A chave de Sarah - livro e filme (com links para baixar)

em 10 de março de 2014



Li recentemente o livro A chave de Sarah, da francesa Tatiana de Rosnay.
Eu topei por acaso com a existência do livro quando estava fazendo uma pesquisa sobre a ocupação alemã na França. Sim, História é um dos meus assuntos preferidos, sempre fui apaixonada...

O enredo é muito interessante e bem construído.
Em 1942,  sob o governo colaboracionista de Vicky, milhares de crianças judias francesas são arrancadas de casa pela polícia francesa e levadas junto com os pais para o Vélodrome d'Hiver, um estádio onde se disputavam corridas de bicicleta em Paris.

Fonte: Revista Life
Os milhares de prisioneiros ficaram confinados no Vélodrome por uma semana, à espera do trem que os levaria para Auschwitz. Sem água, praticamente sem comida, sem ajuda... O final dessa viagem de horror todos nós conhecemos...

Dentre as famílias arrancadas de casa na madrugada de 16 de julho de 1942 estão Sarah e seus pais.
A família tinha um outro membro, o irmãozinho de Sarah, Michel, de apenas 4 anos.

Mas Michel não é levado para o confinamento no estádio: numa ação desesperada para salvar o menino, Sarah o tranca dentro de um armário oculto no apartamento da família, um local de esconderijo e de brincadeiras dos 2 irmãos.
Ela tem a certeza de que em poucas horas poderá voltar ao apartamento e salvar o irmão.
Parte do livro é sobre sua luta desesperada para retornar. Sempre com a chave de latão no bolso...

A outra parte do livro, que é narrada intercaladamente à história de Sarah, é sobre a americana Julia, jornalista casada com um francês e que recebe a missão de escrever um artigo sobre os acontecimentos ocorridos no Vélodrome 60 anos depois.
Julia vai fundo na investigação, muito determinada em descobrir o que teria acontecido à Sarah.
E em determinado momento ambas as histórias de entrelaçam de fato. E segredos sinistros começam a ser desvendados...

Acompanhar Sarah, na luta desesperada para voltar ao apartamento e resgatar o irmãozinho, é muito dolorido e triste.
A narrativa do que houve no confinamento, em especial quando é contado como as crianças foram separadas dos pais... é muito duro de ler e impossível de não se emocionar.
Sabe o motivo? É que, embora a trama do livro seja ficção, ele se baseia em fatos que realmente ocorreram. Muitos fatos históricos são relatados, dando lastro aos acontecimentos ficcionais do livro.

E saber que o Holocausto existiu, saber que por mais que um escritor use de realismo ao escrever, sabemos que ainda assim ele não chegará perto de retratar o horror que de fato ocorreu... isso é o pior de tudo.
O livro retrata algo que a França vive realmente: a tentativa obsessiva de ocultar o passado colaboracionista, a tentativa de convencer que o Holocausto foi obra única e exclusiva dos alemães. Mas de fato não foi assim.
Hitler conseguiu fazer aflorar o ódio aos judeus (e outras minorias, como ciganos e homossexuais) em muitas e muitas pessoas, de países cultos como Alemanha. E França. E muitos outros, dentro e fora do Eixo...

Não vou contar o que acontece com Sarah, até porque você talvez já pressinta que não há final feliz... Mas recomendo muito que você leia o livro se puder.
Entre tantas outras coisas a história de Sarah me fez pensar que nem sempre é possível sobreviver, mesmo que não morramos, nem sempre sobrevivemos à uma grande dor, à um grande sofrimento e perda... Estar vivo é muito diferente de viver de fato...

A única forma de evitar que tragédias como as descritas no livro se repitam é nunca esquecer, sempre lembrar, estar sempre alerta porque à todo momento novos Hitler's surgem no mundo...
Sempre que ódio é propagado estamos criando campo fecundo para que todo aquele horror se repita.
Àquela época foram judeus, mas em outros lugares e épocas foram cristãos, negros, protestantes, eslavos, ciganos, índios...
Quando o ódio ganha força e se propaga ninguém está seguro...

  Informações adicionais:



Foi feito um filme, com Kristin Scott Thomas, baseado no livro e pelo que li, bem fiel à obra.
Você pode assistir clicando no link abaixo:.

Fazer download do filme

E se quiser o livro está disponível em pdf aqui:

Fazer o download do livro


Se você for como eu e preferir o livro físico pode comprar aqui:

Comprar o livro

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

8 comentários , comente também!

  1. Oi Elaine, boa noite. Fiquei curiosa, pretendo ler o livro e ver o filme. Bjk

    ResponderExcluir
  2. Oi, Elaine!
    Muito obrigada pela dica!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Oi querida!
    Li este livro esta semana tbe e AMEI! Nao consegui parar de pensar em Sarah mesmo depoisde terminar o livro...
    Entrou pra minha lista Top 10!!
    Agora quero assistir o filme
    Adorei sua resenha
    Bjks mil e uma otima semana

    www.blogdaclauo.com

    ResponderExcluir
  4. elaine
    vou comprar o livro. nunca dei conta de comprar via internet . vou tentar agora.
    comc arinho Monica

    ResponderExcluir
  5. Oi Elaine, vou ler com certeza! Eu adoro ler, tambèm gostei muito do "Diario de Anne Frank".
    Obrigada pela dica. Bjs

    ResponderExcluir
  6. Super dica! Amo histórias da guerra. Obrigada! Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Elaine, mais coisas em comum - cinema francês, história, segunda guerra... Temas que me falam ao coração. Adorei a indicação e vou procurar assistir ao filme e ler o livro.

    beijão

    ResponderExcluir
  8. Obrigada por partilhar... já estou com o livro em pdf( livros por aqui são muito caros, rsrsrsrs) vou bixar o filme tb, bjuivos querida Elaine vc sempre generosa, esperoque tudo esteja melhor por ai, oro sempre por vcs.

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…