Do que somos capazes de fazer...

em 11 de novembro de 2013

Hoje foi sepultado aqui em São Joaquim da Barra o corpo do Joaquim.

O menininho era uma das muitas e muitas crianças que brincam domingo de tarde na praça 7 de setembro. A praça é daquelas do interior, sabe? Crianças, carrinhos de bebê, árvores enormes, sorvete em frente à fonte, cachorro-quente nas barraquinhas...

Na última visita do Joaquim à cidade eu estava na praça com minha irmã, o Luís Otávio e a Princesa.
Não o vimos, ao menos eu não lembro, mas vimos os avós.
O avô dele é dono de uma oficina elétrica (Auto Eletro Ponte) , amigo dos meus sogros, conhecido na cidade toda.
Joaquim não vai voltar à praça calma e cheia de árvores. Joaquim foi assassinado.

Quando as primeiras notícias do desaparecimento dele surgiram a gente demorou pra ligar o nome à pessoa.
Depois que vimos no mural de um vereador aqui da cidade, que é primo  do Joaquim, é que nos demos conta de quem era.
Natália cresceu aqui, os pais, como eu disse, são muito conhecidos e queridos.
Não consigo acreditar que ela tenha feito isso, não consigo aceitar que uma mãe deixe uma criança tão pequena assim, desprotegida e vulnerável...

Conforme a história avança ficam mais e mais evidentes o envolvimento do padrasto de Joaquim em sua morte, suas contradições, sua frieza. Sua culpa...
Natália é psicóloga e conheceu o então companheiro na clínica de recuperação de dependentes onde trabalha.

Não sei se de fato Guilherme matou Joaquim, como tudo indica.
Mas sei com certeza que Natália é culpada.
Mesmo que estivesse dormindo, mesmo que seja, como ela mesma afirma "muito inocente".
Ainda assim ela é culpada.
Porque cabe à mãe proteger o filho.
Sempre, e em qualquer circunstância.
Se ela tinha a guarda, como responsabilizar outra pessoa?
Me pergunto: o que leva uma pessoa esclarecida a colocar um usuário de drogas dentro de casa, convivendo com uma criança pequena????

Não, não acredito que seja amor.
Não acredito em amor cego.
Acredito em irresponsabilidade, em apatia, em dependência, em apego excessivo, em burrice, em síndrome de "eu vou salvar esse cara".
E tudo isso junto custou a vida do Joaquim.
E vai marcar indelevelmente a vida do bebê, irmãozinho do Joaquim... 

Não sei como as investigações correrão. Não sei se a culpa dele, ou de ambos, será provada.
Mas sei que a primeira responsabilidade de uma mãe é para com seus filhos.
Contra pai, contra padrasto, conta o mundo.

Sim, porque não é por Guilherme ser padrasto que ele merecia vigilância.
Meu cunhado Valdeci, pai do Luís Otávio, é padrasto dos meus 2 outros sobrinhos e é um pai para eles, tão bom quanto o pai de fato.
E conheço muitos outros padrastos que são homens de bem, confiáveis.

A mácula que pesa sobre os padrastos é injusta porque pais e mães também matam, ferem, violam.
Mas colocar um sujeito pra conviver com seu filho, sabendo que ele tem histórico de violência, de uso de drogas, é inaceitável. Seja ele pai, padrasto, tio, amigo, padre, pastor, seja lá o que for.

Não sei como terminar esse texto.
Não sei o que dizer, o que escrever... Lamento tanto ver minha cidadezinha virar notícia com algo tão doloroso, tão triste...

Sinto uma tristeza tão grande, um aperto tão grande... sinto medo... do que somos capazes de fazer... do que nos tornamos...

E sinto um desejo imenso de que, nesse momento, Joaquim corra feliz em uma linda praça com árvores enormes, cheias de pássaros. Com carrinho de pipoca e barraquinha de cachorro-quente.
E com filhotes de cachorro pra brincar com ele, que gostava tanto da cachorra dos avós...
Que ele esteja feliz, fora do alcance de todo mal, em paz.

Porque não há paz para quem o feriu...
Não, não há...




Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

34 comentários , comente também!

  1. Ai que triste! Fico muito revoltada com isso, sabe? Por que???Porque isso poderia ter sido evitado se Joaquim tivesse tido uma BOA MÃE. Boa mãe é a que cuida, nutre, educa, protege, defende suas crias, coisa que ela não fez. Ela é mais culpada que o drogado assassino, ao meu ver. um beijo, amiga. Parabéns pelo post que traduz toda a nossa indignação.

    ResponderExcluir
  2. Quando era mais jovem minha mãe dizia: a culpa e sempre da mãe! Hoje um caso como Joaquim nos deixa não só tristes, ele não morreu por doença, acidente. Ele foi arrancado do mundo. Não tenho como julgar culpados. Mas a mãe sem duvida vai carregar isso enquanto viver, por menor que seja a culpa( o que não tem explicação)

    ResponderExcluir
  3. Elaine, desde o desaparecimento dessa criança, que eu suspeitava do padrasto. Ele é de uma frieza incrível, própria de quem usa drogas... O casal é culpado mesmo... Mas sabe? O ciúmes é um sentimento nefasto... E faz coisas que ninguém pode duvidar! Não quero nunca tirar a culpa deles... Mas isso é hediondo demais até para o ser humano :'(

    ResponderExcluir
  4. Oh, Eliane, que destino terrível teve esse pobre anjo. Tenho um filho de 5 anos, e há um ano me casei novamente. O pai dele, de quem me separei qdo ele nasceu, morria de medo que eu me envolvesse com um cara ruím. Meu marido é uma pessoa de bem, de coração bom. Mesmo assim eu sempre estou com meu filho, pq sei que por mais que eles tenham uma relação ótima, a responsabilidade é minha.
    Não quero julgar, mas algumas mães facilitam demais.
    que Deus acolha esse pequeno.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Sinto muita tristeza por isso.
    Há 7 anos me separei e até hoje não me animei a ter outra pessoa, não consigo confiar nem na sombra.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Boa noite,esse vai ser mais um caso sem respostas,como todas as brutalidades que vem acontecendo.
    Tiraram a vida desta criança,e vão continuar,porque a justiça Brasileira e muito devagar.

    ResponderExcluir
  7. Estou chocada! Como pode acontecer uma barbaridade desta!
    Está difícil conviver neste mundo da forma que está!!!
    Precisamos orar pela paz do mundo...

    ResponderExcluir
  8. Um horror isso que aconteceu. Não vou dizer que a mãe é a culpada, ou o padrasto. Se a justiça não se fizer, Deus vai dar um jeito.
    Qdo se é separado e tem filhos, todo o cuidado é pouco.

    ResponderExcluir
  9. Muito comovente isto ,é terrível o que andam fazendo com nossas crianças.e esta mãe ,que por menos culpa que tenha no ato,é culpada sim por consentir que uma pessoa como esta vivesse com seu filho.Sei que não se deve julgar,mas a indignação é muito grande.

    ResponderExcluir
  10. Nossa eu fico chocada só de imaginar um tipo de gente assim me revolta muito não gosto muito nem de assistir as notícias pois é muita crueldade é triste de mais gente

    ResponderExcluir
  11. Estou me perguntando: que mundo é esse meu Deus?????????????
    Como pode pessoas serem irresponsáveis a ponto de entregar o filho para morrer?
    Sim, entregou. Sabendo dos antecedentes do namorado ...........
    A revolta e a indignação me faz parar por aqui, para não dizer coisas piores.
    Elaine querida, temos que rezer muito para que acabem com esses pesadelos reais.
    Beijos querida.

    ResponderExcluir
  12. É muito triste isso...fico muito espantada com tudo isso,sei que o ser humano pode ser muito cruel,mas quando uma história dessa vem com o nome de uma mãe,tudo toma uma dimensão que nos choca terrivelmente.Bjss.

    ResponderExcluir
  13. prezados leitores, ñ sei se vcs viram no noticiário do homem q fora encontrado vivo dentro de uma cova, ou seja, ele foi enterrado vivo.
    Se um ser humano foi capaz de fazer tamanha maldade (enterrar uma pessoa viva) quanto mais o resto, ]ñ duvide de mais nada, é daí p pior.
    Bom, com certeza a mãe vacilou demais colocar um drogado dentro de sua casa.

    ResponderExcluir
  14. É triste e nos revolta pensar que as pessoas tenham essa coragem... Uma pena! Imagino pra vocês que são daí e conhecem a família. Revoltante! Vamos aguardando as conclusões, mas desejando que a JUSTIÇA seja feita!! beijos,chica

    ResponderExcluir
  15. Os espíritos que desencarnam ainda crianças são socorridos imediatamente no mundo espiritual.
    O anjinho, em breve, estará correndo por paisagens de luz.

    Este acontecimento trágico serve como alerta para todos nós. Para que fiquemos mais atentos e sejamos mais cautelosos com os que convivem conosco e com nossos pequenos.

    ResponderExcluir
  16. Não sou capaz de comentar...nem de entender, nem de aceitar, nem de perdoar, nem de deixar de julgar, nem de não odiar...
    Beijos e que Deus nos acompanhe e nos guarde,
    Cris

    ResponderExcluir
  17. Perplexa também, amiga. Nem sei o que dizer diante do texto também! =(
    Sinto tanto... como se fossem com os meus. Porque a minha "reação", diante da possibilidade de estar com alguém que tivesse matado (ou deixado morrer) um filho meu, seria de "avançar", de tentar arrancar a verdade a força. Mesmo que fosse o pai dos meus, o homem com quem convivo há mais de 20 anos... Nem sei... não consigo sequer imaginar a situação e o quão dolorosa ela é, de fato! Mas assino embaixo de onde você escreveu: "a primeira responsabilidade de uma mãe é para com seus filhos. Contra pai, contra padrasto, contra o mundo!" Com certeza!!! Que Deus tenha esse anjinho agora... na paz, com certeza! =(

    ResponderExcluir
  18. Oh, querida... A dor coletiva não é nada, quando comparada à dor particular, de quem conhece e convive com os envolvidos.
    Não sei o que dizer. Mas sei que mãe de verdade fica "esperta" e alerta 25 horas por dia. Meu coração sente com o seu.
    Beijo...

    ResponderExcluir
  19. Vc me emocionou, disse tudo que estava engasgado aqui na garganta. Como não julgar uma mãe que fez o que fez, deixou de zelar pelo seu pequeno anjinho...imperdoável. Sinceramente não sei como uma pessoa dessas pode dormir a noite.

    ResponderExcluir
  20. Muito triste essa história..que Joaquim esteja agora correndo em uma linda praça...beijus

    ResponderExcluir
  21. Revoltada com isso, viu!?
    Como pode?
    Quantos casos como esse terão ainda?

    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Sempre que acontecem coisas desse tipo - não estou falando de fatalidades, e sim de situações de excesso de permissividade - eu também acho que a culpada é a mãe. Um pai, padrasto, namorado, tio, vizinho ou sei lá quem que abusa, de qualquer forma, da criança, muitas vezes é de conhecimento da mãe que está mais preocupada com o bem estar do seu "macho" do que da sua criança. Como mãe, então, aí é que eu fico mais enfurecida com esses tipos de mulheres.

    Há, sim, possibilidade de se estancar esse tipo de comportamento: é só ter um pouco de auto estima e amar também os filhos, porque esses são nossos, os homens, não.

    Meu coração, sendo mãe ou não, sangra com acontecimentos como esse, pois imagino o quanto a criança já sofreu até chegar ao seu momento trágico.

    Desculpe o desabafo, uma mistura de tristeza e revolta.

    Beijos, Elaine.

    ResponderExcluir
  23. Nossa Elaine, que triste!
    Quantos casos teremos mais de pessoas que não sabem amar os seus?
    Antes de tudo e de qualquer coisa são os nossos filhos!!!!
    Eles vêm e pertencem a nós como a nossa amiga Luciana Rodrigues falou, os homens, não!!!
    Eles nos trocam na primeira oportunidade!!!
    Deus abençoe e receba este inocente em sua morada eterna! Que ela seja feliz lá, que tenha muita paz!!!!!!
    bjos...

    ResponderExcluir
  24. Ser padrasto ou madrasta não significa que a pessoa será boa ou má! Mas essa DESGRAÇA que é a droga é que torna o mundo tão horroroso!

    ResponderExcluir
  25. Vc expressou tudo que nos brasileiros estamos sentindo, uma revolta pelo fato de não poder fazer nada para melhorar e evitar que mais crianças passam por isso, sou mãe de uma menina da mesma idade do Joaquim, e nem sei como reagiria se fosse comigo, que Deus me livre, é muita frieza e falta de amor. Eles merecem punição, mas se aqui na terra, não tiverem terão lá no céu, porque o julgamento de Deus não falha.

    ResponderExcluir
  26. Olá Elaine,
    Como leio o Globo online todas as manhãs, tenho acompanhado este lamentável caso. Não tinha ligado ao fato de ser na sua cidade. Terrível, não há palavras. Infelizmente situações como esta acontecem todos os dias, mas sempre longe de nós. Aqui foi muito perto de vc, imagino a tristeza de todos na cidade. Seu texto está lindo e é uma bela homenagem a esta inocente criança. Vamos confiar e esperar que a verdade venha ao de cima e a justiça seja feita. Bj grande.

    ResponderExcluir
  27. Oi, Elaine,

    Também assisti a matéria, muito rapidamente, enquanto tomava café para sair, pela manhã, mas fiquei muito tocada e chocada com a violência de tudo e de como estamos meio "largados" em nome de uma sociedade que tem o "direito de ser feliz" de "ser livre", mas não acolhe a responsabilidade junto com essas riquezas que é a felicidade e a liberdade. Antigamente, as mães eram muito mais capazes de dar a vida pelos seus filhos e a guarda deles era uma questão de honra. O que foi que aconteceu com as mulheres? Será que em nome de uma "paixão" ficamos frias demais?
    Claro que existem madrastas e padrastos que cuidam tanto quanto os pais naturais. Quantos casais que adotam crianças que nem são suas e tratam destas crianças com tanto cuidado e tanto amor. Conheço uma porção deles. Mas, estamos perdendo a capacidade de ficarmos atentos aos pequeninos e deixamos as crianças muito expostas a acidentes e a pessoas como este tipo de acontecimentos. Não é questão de colocar a culpa sobre os ombros de ninguém, afinal de contas, se a mãe deste anjinho não foi responsável diretamente pela sua morte prematura, mesmo assim ela irá levar dentro do coração a dor de sua perda, pois permitiu que o "mal" chegasse perto dele, com sua própria permissão. A única coisa que podemos fazer é pedir a Deus que tenha misericórdia de nós e de nossa sociedade, também dos familiares do Joaquim que sofre sua ausência, não é verdade? Pedir a Deus também que faça justiça, porque por mais que seja feita a justiça dos homens, ainda assim não poderemos dar de volta ao Joaquim sua vida, ou as experiências que poderia ter junto ao restante de sua família! Que Deus nos ajude! Que nos ajude a sermos livres e felizes, mas com responsabilidade!

    ResponderExcluir
  28. Apenas mais uma coisa, Elaine,
    Sobre as drogas: Nós já paramos pra pensar o quanto a droga faz mal a cada um de nós? E quantos de nós é a favor da legalização da droga em nossa sociedade??? Nós nos indignamos com fatos como este de morte de crianças tão pequenas, mas vamos apoiamos, que em nome de uma liberdade falsa, sejam mortas milhares de crianças na barriga de suas mães. Quantos de nós apoiamos o aborto??? Será que não é hipocrisia ficar tirste com uma situação desta, da morte prematura de uma criança como o Joaquim? Indefeso? Mais indefeso não é um feto? Histórias como estas também nos serve para nos questionar sobre assuntos bem mais amplos e que vemos de uma outra forma, de um outro ângulo, sem pesar direito as consequências...

    ResponderExcluir
  29. Oi Elaine!

    Quando vi a notícia de o menino havia "sumido" e que a mãe e o padrasto não sabiam" o que tinha acontecido deu pra perceber que havia mais coisa escondida. Torci muito par que o garoto tivesse apenas sumido, mas não, infelizmente tiraram a vida dele...muito triste. Espero que ao menos consigam esclarecer o que e como foi que aconteceu, não vai trazê-lo de volta, mas pode colocar os culpados na cadeia.

    Beijos, Renata
    palpitandoemtudo

    ResponderExcluir
  30. Oi Elaine, não sei o que falar, é de uma perplexidade sem tamanho, faltam-nos as palavras. Só nos resta orar para que o Joaquim possa estar em paz. Abraços carinhosos Maria Teresa

    ResponderExcluir
  31. Para a demência não há explicação nem solução.

    ResponderExcluir
  32. Muito triste o que aconteceu né Elaine...me sinto muito triste com tudo isso.

    ResponderExcluir
  33. É muito triste o que aconteceu e até comentei com minha família que uma mãe tem obrigação de defender seus filhos, e se aquele homem já havia oferecido perigo para a criança, como é o caso que ela relata de ciúmes, é desse ponto que ela devia tomar outro rumo na vida, levando e protegendo o filho. É lamentável que um inocente pague pelo erro dos adultos.
    Não tenho nem palavras para descrever esse acontecimento, meu coração ficou apertado e ao mesmo tempo revoltado.
    Seu texto falou tudo.
    bjos e fique com Deus,
    Marlene

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…