Quando nasce um bebê...

em 26 de maio de 2014

quando nasce um bebê
Tem um ditado que você certamente conhece, que diz que "quando nasce um bebê nasce também uma mãe".
Certamente isso tem um fundo de verdade, especialmente se quem deu à luz realmente quer que a mãe nasça e desabroche.
Não é?

Recentemente uma amiga minha, com 19 aninhos, linda, pele de porcelana e longos cabelos negros, teve bebê.
Um menininho tão bonitinho,  branquinho, pequenininho, que precisou ficar 2 semanas na UTI neo-natal, em outra cidade.

Mas antes de falar sobre como a mãe desabrochou, preciso falar sobre como a minha amiga era: uma menina bem do tempo dela, celular e notebook, balada aos finais de semana, roupas e salão de beleza ao menos 2 vezes por mês, uma garota normal, ligada nas coisas próprias da idade e condição solterística dela.
Daí firmou com um namorado, o namoro evoluiu e ela engravidou.

Durante a gestação pouca coisa mudou, a vida não parecia que ia mudar. Seria trocar a casa do pai pela casa do marido, e criar um bebezinho fofo, coisa que ela sempre quis, ter um bebê. Desde pequena falava nisso....
Simples.
Simples?
Nunca, nada é simples.

O neném nasceu e precisou ficar na UTI.
E a menina leve, que vivia a vida despreocupadamente, de repente se viu sem poder ficar com o filhinho, sem poder amamentar, tendo que tirar leite com bombinha e enviar para o hospital, onde ela não podia ficar porque ela própria teve complicações na casárea.

Foram 15 dias dessa tortura, o bebê lá, ela aqui. Ela murchou. Assustadoramente.
Parecia mais velha, abatida, faltava algo nela, o brilho.
Claro... faltava metade do coração, que estava batendo bravamente em um corpinho de  2 quilos e meio.
Mas felizmente o tempo passou e foi amigo, o bebezinho teve alta e veio finalmente para casa.

No segundo dia depois da alta do bebê eu a vi.
Parecia outra pessoa.
Estava abatida, claro, pálida, com olheiras, o cabelo preso (coisa que nunca eu havia visto), cansada porque bebezinhos recém-nascidos às vezes trocam o dia pela noite...

Mas nada disso me chamou mais a atenção do que a fala, a postura. Conversamos alguns minutos, e eu vi claramente que ali havia uma mãezinha, nascida e em pleno desenvolvimento.
Não sei explicar, não sei se você vai me entender, mas eu vi a mãe ali. Foi doce, tocante e comovente porque eu a conheço praticamente desde que nasceu. E a transformação foi incrível!
A menina bonita ainda existe, claro, a menina de gênio forte, a menina que está entrando na vida adulta.
Mas a mãe... ah... essa está ali, claramente.
E como sempre acontece quando nasce uma mãe, ela veio para ficar.

No dia que fomos ver o bebê levei de presente um kit de produtinhos para higiene da linha baby Cotton Line, empresa parceira aqui do blog.


 Lencinhos umedecidos, toalhinhas... e coloquei também hastes flexíveis, esqueci de fotografar junto...



Nos potes de lenços umedecidos tem esta tag no verso, você pode colocar seu nome quando presentear um bebê...
Sim, coloquei o meu e o do bebezinho, sou fofa? rsrsrsr
 

Eu gosto de tudo da linha baby, mas o meu preferido (porque eu usei e amei o cheirinho) é este:

Coloquei os produtos numa cestinha, junto com um par de sapatinhos de lã.
Ficou fofo, e eu esqueci de "tirar retrato" da cestinha pronta #mimata

Será que mamãe recém-nascida gostou?
Acho que sim...
Porque quando nasce uma mamãe o perfume mais querido passa a ser cheirinho de bebê, o presente mais apreciado é para o bebê...
Coisas que só uma mãe pra entender e conseguir explicar...
Não é?





Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

13 comentários , comente também!

  1. Que bom que o bebé já veio para os braços de sua mãe. Decerto que ela ficou muito feliz com o presente.
    Minha avó sempre dizia, "quem meus filhos beija, minha boca adoça.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  2. Que lindo Elaine. Já vi tanta mãe "desabrochar". É realmente emocionante.
    E cheirinho de bebê é muito gostoso!
    joturquezzamundial
    Beijos querida.

    ResponderExcluir
  3. sou uma quase mãe, e a melhor coisa é mesmo cheirinho de bebê
    e os produtos Cotton Line são mais que bons

    beijo
    adoletas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Chorei! Achei muito emocionante. Estou muito emotiva, sou ser vovó pela terceira vez!
    Ainda não sabemos se será menino ou menina, só que virá com saúde e perfeitinho, com a graça de Deus.
    Bjks e parabéns à mamãe flor, recentemente desabrochada!

    ResponderExcluir
  5. Oi Elaine, como vão as coisas?
    É verdade, mãe nasce (nem sempre) com os filhos. tive o meu já com 30 e não sabia de nada, nem mesmo segurar, agasalhar com exatidão...Li pais e filhos, livros, etc, mas é no contato mesmo que a gente vai aprendendo e pra ser sincera até hoje não sei se sou uma boa mãe, mas que sou uma ótima amiga isso sou!
    Vida longa ao bebê e sua jovem mamãe!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. É verdade que a maternidade nos transforma , eu também fui mãe bem (mais) cedo, tive de aprender muita coisa e ainda hoje aprendo . Quando se tem um filho as coisas mudam , alguns gostam outros não , mais eu não me arrependo das escolhas que fiz em relação a maternidade e família =D
    Tenha uma boa semana Elaine.

    http://eclafvariedades.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Nathanzinho também precisou ficar na UTI. 27 dias. E o nosso 'desenvolvimento' de mãe já se acelera pra enfrentar esse obstáculo, logo 'de cara'.

    ResponderExcluir
  8. Quando meu filho Davide nasceu, ficou 28 dias na UTI. Realmente parece que falta um pedaço.
    Que lindos os presentinhos Elaine, muito uteis.

    ResponderExcluir
  9. Eu vi nos ultimos anos muitas de minhas amigas, quase todas virarem mães, eu virei tia, não há toa semana passada mesmo me peguei jogando uns pacotes lenço umedecido, da cotton mesmo acredita, no carrinho de compras para a filhinha da minha amiga. Sou uma tia feliz, que cheira, brinca, morde, da manhã, senta no chão e tudo o que minha experiencia como educadora infantil facilita... Amo aquela mistura de produtos infantis, baba e suor que as crianças tem kkkk... Mas, tenho de dizer sobre mães, muitas das coisas que elas passam e contam como ultima novidade do mundo para mim não são, já vivi e revivi isso nos últimos sete anos, porém viver essas coisas tão corriqueiras para mim na qualidade de mãe parece ser capaz de mudar tudo.... A maturidade, a serenidade e a força que minhas amigas encontraram na maternidade é chocante, profunda...

    Eu sei que cuidar de uma criança muda a pessoa para sempre, mas cuidar na qualidade de mãe faz mais que mudar, transforma você em outra coisa, uma coisa melhor e mais forte. E sabe Elaine, o que eu acho mais curioso, eu conheço muitas mulheres que tem a honra de ter um filho, mas não conhecem a transformação de ser mãe porque minha experiencia me ensinou que nem sempre com o filho nasce a mãe, especialmente quando são jovens. Que bom que junto com esse bebê nasceu uma mãe, que Deus os abençoe.

    ResponderExcluir
  10. Acho que esse ditado é verdadeiro mesmo !!! Se olharmos casos assim, eu tb vi uns casos recentementes... Tomara que aflore o instinto de mãe na gravidez mesmo.... Pq quero muito ter um bebê , sou casada, meu marido e eu adoramos crianças, mas tenho medo de não dar conta, por não saber nada, não ter cuidado de um nenem nunca na vida. Mas creio que nasça uma mãe sim junto com o nenem, que desaflore nela aquele instinto maternal que saberá fazer tudo e levará jeito com a maior naturalidade ! rsrsrsrsrsrs Que bom ler essa matéria e esses comentários ! Me anima mais...
    Beijosss Laura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura, pode apostar que a mãe nasce.
      Minha irmã teve minha sobrinha bem jovem, nunca havia cuidado de bebê na vida, e deu conta sozinha. Até o primeiro banho, ela com 20 anos, deu sozinha, aprendeu tudo, está no instinto de quem deseja ser mãe...

      Excluir
  11. Que post mais tocante Elaine eu amei! Quando a mãe nasce ninguém mais toca em seu
    filhinho que não seja para amá-lo.
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  12. É sim Elaine é bem assim que acontece eu fui mãe de primeira viagem aos 32 aninhos e após 4 anos de segunda viagem , porque uma é diferente da outra .Amei seu toque amoroso na postagem.
    E fiquei feliz de saber que tudo ficou bem e mais uma mamâe nasceu .
    Beijinhos
    Deus abençõe

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…