Sobre dar a volta na vida e desfazer o que parecia escrito

em 1 de abril de 2013

Crédito da imagem
Durante muitos e muitos anos aqui em São Joaquim da Barra o lixo recolhido pela prefeitura era enviado para um aterro a céu aberto, que ficava bem perto de onde hoje é um loteamento recém-inaugurado. Poucos quilômetros de onde eu moro...

Você conhece um lixão? Não digo pela televisão, mas de verdade, ao vivo, com suas cores e cheiros?
Eu conheço.

Eu fui, por muitos e muitos anos (pra mim parece que foram séculos) uma criança do lixo.
Não que eu tenha vivido nele, ou ido muitas vezes lá, mas minha mãe ia. E no começo me levava. Você não sabe o que era aquilo.eu tinha 5, 6 anos, e lá se vão décadas, mas eu lembro...

Nos anos 80 ela e muitas outras mulheres da nossa cidade iam ao menos 2 vezes por semana ao lixo catar coisas.
Iam buscar roupas, sapatos, muitos dos nossos brinquedos vinham de lá, os únicos que tínhamos. Panelas, pratos, enfeites, vidros de perfume, roupa de cama...

Chocado?
Você não tem ideia do quanto essas lembranças são tristes...
Eu odiava aquilo.
Odiava o cheiro dos sacos que elas traziam, odiava as coisas, desde muito cedo entendia que aquilo era vergonhoso, humilhante, degradante.
Mas criança não tinha querer, e mesmo depois de entender o que era aquilo, lá pelos 8 ou 9 anos, ainda era obrigada a usar as coisas do lixo.
Com meus irmãos foi igual.

Não era crueldade dos nossos pais, era uma cultura errada, uma forma errada de ver a vida, de viver.
Jamais entendi por que que ao invés de ir catar lixo minha mãe não arrumava um emprego... embora imagine que naqueles anos e com a criação que ela teve isso seria impossível demais de tentar. E 3 filhos pequenos não ajudava em muita coisa... anos duros, doídos até de lembrar...

Não a culpo, mas tive muita raiva, especialmente na adolescência.
Isso durou até quando eu casei, e embora desde os 11 anos eu jamais aceitasse tocar naquelas coisas elas estavam lá, infestando a casa, lembro nítidamente do cheiro de lixo...
Acho que vem daí minha fixação com cheiros. Minha casa tem sempre que estar cheirosa, sou a doida dos sachês... sinto cheiros que ninguém mais sente, tenho aversão a mau cheiro, sinto de longe,,,

Travamos, meus irmãos e eu, uma luta diária com nossa mãe. Nós adultos, trabalhando, e ela ia escondida ao lixão com as antigas companheiras.
Ou seja, era mais que pobreza (nos anos 80 a desculpa era essa), era a mentalidade deformada...
Nunca vencemos, só meu irmão conseguiu quando ficaram os dois sozinhos depois que eu e minha irmã casamos. Ele ameaçou deixa-la sozinha e nunca mais aparecer, foi uma batalha mudar a cabeça dela...

Por que estou contando isso?
Porque senti vontade, não é coisa que eu fale, apenas uma vez contei ao meu marido, aos prantos, foi muito libertador.
Mas eu senti vontade de contar aqui no blog porque eu tenho uma convicção muito firme:
Pobreza e miséria humana não são motivos para a bandidagem nem muito menos para a violência.

Justificar uma agressão dizendo que a pessoa vem de um lar complicado, que é muito pobre, que mora mal, que come mal, que veste roupa de bazar da pechincha é no mínimo ingenuidade.
Mesmo vindo de um lar pobre, em muitos e diferentes níveis, é possível dar a volta na vida. Eu sei o que estou dizendo. Eu dei a volta.

Mesmo vindo de um lar violento é possível ser pacífico, ser bom, ser manso, ser gentil. Mesmo vendo um homem bater em uma mulher é possível não repetir a conduta. Mesmo vendo maldade, e sofrendo maldades, é possível não ser mau.
Eu vejo à minha volta tantos e tantos exemplos. Eu tento todo dia ser exemplo, ser melhor. Para mim. Por mim.
Entende?
É possível quebrar os elos, dar a volta na vida.

Hoje em dia o lixo da minha cidade  tem a melhor destinação final segundo dados da CETESB (veja aqui a matéria do jornal local).
Eu fico feliz e aliviada que o lixão não exista mais.
Fico feliz em saber que não mais pessoas catam coisas lá...
Fico feliz em saber que nenhuma criança vai sentir de novo aquele cheiro...


Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

58 comentários , comente também!

  1. Perfeito! Amei e compartilhei. Depois, com calma, assiste isto: http://www.youtube.com/watch?v=FGjEk3SiXkE O meu artista plástico favorito deu uma lição igualzinha a que tu deste no texto! beijo, te adoro!

    ResponderExcluir
  2. Pootz, tem dias que suas postagens me deixam sem ter o que comentar.
    Uma completa lição !

    ResponderExcluir
  3. Também penso que é uma teoria simplista. Explica e pode atenuar mas não justifica. Ha centenas pessoas no meio das favelas, onde o crime domina, e nem por isso são criminosas. Muitas delas as vezes lutam contra o recrutamento de novos jovens. No mundo ha gente que conviveu com miséria e maus tratos e hj sao pessoas vencedoras. Superação é algo que o ser humano tem em si, mas escolhas tem de ser feitas todos os dias e nem sempre o melhor é o mais fácil

    ResponderExcluir
  4. Não se engane, Elaine, ainda há muitas crianças que vivem e sentem os cheiros do lixo. Não, pobreza não é desculpa para bandidagem e não penso que seja vergonha viver do lixo quando não se tem outra opção. Que bom dar a volta e melhorar as condições de vida. Grande abraço!
    Sonia

    ResponderExcluir
  5. É chocante saber esse capitulo de sua história, e ao menos tempo não, quem ta aqui sabe que a vida não foi fácil para tu néh nega?!?!

    Concordo com você o ambiente não faz o homem, esse pensamento naturalista é tosco e duvida da nossa capacidade de mudança e se fosse assim nós que moramos em uma favela em cima de bocas de fumo e no meio de um caos seriamos o que? Noiados, assassinos, pessoas degenerados todos? E se fosse assim os meninos de Boa Viagem com seus carros do ano e motos turbinadas nunca iam pintar por aqui atrás de drogas néh?!?! Levando em conta as possibilidades que tiveram deveriam ser os príncipes encantados das histórias.

    Nós somos o que decidimos ser, o ambiente ajuda, nos da ou não possibilidades, mas a rigor nós somos o que decidimos.

    Cheros Elaine e parabéns por sua tenacidade, nem preciso dizer o quanto te respeito, admiro e te gosto!!!!

    ResponderExcluir
  6. Como sempre um texto sensível!
    Boa Pascóa.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  7. Já li de um tudo por aqui... Muitas vezes me emocionei, sorri, chorei...
    Mas sinceramente, agora nem sei o que dizer. Não tenho palavras para deixar aqui... eu estou sem graça de escrever, de imaginar os seus dolorosos momentos... Mas não podia deixar de escrever que partilho da mesma opinião. Acho que o 'meio' pode ajudar em muita coisa... e a adolescência (a época da "rebeldia") pode ser "fatal" numa vida inteira!!! Mas também acredito que não são esses fatores que formam o caráter de uma pessoa. Acredito nessa "volta por cima", no tentar ser melhor sempre... Você é um grande exemplo disso!!! Com muito carinho e admiração, do fundo do ♥! =)

    ResponderExcluir
  8. Elaine,
    Cada dia te admiro mais...
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Nossa, Elaine...
    Que experiência de vida...
    Mas, em vão não foi. Serviu para formar o que você é hoje; nas escolhas que faz, hoje; nas coisas que aprendeu a valorizar e priorizar hoje...
    Deus nos dá o livre arbítrio, acredito piamente nisso, e o que vamos fazendo aos poucos com a nossa vida são os reflexos das escolhas que nos são oportunizadas...
    Beijos fraternos e parabéns, pela coragem e pela confiança em compartilhar um momento tão pessoal teu....

    ResponderExcluir
  10. Concordo Elaine, a gente pode sim dar a volta por cima!
    Eu tbém vim de um lar violento, a falta de paz, a instabilidade emocional a minha volta era o que mais era presente nessa época.
    A violência, por um tempo o alcool até, tudo isso senti na pele, na alma e sei que é uma batalha diária eu conseguir virar essa página.
    Fico triste, hoje já não choro mais, isso não me permito, já chorei demais por isso...
    Hoje com dois filhos pequenoa, luto pra que isso jamais se repita, a falta de paz e a instabilidade emocional não estão presentes em minha casa. Considero isso uma vitória!
    Realmente é possível ser pacífico, é possível ser bom, ser manso não importa como vc foi criado. É sim uma escolha, a gente escolhe...
    Amei seu post. Falar as vezes fazem feridas cicatrizar.
    Bjs pra vc!

    ResponderExcluir
  11. Elaine, muito bom, para começar a semana pensando, refletindo. Concordo totalmente com você, quanto à afirmativa de que "pobreza e miséria humana não são motivos para a bandidagem nem muito menos para a violência."
    Sempre defendi isso. Assim tabém penso nas dificuldades que as pessoas colocam para estudarem. Acho que quem quer, vai à luta, custe o que custar.
    Você é um exemplo de pessoa do bem. Deus a abençoe muito!
    beijo!

    ResponderExcluir
  12. Elaine,

    Mais uma vez, nesse pouco tempo que te conheci através do seu blog...me surpreendi com você, pela coragem, sensibilidade e delicadeza de tratar de tal assunto. O que mais me impressionou foi não ter sentido amargura em suas palavras, apesar de tão tristes lembranças....percebo que a vida te reservou muito mais que lembranças tristes..fez de você a pessoa que é, que faz de nós seus leitores ter cada vez mais orgulho dessa pessoa que se chama ELAINE GASPARETO!!!

    ResponderExcluir
  13. Elaine, que lindo você compartilhar essa história tão forte conosco. É preciso muita coragem para enfrentar nosso passado.
    Gostei muito da reflexão que você fez sobre a questão da pobreza e a violência. Concordo com você. Também vim de um lar muito pobre e cheio de sofrimento, e dei a volta. Quando olho para minha vida hoje, parece que tudo aquilo aconteceu em outra vida, ou com outra pessoa, mas foi comigo mesma.
    Já te admirava antes e agora ainda mais.
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Elaine,
    Mais uma vez, depois que te conheci através do blog ...me surpreendi com seu post... pela sinceridade, clareza, sensibilidades e principalmente pela ausência de amargura em suas palavras. Percebo que você, apesar da tristes lembranças, soube superar as agruras da vida e reverter tal situação e hoje é a pessoa que é, pessoa essa que enche de orgulho nós, anônimos leitores que te segue!!! PARABÉNS pela coragem!!!

    Um beijo no seu coração

    ResponderExcluir
  15. Querida,linda Elaine,quam importantes é que pessoas que fazem o tento todo dia de deixar o bem,a grandeza de pensamentos e sentimento serem carro chefes na suas vidas,a pesar das desventuras,das misérias ,as dores e as tristezas que a vida apresenta,serem exemplos de valores e de boa vontade de vencer do jeito certo.Tua experiencia pessoal,e como você encarou isso como um insentivo para mudança, uma prova desafiante,não só para mostrar a tua mãezinha que se pode mudar,se não também a muitos outros que,ao ler a tua historias se sentiram estimulados a mudar o jeito de se encarar a sim mesmos.
    DEUS te abençoe grandemente.Beijinhos e uma semana feliz,feliz!!

    ResponderExcluir
  16. Elaine, prendi-me na palavra "libertador" liberdade para dor... É bom ter alguém na vida para compartilhar essas memórias que não se apagam, porém nos transformam, no seu caso para um ser excepcional e que vc já sabe, mas é sempre bom repetir, te admiro muitoooooo!
    Quase fui diagnosticada como débil, sabe lá mais o quê? Pobre, introspectiva, dificuldade de aprendizagem etc... Sempre falo, eu tinha o pacote completo p/ dar errado... Concordo, dificuldades, falta de acessibilidade não justifica atitudes conformistas, acomodadas, cretinas e canalhas que ouvimos ou vemos direto na mídia.

    Para você e o Erdilan uma semana cheia de boas energias!

    Bjos

    ResponderExcluir
  17. Elaine, eu entendo perfeitamente tudo isso. Não no caso do lixão, mas não seguir uma criação, uma educação que não foi boa, no sentido de carinho, de compreensão... sei muito bem o que é isso.
    Graças a Deus nascemos como nossa índole, mesmo tendo exemplos fortes por perto por toda nossa formação, quem tem índole boa, não cai nessa conversa. Percebe desde sempre que isso não é bom.
    Falar sobre dores, sofrimentos, escrever um sentimento, uma lembrança dolorida, é, sem dúvida, uma terapia poderosa. Nem sempre podemos pagar pra alguém nos ouvir, mas escrever e saber alguém leu, que alguém vai ler, ou mesmo alguém especial que lerá, faz toda a diferença na vida. É um passo pra continuar vivendo da melhor forma possível, agora compartilhando uma passagem da vida que não foi boa, mas passou...

    Ótima semana nova pra vc e marido!
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Quando eu digo isso, que pobreza não é desculpa, os intelectualóides logo quicam dentro das calças. Vim do pior IDH da cidade do Rio de Janeiro e conquistei meu espaço. Ninguém aqui em casa virou bandido.
    O filho da cozinheira da minha escola, moradores de uma das piores favelas de Niterói, se formou filósofo na universidade pública da cidade. Admiro, respeito e valorizo quem consegue dar a volta por cima.
    E tenho verdadeiro desprezo por quem justifica maldade por causa da pobreza e das dificuldades da vida.
    Palmas pra vc, minha linda, que venceu!

    ResponderExcluir
  19. Elaine, você é a prova de que, nem sempre o homem é produto do meio!
    Dignidade. Chamo isso de dignidade. Isso você tem.
    Te admiro muito!
    Beijos,
    Helena

    ResponderExcluir
  20. PARABÉNS!!!
    A cada dia te admiro mais.
    Bjks. Neli

    ResponderExcluir
  21. Boa índole, vontade de lutar e de crescer .... superndo os obstáculos!
    É isso! Não admito que a pessoa diga que é pobre, favelado e porisso não consegue nada na vida. Balela! Procurando bons caminhos as coisas andam bem e a pessoa cresce em sabedoria, virtudes, singelezas que os levam longe!
    Você sempre mostra que é possível.
    Tem que deixar a preguiça de lado e correr atrás do melhor.
    Não é fácil, mas não é impossível.
    Cada vez admiro mais você, que sempre nos dá lições maravilhosas para seguirmos em frente, vencendo o dragão!
    Linda pessoa, admirada e querida que você é!
    Todas nós a aplaudimos de pé.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  22. A marginalidade está no lixão que cada um faz da sua vida.

    ResponderExcluir
  23. Querida Elaine
    Emocionei-me, quem vive fora dessa realidade pensa, eu pensava que isso assim com aquela intensidade só acontece nas novelas, nos filmes.
    Você é uma lição de vida, a força de que se pode ser melhor, admiro-a
    Espero que não se importe, mas eu tenho que partilhar esta lição no meu blog e mostrar para o mundo que se pode ser sempre melhor que nós é que fazemos o nosso futuro.
    Uma semana iluminada para si.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  24. Parabens Elaine,
    Voce e uma mulher sabia e guerreira!!
    Otima semana..
    bjos

    ResponderExcluir
  25. Só posso lhe parabenizar por ter superado tanto sofrimento e ainda conseguir ser exemplo de vida. Muito legal isso. Sua mãe talvez achasse que estava sendo exemplo para vocês ao não sucumbir ao crime......na cabeça dela, talvez fosse melhor viver do lixo do que roubar. Depende de qual foi a história de vida dela.
    E, de qualquer forma, vc está aí e venceu!
    bjs
    Sônia

    ResponderExcluir
  26. Mais uma vez nos mostra sua coragem e determinação ,a vida é feita para fortes!!!!
    o que falar vai se retundância..
    beijos...

    ResponderExcluir
  27. Eu tinha que vir aqui pra dizer o quanto é bom começar a semana com uma mensagem inspiradora como essa. Sua vida nunca foi cor de rosa Elaine, mas as cores que ela tem são encantadoras!!! bjos

    ResponderExcluir
  28. Elaine, lindo seu relato.

    Conheço uma pessoa que tem boa condições financeiras e que tem espírito de pobreza, é horrível.

    Como você disse a mente fica deformada.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  29. Lindo testemunho...Sem palavras!!!! Bjs.
    Van

    ResponderExcluir
  30. vc superou e sobreviveu.
    isso é o que importa,
    seguiu sua vida com dignidade
    , nas minhas lembranças de infância,
    o lixo tb esteve presente,mas apenas porque morávamos
    ao lado.. qdo sinto o cheiro daquela fumaça branca
    . me lembro da minha infância e de momentos felizes
    que tivemos naquela casa..apesar do lugar..

    bjs Edna

    ResponderExcluir
  31. Elaine, te admiro mais ainda, por sua determinação e exemplo. Você é uma pessoa de muita coragem e de grande sensibilidade, que seja sempre muito abençoada, te amo, abraços carinhosos

    ResponderExcluir
  32. Tristes lembranças e linda história de vitória. Confesso que choca mas comprova mais uma vez que sempre é possível recomeçar e fazer td diferente.
    bjs
    Edi

    meuladoarteiro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  33. PUXA, me emocionei com sua história. Realmente as vezes nos deparamos com fantasmas da nossa infância, cheiros, cores, jeitos...lembranças que muitas vezes nos assombram...fotos antigas, desbotadas, amareladas, mas que contém tanta informação, tanta vida vivida...que bom que vc conseguiu dar a volta por cima...que bom que soube entender os motivos, o tempo que sua mãe viveu...também vivi algo parecido...tempos difíceis em que tínhamos que pedir osso pra sopa no açougue da venda ou mercearia da época, caso contrário não tinha mistura pra comer....morria de vergonha...tinha que usar roupas e sapatos de 2ª mão que muitas vezes nem serviam direito...usei um "tênis" menor que meu pé que me deu uma dor terrível nas pernas, porque dificultava a circulação sanguínea, e que me acompanhou o ano inteiro... tempos difíceis...mas também teve momentos de felicidades...se buscarmos bem lá no fundo a gente acha..... bjkas!!!

    ResponderExcluir
  34. Elaine primeiramente obrigada por compartilhar conosco sua estória, que lição de vida.
    Fiquei até sem palavras...

    Tri-Beijos Desirée
    http://astrigemeasdemanaus.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  35. Oi,

    Lembro-me da minha infância tão difícil! Minha mãe tinha oito filhos, muito pobre, plantavamos no jardim algo para poder comer! E mesmo assim, todos os filhos são estudados, tem suas casas e famílias e nunca tivemos problemas com vícios ou polícia. Ninguem saiu rebelde com ou sem causa. Um pouco neuróticos, é verdade. Mas nada que machuque ninguem.

    Abraços boa semana. Estória inspiradora!

    ResponderExcluir
  36. Como sempre nos apresentando lições de vida, que pode nos ajudar a vencer
    os fantasmas da nossa infância!
    Parabéns sempre!!!
    Abraços fraternos...

    ResponderExcluir
  37. Essa foi a primeira coisa que eu li hoje de manhã, às 7 horas.
    Fiquei muito impressionada e comovida com a sua história.
    Que bom que você pôde dividir isso com a gente...

    ResponderExcluir
  38. Claro q è possivel dar a volta por cima!! claro!
    totalmente de acordo.
    Nenhum desses motivos e motivo para bandidagem.
    Sò quem passa por isso, para saber o ruim q è...
    a gente pode imaginar, mas vc sentiu na pele.
    Fico pensando sobre o cheiro...sobre a sua impotencia,
    ao ser levada là...
    Como vc mesma disse, criança, "antes", nao tinha querer..
    tbm vivi situaçoes de "nao ter querer", da revolta.
    Mas graças a Deus, q è Bom, e te ajudou, com a sua determinaçao a dar a volta por cima, e hj vc inspira a milhares de pessoas, com seu saber, suas ideias, e pensamentos.
    bjs.

    ResponderExcluir
  39. Oi Elaine!

    Suas estórias, ou melhor, as estórias da sua vida, sempre me emocionam. Você consegue nos tocar com sua verdade, sua sinceridade.
    Não tive uma infância pobre, foi mediana. Eles se sacrificavam para que eu estudasse em um bom colégio. Mas minha mãe fazia um caderno de rascunho de papel de pão, eu morria de vergonha.

    Beijos, Renata
    palpitandoemtudo

    ResponderExcluir
  40. Muito bom, Elaine, contado na hora certa - momento em que tantas pessoas, inpiradas pela Páscoa, procuram renascer das proprias cinzas - Gostei!

    ResponderExcluir
  41. Olá Florzinha!
    Parabéns pela coragem, pela firmeza e pricipalmente pela delicadeza em dividir sempre histórias pessoais tão emocionantes e que nos permitem e obrigam a refletir.
    Beijos,
    cris

    ResponderExcluir
  42. Parabéns, você é uma vencedora!
    bjsss

    ResponderExcluir
  43. As vezes se vive a vida que sem tem, outras vezes, mesmo que a vida se apresente de forma diferente, com outras possibilidades, as pessoas estão tão acostumados ao que já conhecem que, mesmo não sendo bom, é o que eles se sentem bem fazendo.

    Com sua mãe não deve ter sido muito diferente...tem gente que se apega a uma determinada situação que, mesmo tirada dali, precisa voltar, nem que seja algumas vezes, pra se reencontrar...para se reconhecer.

    Fico feliz que vc tenha construído a sua vida distante dessa realidade e que, com o tempo, outras crianças tenham sido impedidas de irem pra lá, infelizmente estar longe do lixão não garante que todas elas tiveram uma vida mais fácil, apenas diferente... com outros odores, outras lembranças.

    ResponderExcluir
  44. Elaine, esse relato faz com que a gente reflita e muito. Sua coragem em compartilhar detalhes tão íntimos, que acredito serem muito dolorosos na sua memória, mas que confirmam o que sempre achei: pobreza e miséria, não é desculpa pra não se tornar uma pessoa melhor. Vc é prova viva disso, concordo totalmente com o disse: não é porque se cresceu e presenciou violência, que se precise seguir esse caminho... ao contrário, deve servir de exemplo para escolha de um caminho melhor.
    Bjs

    ResponderExcluir
  45. Parabens ! vc é guerreira ! fico feliz por voce ter superado tudo isso...e bola para frente que voce teve uma oportunidade de viver outra vida melhor né??? quantas crianças nao tem...voce foi abençoada ! bjao,te admiro muito.

    ResponderExcluir
  46. E só acrescentando, Elaine, não precisa ter a desculpa de que viveu no/do lixo para não se ter higiene. Também tive uma vida muito difícil, e por muitos anos da minha infância e adolescência eu não tive banheiro, tomava banho na bacia. Nem por isso andava suja e, pelo contrário, era uma das mais bem asseadas na escola e meu barraco, apesar da pobreza, sempre foi limpo. Também dei a volta por cima e muitas vezes não me conformo com o conformismo de muita gente.

    Na verdade, acho que algumas pessoas se acomodam nas suas situações para justificarem seu comportamento.

    Um beijo, Luciana

    ResponderExcluir
  47. Puxa, me emocionei com sua experiência.
    Ver na tv, nos jornais é uma coisa, seu relato me fez ir até lá....hoje pude imaginar o que é essa realidade.
    Parabéns pela coragem e sua vitória!

    bjs
    Paty

    ResponderExcluir
  48. Um grande testemunho.
    Que tua vida seja sempre impregnada
    de muitos e bons cheiros.
    Valeu!

    ResponderExcluir
  49. Elaine, como colocar os blogs que eu leio no google+?
    Eu sei que não tem nada a ver com esse post, mas eu fiz uma pergunta pra vc no post sobre isso e vc não respondeu, e eu estou bem preocupada com isso.
    Eu já tenho perfil no google +, mas não sei como colocar lá os blogs que eu sigo para ficara aparecendo as atualizações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suziane, não há como inserir lista de blogs no perfil G+
      Apenas é possível adicionar pessoas aos círculos.

      Excluir
  50. Que experiência de vida!Sabedoria!
    Sim, é possível sermos melhores, dando a volta por cima, e não justificar as atitudes erradas, culpando as situações difíceis pelas quais passamos...
    Ótimo testemunho....

    Bjs

    ResponderExcluir
  51. querida elaine,como eu te compreendo,já alguma vez leste minha história de vida?Bom ela se cruza com a sua,só que eu vivia violencia por parte de minha mãe,isso marcou-me muito,fui criada numa barraca tipo bairro da lata ,mas qis sempre aprender por mim a fazer para ser melhor,estou a dias de fazer 53anos e continuo vivendo e convivendo sempre com palavras amargas duras eu sou lixo para minha mãe,mesmo embora esteja velha meia demente já me disse que me faria o funeral por isso é que eu defendo meus filhos com unhaos e dentes,porque por mim só tinha o meu querido papá,eu tentei aprender a fazer tudo por mim,nunca tive uma mãe que ensinasse nada só pancada,eu tenho no meu blogue em capitulos a história da minha vida não sei se foi o ano passado ,mas acho que foi em 2011
    Quanto a ti és uma mulher com m grande e tens razão,lá por se viver num bairro onde há ladrões 99% é gente séria um grande abraço querida

    ResponderExcluir
  52. Maravilhosa partilha...obrigada!
    Gostei muito do seu blogue e vou ficar por aqui!
    Bjs
    Maria

    ResponderExcluir
  53. Sabe o que me incomoda, Elaine, muitos dizem que não tem preconceitos, mas nas entrelinhas mostram isso a todo instante e o olhar então...diz tudo, neste caso nem precisa falar o que está estampado no olhar...
    Conheço o cheiro de lixão, tinha um perto de minha casa nos tempos de infância, mas a maior parte do "lixo" era de fábricas, provavelmente coisas fora de padrão de consumo (lembrando aqui do tal Ades, a gente fazia a "festa", quando era chocolate (tinha gosto e cheiro d óleo de máquina) então...chegava a dar briga. De tudo o que eu mais gostava lá era de isopor, eles jogavam caminhões de pedaços e ficava tudo branquinho....era lindo na minha mente de criança!
    Parabéns por tirar o lixo de sua cabeça, vencer e não ter vergonha de sua história linda!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  54. pois é amiga... já te disse q a sua vida daria um livro?
    linda e triste a postagem!

    bjos

    ResponderExcluir
  55. Já tinha lido esse texto e por algum motivo não fiz comentário!!mas não saia da minha cabeça....eu conheço lixão infelizmente,e aqui aonde moro tem muita gente que vive de catar para sobreviver...
    Mais uma vez no deu exemplos ,que você tem uma estrelinha de superações em sua vida,e cada vez mais nos mostra esse ser maravilhoso que se tornou....
    bjjs querida

    ResponderExcluir
  56. elaine eu ja vivi isso tmb, ñ por falta d condiçoes finaceiras, e sim o lixão p mim era um refugio tipo: era minha paz.

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…