gente aceitar as coisas como elas são, melhor.
Acredite no que eu digo, realismo e pé no chão são o caminho.
Tratamento sério, acompanhamento, alimentação equilibrada, estado mental saudável.
Não há cura, simples assim.
Mas há o milagre do tratamento existir.
Se fosse há alguns anos não existiria, então 'tamo' no lucro!

Acredito em milagre sim, estar vivo é o milagre.
Ter descoberto a doença tão rápido, é o milagre.
Ter tratamento de ponta, gratuito, é milagre.
Existirem remédios para tratamento é o milagre.
Deus é mesmo maravilhoso... tantos milagres, todos reais e ao nosso alcance.
Né?

QUERO LER O POST COMPLETO

Nhoque com molho rosé, presunto e champignons

em 28/08/2015


Nhoque com molho rosé, presunto e champignons

Você sabia que há uma tradição muito interessante, que sugere comermos nhoque todo dia 29, de cada mês?
É o Nhoque da Fortuna, e muita gente ama esse ritual!
Clique aqui e leia um pouco mais sobre o ritual

Quer experimentar essa receita e fazer amanhã, dia 29?
Mas, claro, pode ser feito em qualquer dia, num almoço de domingo por exemplo...
Fazer (e comer) uma comida gostosa, com capricho e carinho, é um afago tanto pra gente quanto para quem amamos, não é?

Vamos fazer que é simples?


Massa:
1 ovo inteiro
1 gema
100g de queijo parmesão ralado
1 xícara de farinha de trigo aproximadamente
1 quilo de batata rosada (também conhecida como asterix), essa daqui:


(Se você não tiver, pode fazer com a batata comum, só que ela tem mais água. A dica é colocar no forno por 10 minutos depois de cozida, ou acrescentar mais farinha no preparo.)

Lave bem as batatas e coloque para cozinhar em bastante água fervendo, com casca e tudo. Pode tampar a panela e deixar uns 15 a 20 minutos. Quando estiver macia, escorra bem e passe em água fria, isso vai ajudar a retirar a casca. Passe pelo espremedor e reserve.

Coloque uma panela grande com água para ferver, adicione uma colher de sopa rasa de sal.

Agora, pegue as batatas amassadas e acrescente o ovo, a gema, o parmesão e a farinha aos poucos. Comece amassando com um garfo e depois com as mãos. Não é para sovar como pão, viu? Apenas junte a massa delicadamente até que ela fique homogênea. Acrescente a farinha aos pouquinhos.

Abra porções da massa, faça rolinhos e corte os nhoques. Coloque os nhoques na água fervendo e assim que subirem, estarão prontos. Recolha com uma escumadeira e coloque em uma travessa, já com um pouco de molho quente. Vá intercalando nhoque e molho. Não faça uma camada muito grande, isso pode amassar os nhoques. É preferível fazer mais de uma travessa ou servir os pratos individualmente.

Molho Rosé
1 colher de sopa de manteiga
1 colher de sopa de farinha de trigo
1 litro de leite quente
sal, noz moscada, salsinha a gosto
1 xícara de molho de tomate pronto para finalizar
1 colher de sopa de catchup se gostar

Aqueça a manteiga em uma panela em fogo baixo. Coloque a farinha e mexa rapidamente, até que ela seja absorvida pela manteiga. Comece a colocar o leite, devagar, mexendo sempre para não empelotar (se isso acontecer, passe o molho por uma peneira). Aos poucos o molho vai engrossar. Adicione o molho de tomate e o catchup e misture bem. Mantenha o fogo de médio para baixo e continue mexendo por um ou dois minutos. Tempere com sal, noz moscada e salsinha (reserve um pouquinho para polvilhar no prato).


Na hora de servir, coloquei o molho e depois algumas tirinhas de presunto e alguns champignons fatiados, reguei com muito azeite, que eu adoro. Você pode complementar com o que quiser e tiver à mão, como frango desfiado, sobrinhas de bacalhau cozido, salmão, atum, legumes, até um pouco de carne assada desfiada ou moída, ou apenas com bastante parmesão e um fio de azeite.
Pode usar um molho só de tomate que também fica ótimo. Ou seja, dá para inventar!

Pode congelar as bolinhas de nhoque em uma forma polvilhada com fubá. Depois que estiverem congelados, recolha e ensaque. Não congele pronto com molho, pois acaba virando um tijolo só, já que o molho é à base de farinha também.

Dica para nhoques bem amarelinhos: use um pouco de açafrão da terra em pó misturado com a farinha de trigo. 

Sirva e aproveite, porque é bom demais!

Encontre a Paula Mello:
Blog Cozinha do Quintal
Loja virtual Cozinha do Quintal
Fanpage do blog


QUERO LER O POST COMPLETO

Galeria de postagens recentes com miniatura de imagens e links de navegação

em 26/08/2015


Uma das formas que a gente pode usar para manter o leitor por mais tempo em nosso blog é entregar para ele os links de nossos outros posts, sejam os posts relacionados ao que ele está lendo, seja os posts mais comentados, as postagens mais vistas ou os posts mais recentes.

O tutorial de hoje mostra exatamente isso, uma galeria moderna e interessante que mostra os posts recentes do blog mas com links de navegação no rodapé do gadget.
Olha o print:

É bem simples de instalar e todo mundo vai conseguir fazer; basta ler o código com atenção até se certificar de haver entendido e caprichar na personalização.
Vamos lá?

Instalar a galeria de postagens recentes


Para começar, vá ao painel de seu blog e clique na aba Design (ou Esquema, se você estiver em Portugal).
Clique em Adicionar um gadget e escolha a opção HTML/JAVASCRIPT.
Dentro da caixa que expandir cole este código:


Copiar o código


Deixei marcado no código tudo que você pode editar: cor de fundo, cor de borda, tamanho das miniaturas, etc.
Tudo que está compreendido entre <style> e </style> pode ser alterado para personalizar a aparência de sua galeria.
É opcional, mude se desejar.
Mas o campo ENDEREÇO DE SEU BLOG  é obrigatório, ok?

Coloque título em seu gadget, se desejar, altere os campos que definem cor, fundo, borda, etc, insira o endereço completo de seu blog no campo que destaquei em capslock, salve e arraste para onde deseja que fique.
Salve as alterações do layout de seu blog.

Se você fez tudo certo sua galeria estará como no meu exemplo. Veja:


Demonstração do tutorial

Dicas extras

1- É importante ler o código para entender o que cada linha faz. Acredite em mim, é muito mais simples do que parece, e faz muito sentido cada coisa que está ali.
2- A fonte dos títulos vai seguir o padrão de sua sidebar.
3- Todas as cores (fundo, borda, fonte, etc) são definidas pelo código hexadecimal da cor, precedido do sinal #. Para alterar a cor altere o código.
4- Aqui tem uma tabela de códigos de cores.
5- Não mexa no código do script; só mexa ali se dominar mesmo códigos. Acredite, eu mexi e foi tenso...
6- Eu coloquei as explicações, testei em 5 blogs diferentes, traduzi os comandos, retirei algumas linhas que davam erro, gastei uns 3 dias no total pra deixar o código assim, rodando sem erro, fácil de entender e usar. Ele funciona, se fizer como estou dizendo.
7- Então, não tenha preguiça de ler com calma, editar o básico e fazer com paciência.

    Gostou do tutorial?
    Clique em Curtir/Compartilhar ou recomende no G+.
    Assim o tutorial pode chegar à mais pessoas e ainda, de quebra, você me deixa feliz...

    QUERO LER O POST COMPLETO

    Meu kit básico para fazer as unhas

    em 25/08/2015


    Oi, gente!
    Como vão vocês? Hidratando muito as mãos, unhas e cutículas?
    Por aqui as coisas estão meio corridas, confusas e até difíceis, mas desistir não faz parte do jogo!
    Hoje eu vim falar sobre Kit Básico para fazer as unhas.

    Este post foi motivado pelas respostas de vocês ao Formulário que eu deixei no post anterior, onde mostrei como fazer o seu próprio kit para hidratação das unhas.
    Até o momento em que comecei a editar este post, a maioria das pessoas que respondeu, assinalou que faz as próprias unhas. Entretanto, as informações que eu vou deixar aqui servem para as manicures também.

    É preciso lembrar que aqui neste post eu vou focar apenas no kit.
    Cada processo de uso de cada um dos itens deve ser detalhado, se necessário, num post futuro, tá certo?
    Então vamos lá:

    Utensílios para cuidar das unhas

    Seus utensílios para fazer as unhas têm que ser do seu uso exclusivo. Isso é imprescindível, apesar de parecer óbvio e dispensável falar sobre isso.
    Compartilhar utensílios de manicure pode contribuir para que a pessoa contraia Hepatite.

    Eu encontrei um texto muito bom que reforça o porquê desta necessidade e vou deixar o link pra o post na íntegra, mas vou colar trechos dele aqui para fundamentar o que estou propondo. Sim, tudo que eu coloco aqui são proposições e não regras...Mais uma vez vou insistir : "Seu Corpo, suas Regras"!

    "[...] O vírus [da Hepatite] B é cem vezes mais infectante que o da aids. Tem a capacidade de permanecer vivo em superfícies por até sete dias. A pessoa infectada é capaz de viver décadas sem notá-lo. A mulher que contrai o vírus B na manicure pode transmiti-lo ao parceiro se não usar camisinha nas relações sexuais. A transmissão sexual do vírus C é controversa e rara, mas os especialistas dizem que ela também pode ocorrer. [...]"

    "[...] Os vírus têm um único objetivo neste planeta: crescer e se multiplicar. Para cumprir essa missão com eficiência, é preciso infectar as pessoas sem matá-las rápido demais. Quanto mais tempo o hospedeiro sobreviver e espalhar a praga, mais descendentes os vírus colocarão no mundo[...]"

    A íntegra do texto, que é tão esclarecedor como assustador, está aqui: "O Mito da Mulher Limpinha".

    Bom, partindo do princípio de que você tem seu Kit exclusivo, sigamos adiante.
    Vou colocar aqui o que contém o meu Kit Básico, aquele em que se faltar algum dos itens, não vou conseguir fazer as unhas direito...
    Com o tempo fui aprendendo alguns truques, adquirindo conhecimentos e até "forjando" ou customizando utensílios adicionais que pretendo mostrar aqui oportunamente.

    Hidratar: o ideal é que você já tenha incorporado a hidratação das cutículas à sua rotina diária. Hidrate com  um creme da sua preferência, que você deve esperar que seja absorvido pela pele.


    Lixar as unhas: mesmo que ainda não tenha removido o esmalte. Eu lixo as minhas unhas com elas ainda pintadas, porque isso ajuda a escolher/manter o formato que eu desejo dar a elas.
    Observação: Eu "não sei" cortar minhas unhas com tesourinha ou cortador... das vezes que tentei, saiu tudo torto ou cortei uma de cada tamanho... e ao acertar com a lixa, elas ficaram bem mais curtas do que eu desejava. Por isso eu uso a lixa semanalmente para mantê-las sempre no tamanho desejado.


    Se você corta as unhas antes de lixar, é claro que uma tesourinha e/ou um cortador vão fazer parte do seu kit essencial.
    Eu uso tesourinha apenas para cortar as unhas quando elas  - Deus me Livre - quebram.

    Evite as lixas comuns, feitas de papelão e "areia" - Elas são muito abrasivas, formam microfissuras na ponta da unha, facilitando a descamação e a quebra. Além disso, duram muito pouco, geralmente estarão inúteis após o quarto ou quinto uso. Por determinação da ANVISA, nos salões de beleza, as lixas devem ser descartáveis ou laváveis e esterilizáveis.





    Existem as lixas de metal, que são basicamente feitas de uma "lâmina" texturizada, cujas fissuras é que vão "desgastar" as unhas. São mais duráveis, podem ser carregadas na bolsa sem que se quebrem.
    A de metal é melhor indicada que a de areia, porém há que se ter um cuidado extra ao usá-la, porque ela não é tão flexível... não devemos empregar muita força ao usá-la.


    Lixas de Vidro: São um pouco mais caras, mais frágeis e relativamente difíceis de se encontrar. São finas e pouco abrasivas. Não produzem aquele pozinho nem deixam sobras esbranquiçadas junto à lâmina das unhas.



    Lixa Acrílica Lavável: Feita com grânulos de acrílico, pode ter um ou mais graus de abrasividade em cada face. 
    A maioria das lixas acrílicas pode ser lavada (quando for comprar, verifique as instruções na embalagem) com escova macia, água e sabão. 
    Elas devem secar bastante antes de serem guardadas, para que durem mais. 
    Eu tenho várias lixas de vários tipos, mas aquelas que eu mais uso são essas três aqui:




    A última lixa da foto, parecida com um bloco, é para polimento e eu a uso nas pontas, para retirar qualquer resíduo que possa ter ficado depois do processo de lixamento. Eu não gosto de usar lixas polidoras na superfície da unha. 
    O polimento constante da superfície da unha pode enfraquecê-la. 
    Use com muita moderação.

    Reforçando que eu só posso recomentar o que testei e aprovei, tá? Se você já tem a sua marca e tipo de lixa preferidos, por favor, use-os!

    Espátula (Metálica e/ou Plástica): Já falei aqui no Blog da Elaine sobre o uso da espátula neste post
    Esta ferramenta serve para empurrar delicadamente a cutícula depois do uso do amolecedor ou do removedor de cutículas.

    Eu uso estas duas, a de metal e a de plástico


    Esta ponta "colher" para empurrar as cutículas...


    ... E esta "afiada" eventualmente para remover algum excesso de pele mais teimoso - Para isso é indispensável o  USO DO REMOVEDOR DE CUTÍCULAS - Se você só viu este post meu, então... é preciso que você dê uma olhada neste aqui, onde eu falo sobre os removedores de cutícula que dispensam o alicate. Esta ponta da espátula pode ajudar quando você não encontrar a cureta, sobre a qual eu falei no mesmo post que linkei neste mesmo parágrafo.

    Importante: se você vai começar a usar a espátula agora, recomendo que comece pela de plástico - eu lixei e arredondei a ponta cortante da minha, para evitar acidentes...

    Palitinho: Usado para limpar os excessos de esmalte durante e após a esmaltação.

    Os mais conhecidos são o de "laranjeira" e outros tipos de madeira  - Nos salões, a ANVISA determina que eles sejam descartáveis, ou de metal esterilizável.
    Eu já usei uma infinidade de tipos de palitinhos. E acabei por eleger dois como favoritos:

    O de osso para retirar o excesso enquanto aplico o esmalte:



    E o de madeira para limpar a pele depois que aplico o esmalte:

    Estes são os meus:


    O escuro é de madeira e o outro é de osso.

    É importante frisar que eu moldei a ponta do palito de osso (lixando e polindo)  para que ela ficasse menos afiada e menos contundente - É ele que eu uso para limpar o esmalte "molhado" - enquanto pinto as unhas.
    O de madeira eu deixo com a ponta mais fina para que eu posa limpar bem os cantinhos com algodão e removedor de esmalte /acetona.
    Existem palitos de Metal também, com a ponta texturizada para que o algodão se enrosque nela. Estes são laváveis, desinfetáveis e esterilizáveis.

    Cureta: Já falei sobre a cureta no post sobre remoção de cutículas, vou apenas relembrar que ela deve ser usada junto com o Removedor de Cutículas, substituindo com eficiência, praticidade, segurança e saúde o alicate. Sim, neste nosso Kit aqui não há nenhum alicate.





    Algodão: Para remover esmalte das unhas e para limpar os cantinhos, juntamente com o palitinho.
    Quanto mais claro (no caso da cor dele ser branca)  e menos "brilhante" o algodão, mais eficiente ele será na hora da aderência ao palitinho e na absorção do excesso de esmalte da unha.
    Acetona/Removedor: Para remover esmalte e fazer o acabamento da esmaltação.


    Eu poderia fazer um outro post sobre a importância da qualidade da acetona numa boa esmaltação. Por hora é importante dizer que o uso continuado de acetona pode ressecar e enfraquecer as unhas.

    Existem "n" marcas de acetona no mercado e existe sim uma diferença crucial entre acetona e removedor de esmaltes - basicamente o removedor agride menos a pele e as unhas.
    Eu já experimentei uma grande variedade de marcas e de acordo com a disponibilidade aqui em Salvador, eu uso essas duas aqui:

    Este Removedor da Farmax


    E este da Beira Alta

    Eu também já pensei que era besteira essa coisa de diferenciar acetona de removedor de esmaltes. Mas foi experimentar um removedor por algum tempo e acontecer dele acabar de repente e eu ter que comprar acetona nesta emergência. Resultado? Cutículas muito ressecadas.  Os removedores  - devemos verificar na embalagem e na composição - contém uma concentração menor    - alguns anunciam até mesmo 0% de acetona - sem que isso prejudique a eficiência deles e trazem na fórmula algum componente hidratante, emoliente, umectante.

    Eu, pelo fato de ter um Blog sobre esmaltes, compro acetona em embalagem de 500 ml (dura um mês) e algodão na embalagem de 500g (dá pra três meses) - São os itens que eu mais uso por conta do número considerável de esmaltações que eu faço para o Blog.

    Base: Outro item que vai render um post exclusivo. Por agora, é importante dizer que você jamais deve passar esmalte direto sobre as unhas. A base prepara e uniformiza a lâmina da unha para receber o esmalte, além de protegê-la de ficar manchada pelo pigmento do esmalte.

    Além disso, existem bases que possuem propriedades específicas de fortalecimento, nivelamento, estimuladoras de crescimento e até aquelas que servem para modificar o acabamento  da esmaltação.


    Base Reestruturadora da Risqué: conseguem ver como eu "borrei" a pele ao redor das unhas com a base, de propósito? Então... Isso facilita a limpeza dos cantinhos quando pintamos as unhas com esmaltes super pigmentados como os "azulões", "vermelhões", pretos e afins. Sujando a pele com a base, o esmalte que porventura sair da unha, vai grudar sobre a base  e não na sua pele, facilitando a remoção!


    Base Fortalecedora de Cravo da Big Universo: eu preciso dizer que sou meio "A Louca" das bases, tenho algumas dezenas de marcas e de funções diferentes aqui em casa. Falou que é base fortalecedora, estimuladora de crescimento, niveladora? Eu quero e, se puder, eu compro!
    Uso muito, sempre, invariavelmente. Não pinte as unhas sem primeiro usar uma base. 
    Isso é redundantemente "básico" !

    Amolecedor e Removedor de Cutículas: bom, seria quase retórico definir/diferenciar os dois... Seria patético de minha parte dizer que o amolecedor amolece e que o removedor remove. São coisas completamente diferentes, mas basta você chegar numa loja de produtos para unhas pedindo o REMOVEDOR, que 9 entre 10 vendedoras vão te trazer o Amolecedor.

    O Amolecedor, nada mais é que um creme hidratante que vai umidificar e amolecer momentaneamente as cutículas, geralmente para que elas sejam empurradas e decepadas/arrancadas/cortadas/machucadas com alicate. Eu usei os verbos propositadamente, para lembrar que eu não uso nem recomendo remoção de cutícula com alicate, e já mostrei aqui que isso é possível e prático.

    Quando eu uso o amolecedor, eu o faço para hidratar a cutícula... antes de aplicar o removedor,
    Eu estou usando este aqui ultimamente... Ele também é ótimo pra você carregar na bolsa e hidratar as cutículas sempre que se lembrar.


    Removedor: faz, juntamente com a cureta, com que o uso do alicate se torne desnecessário - Vou colocar apenas a foto dos que eu uso e nela tem o link direcionando para o post onde mostro os que uso e como usar, Certo?


    Removedores de Cuticula

    Esmalte: Aaaahhhh, esmalte!!! Estou rascunhando um post sobre efeitos, acabamentos, tipos, marcas, tendências, curiosidades... Vai ficar bem especial e lindo, me aguardem!


    Este é o que estou com ele nas unhas. Ele é Holográfico, o meu efeito preferido!
    Quem ainda não conhece ou quer me fazer um carinho extra, pode me visitar lá no Blog onde eu coloco as minhas esmaltações, o Coisas de Menininha! A visita de vocês vai me deixar muito feliz!


    Por hora, vou falar que dentro da infinidade de esmaltes que existem no mercado, é cada vez mais animador ver que as empresas estão se preocupando em retirar da fórmulas as substâncias que podem ser nocivas à saúde ou causadoras de alergia exemplo do Dibutil-Ftalato, do Tolueno e do Formaldeído, a chamada "tríade do mal"... que está presente na maioria das fórmulas de esmaltes.
    São chamados Esmaltes Hipoalergênicos, Toxi Free e os vários dígitos que a gente pode ver por aí antes da palavra Free. Já vi até esmalte que garante que é 9Free - Livre de 9 substâncias nocivas que podem causar alergia ou até doença em que usa esmalte:
    1. Tolueno
    2. Formaldeído
    3. Resina de Formaldeído
    4. Parabenos
    5. Petrolatos
    6. Níquel
    7. Cádmio
    8. Cânfora
    9. DBP
    Alergia a esmaltes é algo que faz parte dos meus mais terríveis pesadelos.  Eu li que a gente pode usar esmalte a vida inteira e um belo dia "acordar" com alergia a eles. Conheço pelo menos 3 amigas que passaram ser alérgicas a esmaltes já bem adultas e tendo usado esmalte por toda a vida. Não quero nem pensar nisso.

    O extra brilho: é um esmalte translúcido, que pode ser incolor ou levemente "roxinho".
    Ele é aplicado como última camada para dar brilho, uniformizar a cor, "matar bolhinhas", acelerar a secagem e aumentar a durabilidade do esmalte, pois forma uma película protetora sobre a esmaltação. Eu não uso muito para fotografar para o Blog, pois gosto de mostrar o esmalte sem nenhum "truque", mas uso extra brilho depois que fotografo para poder ficar com esmalte nas unhas durante a semana.


    Esse aqui é o que comprei por último, usei e gostei bastante.

    Este post se pretendia mais curto, mas creio que "ele" preferiu ser mais explicativo.
    Não sei fazer de outra forma.
    Quando escrevo, gosto de pensar em quem vai ler...
    Vivo disso, é minha vocação, minha profissão.
    Espero que tenha sido proveitoso para vocês.
    Um beijo grande, obrigada pela atenção e até a próxima!


    Encontre a Myriam:

    QUERO LER O POST COMPLETO

    Série Cozinha para iniciantes- Como fazer carne de panela com batata

    em 24/08/2015

    carne de panela fácil

    Aqui em casa carne de panela nunca foi um prato que fizesse muito sucesso porque marido não gostava.
    Mas, depois que ele foi diagnosticado com Esclerose Múltipla uma das coisas que busquei fazer foi reduzir as frituras e "força-lo" a comer mais legumes e verduras.
    Então entrou em cena a carne de panela com batata, que hoje em dia ele ama.
    E esse, querido leitor, é o prato do dia na Série Cozinha para iniciantes.
    Vamos começar?

    Os ingredientes

    Imagem: GettyImages
    Você vai precisar de:
    » 500 gramas de carne de panela;
    » 3 batatas grandes;
    » óleo para refogar (umas 4 colheres das de sopa);
    » 2 cubos de caldo de carne, picanha ou sal, se preferir. Caso opte pelo sal uma colher das de sopa rasa é mais do que suficiente;
    » 1 cebola média fatiada;
    » 2 dentes de alho espremidos;
    » 1 litro de água quente;
    » Cheiro verde bem picadinho, à gosto;
    » 100 ml. de vinho tinto seco;
    » 2 tomates picados;
    » 1 colher das de sopa de extrato de tomate;
    » 1 colher das de sopa de amido de milho;

    Carne de panela começa com a escolha da carne

    A minha sugestão de carne para comprar é o músculo, e aí tanto faz ser traseiro ou dianteiro. É uma carne saborosa, macia e que faz um caldinho tão bom...
    Acém também fica bom, rende um caldo encorpado e muito gostoso.
    Paleta, coxão duro e maçã da paleta também ficam muito bons.
    Apenas sugiro que seja uma carne magra, evitar gorduras sempre é bom.
    Escolhida a carne, corte-a em cubos médios.
    Peça ao açougueiro pra fazer isso, ou faça você mesmo, com uma boa e afiada faca.

    Carne cortada?
    Vamos refogar.
    Aqueça 1 litro de água, e mantenha quente.

    Em uma panela de pressão coloque o óleo, a cebola picada, o dente de alho e deixe dourar, até começar a grudar no fundo da panela.
    A seguir coloque a carne em cubos, e mexa bem.
    Deixe a carne selar, que é aquele estágio onde a carne mudou de cor, e ficou levemente tostadinha.
    Isso é importante, faz com que ela produza um caldinho saboroso e fique com uma cor bonita.

    Acrescente então os tomates picados, o caldo de carne ou sal como preferir, e mexa. Coloque o vinho tinto.

    Cubra com água quente, tampe a panela e conte 30 minutos depois de pegar pressão.
    Enquanto a carne cozinha descasque as batatas (ou os legumes que for usar, explico abaixo) e pique o cheiro verde.

    Após os 30 minutos na pressão desligue o fogo, e espere a pressão sair.
    Se você quiser tentar pode levantar o pino da válvula de contrapeso da panela e apressar a saída da pressão.
    Cuidado porque o vapor que sai dali é muito quente.

    Quando sair a pressão abra a panela e coloque as batatas picadas em cubos médios. Retire uma concha do caldo que se formou, deixe que esfrie e dissolva nele o amido de milho.
    Tampe a panela mas não com a tampa da pressão, use outra ou coloque a mesma tampa mas sem encaixar; não vamos mais usar pressão, ok?
    Volte a panela ao fogo para cozinhar as batatas, e apurar o caldo da carne de panela.

    Quando as batatas estiverem cozidas prove o sal, salpique o cheiro verde e coloque a mistura de caldo da carne+amido de milho.
    Mexa bem, incorpore tudo e deixe no fogo mais uns minutos até apurar e o caldo dar uma leve engrossada.
    Sirva com arroz branco bem fresquinho e uma saladinha de alface com tomate.
    Fica simplesmente perfeito!

    Não só com batatas

    Nessa mesma receita você pode incluir os legumes que quiser, tais como cenoura, chuchu, abóbora, batata doce, mandioquinha salsa, inhame, etc.

    Também pode substituir a batata por mandioca, e nesse caso pode colocar a mandioca para cozinhar na pressão, junto com a carne.

    Se for colocar mais legumes calcule pelo tempo de cozimento, e coloque pela ordem em que eles cozinham, mais ou menos assim:
    cenoura
    batata
    abóbora cabotcha
    mandioquinha salsa
    batata doce

    Entendeu? Coloque primeiro os legumes que demoram mais para cozinhar, e marque um intervalo de 5 minutos entre colocar um e outro.
    Assim todos cozinham por igual, nenhum desmancha e nenhum fica duro.

    Dicas extras:

    • Se não gostar pode tirar o vinho tinto da receita, mas eu acho que faz muita diferença.
    • Caso não goste de temperos industrializados como caldo de carne pode tirar e usar o sal. Mas atenção: ou os caldos ou o sal, senão fica salgado e impossível de comer. Eu prefiro sem os caldos, apenas alho, cebola e sal. Mas reconheço que a praticidade vale a pena e de vez em quando uso sim.
    • Pode experimentar colocar também uma colher das de sopa de molho de soja (shoyo). Eu gosto, mas só de vez em quando.


    Espero que tenha ficado claro, mas se você tiver dúvidas me pergunte e se for possível eu ajudo, tá?
    Bora cozinhar?

    No próximo post vamos fazer sobremesas, 3 bem fáceis pra você começar, tá?
    Vamos ficar assim, bem docinhos...

    *Imagem que ilustra o post
    QUERO LER O POST COMPLETO

    Filme (bom!): The Brave One (Valente)

    em 21/08/2015


    “Eu sou Erica Bain e, como vocês sabem, eu caminho pela cidade.
    Eu reclamo e resmungo, mas eu caminho e observo e escuto...
    Testemunha de toda a beleza e feiura que está desaparecendo da nossa amada cidade.

    Semana passada, minha caminhada me levou às profundezas cinzentas do East River, onde Dimitri Pachencko nada durante as manhas, desde os anos 60.
    Hoje eu caminhei pelos quilômetros de andaimes do lado de fora do que era o Plaza Hotel...
    E eu pensei em Eloise.
    Lembram da Eloise de Kay Thompson?

    Eloise morava no Plaza Hotel, com seu cachorro Weenie e seus pais, que sempre estavam viajando, e sua babá inglesa, que tinha oito presilhas de cabelo feitas de ossos. Essa Eloise!
    A encrenqueira adorável da minha infância!Uma pimentinha....

    Sid Vicious, derramando cerveja dos dentes no Chelsea Hotel. Andy Warhol, com seus óculos escuros… Edgar Allan Poe, libertando macacos vivos das caixas de uma escuna naufragante nas margens oleosas da South Street.
    Histórias de uma cidade que está desaparecendo diante dos nossos olhos.
    Seu povo varrido.
    Então, o que sobrará dessas histórias?

    Nós teremos que construir uma cidade imaginária para abrigar nossas memórias?Porque quando você ama algo, cada vez que um pedaço disso se vai, você perde um pedaço de si mesmo.
    Então, onde Eloise vai dormir hoje?

    Você pode ouvir o seu fantasma, caminhando pelos corredores decadentes do seu amado Plaza, tentando encontrar o quarto de sua babá, perguntando aos trabalhadores, numa voz que ninguém escuta, ‘você viu a minha tartaruga, Skipperdee?’.”



    Não sou cinéfila, em comparação à minha  biblioteca pessoal, a minha videoteca é incrivelmente limitada e meus conhecimentos irrisórios.
    Consequentemente sinto uma leve insegurança quando decido escrever sobre filmes, no entanto quando "The Brave One" ("Valente") começa com esse monólogo de Erica Bain, vivida pela Jodie Foster, senti aquela necessidade de escrever e não consigo me conter.

    "The Brave One" é um de filme de 2007, estrelado por Jodie Foster sob a direção de Neil Jordan.
    Nele conta-se a história de como Erica Bain, uma apresentadora de rádio segura e feliz prestes a se casar, tem um grave encontro com a violência urbana e lida com as consequências desse encontro.

    Jodie Foster e Naveen Andrews

    Em uma noite, ela e seu noivo passeiam no Central Parque e sofrem um ataque brutal.
    Quando ela sai do coma passa a ver a cidade e as pessoas nela de uma forma totalmente diferente e precisa enfrentar o trauma gerado pela perda do sentimento de segurança dentro de sua própria cidade.


    No processo de superação de sua tragédia pessoal, Erica Bain passa de uma jornalista com uma visão levemente romântica do mundo para uma mulher com vida dupla.
    Sem conseguir conciliar o sono ela mergulha no "Lado B" das noites de Nova York caçando seus agressores.


    Em meio à sua caçada ela acaba tendo vários encontros com pessoas que se veem em estado de fragilidade, sua vizinha (uma enfermeira), que presta auxilio a ela, e o policial Mercer (Terrence Howard).


    O encontro com essas pessoas, assim como a própria Odisseia da Erica em busca de justiça, vão ajuda-la a se reencontrar ou se readequar à pessoa que ela se tornou após a sua tragédia pessoal.

    O ponto forte de "The Brave One", no entanto, não é a caçada da Erica, isso confere emoção ao filme, mas, para mim, o crucial no filme são os diálogos entre os personagens.

    Em suas conversas eles refletem sobre as desastres pessoais, violência urbana e como atualmente nós lidamos com isso.


    Mesmo as cidades mais organizadas tem seu lado B, suas máculas e manchas.
    A maioria de nós gosta de achar que a catástrofe nunca nos alcançará, pensam: "Isso só acontece com os outros.".

    Quando vejo o jornal, quando saiu a rua, quando assisto a Jodie Foster dar vida à uma personagem como a Erica Bain eu sinto que a próxima pessoa pode ser eu... e esse sentimento me desnorteia.
    De repente me ocorre que alguma coisa, ou muita coisa, não deu certo em nosso mundo e nós não estamos nos esforçando para consertar isso.


    Sabe, eu sou Jacilene, alguns me chamam de Pandora, também caminho pela minha cidade.
    Eu reclamo e resmungo, mas eu caminho e observo e escuto...
    Olho para Recife e testemunho sua beleza e feiura.
    Me identifico com a Erica Bain de antes e de depois do trauma.
    Indico fortemente esse filme, ele é lindo, dramático e real como as pessoas que tentam viver com seus traumas nas grandes e pequenas cidades do mundo.
    __________

    P.S.:  Meus agradecimentos ao Rafael, o qual transcreveu e  cedeu à mim o monólogo da Erica Bain. Sem o Rafael jamais teria tido contato com esse filme.


    QUERO LER O POST COMPLETO

    Postagens recentes com efeito fade

    em 19/08/2015

    Postagens recentes com efeito fade

    Eu já mostrei aqui no blog algumas opções de gadgets de postagens recentes.
    Relembre:

    http://www.elainegaspareto.com/2015/03/galeria-posts-recentes.html

    http://www.elainegaspareto.com/2015/08/galeria-multi-postagens-separadas-por-marcador.html

    Hoje quero mostrar essa, que é muito legal e cheia de estilo.
    Veja:

    Demonstração do tutorial


    Ela é quadrada, ideal para quem pediu o efeito fade ocupando a imagem toda, tem a opção de listar automaticamente seus posts recentes ou à partir daquele que você desejar.
    A instalação é muito simples e para modificar cores, posicionamento e tamanho das imagens basta um pouco de paciência, dedicação e conhecimento básico em CSS.
    Vamos instalar?

    Para começar copie este código:

    Copiar o código


    Agora vá ao painel administrativo de seu blog e clique na aba Layout (se estiver em Portugal é a aba Esquema, e se estiver em país de língua espanhola é Diseño).
    A seguir clique em Adicionar um gadget e escolha a opção HTML/JAVASCRIPT.
    Dentro da caixa que expandir cole o código copiado.
    Se não alterar nada o resultado será exatamente como na minha demonstração.
    Porém, é quase certo que precisará ajustar para que se encaixe em seu template.
    Então preste atenção, tá?

    Como personalizar o gadget



    1. Deixei marcado no código (em letras maiúsculas) as áreas editáveis. Leia o código, ele te dirá o que fazer.
    2. Deixei marcado em pink o tamanho das imagens, em 280. Aumente para imagens maiores, diminua para imagens menores.
    3. Em azul eu marquei o post de onde começa a exibição, ou seja, desde o primeiro post mais recente.Se preferir altere esse número, se colocar 3 por exemplo significa que o gadget vai exibir os posts recentes à partir do 3º post de seu blog.
    4. Em verde eu marquei a quantidade de posts exibidos, altere como preferir.
    5. Vamos supor que você exiba em seu blog 4 posts na página inicial. Pode configurar o gadget para exibir os posts recentes à partir do 5º post.
    6. Não precisa nem colocar endereço de seu blog! O gadget vai capturar automaticamente. Demais, né?
    7. Seu blog precisa ser público, ter postagens e claro, ter os feeds ativados.

    Terminou de personalizar?
    Salve, arraste para onde deseja que fique (eu sugiro abaixo do cabeçalho ou do menu), salve as alterações do layout e pronto!

    Leia e releia tanto o tutorial quanto o código, e com certeza dará certo!
    Quer ver mais dicas para deixar seu blog lindo?
    Acesse:


    QUERO LER O POST COMPLETO


    No Instagram