Alessandra Rigazzo, pessoa que inspira!

em 9 de maio de 2014

 "Dificuldades preparam pessoas comuns para destinos extraordinários." [C.S. Lewis]  Que seja assim! 

Com essa citação do autor de As crônicas de Nárnia Alessandra começa o texto que pedi a ela que escrevesse pra mim, mais ou menos há um ano.

Mas antes dela mesma se apresentar, deixe que eu fale um pouco dela pra ti, querido leitor.

Conheci a Alessandra há muito tempo, ela foi uma das minhas primeiras clientes, uma das primeiras que acreditou em mim e em meu trabalho.
Doce, delicada na escrita e nas posturas, mulher que eu admiro muito além do que as palavras podem expressar.
Se eu tivesse sido mãe gostaria de ter sido a mãe que a Alessandra é.
Desejo ser metade da esposa que ela é.
Como você pode conferir aqui há uma categoria no blog, na qual eu publico, ocasionalmente, textos sobre pessoas que conheci e que, de alguma forma, são inspiração para mim, para minha vida.
Acredito que são pessoas que podem inspirar mais pessoas porque são daquele tipo de gente iluminado, sabe?
E Alesssandra é, de verdade, pessoa que inspira, que me inspira.


Por isso eu a escolhi pra ser minha convidada especial, em comemoração ao Dia das mães.
E ao Dia da Mulher, porque esse post está programado desde março. Do ano passado.
Com você, Alessandra Rigazzo, pessoa que inspira!




Alessandra do Alexandre, desde os 11 anos de idade.  
Filha de pais maravilhosos, simples, dedicados, que se amam.  
36 anos, nascida e crescida no interior de São Paulo.  
A menina magra, muito magra mesmo, de cabelo “estranho”, tímida e insegura da escola.  

Aos 10 anos vi um garoto e soube o que era amor à primeira vista.
Aos 11 escrevi uma carta apaixonada para ele, o menino  mais esquisito do seu grupo de amigos.  Aos 13, ele se apaixonou pela menina mais feinha da turma: eu!

No 2º grau  fiz magistério, na época em que ele ainda existia.
Sempre em escola pública, sempre!
Uma professora me disse que eu era sonhadora demais, riu e zombou da ingênua  mas confiante menina, quando  disse que iria estudar em uma universidade pública. “Isso não é para você”, disse a pobre educadora.

Casei com o meu primeiro amor (sim, aquele do começo da história) e  cinco dias depois  meu nome saiu na lista de aprovados da FUVEST, 2º lugar em Pedagogia na Universidade Federal de São Carlos, a mesma universidade onde marido estava cursando Engenharia.
Tivemos um inicio de casamento meio maluco.

Morávamos em kitnet estudantil, tínhamos bolsa de aluno carente (uma quantia simbólica para gastar com xerox), pois não tínhamos trabalho remunerado.

Almoçávamos e jantávamos no Restaurante Universitário (inclusive aos sábados, no almoço). Quando era necessário comer em casa, por motivo de feriado ou greve, opções econômicas como macarrão instantâneo e pão com mortadela era a solução.
Juntávamos as moedinhas para comprar um doce de bar (aqueles suspiros ou doce de coração) para a sobremesa.

 No começo da  faculdade tive um sério problema de pulmão, tendo que passar por 2 cirurgias simples, uma de grande porte e 3 meses de internação.
Graças ao apoio das amigas fiéis e queridas, não perdi nenhum semestre.
Nunca reprovei em nenhuma disciplina.

Fui convidada para desenvolver um trabalho de iniciação científica com bolsa pelo CNPq.
Além da remuneração que era muito bem vinda, trabalhar com pesquisa e prática de formação de professores em um assunto de importância foi um privilégio.
Na época, ainda novo e em desenvolvimento, o tema era sobre práticas educativas de combate ao racismo.

Ainda durante a faculdade, tive uma grande perda  que provocou uma síndrome do pânico de alto nível.
O rapaz de 21 anos, que se casara comigo, não entendia muito bem o que estava acontecendo, (aliás, ninguém entendia),  mas ainda assim, em meio ao seus cálculos e aulas de período integral, continuava lá, meu companheiro.

Deus me curou. Eu sei, pode parecer senso comum. Mas, é isso: Ele me curou e prossegui com os estudos e a vida.
Já formada,  trabalhei com aulas particulares e fui funcionária pública, professora de educação infantil em rede municipal.

Portugal
Marido fez mestrado e quando chegou ao doutorado fomos morar em Coimbra Portugal: ele, eu e nosso pequeno e forte valente, que naquele dia completava 4 anos.

Tinha projeto de mestrado pronto, fui aceita na universidade e tinha orientador  famosíssimo.
Na última hora precisei desistir, pois não tinha dinheiro para pagar o tão desejado mestrado na Europa (sim, ao contrário daqui, lá os melhores cursos são pagos).
Foi então, que sendo cercada por situações que me impediram de seguir carreira acadêmica, “voltei para a casa”.

Com a atenção para a família em tempo integral, pude perceber as lacunas que estavam fazendo parte da nossa vida.
Notei o quão importante era estar ali, naquela hora, naquele momento.
Percebi que o MEU lugar era ali, como mãe, esposa.
Escolhi isso para a minha vida e agradeci a Deus por não ter me permitido ir para o mestrado naquele momento.

Nosso tempo em Portugal foi dos mais difíceis e mais maravilhosos em nossas vidas.
Não vou tentar explicar, pois não espero que alguém compreenda.
Foi amargo e doce. Foi doloroso e curativo.
Foi  extremamente especial para que nos tornássemos a família forte e grata que somos hoje.

O pacotinho especial 
Além das lindas lembranças e profundas experiências, de Coimbra trouxemos para o Brasil, um “pacotinho” especial.
Um pequeno e forte guerreiro.
Diagnosticado com Agenesia do Corpo Caloso, uma malformação cerebral.
Atualmente, tem apresentado  características de TEA, provavelmente  mais um diagnóstico.  No entanto, nada disso o define.
Ele tem diversos sintomas, mas esses nomes todos servem para oferecermos o tratamento mais adequado à necessidades dele, mas não dizem QUEM ele é.
Assim, como o irmão, ele tem uma identidade e os dois são nossos filhos amados.

Além dos sustos que  nos dá eventualmente, ele vem nos surpreendendo a cada dia com suas incríveis superações.
E o irmão  nos inspirando com seu imenso carinho e capacidade de compreensão.
Escolhi não estacionar, mas ir à luta...todos os dias!
Fazemos terapias (Fisio, Fono, Hidro, TO, Música) nas clínicas e continuamos com o trabalho em casa.

Amamos, brincamos e cuidamos o tempo todo, todos os dias, mesmo naqueles dias em que uma mãe precisa de duas ou três xícaras de café...rs...
Mesmo naqueles dias em que um pai precisa respirar fundo e recomeçar.
Mesmo naqueles dias em que um irmão precisa anular seus próprios planos.

Compartilhamos 
http://www.centraldocorpocaloso.com/

Criei a Central do Corpo Caloso, a central brasileira sobre informações acerca do corpo caloso.
Além do blog e dos inúmeros e-mails, mantemos um grupo fechado de discussões e trocas de experiências entre famílias de crianças (e adultos) com o mesmo problema, realizamos nosso primeiro encontro com famílias de vários estados brasileiros e mantemos contato constante com instituições internacionais de pesquisas.

Reino
Como família, temos uma visão de Reino.
Ao invés de uma visão limitada à igreja, entendemos que trabalhamos para o reino de Deus,  levando o amor Dele, o próprio Jesus, através das nossas atitudes, palavras e modo de viver.
Sim, nosso desejo é de que todas as pessoas do mundo tenham a oportunidade de conhecer esse amor que nos alcançou.
Para que aí sim, tenham a possibilidade de fazer sua própria escolha entre ter um relacionamento com Deus ou não.

Aliança
Como casal, somos voluntários em cursos para casais, que nos deram um entendimento de  que o casamento é uma aliança, baseado no amor e nos votos feitos um ao outro.
É fantástico ver as transformações que ocorrem dentro das famílias, das diferentes classe sociais, quando os casais passam a viver dentro dos princípios propostos.

 Mulher, mãe
Tenho o coração voltado a encorajar mulheres em seus diversos papéis: casamento, maternidade, administração do lar,  voluntariado...e acredito que em todos eles podemos ser doadoras de vida.

Sou voluntária no MOPS (Mothers of Preschoolers), faço parte da equipe que representa essa organização internacional no Brasil.
MOPS existe para encorajar, equipar e desenvolver toda mãe de crianças de berço à idade escolar para descobrir seu potencial como mulher, mãe e líder.

Trabalho como coach , e isso me dá a oportunidade de ser responsável por alguns grupos.
Fico emocionada com os detalhes de cada relato, de cada realidade em diferentes estados brasileiros. Somos mães reais, com escolhas diferentes, mas que compartilham do mesmo objetivo: ser boas mães para nossos filhos.

Acreditamos que “toda mãe precisa de uma amiga” e que “mães unidas fazem um mundo melhor!”  Costumo dizer que faço 1001 coisas e sempre arrumo  a 1002,  a 1003... rsrs mas, antes de todas elas, não deixo de meu eterno namorado e de  cozinhar para minha família.

Não sei se você conseguiu perceber, mas em todo esse tempo, desde antes de 8 de março de 1977, Deus tem me sustentado, cuidado de mim, me ensinado, sinto Ele me preservando de situações, sinto Seu amor, temos um relacionamento de Pai e filha.

No Congresso de Mulheres
Com 7 anos, por vontade própria, pedi a Jesus para entrar em meu coração e fazer parte da minha vida.
À medida que permito, Ele escreve a minha história.
Temos caminhado juntos.
É Ele quem me dá a alegria para viver cada dia, que desperta em mim a ousadia de conquistar o mundo!
Mesmo que seja só o meu mundo!

Nele eu descobri que sou forte, só não sabia!



Gostou, querido leitor?
Desejo que todas as mães tenham, assim como a Alessandra tem, a firme convicção do quão essencial é o papel de cada uma delas.
Doadoras de vida, em muitos e profundos sentidos.
Feliz Dia das Mães!

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

13 comentários , comente também!

  1. Se eu já admirava a Alessandra, agora admiro muito mais!
    Exemplo de mulher para mulheres que não veem luz no fim do túnel.
    Parabéns Alessandra!
    E parabéns Elaine por tê-la escolhido hoje.
    Beijos para as duas.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, como admiro essa força interior, essa capacidade de superação de obstáculos que algumas pessoas possuem, quisera ser um cadinho assim, talvez a vida não tenha sido tão dura comigo a esse ponto.
    Minha admiração à você Elaine e a moça inspiradora!
    Feliz Dia das Mães para quem traz a ternura no coração independente de ser mãe biológica ou não.

    ResponderExcluir
  3. Oi Elaine,
    Adorei o post e vou compartilhar com meus amigos... Essas palavras de Pe. Juarez de Castro, ilustram bem essa guerreira aí - que não é feia coisa nenhuma - tem um coração de ouro e uma linda família!
    "Deixe-se tocar por Jesus, experimentando-o em todos os momentos de nossa vida! Seja na Dor e na Alegria; é buscá-lo em todos os momentos, em todos os lugares, em todas as pessoas... Isso é experimentar Jesus e se deixar Tocar por Ele!!!
    bjos amiga!

    ResponderExcluir
  4. A Alê é uma mulher pra gente se inspirar mesmo.
    Admiro demais!
    Ótima escolha deste post nesta data.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Linda e emocionante trajetória da nossa amiga!! Nossa por que compartilhada aqui, já faz parte do círculo de amizades que se estende pela blogosfera... Parabéns a Alessandra, com certeza sua história de vida inspira muitas pessoas a ficar do lado bom da força, independente de crenças particulares. Adorei conhecê-la, Elaine!! Um excelente dia das mães para todas nós, mulheres, que estamos aí, na luta, todo dia por um mundo melhor.

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá Elaine, uma história de vida que só pode ser uma inspiração para todos. Uma guerreira incansável. Há pessoas que nascem assim, para iluminar a vida dos outros. Vencem obstáculos e provações, não baixam a cabeça, têm fé e vão em frente. Um símbolo perfeito para o dia da mãe que se comemora este domingo no Brasil e em alguns outros países. Em Portugal é sempre no 1º domingo de Maio, mês de Maria. Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Emocionante. Eu conheço-a através de amigas em comum, nunca me aproximei, mas admiro muito essa menina guerreira. Vi-a, quando foi no programa da Fátima Bernardes. Suave, doce. Deus a abençoe e à sua linda família. Filhos especiais nascem de mulheres especiais. Está aí minha mãe, aos 88 anos, com dois filhos especiais, dentre os seus 1o paridos e 1 neta que criou.
    Beijo, Elaine.
    Beijo, Alessandra.

    ResponderExcluir
  8. Querida Elaine você iluminada como sempre destacou com louvor a pessoa da Alessandra, à medida que lia o texto cada vez mais sabia o que seria revelado no final da sua narrativa: Alessandra consagrou-se a Deus na mais tenra infância, Ele sempre esteve com ela, posto que na figura do Espirito Santo , terceira pessoa da Trindade que habita em nós, somos cada um de nós a IGREJA de Deus! Esta verdade escapa à maioria das pessoas adultas ,mesmo aquelas
    que se comprometeram na pureza do seu coração infantil, como a Alessandra, exemplo fiel nas atitudes pela sua doação, aceitação e comprometimento de uma vida pautada na caridade e no amor.
    Alessandra VOCÊ é uma verdadeira cristã , vive a RELIGIÃO que é esta relação entre VOCÊ e DEUS, o tempo vai te mostrar a diferença entre Templo e Igreja. Como abençoada tenho certeza que sua missão é evangelizadora , pois é assim que" logos" de Deus se revela no "rhema" sob a ação do Espírito Santo que dirige os teus passos. Parabéns a você e à Elaine que te mostrou para nós. Feliz Dia das Mães!

    ResponderExcluir
  9. Minha Flor amei cada pedaço , cada frase , parabens a Fernanda , e obrigada a voce pelo presente
    Bjs
    Minha querida tem um sorteio rolando no blog, quero muito quer voce participe!
    bjs

    ResponderExcluir
  10. Merecedora de todas as homenagens a Alessandra! Parabéns, adorei conhecer a história de vida! beijos às duas, feliz dia das mães! chica

    ResponderExcluir
  11. Que linda linda linda é a Alessandra! Nao a conheciaa ntes, foi através da Diacuy, a Lola, que a encontrei há uns meses. Por isso nem sabia de parte da sua história.
    Realmente Elaine, essa é uma mulher pra se admirar.
    Principalmente sendo a mulher de Deus que se apresenta.
    Que linda!!!

    ResponderExcluir
  12. A Alessandra é uma mãe coragem. Emocionante todo o seu relato.
    Para ela a minha admiração.
    Um abraço e um dia muito feliz para todas as mães.

    ResponderExcluir
  13. Que linda postagem Elaine e que história de lutas , conquistas , vittórias e o que mais me alegrou foi ver a declaração de que Deus foi , é e continua sendo o suporte dela.
    Maravilhosa história .
    Eu afirmo que viver na Europa já é uma faculdade .
    Desejo muito que Deus continue a capacitando para ser sempre Bem Aventurada em todos os setores .
    Beijocas pra ti
    Deus te abençõe

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…