Junho 2014 - * Blog Elaine Gaspareto *

Por um tempo de mais delicadeza...

em 29/06/2014

Há algum tempo pipocou na mídia a notícia do linchamento bárbaro daquela moça que foi confundida com uma sequestradora de crianças por causa de um retrato falado divulgado em uma fanpage. O linchamento físico culminou com a morte dela. Pavoroso esse caso.

Antes disso muito se falou da perseguição que uma outra moça sofreu depois que um vídeo dela transando com o namorado vazou na internet.
Essa moça, Fran, se não me engano, foi alvo de um linchamento cruel e absolutamente destrutivo.
Não foi linchamento físico, mas moral.

Eu fico online o dia todo, sempre mais de 14 horas por dia por causa do meu trabalho que hoje é todo na internet.
E eu vejo muito linchamento moral.
Antes via mais nos blogs, e isso me deixava pasma.
Mas nada me preparou para o que vejo hoje em redes como Facebook e Twitter.

Talvez porque em redes sociais como Facebook e Twitter tudo seja mais rápido e seja disseminado com muito mais velocidade, não sei... ou se de fato as pessoas, nós, estamos mais cruéis, com limites cada vez mais "elásticos" sobre o que dizer, o que postar, o que curtir e compartilhar...

Mas o fato é que a gente vê muito linchamento moral.
Dos mais amenos aos mais cruéis; dos mais óbvios aos mais dissimulados.
Vejo muitas pessoas boas indo na onda, curtindo posts que são alfinetadas, ataques, agressões à outras pessoas.
Posts travestidos de desabafo, posts irônicos, que são feitos na intenção de agredir.
E como eu disse vejo gente boa indo na onda, apoiando e comentando sobre o que nem conhece...

Esses dias mesmo vi de perto algo assim: duas amigas de longa data tiveram um desentendimento. Uma delas, magoada, postou um desabafo cheio de ironia e palavras duras, sem citar o nome da outra moça.
Imediatamente apareceram os tradicionais comentários de apoio, juntando palavras ainda mais duras, dando razão à quem havia postado, e aumentando o abismo.
Acontece que quem comentava, curtia e apoiava não sabia de quem a moça estava falando.
Claro, alguns até sabiam mas a maioria foi na onda. E foi uma avalanche.

Daí algumas horas a outra moça também postou um desabafo semelhante.
E sabe o mais louco? Muitas pessoas também curtiram e comentaram apoiando.
As mesmas pessoas, entende? De novo indo na onda, opinando, agredindo, apoiando as palavras duras...

Achei tão surreal que fiquei pensando...pensando em como opinamos naquilo que não conhecemos. Em como falamos sem saber o que de fato houve.

Será que nos damos conta do mal que fazemos quando juntamos palavras duras e cruéis à mais palavras duras e cruéis?
Será que pensamos que quando apoiamos ou curtimos algo podemos estar magoando alguém? Alguém que pode ser o lado inocente em uma desavença...

Vejo tanta gente que tem o prazer de comentar só para ofender, ser do contra, botar fogo, "ver o kisuco ferver".
Vejo tanta gente , e me vejo muitas vezes, querendo expor uma opinião que não foi pedida... sem pesar se a opinião vai ou não ferir alguém...

Tenho feito a experiência de calar opiniões contrárias.
Se não tenho algo bom para dizer não gasto meu tempo nem a paciência dos outros só pra contrariar.
Tento sempre ter em mente que do outro lado da tela tem uma pessoa, que pode sentir-se machucada por algo, seja intencional ou não.

Claro que eu erro, claro que já fui na onda e me dei mal. Claro que já aconteceu de me arrepender de algo que disse ou que apoiei. Mas sigo tentando.
E sobretudo tenho aprendido a ficar quieta em situações onde não conheço os dois lados da moeda.
E mesmo quando conheço tenho tentado aprender a não botar lenha na fogueira. Quero paz, mais do que nunca quero paz. Quero viver tão feliz quanto possível, sempre.

Sei que é meio utopia, sei que é difícil, e é por isso que tenho mais e mais me afastado de redes sociais, de pessoas agressivas, reclamonas e irônicas. Não estava me fazendo bem, então passei a filtrar o que leio, o que vejo e com quem interajo.
Não dá pra modificar o outro, mas posso modificar a mim... mudar o foco, mudar hábitos.

Sabe o que eu acho?
Acho sinceramente que a vida pode ser mais levezinha... não precisamos sempre ter razão, nossa opinião não precisa sempre estar assim tão esfregada na cara dos outros.
Podemos, de vez em quando, calar uma resposta se essa resposta for fazer mais mal que bem.
Se não edifica, talvez não precise existir...

Penso que não precisamos ter sempre a última palavra, a opinião mais aplaudida, a razão em tudo... não preciso firmar posição em tudo, não preciso ser chata nem agredir ninguém, nem machucar os outros por causa de bobagens que passam...



Acredito que precisamos mais é  viver em paz, ser feliz e espalhar amor por aí...
Não é?
QUERO LER O POST COMPLETO

5 Histórias em Quadrinhos para adulto nenhum botar defeito!

em 26/06/2014

Talvez por ter como característica o diálogo do texto verbal com o não-verbal, as histórias em quadrinhos, HQs, acabam se tornando uma frequente opção de introdução ao mundo das letras utilizada por educadores e pais.
Luluzinha, Bolinha, Snoop, Charlie Brown, Mônica, Cebolinha, Magali e Cascão, entre outros, fizeram parte da infância de tantos de nós que basta a menção do nome deles para fazer fluir um rio de lembranças.

Eu lembro logo de minhas tardes em um acampamento do MST junto com os gibis da Turma da Mônica pertencentes à minha prima, de como chorei quando vi na revista Época a tirinha de despedida de Charles Schulz, da alegria de ler os gibis do Recruta Zero e por ai vai. Mas, olhando para minha estante, e para o mercado editorial, percebo que HQs não são coisas restritas ao universo infantil.

Muitos HQs são escritos para o público adulto, alguns sendo, inclusive, reverenciados por leitores nos quatro cantos do Globo Terrestre. Pensando nisso cacei na minha estante e separei alguns desses títulos - famosos ou não - para compartilhar aqui.

Para começar, não poderia deixar de destacar um HQ considerado clássico e mundialmente conhecido.
Ou seja, a série "Sandman" de Neil Gaiman.
Publicada entre as décadas de 1980 e 1990, nesse quadrinho se conta a história de Sandman, o senhor dos "Sonhos", de seus irmãos, os Perpétuos: Morte, Delírio, Destruição, Desejo, Desespero e Destino e como essa entidades ou representações de sentimentos e estados humanos se relacionam com a humanidade através dos tempos.


Para contar a história dessa família Neil Gaiman faz mágica com as palavras, invoca a mitologia grega, nórdica, egípcia, babilônica, os textos de Shakespeare, os mestres da literatura ocidental, Freud e a própria Bíblia. À titulo de criar uma mera história, mexendo aqui e ali em lendas antigas, ele cria uma nova lenda questionando nossa realidade.

Eu gosto tanto de Sandman que a imagem ilustrativa da maior parte de meus perfis da net é a "Death dos Perpétuos". Ela é a representação da morte mais simpática de todos os tempos. É a irmã mais velha, ultra responsável, simpática aos humanos, nada cruel e linda. Unanimidade entre os fãs.


Quem gosta de fantasia, psicanálise e mitologia corre o risco de amar o universo de Sandman. Quem não gosta não corre nem o mais suave risco de ficar sem opção quando o assunto é boas histórias em quadrinhos.

Muitas pessoas no limiar do século XXI viveram experiências impactantes cujos historiadores, sociólogos ou mesmo  jornalistas não dão a mínima bola. Essas pessoas considerando importante comunicar ao mundo suas dores e alegrias encontraram nos HQs uma forma eficiente de falar e divulgar suas histórias.

A iraniana Marjane Satrapi e a africana da Costa do Marfim Margarite Abouet são exemplos disso.


Marjane Satrapi, em "Persépolis" fala sobre o Irã, país localizado no mesmo lugar que a antiga Pérsia, conquistado pelos muçulmanos lá pelas bandas de 642 depois de Cristo, que sofreu no século XIX com o Imperialismo Europeu e no século XX com a II Guerra Mudial. Ufaaa...
Muita coisa para um país que só é lembrando no noticiário como palco de ações terroristas, extremismo religioso e derivativos.
Em seu texto Marjane cruza a história do seu país com a história de sua própria família e faz surgir um conjunto emocionante. É enriquecedor e envolvente ler Persépolis.

Margarite Abouet, africana da Costa do Marfim em "Aya de Yopougon" nos mostra uma África na qual o foco não é a miséria, fome ou o exotismo das savanas e florestas tropicais. "Aya" é um quadrinho autobiográfico no qual se conta a história de uma menina marfinense cujo maior desejo é ser médica. Aya, vive em uma favela, tem uma família grande, amigas namoradeiras, amigos sem-vergonha e uma vida movimentada. É uma delícia conhece-la, me identifico muito com ela e suas amigas, me sinto em casa dentro do mundo colorido e vibrante resgatado pelas lembranças da Margarite.

E por fim, não da para deixar de falar sobre o projeto realizado pelo Mauricio de Souza durante a comemoração dos 50 anos da Mônica, o "Graphic MSP". O "Maurício de Sousa Produções" convidou uma série de artistas consagrados e com estilos diferentes para construir histórias com seus personagens e o produto saído dessa experiência não é nada menos que brilhante.

Na minha coleção tenho o "Turma da Mônica: Laços" feito pelos irmãos Virtor e Lu Cafaggi e o "Piteco: Ingá" desenhado pelo Shiko.
A julgar por esses dois volumes digo sem medo de ser feliz: "O pai da 'Turma da Mônica' é mesmo um gênio!'".


Em "Turma da Mônica: Laços" os irmãos "Cafaggi" contam a história de como o cachorrinho do Cebolinha se perde e a turminha (Mônica, Cascão, Magali e o Cebolinha) se junta para ir atrás do bichinho. Paralelo a aventura atual aparecem fleches da infância deles fazendo passado e presente se unirem em um dialogo feito para enternecer cada pedacinho de nosso coração. Sem dúvidas, "Turma da Mônica: Laços" é uma das histórias mais cálidas, ternas e doces que já li na vida.

"Piteco: Ingá" é uma história vigorosa. Escrita por um nordestino só podia homenagear o Nordeste néh?!?! Ter orgulho de ser nordestino vem no sangue de todos nós! O enredo é sobre a mitológica Pedra do Ingá na Paraíba, nela viveram povos antes da chegada dos europeus ao litoral brasileiro.
O Piteco emerge como um "homem das cavernas" dessa época pré-colombiana cuja comunidade vivia em Ingá e precisa se mudar devido a seca. Meu irmão, disse que o Shiko exagerou um pouco nos elementos dos desenhos como se estivesse cheio de vontade de mostrar seu talento e valor ao mercado nacional.
Eu digo, "Piteco: Ingá" é perfeito!
Se fosse você corria para ler e vinha aqui dizer se gostou.


Bem, e vocês companheiros de virtualidade, curtem HQs? Quais os seus títulos favoritos? O que acharam dos títulos que citei? Já leram algum deles? Quais me indicam?
Aliás, se vocês quiserem que eu aborde algum tema ou gênero especifico nessa coluna não se acanhem, falem!!! 
Deixem suas sugestões e criticas.

Cheros, Pandora (Jaci)
QUERO LER O POST COMPLETO

Janela pop up de curtir a fanpage para blog

em 25/06/2014

Há algum tempo ensinei aqui no blog como colocar o box de curtir do Facebook.
Relembre:
Como colocar o box de curtir do Facebook no blog

O resultado é o que você confere ali ao lado, em minha sidebar.
Assim:


Mas sempre me pediam para mostrar como colocar a mesma caixa abrindo em janela pop up.
Eu relutei porque na verdade não gosto do recurso, acho invasivo.
Não gosto quando entro em um blog e de cara abre aquela janela para curtir ou assinar o feed.
Mas reconheço que a estratégia é muito eficiente, e pode levar a um aumento muito significativo no número de curtidas que uma fanpage recebe.

Então, depois de pesquisar e fazer algumas alterações para ficar fácil de entender eu cheguei a esta caixa que abre em janela pop up e que compartilho com você.
Vou disponibilizar 2 versões: uma com cookies e outra sem.
A versão que utiliza cookies está configurada para abrir uma vez por dia para cada visitante, 1 vez por navegador, bem entendido.

Se você abrir o mesmo blog em cada navegador diferente é claro que a caixa vai aparecer em cada navegador, mas será uma vez por dia apenas, por navegador.
Já minimiza muito a questão da invasão.

A outra versão é idêntica, mas abre toda vez que o visitante acessar o blog ou recarregar a página.
Fica a seu critério qual escolher.

Você pode conferir como fica clicando no botão abaixo:


Demonstração do tutorial




Para instalar é muito simples.
Acesse seu painel e clique na aba Layout.
Clique em Adicionar um gadget e escolha a opção HTML/JAVASCRIPT.
Na janela que expandir cole o código abaixo.

Copiar o código-versão com cookies


Esta é a versão com cookies.
Isso significa que a caixa só vai aparecer de vez em quando para cada leitor.

Para copiar a versão sem cookies, que abre sempre que o leitor acessar o blog, copie este código:

Copiar o código-versão sem cookies


A forma de inserir é a mesma.
Você pode alterar cores e fontes, caso tenha o mínimo de conhecimento em CSS.
Isso é opcional.
Mas onde marquei em capslock vermelho é imprescíndivel que você altere, ok?
Precisa ser o nome de sua fanpage.
Não pode ser perfil, só serve fanpage.
E não é o endereço completo, é só o nome.
A minha, por exemplo, é  https://www.facebook.com/ElaineGaspareto sendo que ElaineGaspareto é o nome da fanpage.
Então é esse nome que eu coloquei onde pede no código.
Coloque o seu, entendido?

Também precisa alterar onde marquei em capslock azul. Coloque ali a mensagem que você desejar.

Depois de feitas as alterações salve, arraste para onde desejar e salve as alterações no Layout.
Não importa onde colocar, tá? Ela sempre abrirá no centro da tela.

Dica importante:
Caso seu blog use algum script que funcione à base de JQuery pode haver conflito e o box não aparecerá.
Slides em geral conflitam com o box, é preciso testar antes pois cada blog tem suas particularidades, ok?

Quer ver mais posts com dicas referentes ao Facebook?
Clica:
http://www.elainegaspareto.com/search/label/Facebook

Gostou?
Dá um Like aí!


QUERO LER O POST COMPLETO

Dicas para cuidar da casa- desodorizador caseiro para cortinas, estofados e roupas de cama

em 23/06/2014

Casa que tem cachorro (4 cachorras, 3 das quais vivem dentro de casa), e que tem dona de casa multi-atarefada, com horários malucos de trabalho e muita coisa sempre pra fazer dificilmente será aquela casa impecável.
E aqui em casa tem um agravante: eu sou a doida dos cheiros.
Sinto de longe, sofro com cheiro ruim, com cheiro forte, sofro de verdade.
E gosto de casinha perfumada...
Como conciliar cachorras+falta de tempo+ mania de cheiro+ cheirinho de casa limpa e fresquinha?
Complicado, né?

Até é, mas tem 2 truques que uso e que vou compartilhar, sendo que um deles é uma dica de economia doméstica também porque, né... a gente também não tem dinheiro sobrando (nem dando, dependendo do mês...).
A primeira dica é:

Desodorizador caseiro para cortinas, tapetes, carpetes e estofados de tecido

 Aprendi faz tempo, num desses programas femininos, acho que na Gazeta. Faço toda semana, é baratinho e deixa a casa com aquele cheiro delicioso de roupa recém-lavada, sabe?

Veja os ingredientes:
1 litro de água
1/2 copo de vinagre branco, preferencialmente
1 colher de sopa de bicarbonato de sódio
1/4 copo de álcool
1 colher de sopa de amaciante

Para fazer a mistura siga a ordem:
1 – água
2 – álcool
3 – bicarbonato
4 – vinagre
5 – amaciante

É importante seguir a ordem porque vinagre e bicarbonato, se entram em contato direto, efervecem e podem transbordar.
Misture tudo num recipiente e depois coloque em um borrifador.

Dica importante:
Não altere a quantidade de cada ingrediente.
Se colocar muito bicarbonato, ficam resíduos, pequeninas bolinhas do produto que não foram dissolvidas. Amaciante demais deixa um aspecto ensebado e vinagre em excesso faz com que o cheiro dele predomine na mistura. A única quantidade que eu aumento de vez em quando é o álcool pois tem umas marcas que mais parecem água que álcool...

Não precisa ter medo de manchar ou estragar os tecidos. Vai por mim, dá certinho.
Borrife sobre sofás de tecido ou com capa, almofadas, caminhas de cachorro, cortinas, travesseiros, cobertores e roupas de cama.
Se preferir coloque algumas gotas de sua essência preferida ao invés do amaciante e use como desodorizador de ambientes.

Agora a dica é:

Aromatizador para cozinha

Sabe aquele peixe assado, ou a carne, ou a omelete que ficou com um cheiro divino?
Bom, né?
Sim, é. Mas o cheiro impregna a cozinha, já percebeu?

Tem um truque simples pra deixar a cozinha perfumada e com cheiro de limpeza no ar.
Derreta 1 xícara de chá de açúcar. Quando derreter acrescente cascas de laranja, maçã, tangerina, da fruta que tiver. Junte 1pau de canela, anis estrelado e 1 copo de água. Deixe ferver.
Se secar a água pode colocar mais.
A fervura libera um cheiro delicioso que apaga o cheiro das comidas e fica no ar por um bom tempo.
Não é forte, não é exagerado.
Pode fazer, lembre que eu sou a doida dos cheiros então se eu digo que é suave pode crer...
Ah, e se estiver aquele friozinho use a infusão como chá.
Fica divino chá com cascas de frutas e especiarias. Eu coloco também folhas bem novinhas de laranjeira.
Luxo de quem tem quintal com árvores...

Gostou das dicas?
Tô amando essas coisas de dicas domésticas...
QUERO LER O POST COMPLETO

Chão pra gente pisar...

em 22/06/2014

 
Há tempos que este blog não vê uma postagem assim, mais pessoal, né?
E não é por falta do que contar não... tantas coisas acontecem na vida da gente, tantas coisas passam pela cabeça da gente...
Vou te contar algumas coisas que esse ano de 2014 já me trouxe.

Não sei se você lembra mas no final de 2013 eu contei que o meu marido estava com suspeita de novo surto de EM.
Sim, e estava mesmo.
Notei a mudança no final de novembro, e como ele tinha consulta marcada com a equipe que cuida dele no HC em dezembro resolvemos esperar.
Na avaliação clínica a suspeita se solidificou e foram feitas 3 ressonâncias.

Em janeiro saiu o resultado e sim, apesar de estar tomando medicação o temido surto aconteceu, afetando o lado direito do cérebro. Frustração define...
Foi marcada uma sessão de pulsoterapia imediata mas ao realizar os exames descobriu-se que a medicação regular estava causando perda de plaquetas. Se fosse feita a pulso o organismo dele entraria em colapso. A medicação estava fazendo muito mal...
Foi uma agonia.

A medicação (Interferon) foi suspensa imediatamente, ele passou 7 dias tomando corticóides por via oral, e passamos 4 dias seguidos indo ao HC para exames e acompanhamento.
Quando o organismo ficou mais forte e o número de plaquetas subiu começou a pulsoterapia.
Inicialmente eram 4, uma por mês, mas depois de 2 sessões os médicos indicaram mais algumas, agora serão 10 ao todo, acaba em outubro.
Também a medicação regular foi trocada. Antes era 1 injeção dia sim, dia não.
Agora é uma injeção diária. E foi todo aquele processo pra conseguir a nova medicação...

Não vou fazer drama porque sei que poderia ser pior, mas um pedacinho de mim morre ao ver as marcas pelo corpo dele...
Em julho tem novas ressonâncias, pra confirmar se o surto está sendo contido.
Ou seja, é aquele suspense...

Eu penso muito nisso, sabe? No suspense.
Outro dia uma pessoa me perguntou se eu tenho medo.
Sim, tenho.
Tenho medo o tempo todo.
Tenho medo de ficar doente e ele ficar sozinho; tenho medo dele piorar muito e parar de conseguir andar.
Tenho medo, tanto, que tem dias que não durmo, pensando como será daqui há 20 anos...
Porque a gente é sozinho, né? Meus sogros são velhinhos, irmãos e cunhados, cada um tem sua vida...
Sim, racionalmente eu sei que é inútil ter medo e preocupar-se. Mas nem sempre a razão controla o sentimento... e é muito ruim a sensação de não ter um chão pra gente pisar e se firmar...


De modo geral o Erdilan está bem. Há dias melhores, onde ele consegue fazer algumas coisas, mas há outros em que ele não consegue erguer um prato. Há dias em que ele lembra de tudo, em outros ele não lembra o nome de quem o cumprimentou na rua...
Há dias que ele está alegre, quase o mesmo menino de antes.
Mas há dias em que aquela nuvem de tristeza está lá, sabe?

E pra aliviar a carga dele eu tenho aprendido um monte de coisas. Sei data de vencimento de cartão, taxa de juro, limite de gastos, contas a pagar, quanto tem na poupança, sei tudo. Quem diria, né? Eu, aquela que nem sabia sacar em caixa eletrônico...

Tudo isso eu contei para algumas poucas pessoas, pra quem me escreveu perguntando, pra alguns amigos mais chegados.Apoio e simpatia é uma bênção nos dias ruins...

Mas infelizmente, se por um lado há as pessoas fofas, gentis e queridas que de fato se preocupam com a gente, desgraçadamente também há aqueles que não seguem, mas ao invés disso, perseguem.

Realmente tenho visto, ao longo do tempo de vida desse blog, que é impossível agradar todo mundo.
Se a gente conta as dores, problemas e dificuldades da vida dizem que queremos suscitar piedade; se contamos só as coisas boas e felizes dizem que queremos exibir uma vida falsa, convencer os outros daquilo que não somos, mostrar uma vida fake, que não temos...
E se a gente fala das dores, sofrimentos e tempestades da vida, e ainda assim mostra uma vida feliz, e tenta superar as dificuldades, abraçar a oportunidade e não a crise, aí dizem que somos falsos, que ninguém vive feliz em meio ao sofrimento e dificuldades...
Ou seja, pra quem quer ser stalker e não leitor nada adianta...

Mas... e aí está a graça da coisa: há muito mais gente fofa, gentil e amorosa do que gente chata e sem capacidade de sentir afinidade. Ou sentir afeto real. Infelizmente tem muita gente sem alegria e sem amor no coração lendo o que a gente publica... gente que guarda nossas palavras pra usar depois como arma.
Deusmelivre...rsrsrsrs

Sim, há muito mais gente legal do que o inverso!
Eu recebo uns emails tão fofos, que tem hora que dá vontade mostrar aqui no blog, de tanto amor que é.
Recebo email de gente que diz que está orando por minha pequena família, acho isso muito amor, muito mesmo...
Gente que liga, que apoia, que diz um "estou aqui" sincero, sem segundas intenções...
Gente que, mesmo que passe meses sem nos falarmos, ainda assim eu sei que está ali. Para os bons e para os maus dias...

Por isso mantenho esse lado mais pessoal do blog. Porque sei que há sempre alguém do outro lado torcendo, rezando, desejando o nosso bem... apreciando as palavras, me encorajando mesmo sem falar...
Porque aqui é minha casa, onde tantas vezes eu coloquei meu coração, um pouco de mim...
Não é?

QUERO LER O POST COMPLETO

Publicidade no blog: considerações práticas e éticas

em 20/06/2014

 E chegamos ao fim da minissérie Monetizar o blog!
Com este são 5 artigos, publicados sequencialmente.
Veja os anteriores:

Minissérie Ganhar dinheiro com o blog

Post 1- Ganhar dinheiro com o blog - isso é possível?
Post 2- Como configurar o Google Adsense no blog?
Post 3- O que é mídia kit? Como montar um mídia kit para meu blog?
Post 4- Parcerias e anunciantes: como conseguir?
Post 5- Publicidade no blog: considerações práticas e éticas

E para finalizar quero compartilhar com você um pouco da minha percepção sobre o assunto, quero falar um pouco sobre o que eu considero que seja legal e também dar umas dicas práticas (e algumas mais técnicas) para evitar erros e problemas quando o assunto é publicidade no blog.
São dicas minhas, e de modo algum esgotam o assunto. E como nem de longe sou dona de verdade alguma fique à vontade para seguir ou não.
Mas vai por mim, bom senso e honestidade sempre contam pontos positivos nesse mundo de blogs...

Como agir em relação à publieditoriais?

Eu assumi a regra pessoal de jamais falar de uma empresa ou produto do qual não goste ou não sobre o qual eu nada conheça.
Em geral os publieditoriais que publico são recomendações de lojas ou serviços que conheço, ou cujas donas eu conheço e confio. Em muitos casos o serviço, loja ou produto pertence à alguma blogueira e em muitos casos os blogs foram personalizados por mim, portanto o contato é mais próximo e já existia.Quando personalizo um blog eu, em geral, me aproximo e conheço muito da cliente, até pra acertar o que a pessoa deseja...

Também faço ações de marketing para empresas mais conhecidas (como OLX, CupomNation, Meliuz,etc) e publieditoriais para divulgar produtos de marcas grandes como por exemplo os que faço para a Brindecef.
Nesse caso, inclusive, conheci de perto a maioria dos produtos e já mostrei aqui por exemplo minha coleção de canecas da marca. Conheço, gosto, aprovo e recomendo.

Já recusei publieditoriais porque não tinham a ver comigo, ou com o perfil do blog. Recusei recentemente uma oferta promissora porque não teria como encaixar na linha editorial do blog. Ficaria deslocado e sem dúvida me constrangeria.

Uma vez, no auge do aperto financeiro, recebi uma proposta de uma escola de idiomas. A proposta era fazer um post recomendando a escola, dizendo o quanto ela era boa, tinha boa estrutura, era bem localizada e como as crianças aprendiam rápido. O valor era tipo um mês do que eu ganhava em média.
Mas uma das regras da proposta era que não deveria ser citado o termo publicidade; teria que ser um texto pessoal, como se de fato eu conhecesse a escola. Até dizer que tinha filho matriculado lá...

Recusei, claro. Com dor no coração, mas recusei. Como poderia aceitar?
Além do mais nem filho eu tenho, e moro distante mais de 500 quilômetros da tal escola.
Recusei porque seria desonesto. Mas doeu, não vou ser hipócrita e negar rsrsrs

Então, como eu disse no primeiro artigo da série: seja coerente.
Se você tem um blog de receitas veganas jamais poderia fechar acordo publicitário com aquela empresa de carne, concorda?

E as resenhas de produtos?

Também sugiro que você tenha cuidado com resenhas pagas.
Aliás acho o termo "resenha paga" contraditório. Qual empresa paga para uma resenha realmente sincera? E se o produto for ruim?Alguém será lesado: ou a empresa que pagou, esperando só elogios, ou o leitor, que se sentirá enganado.

Por isso eu evito fechar contratos que sejam de resenhas de produtos.
Ficaria numa tremenda saia-justa se o produto for ruim e eu tiver sido paga para falar dele.
Se o contrato é para fazer uma resenha deixe claro que será sua opinião real e não apenas elogios.
Não engane, nem se engane: as pessoas percebem e sua credibilidade vai embora.

Responsabilidade junto ao leitor

Já vi muito blog fechar parceria com lojas para sorteios.
E a loja jamais enviar o produto ao sorteado.
De quem é a responsabilidade?
Do blog.
Sem discussão.
Portanto só faça parcerias com lojas ou empresas de confiança.
Se der galho, arque com o prejuízo e envie o prometido. Mantenha sua credibilidade.

Cansei de ver publipost/resenha paga elogiando descaradamente um produto sendo que eu sabia que não era bom.
Recentemente vi algo assim sobre uma paleta de sombras. É ruim, tem cheiro ruim, pigmentação ruim e dá coceira mas a blogueira dizia que era maravilhosa. Gente, eu comprei uma, eu sabia que era ruim...
Não faça isso. Não minta.
Tenha cuidado ao recomendar um produto, é sua credibilidade junto ao leitor, ok?

Eu tenho uma regrinha pessoal: só aceito ser paga para recomendar algo que recomendaria de graça, por realmente gostar e aprovar.Simples assim.


Um conselho: seja honesto sempre, venda o espaço publicitário, não sua opinião.Tem uma frase, atribuída à Rosana Hermann que explica muito bem a diferença entre vender espaço publicitário e vender a alma, o conteúdo do blog:

 “(…) Os blogs se transformaram em mídia, e, como toda mídia, podem gerar receita através da venda de espaço. Mas uma coisa é você oferecer o espaço do seu blog, como quem oferece o sofá da sala para um vizinho fazer sexo com a esposa dele. Outra coisa é você oferecer o sofá e a sua própria mulher para o seu vizinho. Porque o sofá é espaço, mas a mulher é conteúdo.

Responsabilidade junto ao anunciante

Também já vi, nesse mundo vasto da internet, blogueiras que agem de má fé com as empresas, lojas, etc.
Aceitam a ação de publicidade, como por exemplo receber a roupa e fazer um post com o look.
Daí não fazem, simplesmente dão um perdido na loja. Combinam um vídeo com a make e não fazem...
Ou recebem por um post pago e não fazem, ou fazem tão mal feito que fica nítida a falta de zelo e capricho.
Também já vi blogueiras que não respeitam prazos, assinam para postar tal dia e não fazem... que tiram o banner do blog antes do período pelo qual foram pagas.

E há os casos em que, na avidez de conseguir uma parceria, a blogueira topa receber produtinhos em troca de uma resenha. Promete amor eterno, mente ao pedir parceria, diz que ama a loja, que não vive sem os produtinhos...

Daí o produto não é o que ela esperava e o que ela faz?
Desce o verbo, fala mal, presta um desserviço à marca, loja ou empresa.
Tenha cuidado ao aceitar resenhas pagas, como expliquei acima.
Resenha paga, seja em dinheiro, seja em produtinhos, pode ser uma faca de dois gumes.
Eu, como já falei, acho contraditório, tipo ser vegetariano e fazer propaganda de filé...

Se optar por fazer resenha deixe sempre claro que um rímel e um baton não compram sua opinião. Tente ser franca desde o começo, sempre.
Não engane nem iluda a loja parceira.

A dica é: seja transparente e honesta. Concordou? Faça.
Foi paga? Faça o que foi acordado.
Combinado não sai caro, nem baratinho.
Faça o combinado, sempre.


Considerações práticas

Preste atenção, essa é a parte "legal" da publicidade em blogs:

→ Sempre que for fazer um publipost deixe claro que se trata de publicidade.
Não tente passar a imagem para o leitor de que é "dica de amiga".
Além de desonesto é ilegal pois há um órgão que regula a publicidade no Brasil, o Conar. E ele tem jurisdição sobre os blogs.
Fique atenta!

→ Há algumas formas de deixar claro ao leitor que se trata de publicidade remunerada. Aqui no blog eu optei por um marcador ao final do post. Assim fica claro que é Resenha, Parceria, Publicidade ou Publieditorial. Também acho legal a colocação de um selo pra dar ainda mais ênfase e destaque que se trata de conteúdo patrocinado.

→ Quando se trata de banners, a meu ver não há necessidade de explicitar que é publicidade pois o próprio caráter do banner mostra isso.
E saiba que nem sempre a gente é pago para exibir um banner. Eu já exibi alguns como cortesia, ou porque de fato recomendo o serviço ou produto.

E o Google? O que diz sobre publicidade no blog?

Pergunta interessante.
As diretrizes do Google acerca de links pagos são claras: não é proibido mas deve ser sempre link do tipo no-follow.
Essa regra se aplica a blogs ou sites em qualquer plataforma e se deve ao fato de que o Google considera fraude um site subir posições nos resultados orgânicos de pesquisas através de link building feito via pagamento por links.

Então, se você vender espaço em seu blog lembre sempre de colocar o atributo no-follow no link para evitar qualquer problema futuro.
As marcas e lojas sérias sabem disso. Se a proposta for burlar isso, desconfie.

Qual o problema em burlar?
Seu blog ou site ser rebaixado e até banido dos resultados de busca.
Ah, e a marca ou loja também é punida.
Então, cuidado.

Finalizando:
Publicidade é boa, gera dinheiro para o blogueiro, gera visibilidade para a loja, marca ou serviço.
Hoje, inclusive, mais de 90% das pessoas buscam na internet informações sobre lojas, marcas ou serviços antes mesmo de ir à loja física. Veja aqui esse estudo.

E nesse aspecto não há melhor canal do que os blogs, que são atualizados em sua maioria diariamente, tem forte apelo junto aos leitores e são a forma mais barata de publicidade.

Veja bem, eu disse barata e é verdade. O valor pago aos blogs é baixo, menor que qualquer outro veículo de comunicação.
Mas, mesmo sendo a forma mais barata de fazer publicidade, tenha em mente que nosso trabalho com blogs tem valor. Muito.
E isso já vem sendo percebido pelo mercado publicitário faz tempo.
Acredito que há espaço para todos, e acredito que valorizar o próprio blog é importante.
Valorizar e não superfaturar, claro.
Seja sensato, seja coerente, seja honesto.

Acredite em mim: cedo ou tarde o trabalho bem feito, realizado com amor e dedicação tem sua recompensa.
Aliás, quer maior recompensa do que ter leitores?
I love meus leitores!!!

Gostou da minissérie?
Se não viu os demais artigos, veja. Aproveite as dicas, pare e repense seu blog.
Caso tenha perguntas diga nos comentários e eu tento ajudar.
Aproveita e curta, compartilhe, recomende nosso conteúdo.


E vem aí mais uma  novidade, o Perguntaê.
Ficou curioso?
Em breve!
Não perca!!!


Para não perder nenhuma novidade você pode:
→ Seguir o blog via gadget Seguidores: basta clicar em Participar deste site ali na lateral do blog e concluir o processo;

→ Pode curtir nossa fanpage: todos os posts têm seu link enviados pra lá no momento em que são postados. Basta clicar em Curtir!


→ Cadastre seu email e receba a atualização direto nele, assim que for postada.
Digite seu endereço de email:


QUERO LER O POST COMPLETO

Como conseguir parcerias e anunciantes para o blog?

em 19/06/2014

Olá, leitor querido!
No 4º artigo da minissérie Monetizar o blog vamos falar um pouco sobre como conseguir parcerias e anunciantes diretos para o blog.

E para enriquecer o assunto, que aliás eu não domino, chamei uma amiga que tem o blog há pouco mais de 1 ano e já vem conseguindo sucesso e destaque em um nicho altamente competitivo e concorrido: blogs de moda, look do dia, beleza, etc.

Pedi que ela participasse deste artigo contando um pouco de como foi o seu começo, uma experiência real que vem dando frutos.
Com você, Sabrina Dalmolin, do lindo blog (visite, eu que fiz!)


http://www.sabrinadalmolin.com/




Oi pessoal!
Aceitei participar desse artigo para falar um pouquinho da minha experiência com blog, dar umas dicas que talvez sejam válidas para quem está começando (ou não) de como conseguir anunciantes e parceiros para o blog.

Confesso que quando recebi o email da Elaine me convidando para escrever este post, fiquei meio sem ação. Pensei: “ Por que eu?”
Afinal eu tenho só 1 ano de blog... não é uma experiência tão grande assim, né?!

Aí, logo em seguida pensei: “ Por que não eu?”.Acho que toda troca de ideias e experiências são válidas.

Então vou me apresentar: tenho um fashion blog, Sabrina Dalmolin (visite, vou amar te receber lá!)  e nele procuro abordar tudo relacionado ao mundo feminino, desde moda, maquiagens, tendências, até receitas (inclusive muita coisa fit) e decoração.
Foi um desafio fazer o blog acontecer nesse meio onde existem MUITOS (mas muitos mesmo) blogs e canais de moda. Algumas dicas para isso:

→ Acredito que o foco tem que estar num diferencial. Achar uma forma de fazer o mesmo, de um jeito diferente, OU fazer algo totalmente diferente para se destacar. Tarefa difícil! Mas não impossível!
→ Apostei num layout limpo e mais profissional e organizado, para não ficar com cara de mais um blog caseiro perdido na blogosfera. E para isso, um profissional na área é fundamental.
→ Em blogs de moda, as fotos valem mais que um texto. As pessoas são muito visuais, e as fotos precisam ter qualidade. Nada de fotos de celular. Uma boa câmera, fotos durante o dia e de preferência um dia bem ensolarado (salvo se fizer fotos em estúdio).
Todas as fotos precisam passar por edição. Não digo retoques de photoshop profissional, mas arrumar claridade, brilho, recortes.... é fundamental que a foto seja de qualidade.
→ E mesmo num mundo muito visual, os textos precisam ser bem escritos, sem erros de português (revise umas 3x) e de acordo com o tema, senão corre o  risco de se tornar um blog com texto mal feito e mal visto. Neste caso o seu leitor não retornará.

Com o tempo, se seu conteúdo for bom, suas redes sociais crescem e cada vez mais as pessoas passam a conhecer seu blog e potencial de blogueiro(a).
Uma coisa leva a outra certo? Certo!

Com conteúdos legais, fotos boas, textos bem escritos, e ascendência em redes sociais, é hora de divulgar seu espaço para possíveis parceiros.
E essa e outra situação que requer muito de nós blogueiros, porque não são todas as empresas/marcas que tem cash para divulgar nesse (ainda) novo meio de comunicação. Algumas pessoas ainda acreditam que os blogs não são um meio visual que alcancem tantas pessoas e preferem divulgar em outras mídias. É fato!

Para este ponto meu conselho é: tenha um bom mídia kit (que deve ser atualizado sempre), tire a vergonha da face e bata nos estabelecimentos de seu bairro/região primeiro, apresentando seu site/blog.
Mostre os pontos positivo dele e o que você pode fazer para divulgar a empresa. Mesmo que você não consiga de imediato um parceiro ou anunciante, com certeza ele irá entrar em seu blog, conhecer seu conteúdo (que já gera uma visitinha) e quem sabe no futuro ele venha a ser um anunciante/parceiro seu.

Outra forma de conseguir parcerias e/ou anunciantes, é você fazer um email de apresentação do blog, colocar fotos que tenham sido bem aceitas pelos leitores e falando do conteúdo dele e enviar para empresas para que possam conhecer seu trabalho.
Um ou outro se interessará pelo seu espaço.
De início, talvez você possa oferecer permuta e assim o parceiro sentirá o alcance do seu blog.

Ah! E já ia me esquecendo: os blogs precisam ser alimentandos sempre! Nada de 2, 3 posts por mês. Isso raramente fidelizará seu leitor e atrairá uma loja, marca ou empresa. Não precisa ser todos os dias... tem dia que não dá, mas umas 3 a 4x por semana é fundamental.
E foquem na qualidade sempre!  

Espero que tenha ajudado um pouco quem está começando ou querendo começar neste meio super concorrido.
Caso queiram tirar alguma dúvida ou pedir alguma ideia você pode me contatar por:
Email: Contato
Redes sociais do blog:
Instagram @BlogSaDalmolin;
Facebook: https://www.facebook.com/BlogSabrinaDalmolin 
  







Agora que conhecermos as dicas da Sabrina vamos falar um pouco mais diretamente sobre parcerias, anunciantes, afiliação. E ao final vou deixar algumas dicas pessoais de como agir.
Vou separar por tópicos, ok?

Quais os tipos de parceria?

Parceria para sorteios e promoções: a loja envia o produto, o blogueiro realiza o sorteio. Muito comum e costuma ser muito eficaz na divulgação de um produto, marca ou empresa. Pode acontecer uma vez apenas ou de forma mais constante, como por exemplo sempre que a empresa lançar algo novo ou em épocas específicas. Tenha cuidado ao firmar parcerias assim pois se a loja não enviar o produto quem mais se queima é você; lembre sempre que a responsabilidade nesse caso é sua.

Parceria para Resenhas&Reviews: muito comuns em blogs de beleza e moda, por exemplo. A loja ou empresa envia o produto, a blogueira testa, faz vídeo, faz resenha, e dá sua opinião sobre como o produto funciona de fato. Não há pagamento em dinheiro, por isso o termo parceria é usado. Eu considero um ótimo meio de trabalho pois fornece ao blog material para posts, além, claro, de abrir portas para posts patrocinados.
Blogs literários que firmam parcerias com editoras usam, em sua maioria, esse formato de parceria, que inclusive pode ser longa e muito positiva. Em alguns casos a editora, empresa ou loja pode enviar também itens para concursos culturais e promoções já que sorteios envolvendo empresas são proibidos por lei.

Parcerias pontuais/ocasionais: é aquela "parceria" feita apenas 1 vez: a empresa envia um kit de produtos, por exemplo, o blogueiro conhece os ´rodutos e faz um post sobre eles. Fim. Não considero isso parceria.

Cupom de desconto: a loja oferece um cupom de desconto para todos os clientes que comprarem na loja e usarem o cupom. O blogueiro coloca em seu blog o banner da loja e se alguém clicar e comprar algo ganha o desconto proposto. Nada é pago à blogueira.
Isso não é parceria. Tenha cuidado ao fazer isso porque pode acabar com seu blog cheio de banners, ocupando o espaço precioso que poderia ser destinado aos anúncios pagos e parcerias reais.
Quer fazer isso? Faça. Mas seja criterioso e não trabalhe de graça para ninguém.

Nos exemplos citados acima note que não há pagamento direto em dinheiro.
Nos exemplos abaixo há pagamento em dinheiro.
Veja:

Afiliação: diferentemente do cupom de desconto simples a afiliação envolve o pagamento de comissão à blogueira.
Nesse tipo de relação a loja oferece um cupom e a cada compra efetuada usando o código de afiliação a blogueira recebe uma comissão.
Não costuma ser muito, e é preciso ter confiança na loja pois o controle é feito por ela na hora de contabilizar os ganhos.
Pode funcionar, em especial para blogs com temática bem definida.

Artigos patrocinados (publieditoriais): a empresa paga em dinheiro ao blog por um texto apresentando a marca ou produto.
Pode ser em forma de texto, pode ser em forma de vídeo (muito comum em blogs de beleza e moda).
Pode ser de forma direta, falando exclusivamente sobre o produto, ou pode ser uma ação de publicidade, citando a marca ou produto.
Também entram na categoria publieditorial os looks do dia que os blogs de moda postam: muitos, além de receberem as peças para fotografar recebem pagamento pelo trabalho.

Banners de divulgação: a empresa paga um valor mensal para que seu banner seja exibido no blog. Em geral é a forma mais simples, direta e eficaz de publicidade. Traz bom retono ao blog e bom retono à empresa pois como a Sabrina frisou acima somos todos muito visuais e banners chamam sempre a atenção.

Existem outros tipos, claro, como ações em fanpages, no Twitter, etc. Além de outros formatos, ou da mescla de todos os formatos...

Qual o melhor momento para pedir parcerias?

Antes de mais nada siga as dicas da Sabrina: organize seu blog, gere conteúdo. Tenha um blog presente nas redes sociais. Tenha um bom layout.
Acrescento: tenha ao menos 30 bons posts.
Um erro enorme é criar o blog e sair pedindo parcerias.
Isso vai queimar seu filme, então não faça.
Repetindo: organize seu blog, organize seu layout, gere excelente conteúdo. Daí é hora de se apresentar aos possíveis parceiros e anunciantes.

Como pedir parcerias?

Eu nunca enviei nenhum pedido de parceria até hoje. Sempre fui procurada, então a dica que vou dar é baseada no que vejo, baseada em experiências de amigas minhas  e no que o bom senso orienta, ok?
Vou dar uma dica prática:

→ Selecione as empresas ou lojas com as quais deseja firmar parceria: escolha aquelas que mais tenham a ver com seus leitores, com seu blog e sobretudo com você.
Um exemplo: eu não faço posts sobre malhação e academia, então seria tolice minha propor parceria para uma loja de artigos fitness.
→ Defina qual tipo de parceria quer propor: sorteio, resenha, cupom de desconto, afiliação, publieditoriais? O que você quer propor?
→ Elabore um email inteligente, claro e profissional sobre o que deseja. Fale brevemente sobre você, fale sobre seu blog. Inclua seu mídia kit ou seus números mais relevantes.
→ Seja gentil, elogie sinceramente a empresa e explique por que deseja a parceria.
→ Deixe claro que está aberta à propostas da empresa.
→ Conclua deixando uma forma de contato, seja email, telefone, etc.

Erros mais comuns ao solicitar parcerias

→ Email com texto mal escrito, com erros sérios de ortografia: tenha certeza, empresa alguma levará à sério algo escrito de forma errada e feia.
→ Não conhecer a empresa ou loja:ou escorregar na hora de se referir à ela: sim, uma amiga minha que trabalha na área de parcerias outro dia recebeu um email lindo e bem feito, elogiando os produtos e pedindo parceria. O detalhe é que em 2 momentos a solicitante trocou o nome da loja pelo de outro concorrente. #fail.
→ Praticar mendicância  ao entrar em contato: "eu quero receber produtos de graça pra fazer post. Enviem pra mim, por favor. Meu blog não tem parceiro, por favor envie produto pra mim"
Sério, isso acontece muito.
Não faça isso, parece mendicância e não proposta de parceria.
→ Enviar centenas de emails, para toda loja ou empresa, sem o mínimo critério. E reenviar a cada semana, enchendo a paciência e a caixa de entrada das empresas...


Dicas práticas de como conseguir parceiros

→ Faça cartões de visita simples, com o nome de seu blog, o endereço dele, seu nome e uma forma de contato. Visite lojas em sua cidade. Deixe seu cartão.
Sabrina destacou isso e eu achei brilhante pois a loja, o salão de beleza ou a academia de sua cidade ou bairro podem ser os parceiros que você está procurando.
→ Veja em outros blogs os banners das lojas parceiras. Visite, conheça, e se sentir afinidade entre em contato, solicite a parceria no site da loja (isso é importante, não saia por aí pedindo email de lojas para outras blogueiras, ok?). Em geral as lojas abertas à parcerias exibem uma forma de contato.
→ Não seja irritante ou insistente.Enviar um email, ok, é lindo. Enviar dezenas, insistentemente, é feio e chato.

Dica de ouro:
Visite plataformas de e-commerce como a Divitae por exemplo.
Lá existem muitas e muitas lojas lindas, dos mais variados segmentos.
Veja algumas:
Lojas Destaque Divitae
Conheça-as e se sentir afinidade com alguma delas entre educadamente em contato e envie sua proposta.
Caso alguma esteja interessada pode ser uma ótima maneira de começar ou expandir seus contatos.


Amanhã vai ao ar o último artigo dessa minissérie:

Minissérie Ganhar dinheiro com o blog

Post 1- Ganhar dinheiro com o blog - isso é possível?
Post 2- Como configurar o Google Adsense no blog?
Post 3- O que é mídia kit? Como montar um mídia kit para meu blog?
Post 4- Parcerias e anunciantes: como conseguir?
Post 5- Publicidade no blog: considerações práticas e éticas


Se o post foi útil de alguma forma Curta, Compartilhe, ajude o blog a crescer e melhorar!
E se tiver dúvidas ou sugestões, ou algo a acrescentar que possa enriquecer ainda mais o post diga nos comentários!
Eu fico muito grata!
E tentarei ajudar no que puder!


QUERO LER O POST COMPLETO

Como montar um mídia kit para meu blog?

em 18/06/2014

Na primeira parte dessa minissérie eu falei um pouco sobre minha experiência com monetização do blog.
Claro que, como eu disse anteriormente, não sou, nem de longe, especialista no tema. E pra falar a verdade estou engatinhando quando o assunto é publicidade no blog, e firmar parcerias, etc.

Mas justamente por ser iniciante no assunto é que percebi que há muitos poucos textos de ajuda com o be-a-ba sobre o tema. É tudo muito bom, mas senti que faltava algo mais didático, mais fácil para iniciantes como eu entenderem.

E conforme eu falei no primeiro artigo hoje vou compartilhar com você como eu fiz o meu mídia kit. Ou media kit, ambas as formas estão corretas, sendo que media kit é o termo em inglês.
Antes, veja o meu:
Mídia kit do blog
Agora vamos às explicações. Vou tentar simplificar ao máximo, tá?

Antes de mais nada:
O que é mídia kit?
Mídia kit, se eu pudesse resumir em uma frase, eu diria que é o currículo do blog.
No mídia kit a gente coloca, basicamente, a história do nosso blog, com ênfase nos números pois, embora pareça cruel, números importam sim na elaboração de um currículo do blog.

Como começar a criação do meu mídia kit?
Comece pelo básico:
Fale um pouco sobre você, resumidamente. Apresente-se de forma simples e breve.
A seguir apresente seu blog, com uma descrição também simples e curta.
Fale brevemente sobre qual o foco do blog, quais seus objetivos em relação à ele.
A seguir coloque seus números.

Quais estatísticas devo colocar em meu mídia kit?
As mais relevantes.
Para obter essas estatísticas é indispensável que você tenha configurado em seu blog o Google Analytics.

Ele fornece todos os dados mais relevantes de seu blog, tais como quantidade de visitantes únicos (o que é muito diferente de visualizações de página), origem dos visitantes quanto ao navegador, quanto ao sistema operacional, entre dezenas de outras informações.

Eu coloquei em meu mídia kit também as Visualizações de página que o Blogger mostra. Acho que elas são sim importantes pois refletem a interação do leitor com o blog.

Caso você tenha leitores que recebem seus posts via email fale também desses números.
Para isso, é claro, você precisa ter configurado seu feed e disponibilizado a opção do leitor receber seus posts via email

Aprenda aqui como configurar seu feed corretamente

Como eu disse é fundamental que você tenha instalado e configurado o Google Analytics em seu blog; ele é que dará informações preciosas e vitais sobre seus visitantes, quem são, de onde chegam, tempo de permanência no blog, etc.
Quase todos os anunciantes usam as métricas do Google Analytics para análise.

Aprenda aqui como criar sua conta e instalar o Google Analytics em seu blog

Número de seguidores: é relevante?
Sim, é. Tanto seguidores via Blogger quanto seguidores via Google+.
E outro dado muito importante são os números da fanpage de seu blog.
Se você tem uma conta Twitter vinculada ao blog mencione também esses números.
E com a onda do Instagram acrescente esses números caso tenha. Para blogs do segmento de moda e beleza ter um perfil no Instagram é quase obrigatório para conseguir parcerias e anunciantes.

Outra coisa que eu fiz foi uma pesquisa com os leitores do blog.
Nessa pesquisa, que fiz via Google Docs, eu pude avaliar o perfil médio dos meus leitores, e descobri por exemplo que a média de idade varia em torno dos 35 anos, a escolaridade média é alta e a predominância é feminina.
Essa pesquisa é relevante pois mostra ao seu possível parceiro ou anunciante qual o perfil médio do leitor.
Eu acho que vale muito a pena, e não só para a elaboração de um mídia kit, mas até mesmo para conhecer nosso público.
Então, caso possa, faça.

Clique aqui e aprenda como criar um formulário usando o Google Docs.

Depois de recolhidos todos os dados é hora de montar o mídia kit.
No meu caso fiz um print de todos os dados e os inseri no mídia kit para mostrar o que eu estou dizendo.
Eu optei por montar o meu em uma página do blog, as você pode criar o seu e salva-lo em PDF e só enviar para quem o solicitar.
Fica à seu critério.

Clique aqui e aprenda como gerar um documento em PDF

Independente de ser uma página ou ser um documento em PDF é importante que haja algo que deixe claro que o blog está aberto à parcerias ou anunciantes. Pode ser um link no menu, uma imagem informando sobre o mídia kit, etc.
Use a imaginação.

E os valores?
Aí depende.
Quem deve definir o quanto cobrar é você.
Seja realista.
Olhe seu blog e principalmente seus números e pense: se eu fosse o responsável por uma marca, loja, empresa ou serviço, anunciaria em meu blog por este valor?
Não superfature, nem subestime.

Onde coloco os valores que cobro?
Você decide.
Pode deixar visível em seu mídia kit, e todos que acessarem o link dele verão os preços, ou pode enviar separadamente apenas para quem entrar em contato solicitando.
Ambos os casos têm vantagens e desvantagens. Cabe à você definir o que é melhor para seu blog.

Formato dos anúncios
Você decide, de acordo com seu blog, seu template e o layout geral do blog.
É legal fazer tipo um gráfico exemplificando onde ficarão cada um dos anúncios oferecidos.

Veja o meu, mas não é pra copiar, é apenas pra você ter uma ideia do que quero dizer com gráfico dos anúncios, ok?



Maiores erros na hora de criar um mídia kit

→ Copiar mídia kits prontos: acredite, vão te pegar. Seja original, use suas palavras, seu jeito de escrever, seu estilo. Pode se inspirar mas jamais copiar e colar.
→ Justificar números baixos: além de não adiantar fica parecendo #mimimi. Números, apenas exponha-os. Eles falam por si;
→ Não exibir o mídia kit no blog. Pense comigo: se um anunciante ou possível parceiro chegar ao seu blog ele saberá que seu blog está aberto à parcerias? Seu mídia kit é facilmente encontrado ou tem que te mandar email perguntando se tem mídia kit?
→ Desorganização, cores e fontes ruins, falta de informações ou informações incompletas;
→ Dados falsos; não se engane: muito antes de chegar até você seu futuro anunciante sabe muito sobre seu blog. Como eu disse, jamais minta ou enfeite. Seja honesto.
→ Não ter definidos os tipos de publicidade que vai oferecer. Seja assertivo desde o começo;



Finalizando e reforçando:
Ter um mídia kit é essencial para quem deseja pedir/aceitar parcerias e anunciantes no blog.
Ele é o currículo de seu blog e deve ser bem feito, simples de entender e sobretudo extremamente honesto.
Não caia na bobeira de "maquiar" números.
As empresas têm muitas formas de checar a veracidade dos fatos e mentir ou mascarar só fará com que seu nome fique queimado.
Honestidade sempre, ok?


Minissérie Monetizar o blog




Caso você queira montar o mídia kit de seu blog mas não tem tempo ou paciência pra fazer escreva pra mim; combinamos o valor e eu faço o trabalho para você.
Deixo pronto, publicado em seu blog e envio como arquivo PDF.

Amanhã vamos abordar como conseguir parcerias e anunciantes para o blog.
Não perca!

Para não perder nenhum artigo você pode:
→ Seguir o blog via gadget Seguidores: basta clicar em Participar deste site ali na lateral do blog e concluir o processo;

→ Pode curtir nossa fanpage: todos os posts têm seu link enviados pra lá no momento em que são postados. Basta clicar em Curtir!


→ Cadastre seu email e receba a atualização direto nele, assim que for postada.
Digite seu endereço de email:

QUERO LER O POST COMPLETO

Como criar uma conta Google Adsense para o blog- e ser aprovado

em 17/06/2014

No segundo artigo da minissérie vamos aprender o passo a passo de como criar uma conta Google Adsense.
É tudo muito simples mas é preciso atenção nos detalhes para que você não tenha problemas futuros.

Antes de mais nada você precisa saber as exigências básicas para que sua conta tenha chance de ser aprovada pelo Google.
Você precisa:
→ Ser maior de 18 anos;
→ Possuir conta bancária; tanto faz ser conta corrente ou poupança. E pode ser qualquer banco.
Não há problema caso tenha restrições cadastrais mas a conta precisa ser em nome do titular da conta Adsense que está criando;
→ Ter um ou mais blogs ativos, com postagens.Não há limite mínimo, mas eu diria que ao menos 20 postagens precisam existir e serem públicas. Sem posts não há chance de ser aprovado;
→ O blog não pode ser de conteúdo adulto, nem de downloads ilegais, nem pornografia, incitação ao ódio e violência, etc. Também não pode ser um blog que tenha posts plagiados, ou fotos plagiadas. Google detesta plágio, lembre disso.
→ Ter um endereço de email ativo, preferencialmente Gmail;

Tem tudo o que precisa?
Então mãos à obra!
Comece acessando o painel de seu blog principal.
Na lateral esquerda há um menu com alguns itens, clique em Ganhos.
Assim:


Clique no botão laranja Inscreva-se no Adsense.
Abrirá esta página:


Clique onde sinalizei e na página seguinte que abrir coloque o endereço completo de seu blog, selecione o idioma e leia as regras básicas.
Isso é importante!
Realmente leia as regras pois infringi-las significará o banimento de sua conta Adsense.

Concorda? Então clique em Continuar.
Abrirá uma nova página; preencha esta página com atenção pois ela será a forma de contato do Google com você. Qualquer coisa errada e a inscrição será negada.
Depois de preencher tudo, revise. Tenha a certeza de haver inserido todas as informações corretamente.
Se estiver ok clique no botão Enviar minha inscrição.

Você fez tudo o que é preciso.
Agora sua inscrição será avaliada pelo Google Adsense.
Essa avaliação pode demorar de 10 dias até 3 meses, depende pois cada caso é um caso.
Se sua inscrição for aprovada você receberá um email informando que foi aprovado, e entrará na fase de implementação dos anúncios.
Se sua inscrição for reprovada você pode corrigir o problema que causou a rejeição e refazer o processo.

Principais motivos de recusa de inscrição ou cancelamento da conta Adsense

Vou listar abaixo os motivos mais comuns que causam a recusa de uma conta ou sua desativação mesmo depois de haver sido aprovada.

Alguns motivos para uma conta ser recusada:
→ Informações de cadastro inconsistentes, com dados errados, falsos ou faltantes;
→ Blog com poucos posts, ou com posts mal escritos, incompreensíveis ou sem nexo;
→ Blog muito pesado, que demora para carregar;
→ Titular da conta bancária diferente do titular da conta Adsense;
→ Uso de material não autorizado (trechos de filmes baixados sem autorização ou filmados pelo celular, fotos de terceiros com infração de direitos autorais, posts copiados de outros blogs ou sites, etc;
→ Blog com layout ruim, desorganização extrema, texto com cor ou fonte que dificultam a leitura, excesso de gadgets acima da área do post, cabeçalho acima da dobra de página;
→ Falta de uma página com a Política de privacidade praticada pelo blog

Alguns motivos para que uma conta seja cancelada:
→ Cliques inválidos. Jamais clique em seus próprios anúncios, nem peça/incentive para que outros cliquem;
→ Posicionamento dos anúncios de modo a confundir o leitor e fazê-lo clicar sem querer nos anúncios;
→ Conflito com outros programas de afiliados, em especial os que usam pop up e pop under.
→ Denúncia reinterada de plágio e/ou contrafação. Downloads ilegais;
→ Excesso de erros no blog, como erro 404 por exemplo. O leitor não consegue achar o que deseja;
→ Setas ou títulos apelativos nos anúncios. Nunca coloque títulos nos anúncios Adsense, tipo Clique aqui ou Aproveite a oportunidade;
→ Também não é permitido divulgar publicamente ganhos obtidos;

Por que tanto rigor do Google Adsense?

Por um motivo muito simples: quando uma empresa compra espaço publicitário no Google essa empresa deseja, no mínimo, que seu produto, marca ou serviço sejam anunciados em sites e blogs corretos, honestos, limpos e atrativos. E que os cliques sejam reais e não feitos por spamers ou robots.
Essas empresas pagam por clique ao Google, que repassa parte desse valor à nós, donos dos blogs.
Então, todo o rigor se deve ao fato de ser o Google uma empresa séria, que visa dar aos seus clientes o melhor retorno possível no investimento feito em publicidade.


Agora preste atenção nas dicas extras:

1- Leia e conheça o regulamento do Google Adsense. Se infringir quaisquer regras será banido e sua conta será cancelada. Raramente há volta.
Clique aqui e conheça as diretrizes Google Adsense

2- Veja essas dicas perfeitas que podem ajudar muito:
http://www.gerenciandoblog.com.br/2012/03/6-dicas-para-ganhar-dinheiro-com-o.html

3- Veja essas dicas para conseguir ser aprovado mais facilmente:
http://www.guiablogger.com.br/2013/10/Dicas-para-conta-aprovada-no-Google-Adsense.html

4- Conheça e frequente o Fórum em português para Google Adsense; muitas coisas a gente prende lá, com usuários mais avançados:
https://productforums.google.com/forum/#!forum/adsense-pt

Essas dicas linkadas acima são as que mais me ajudaram, seja no processo de aceite do meu cadastro seja na compreensão geral de como o Adsense funciona.
Porque ele realmente funciona.
Sempre recebi corretamente, nunca tive problemas. E sempre busquei estar dentro das diretrizes do programa. Essa é a dica preciosa!

Minha dica final é: faça o teste, experimente.
Para que os primeiros dólares apareçam é ideal que o blog tenha ao menos 1000 acessos diários.
Se seu blog gera bom tráfego, experimente.
Se não gostar ou não se encaixar basta retirar os anúncios.

Mas mesmo que os ganhos sejam pequeninos no começo sempre acho que ganhar 1 dólar por dia é melhor do que não ganhar dólar nenhum.
Sim, sou uma otimista irrecuperável; pra mim o copo está sempre meio cheio :)

Minissérie Monetizar o blog





Para não perder nenhum artigo você pode:
→ Seguir o blog via gadget Seguidores: basta clicar em Participar deste site ali na lateral do blog e concluir o processo;

→ Pode curtir nossa fanpage: todos os posts têm seu link enviados pra lá no momento em que são postados. Basta clicar em Curtir!


→ Cadastre seu email e receba a atualização direto nele, assim que for postada.
Digite seu endereço de email:


Gostou? Venha ler os demais posts da minissérie!
Curta, compartilhe, conta prazamigas!
Eu agradeço demais!
QUERO LER O POST COMPLETO

Ganhar dinheiro com o blog - isso é possível?

em 16/06/2014

Toda semana, sem exagero, eu recebo ou um pedido de orçamento ou algum comentário de alguém dizendo que quer (imediatamente ou no futuro) ganhar dinheiro com o blog.

Também me perguntam em quanto tempo um blog se torna rentável, quanto cobrar por anúncios, como cobrar, como conseguir parcerias. Já me perguntaram se é verdade que dá pra viver de blog.
Já me perguntaram, pasme,  até quanto eu cobro e quanto eu ganho.
Eu sempre respondo do modo mais realista possível. E a realidade não é assim tão colorida e festiva.

Pensando nisso elaborei uma minissérie de 5 capítulos posts para falar sobre ganhar dinheiro com o blog.
E na primeira postagem vou falar sobre minha experiência com monetização, como é comigo e como funciona pra mim.
São dicas de quem está engatinhando no assunto, mas que de repente podem te ajudar.

 Como eu monetizei meu blog


Comecei este blog em 2008. Ganhei meu primeiro real com ele em 2012, quando minhas visualizações passavam de 4000 por dia.
Abri o blog para monetização como experiência; queria saber e entender como funciona.
A primeira coisa que fiz foi criar uma conta no Google Adsense.

Demorei 6 meses para atingir 100 dólares, que é o mínimo necessário para receber.
Ou seja: só recebe após juntar 100 dólares.
E no começo isso pode levar tempo. No meu caso, 6 meses.Depois se consolidou e começou a dar resultados mais animadores.

Vale a pena monetizar o blog com Adsense?
Cada caso é um caso.
Tenho clientes de assessoria e personalização que ganham um pouco mais porque possuem blogs com temática definida, são mais dedicadas ao blog, postam com muita frequência e têm muitas visualizações de página por dia. Algumas clientes minhas passam das 10.000 visualizações todo dia.
Tráfego é essencial.
E no meu caso compensou sim pois como eu disse é uma ajuda bem-vinda.

Nessa minissérie teremos um artigo que explicará de forma simples como configurar o Google Adsense em seu blog.

Fiz cadastro em alguns programas de afiliados mas nunca levei nenhum adiante porque sempre me pareceu melhor a segurança do Adsense. Sem contar que alguns programas de afiliados conflitam com o Google Adsense.
E excesso de publicidade polui o blog.
Então me afastei dos afiliados, mantive o Adsense e foquei em publicidade direta.

Para ter publicidade direta dei mais um passo: abrir o blog para anúncios pagos, seja em formato de banners, ou como publieditoriais.
Mas antes disso defini como faria, qual tipo de anúncio faria, e o que não faria. Criei o mídia do blog.
E comecei a trabalhar com posts patrocinados, ao menos 1 por mês desde então.

Poderia fazer mais, mas optei por só falar daquilo que me sentisse confortável em abordar, de coisas, produtos ou serviços que de fato conheço e aprovo. Esta é minha primeira regra: falar do que experimento, conheço ou gosto de fato.
E sempre, impreterivelmente, esses posts são sinalizados como publieditoriais ou posts de publicidade.

Sim, já recusei alguns porque o contrato pedia que não fosse mencionado o termo publieditorial ou publicidade, teria que parecer "dica de amiga".
Não aceito fazer porque não seria honesto. Minha segunda regra é sempre sinalizar como publicidade ou publieditorial.

Também já recusei resenhas pagas de produtos porque teria que postar um release pronto, sem conhecer o produto, dando a entender que conhecia e aprovava. Isso seria vender não o espaço publicitário mas minha credibilidade. Jamais farei isso.

Então a dica preciosa que dou é: seja sempre honesto.
Vender espaço publicitário não significa vender a própria opinião.
As pessoas percebem; e credibilidade só se perde uma vez, quiném virgindade.
Quando colocamos um banner em nosso blog estamos dizendo que aprovamos aquela marca, empresa ou serviço. Não se iluda, não há isenção em blog.
Mesmo no caso do Adsense podemos definir parâmetros que regulam quais anúncios serão mostrados em nossos blogs. É mais complicado e não temos tanta autonomia mas dá pra definir o básico.
Porém, em caso de publicidade direta a responsabilidade é também direta, diretamente sua.

Dá pra viver do blog?
Não conheço ninguém que de fato viva do blog. Dizem que existe, e até creio que haja mesmo, mas em geral são meninas que vêm de família abastada, que desde sempre tiveram familiaridade e acesso às marcas que realmente pagam bem por anúncios e com blogs cujo nicho é moda, make e beleza em sua maioria. E uns raros blogs de culinária cujas donas são celebridades.
Nesses casos até pode ser mas eu, de fato, não conheço.

Então, criar um blog com o único intuito de ganhar dinheiro pode ser uma roubada. Isso é algo que demora, não é simples e nem é essa riqueza toda.
A dica que dou é: faça porque gosta, blogar é algo que exige amor. Ganho financeiro pode ser, ou não, consequência.

No meu caso o blog ajuda a pagar contas de casa. Não dá pra negar que é uma graninha bem-vinda, que ajuda de verdade.
Mas eu vivo do meu trabalho com design e personalização de blogs, além da assessoria que presto como personal-blogueira.
Em certo sentido até vivo do blog porque ele é minha vitrine.
Mas nem de longe vivo de publicidade.
Mas ajuda, pode apostar.

Algo importante que gostaria de comentar: muita gente não gosta de anúncios em blogs e eu respeito e entendo isso.
Mas blogar, em muitos casos, é um trabalho e como tal merece remuneração.
Há posts meus que levam 3 horas pra serem feitos, fora o tempo em aprender, testar, descobrir como fazer, etc.
Esta minissérie, por exemplo, levou  mais de 30 horas de trabalho entre pesquisa, leitura e escrita.

Blogs de culinária, por exemplo, merecem e precisam de parcerias porque botar no ar uma receita por dia é trabalho duro. O mesmo digo de blogs de moda e beleza.
Então eu, Elaine, acho que monetizar o blog e ganhar dinheiro com ele não é errado, nem feio, nem bobo.
É justo.

Assim como há publicidade em revistas que assinamos, nos jornais que compramos ou nos sites que acessamos acredito que os blogueiros merecem sim remuneração pelo trabalho. Se até nos canais de televisão pagos há publicidade, na revista pela qual pagamos há publicidade... por que seria errado haver publicidade em blogs que acessamos gratuitamente?

É por amor que blogamos, claro, mas a remuneração é justa e bem-vinda.
E se não vier ganho financeiro algum?
Fecho o blog?
É claro que não!

Acima da remuneração está essa coisa que contagia a gente, essa paixão chamada blogar....

Então é preciso ter em mente que o centro do blog, sua alma e seu coração, é o conteúdo postado.
Jamais publicidade pode se sobrepor ao conteúdo do blog.
Afinal, o foco do blog é o leitor. E sem leitor não há publicidade, não é?



Olha o esquema de postagens como ficou:

Minissérie Monetizar o blog

Post 1- Ganhar dinheiro com o blog - isso é possível?
Post 2- Como configurar o Google Adsense no blog?
Post 3- O que é mídia kit? Como montar um mídia kit para meu blog?
Post 4- Parcerias e anunciantes: como conseguir?
Post 5- Publicidade no blog: considerações práticas e éticas

Para não perder nenhum artigo você pode:
→ Seguir o blog via gadget Seguidores: basta clicar em Participar deste site ali na lateral do blog e concluir o processo;

→ Pode curtir nossa fanpage: todos os posts têm seu link enviados pra lá no momento em que são postados. Basta clicar em Curtir!


→ Cadastre seu email e receba a atualização direto nele, assim que for postada.
Digite seu endereço de email:


Gostou? Venha ler os demais posts da minissérie!
Curta, compartilhe, conta prazamigas!
Eu agradeço demais!
QUERO LER O POST COMPLETO


No Instagram