Coisas da vida…

em 5 de março de 2012

38Há uns 15 dias atrás minha mãe precisou ser hospitalizada às pressas, com mal estar e vômito, pressão alta, entre outras coisas. Uma vizinha dela a levou ao hospital, e me ligou às 7 da manhã. Justamente nesse dia minha irmã estava em Campinas, na Unicamp, meu irmão estava trabalhando em outra cidade e eu estava com a coluna travada, nem me mover eu podia. Quem correu até ela foi meu cunhado, que está desempregado.

No meio da manhã ela voltou pra casa, eu consegui começar uma sopa pra ela e ia pedir ao meu marido pra levar assim que ele chegasse pra almoçar; nem deu tempo, meu cunhado voltou às pressas com ela para o hospital, um dia de cão.

Meu marido saiu do trabalho e lá fui eu, com uma dor que não desejo à ninguém neste mundo, para o hospital.  E meu cunhado aflito, o médico dizia que era pra chamar a família, que era grave…Daí chegaram meu irmão e minha irmã, entrava um por vez pra ver a mãe, saíram chorando, uma mulher e um homem feitos aos prantos no hospital.

Então lá fui eu. Realmente foi uma cena dolorida, ela tão pequenininha, entubada, só os olhinhos se mexiam. E diante do choro dos irmãos, lá fui eu, toda trabalhada no autocontrole (Clau Finotti baixou em mim) falar com os médicos, saber o que era, o que seria, o que fazer. Daí pensar na parte prática da coisa, que acima de tudo sou uma pessoa racional.

Enfim…dias de hospital, remédios, minha cunhada, meio separada do irmão, sempre ali, dormindo com a ex-sogra… pra hospital não há pessoa mais solícita… gastos que você não imagina, exames e remédios. No fim ela não morreu, como todo mundo temeu, saiu do hospital, está em casa. Ontem foi passear com minha irmã. Eu até voltei a andar, esquecida da coluna (que aliás já cobrou seu preço pelo esquecimento rsrsr)

Sendo, como disse, uma pessoa racional, sei que um dia minha mãe vai embora, isso é fato. Mas enquanto ela está aqui vamos fazendo tudo o que pudermos, embora nem sempre seja simples pois há tanto sentimento envolvido, tantas coisas que deveriam ter ficado no passado… Coisas que achei que haviam passado percebi que não passam jamais… Mas vamos seguindo, enterrando o que precisa de fato ser sepultado…

E tem a teimosia dela, que recusa tratamento, insiste em ficar sozinha, trata mal a minha ex-cunhada, reclama de tudo… Está cada vez mais complicado ela morar sozinha, mas não há meio de mudar isso. As discussões são acaloradas… e eu sigo tentando ser o mais fria possível, alguém tem que apagar o incêndio… e isso é muito estressante!

Tudo isso me fez muito mal. Mas também me fez pensar… me fez pensar em mim, em meus sentimentos, em minha vida. Olhando meus irmãos chorando, em volta da cama do hospital, eu me perguntei o que acontecerá quando a velhinha na cama for eu… não haverão filhos pra chorar, nem ex-noras pra servir de acompanhante, nem uma filha andando dura com a coluna travada pra falar com médicos, comprar remédios, fazer sopinha de legumes…

Sim, pela primeira vez me perguntei como será, tanto pra mim quanto para meu marido. E percebi que no fundo sou mesmo muito sozinha. Não que ter ou não ter filhos seja determinante, sei bem que não é assim. Mas me fez pensar… se eu chegar à idade de minha mãe, como será? Jamais tive medo de envelhecer, acho lindo e natural. Mas agora me pego pensando nisso o tempo todo…

Pela primeira vez tive medo. E sabe? Isso não vai sair de mim…

Page-Divider

Pronto. Falei. Sabia que este blog nasceu por isso? Pela minha necessidade de falar aquilo que não dá pra ser dito em voz alta… depois foi tomando outros rumos…afinal a gente é mesmo eva de muitas faces, né?

Pra encerrar, duas coisas:

Primeiro que desejo uma semana comum. Absolutamente comum. Em semanas comuns eu não passo o que passei, em semanas comuns eu trabalho 16 horas por dia, eu durmo assim que deito. Sim, eu quero desesperadamente uma boa e linda semana comum!!!

A segunda coisa é que a vida não pára, então o blog também não vai parar (embora tenha querido fazer isso esta semana). Ao contrário, esta semana teremos uma mega novidade por aqui!

Tem a ver com livros. Seu livro, pra ser exata!

Aguarde!

Feliz semana nova pra você!

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

67 comentários , comente também!

  1. Sobre dor na coluna, sei bem o que vc passa.

    Sobre o medo da perda, também o tenho e acho que todos temos.

    Boa semana para tod@s!

    ResponderExcluir
  2. oie Eliane! realmente a velhice é duro, e não fomos preparados para esperar por ela..ou seja vivemos nosso dia a dia e não nos preparamos para ela , nem emocionalmente nem financeiramente, eu tb não tenho filhos e nem marido, mas não penso nisso, pq tenho irmãos, sobrinhos e graças a Deus acho que eles meampararam...e vc com certeza tb ao vai olhar por vc, pq vc é uma pessoa boa!! bj

    ResponderExcluir
  3. Que coincidência, Elaine, essa semana eu tbm travei a coluna e fiquei 4 dias andando toda torta, sentindo dores. Melhorei às custas de mta medicação e 3 injeções!!!
    Sobre sua mãezinha, que bom que foi só um susto. Essa rotina de hospital é torturante. Passamos por isso ano passado, com meu irmão, que acabou partindo...

    Mas sigamos em frente, ter filhos tbm não é garantia de ter quem te cuide na velhice. Há cada filho por aí...

    Um bjo e fica bem!

    ResponderExcluir
  4. Puxa Elaine, quando nos pegamos assim, desabafando é porque estamos realmente confusos e receosos. Mas não tenha medo, pois tem Alguém que nunca nos abandona.Tenha fé e não deixe a peteca cair porque essa danadinha, de vez em quando, se a gente bobear, quaaaseee cai, mas Ele ajuda e nos dá a força que precisamos.
    Bjs e uma semana bem comum pra vc,
    Marlene
    Flores e Framboesas

    ResponderExcluir
  5. Ah, querida ...passamos exatamente por isso, parece que vi um filme, com todos os detalhes, nossa como a vida se repete em vários lugares...infelizmente (já que ninguém está pronto para a única certeza dessa vida ), minha mãe partiu...,e por ter sido a melhor mãe que alguém pode ter, foi mesmo difícil, ainda dói, mas com menor intensidade...

    Ah, vou orar daqui por ti ai, porque sei que esses momentos são uma prova de fogo!!

    Te cuida, porque a gente te ama tá gata ?? E não é da boca prá fora !!

    Bjus 1000 lindona !

    ResponderExcluir
  6. Ah, querida ...passamos exatamente por isso, parece que vi um filme, com todos os detalhes, nossa como a vida se repete em vários lugares...infelizmente (já que ninguém está pronto para a única certeza dessa vida ), minha mãe partiu...,e por ter sido a melhor mãe que alguém pode ter, foi mesmo difícil, ainda dói, mas com menor intensidade...

    Ah, vou orar daqui por ti ai, porque sei que esses momentos são uma prova de fogo!!

    Te cuida, porque a gente te ama tá gata ?? E não é da boca prá fora !!

    Bjus 1000 lindona !

    ResponderExcluir
  7. Como eu te entendo! Temos varias coisas em comum - mãe idosa e teimosa, diversos sustos,e outras coisas mais. a vida continua e não podemos esmorecer. Teu blog ajuda blogueiras como eu, medrosas. vamos em frente! Te desejo uma boa semana comum!!

    ResponderExcluir
  8. Ah! Elaine querida! Que sofrimento!
    Nós humanos somos estranhos, porque pensamos ........
    Temos sempre o medo rondando, medo de alguma coisa, sempre.
    Eu já me peguei pensando também como será quando eu estiver mais velha e precisar de ajuda. Tenho filho, tenho nora, tenho neta ..... mas moram longe, muito longe ......
    Aqui em casa, eu e Husband, um cuidando do outro.
    Tenho irmão, cunhada, sobrinhas mas .... cada um com seus problemas, cuidando de sua vida ..... não poderão cuidar de mim (só uma vez ou outra). Tenho poucos amigos, mas também cuidam de seus afazeres.
    Final da história: queria mudar para o fim do mundo (onde está meu filho), para, agora ajudar muito eles, e depois ter eles a meu lado, pelo menos para saber que estão por perto.
    Seria egoísmo meu? Não sei .... mas penso assim. E muito.
    Uma semana comum para nós. Saúde.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Eu sou uma pessoa que amo estar sozinha, com meu livro, meu note, meu controle remoto, mas às vezes tenho medo de morrer sozinha, sem ninguém ao meu lado, é estranho estar falando aqui, só quem sabe é meu marido, tenho a família grande, mas quando eu ficar velhinha, não sei quantos irmãos terei ao meu lado, eu sou a mais nova.

    Mas sinceramente, o bom mesmo é ter amigos, amigos verdadeiros aparecem do nada, vem de longe, largam tudo pra ficar ao nosso lado. #fato

    Se é uma semana comum que você quer, que Deus a abençoe.

    beijos

    ResponderExcluir
  10. Querida Elaine: Quero responder o texto de forma bem direta, pois assim como vc me encontro em situação parecida. Seu desabafo meu desabafo.Beijos ... falo com vc essa semana, obrigada pelo texto me "exteriorizou".

    ResponderExcluir
  11. Minha querida Elaine!
    Não ando visitando muito os blogs que curto tanto, muito menos comentando... As coisas andam um pouco difíceis (cuidados com meus pais e mais alguns da família). Passei a semana sendo a mãe postiça de uma sobrinha de 11 anos (minha irmã estando em outra cidade), levando e buscando no colégio e tudo mais, já havia me esquecido como era esse ritmo,rsrsrsr. Vi a atualização aqui do seu blog e resolvi dar uma chegada... Fiquei lendo o que vc escreveu. Bom saber que sua mãe já está bem novamente. O que me fez pensar e tentar imaginar é minha vida no futuro tbém. Tenho minhas filhas, irmãos, sobrinhos, marido , pais e mais uma renca de gente, mas isso não quer dizer que minha situação seja diferente da sua. Ninguém sabe como será o amanhã. Quem cuidará de quem. Tudo é totalmente imprevisível. Ter filhos não é indicador de absolutamente nada em relação a ficar sozinho ou não. Hoje sabemos como as coisas estão, amanhã só Deus sabe. Então, vou ficar com o "Deus provê, Deus porverá, sua misericórdia não faltará". Vamos viver o hoje, fazendo a nossa parte, cuidando dos nossos.
    Assim como vc, tbém quero uma semana comum (já estará de bom tamanho, né?).
    Bjks
    Renata

    ResponderExcluir
  12. Elaine, boa noite
    Interessante como as pessoas se parecem, no fim das contas. Ler você descrevendo sua mãe chegou a ser um susto, quase parecia que você falava da minha.Fora a parte de tratar mal uma nora ou genro, que minha faz mais o tipo vítima, "não quero incomodar ninguém, e também ninguém se preocupa se estou viva ou morta". No mais, muito parecido o comportamento das duas. Quanto a isso de se surpreender (re)encontrando coisas que deveriam ficar para trás, eu encontrei foi é uma fórmula de viver com isso: não empurro mais de volta pro fundo, eu as recordo, até revivencio,sinto novamente a dor e raiva, mas me coloco no lugar da minha mãe, ou tento, fico pensando nas limitações e sofrimentos por que ela própria teve de passar, e acaba que vou fazendo as pazes com a mãe do meu passado. A do presente, procuro ter toda a paciência pois ela é muito só e não mudou nada desde que me entendo por gente, então só o que me resta fazer é tentar aceitá-la como é.
    E sabe, por tudo que leio aqui, não me parece que quando você estiver velhinha você estará só. Você passa a impressão de ser dessas pessoas que conquistam o carinho e a fidelidade das pessoas que estão próximas e que permanecerão próximas. Ter filhos não é garantia de cuidados na velhice, minha própria mãe depende muito mais hoje do senso de dever dos filhos do que propriamente do amor deles, triste isso, mas é fato. E já vi casos de muitos idosos abandonados pelos filhos.Eu mesma não sei se posso ter essa garantia, pois sendo muito sincera, não sei que tipo de mãe e de pessoa pareço a meus filhos.
    Encerro (finalmente!)te desejando a mais comum das semanas.

    ResponderExcluir
  13. Oi Elaine, puxa, você conseguiu colocar em palavras o que tenho sentido no ultimo mês. Estamos também passando por essa situação. Um abraço apertado e uma semana bem comum prá você, tá? Beijão, fica bem, não pense demais. Pat

    ResponderExcluir
  14. Oi Elaine!
    Também espero ter uma semana comum.Já passei isso que você passou e sei o quanto a vida da gente vira de cabeça pra baixo.Muitas vezes pensei em desistir do blog,mas graças a Deus não o fiz.Hoje me sinto feliz em poder ler você.
    Grande abraço e feliz semana comum.
    Se cuida

    ResponderExcluir
  15. Ja passei por isto com meu pai Elaine...fez o que quis da vida dele,nos largou e foi ser feliz,mas quando apertou ele voltou pedindo ajuda....ja passei por isso,este ressentimento ligado as atitudes dos pais no passado nunca vai passar,mas a gente tenta colocar uma pedra em cima.Ealine Gasparetto eu escrevi umas linhas la no meu blog....foi a umas três horas atrás.EU NUNCA,NUNCA CHAMEI NINGUÉM PRA LER NADA DO QUE ESCREVO OU PRA VISITAR MEU BLOG,MAS CONVIDO VOCÊ,NÃO COMENTE,NÃO DIGA NADA,LEIA ATE O FIM....eu só fiz isto(te convidar)porque meu coração pede....mas lembre-se,não sou racional,sou totalmente sentimental...então...falei.
    Beijinhos
    Deusa

    ResponderExcluir
  16. Obs:Tive vontade de excluir meu comentario,mas não vou....
    Deusa

    ResponderExcluir
  17. Eu te entendo completamente. Meu último texto fala do meu incômodo com a solidão. Mas ela me incomoda bem mais no ponto que percebo que quanto mais velhas nos ficamos, mas sozinhas vamos ficando também, parece que é a regra, e claro que existem as exceções.

    E na velhice quem socorre mesmo são os filhos e suas esposas e maridos, vejo isso acontecendo com meu pai e minha mãe. E é quando me pergunto o que vai ser de mim, tão solitária, quando o corpo não tiver mais respondendo, quando eu precisar realmente de ajuda. E te confesso que essa idéia me apavora.

    Às vezes acho que tinha que ter tido filhos, adotado, sei lá. São tantas coisas que passam pela minha mente que nem gosto de pensar muito.

    Quanto ao drama com sua mãe, às vezes a minha prega uns sustos assim. E sempre penso que é bom que ela possa conta com a gente.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  18. Elaine, sinto muito pela sua mae e te entendo perfeitamente.
    Meu avo nao quer ajuda de ninguem nunca (esta' com 92 anos e alguns problemas de saude, mesmo assim nao aceita ajuda, durao! entao os filhos fazem o que podem, respeitar a vontade dele, mesmo contra a vontade dos filhos, e' importante).
    Ter medo nao e' de todo ruim. E eu te pergunto: quem nao tem medo?
    Minha mae tem filhos (eu e meu irmao), porem por conta das curvas da vida, nao construiu lacos afetivos conosco... agora, ela que ainda nao esta nem na casa dos 60anos, apos o falecimento do meu pai, esta perdida e sozinha.
    Querida do jeito que voce e', tenho certeza que se um dia precisar, nao lhe faltara companhia, carinho e cuidados.
    Abracos e otima semana.
    Gra
    * que bom que o blog nao parara'; melhoras e se cuida.

    ResponderExcluir
  19. Feliz nova semana pra você. Fale o que quiser. E eu compartilho dessas preocupações com você. Eu não tenho mais meu pai há 12 anos e há 1 ano e 7 meses minha mãe se foi. Tenho mais 5 irmãos, todos casados. Hoje moro sozinha na casa em que antes eram eu e mamãe. Ela se foi lá do hospital, não voltou pra casa. Eu já tenho 37 anos, não sou casada e nem tenho filhos. Me pergunto sempre igual a você: "Quem estará comigo?" Desejo a você tudo de melhor nessa semana e serenidade sempre (é o que eu tento a cada dia).

    Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Olá Elaine.
    Esta é uma situação que temo que me aconteça... Ter a minha mãe nessa situação... Ela também gosta de morar sozinha e so vem para minha casa passar uns dias debaixo de muita insistência. Apesar de morar muito perto de mim fico sempre preocupada por isso entendi muito bem a sua preocupação. Quanto a você um dia... Pela pessoa que é e os amigos que tem você nunca vai ficar sozinha...
    Espero que a sua mãe melhore e sua coluna também.
    Beijinhos grandes.

    ResponderExcluir
  21. Oi, Elaine. Vou te dizer, ter filhos não te garante muita coisa. Não dá certeza de nada. Tem filho muito ingrato por aí, sabe? Às vezes um estranho cuida melhor no final. Uma senhora, vizinha minha, muito querida que me acompanhou muito nos encontros de igreja, que muita gente até pensava ser minha mãe, morreu sozinha num asilo para idosos que necessitavam de cuidados especiais. Os três filhos foram avisados que ela estava morrendo, e nenhum apareceu tendo por desculpa não quererem ver a mãe morrer. Fiquei indignada. Se eu pudesse ir, teria ido, ainda assim, graças a Deus tive a chance de uns dias antes ter ido visitá-la e dar um beijo. Depois desse acontecimento, que me chocou profundamente, fico tbm pensando como será a minha hora, pois apesar dessa senhora ser de muita fé e uma mãe muito querida, teve uma passagem tão triste. Fico pensando se ela era uma santa, pois os santos, como santa Jacinta de Fátima, a pastorinha, tbm morreu sozinha. Então entrego nas mãos de Deus. Importante, acho, é partirmos com nossa consciência em paz. Pense nisso.
    Beijinho...

    ResponderExcluir
  22. Oi, Elaine. Vou te dizer, ter filhos não te garante muita coisa. Não dá certeza de nada. Tem filho muito ingrato por aí, sabe? Às vezes um estranho cuida melhor no final. Uma senhora, vizinha minha, muito querida que me acompanhou muito nos encontros de igreja, que muita gente até pensava ser minha mãe, morreu sozinha num asilo para idosos que necessitavam de cuidados especiais. Os três filhos foram avisados que ela estava morrendo, e nenhum apareceu tendo por desculpa não quererem ver a mãe morrer. Fiquei indignada. Se eu pudesse ir, teria ido, ainda assim, graças a Deus tive a chance de uns dias antes ter ido visitá-la e dar um beijo. Depois desse acontecimento, que me chocou profundamente, fico tbm pensando como será a minha hora, pois apesar dessa senhora ser de muita fé e uma mãe muito querida, teve uma passagem tão triste. Fico pensando se ela era uma santa, pois os santos, como santa Jacinta de Fátima, a pastorinha, tbm morreu sozinha. Então entrego nas mãos de Deus. Importante, acho, é partirmos com nossa consciência em paz. Pense nisso.
    Beijinho...

    ResponderExcluir
  23. É mesmo, as semanas comuns são as melhores, que a gente tenha uma semana conforme o planejado para ela, e que a rotina seja "extraordinária"!

    ResponderExcluir
  24. Oi Elaine!

    Fiquei feliz de saber que sua mãe está melhor. E que você também está!
    A vida tem dessas coisas mesmo, cada um ajuda como pode. Também fui "a forte" quando minha mãe adoeceu, e também a minha irmã; fui eu que segurei as pontas apesar de ser bem mais nova. Já durante a doença do meu pai eu acompanhei, dei força, mas quem segurou a onda foi a mulher dele. Mas engraçado é a saudade mais forte...
    eu também me pego pensando em como será quando for eu a cair, ficar doente em um hospital, afinal já não tenho quase ninguém por mim. Não tenho filhos, nem pais nem irmãos. Os primos são afastados, os sobrinhos quase não os vejo, o namorado...está em vias de virar "ex"...graças a Deus tenho uma super amiga, quase uma irmã, que sempre está por perto.
    Mas a vida é isso, a gente faz certas escolhas...nem sempre as certas.

    Beijos, Renata
    palpitandoemtudo

    ResponderExcluir
  25. Que a sua semana seja a mais comum possível...
    Não é só você que esta precisando de uma semana comum. Mais ainda bem que os problemas não são eternos!

    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Elaine,

    Esse post tem muito a ver comigo!
    Aliás tudo. Minha mãe foi assim intransigente como a sua. Deu mto trabalho, mas morreu dormindo. E todos estávamos conformados.
    Meu problema maior ficou. E a minha missão apenas começou. Antes de morrer minha mãe pediu para que eu cuidasse dos meus irmãos doentes. Um tem esquizofrenia e o outro é autista. o autista quase não me dá trabalho. Mas o esquizofrenico é meu carma.
    Quer tudo na mão. Não faz nada e ainda me xinga. Nada do que eu faço presta.
    Ontem tb foi um dia de cão mesmo!
    Tb estourei, joguei tudo pro alto!
    A carga tá pesada demais para eu carregar sozinha e ninguém quer dividi-la comigo!
    Me vi direitinha nesse post.
    Mas ao contrário de vc , não tenho mais medo... Não é pq tenho um filho, mas pq talvez esta seja a minha missão aqui. Carregar minha família nas costas.

    Uma semana cheia de luz pra vc!

    bjinho no core!

    ResponderExcluir
  27. Elaine, eu tb gosto mto de semanas comuns, outro dia até comentei sobre gostar de rotinas com a Clau Finotti.
    Sei bem que tem acontecimentos que o tempo não apaga, o negócio é administrar, seja de que jeito for.
    Vc tem sobrinhos, espero que eles sejam presentes na sua velhice, mas tb quem garante que a gente chegue até lá? Vai saber...Espero que esses pensamentos não te atormentem tanto, fique em paz, minha amiga.
    Bjs♥

    ResponderExcluir
  28. Elaine, bom dia querida!!

    Sinto muito pelo que aconteceu a sua mãe, graças a Deus ela já está bem e passeando, sei muito bem como são esses dias, essa angústia que sentimos e as decisões que temos que tomar, sempre tem um filho mais forte e parabéns pela sua postura, firme e guerreira.

    Menina linda, vê se cuida desta tua coluna, não somos de ferro (infelizmente) rsrsrs

    E o que vai acontecer no futuro, quem vai tomar conta, isso só Deus é quem sabe, mas eu sei de uma pessoa que vai estar sempre ao teu lado, nosso Papai do Céu, Ele nunca nos abandona.

    Te desejo uma semana de bençãos e muitas alegrias.

    Um enorme beijo,

    Su

    ResponderExcluir
  29. É amiga...pai e mãe deveriam ser eternos, não posso nem imaginar como seria minha vida sem eles...Bjos

    ResponderExcluir
  30. Sabe Elaine sou mãe de um casal mas sou filha única, sempre senti solidão nos natais principalmente...Então como uma tábua de salvação fiz amigos, muitos de mentira mas alguns para a vida toda, e penso que vc com todo esse seu carisma, não vai sofrer de solidão jamais...
    Bjo no coração

    ResponderExcluir
  31. querida sei o que é isso... aproveite cada minute que tem com a sua mãe, porque é triste não poder dizer adeus, eu não pude dizer adeus ao meu pai. por isso diga todos os dias o quanto a adora...... bjinhos grandes

    ResponderExcluir
  32. Oi Elaine! Meu Pai esteve hospitalizado nos últimos dias e eu mamis, irmã e o resto da família acompanhamos ele nesse período. Ai me peguei pensando:"Espero nunca ter que passar por isso, espero nunca ter que ficar internada em um hospital, mas se um dia isso acontecer espero ter todo esse carinho por parte das pessoas que eu gosto". É inevitável pensar essas coisas, sempre rola aquele medo de ficar sozinha, de se sentir sem ninguém. Mas, Deus é tão bom que jamais desampara seus filhos e é isso que temos que ter em mente. Ninguém está sozinho quando se tem a Deus. Que a sua semana seja linda, desejo melhoras a vc e a sua mãe. Que tudo volte ao normal! Beijão.

    ResponderExcluir
  33. Olha, minha mae é igualzinha! Tive problemas seríssimos nos ultimos dias por causa de demencia senil que altera a razão e a percepção mas o genio ruim permanece o mesmo! Eu não tenho ninguem mas ninguem mesmo pra me ajudar: nao tenho irmaos, nem cunhadas nem ex cunhadas. Viajo todos os dias para trabalhar pq ela se recusa a mudar.
    Eu nao quero envelhecer e desgostar a mim e a meu filho. NO WAY!
    Minha vida vai durar no maximo mais uns 10 anos. Depois disso hora extra nao faço de jeito nenhum!
    Qdo eu era adolescente visitei um asilo e pensei exatamente como vc, o que vai ser de mim? Nao tenho irmaos, provavelmente nao vou me casar..... quem vai cuidar de mim?
    Mas a vida (essa caixinha de surpresas)resolve problemas insoluveis. Anos depois engravidei! E hj tenho um carrapatinho. Claro que ele vai viver a vida dele, e eu espero que o faça mas se eu precisar com certeza ele vai me amparar.
    Nao pense na velhice Elaine, o destino já se encarregou de resolver você só nao sabe disso ainda

    ResponderExcluir
  34. Sabe Elaine, meus pais são idosos e eu cuido deles. Ano passado passei por uma cirurgia, um de meus irmãos me levou ao hospital mas não ficou, não tinha ninguém na minha familia disposto a ficar comigo e não pedi a amigos para não dar trabalho, quando acordei, meu cirugião estava no quarto esperando pra me dizer que tudo havia dado certo. Solidão não é coisa apenas de pessoas idosas, mas de pessoas que por um motivo ou outro decidiram passar por esta vida dando o mínimo de trabalho aos outros. Aprendi com isso que Deus é maior, meu cirurgião não precisava estar lá, mas ficou então é ou não a graça de Deus agindo. Beijos, linda semana e desculpe o tamanho do comentário.

    ResponderExcluir
  35. Olá, querida Elaine.
    Não te acompanho há muito tempo para compreender por inteiro esta relação familiar que você descreveu em uma fatídica semana, mas senti que há questões de estresse - e em que família não há?
    Só que em casos assim, alguém tem sempre que ser a racional, alguém tem que conseguir dirigir o carro com o enfermo (quando a coluna permite...), alguém tem que tomar as atitudes necessárias, fazer o planejamento para o futuro mais próximo. E isso é, sim, um grande peso. Suas dores devem estar refletindo isso, inclusive.
    Também tenho pensado bastante no futuro, tenho um filho que costumo dizer que podia ter nascido de chocadeira (é ótimo, mas totalmente desapegado de amigos ou família), costumo brincar com minhas sobrinhas que terão que cuidar da titia velhinha... rsrs
    E quem sabe se com 10 filhos teremos algum que cuidará de nossa velhice?
    Mas é mesmo preocupante, em um país em que saúde e educação de qualidade é sinônimo de dinheiro.
    A nós, cabe apenas TENTAR reservar um pouco de dinheiro para as emergências e cuidar da alimentação e das atividades físicas. Ah! E da alma, que esta também padece...
    Espero que tenha uma semana melhor, ou no mínimo comum, como você mesmo disse. Saúde para sua mãe e sua coluna, paciência para sua ex-cunhada e força para seus irmãos.
    bjs

    ResponderExcluir
  36. Elaine

    Todos temos nossos momentos difíceis, às vezes pedimos tanto a Deus que algo extraordinário e diferente aconteça, outras vezes queremos apenas a segurança da rotina...

    A vida segue, dos dois lados, o que tenho tentado ultimamente e que tem me ajudado muito é pensar que sempre faço o melhor que posso, dentro das minhas muitas limitações, mas isso me traz um sentimento que eu acho fundamental: estou em paz com o meu passado.

    Que Deus possa continuar iluminando seu caminho, te mando daqui muitas boas vibrações.

    ResponderExcluir
  37. oi elaine tenho pena que sua mãe tenha passado mal, espero que fique tudo bem com ela e com você,beijos

    ResponderExcluir
  38. Elaine
    Eu concordo com voce em tudo!
    E nem pense em deixar de escrever neste blog. Voce é uma amiga muito querida!
    Mamae também esta ficando mais velha e com as doencinhas chegando. Fiquei com ela 21 dias no hospital desde o reveyon.
    Depois ela continuou com crise de asma e tem apenas uma semana que esta boa de tudo.
    Mas o maior mal da mamae é a saudade de andrea. Olhe somos seis filhos e duas noras, mas ela teima em querer so a andrea.
    E entao ela esta de experiencia ficando este mes com a andrea . começou terça feira passada.
    Tenhoc certeza que ela ficara bem lá. mas os medicos sao daqui e algumas vezes ela devera voltar.
    esta seman estou fazendo exames tambem, mas semana que vem vou pra lá.
    E sabe o que mais?
    Nao adianta pensar no nosso futuro envelhecendo pois messo quem tem muitos filhos só alguns podem ajudar ou as vezes só uma basta.
    Tenho certeza que Deus misericordioso lhe dara alguem, assim como eu que sou solteira e nem marido tenho.
    Para todo o sempre muitas alegrias!
    com amizade e carinho neste inicio de semana
    de sua amiga Monica

    ResponderExcluir
  39. Eu nem sei bem o que dizer, queria só mesmo te dar um abração, imagino como se sente. Minha avó foi minha mãe por muito tempo e quando eu a perdi, perdi meu chão e muitas vezes ainda é muit doloroso, superar as questões familiares do passado então? Tem coisa que não passa, que só hiberna dentro da gente e fica à espreita, prá em determinado momento latejar, e como é difícil lidar com isso, mas sepultar é preciso.

    Também gosto da rotina, dos dias comuns, que nada bagunce minha vida.

    Beijos e abraços apertados ♥

    ResponderExcluir
  40. Ei Elaine!
    Desejo todas a força do mundo para que você possa viver suas adversidades e superar cada uma delas.
    Sei o quanto você é forte!
    Que sua mãe se recupere logo.
    Linda semana para você!(ou seja, que tudo seja normal)
    Gdbeijo

    ResponderExcluir
  41. Elaine querida entendo muito bem o que vc sente e fico feliz que sua mãe já esteja bem e recuperada. Quanto ao que vc vem sentindo, por incrivel que pareça é o meu medo, mas não por mim, e sim por minha filha. Sou filha única, meu ex marido é filho único e minha filha é única tbém, e meu maior medo e deixá-la sozinha no mundo, lógico ela namora, mas o que será dela sem ninguém da familia? Procuro nem pensar nisso, e sei exatamente como vc se sente. Confie em Deus que com certeza, vc tem e terá muitos amigos e claro, seu marido, seu companheiro. (Nada da Uol? Ja ta pago ta? Bjos)

    ResponderExcluir
  42. Oi, Elaineeee! Sinto muito pelo acontecido com sua mãe e desejo muita energia positiva para toda a sua família para vocês se recuperarem do susto e dos estresses que a situação trouxe.

    Só que acho que você deveria ficar despreocupada com quem vai cuidar de você na sua velhice, afinal... Nós, leitores do seu blog, te lemos na saúde, na doença, na pobreza e na riqueza rs

    Do mesmo jeito que vc ajuda todo mundo, faz mutirão pra ajudar aos mais necessitados, se caso aconteça alguma coisa com você algum dia, eu mesmo me comprometo de promover um mutirão de ajuda para você ou algo do tipo!! *-*

    Ebaa! Vai ter notícia boa essa semana \o/ Vou esperar ansiosamente :D

    ResponderExcluir
  43. Ai que bom que bom que sua mãe
    está bem.
    Quantos aos medos? descanse em Deus.
    Tenha uma semana feliz.
    Bjs

    ResponderExcluir
  44. Elaine...

    Eu te entendo qto aos sentimentos.
    Eu fico com medo de minha reação ou da minha não reação qdo isso acontecer.
    Essa solidão que vc sente, nós sentimos tbm, tendo filhos sim. Cada um é cada um e uma mãe cuida de 100 filhos mas um filho não cuida de uma mãe. Já ouviu isso, não já?
    Que bom que deu tudo certo. Melhoras pra sua mãe!

    Qdo quiser desabafar, estamos todas aqui, com os ombros e um lencinho, se vc precisar.

    Estou mega ansiosa pela novidade do livroooooooooooooooooooo!!!!
    Será agora, meu Deus? Que seja qdo eu estiver preparada! Amém!

    Beijos

    ResponderExcluir
  45. Elaine querida,
    Estou sumida do mundo dos blogs, mas ainda visito uns blogs de vez em quando e recebo os posts em meu e-mail. Meu bloguinho amado está de lado. É a primeira vez que estou escrevendo algo desde que me afastei. Mas não pude ficar indiferente as suas palavras.
    Estou passando exatamente por isso. Primeiro em relação a não ter filhos e depois em relação a doença do meu pai.
    Com a idade já meio avançada, resolvemos não nos arriscarmos (eu e marido) a termos um filho, a não ser que seja uma gravidez assistida, uma inseminação in vitro talvez, mas é caro, portanto...não dá para ser agora :( não arriscaremos uma gravidez, um filho com problemas, uma gravidez de risco, etc. E o que penso diariamente há um ano é sobre nossa velhice.
    Meu pai está muito doente, está com câncer, e vejo como ele é cuidado por minha mãe, mesmo ele nem merecendo tanto, pois além de ser ex-marido, foi sempre péssimo com ela, sempre a humilhou e a maltratou. Mas ela está lá, ele voltou para casa e ela cuidando dele com carinho e amor. O segredo dela? PERDÃO. Ela perdoou de verdade.Com isso, muitos sentimentos antes adormecidos em mim vieram a tona. Fiquei revoltada, chateada, triste, com raiva e tudo mais que pensei não existir mais dentro de mim em relação ao meu pai - ou seja, não devo ter perdoado verdadeiramente :(
    Mas mesmo assim, mesmo com tudo isso, lá vou eu correndo para BH ajudar a minha mãe a cuidar dele. Da última vez fiquei um mês e sábado estarei indo para lá para ficar um tempão também.
    Paralelo a essa crise vem esses pensamentos: quem cuidará de mim e do meu marido? Meus pais têm duas filhas, mas e eu e meu marido? Bate um medo, uma insegurança, e no fim, o que me deixa um pouco mais tranquila é a certeza de que Deus está no controle de tudo. ELe não nos abandonará.
    Fique em paz, querida, você não está sozinha.
    Beijinhos, com muito carinho
    Joana (Jô)

    ResponderExcluir
  46. Eline querida,agora já é bom dia de terça feira.
    Postagem mais parecida com minha vida e com a vida de muita gente né.
    Você tem o dom de transformar o dia a dia num veerdadeiro poema e mesmo triste,gostoso de ler.
    Que sua mãe melhore. Que sua dor também melhore,porque tenho hernia de disco lombar e sei o que voce sente. Como você penso também que ninguém merece essa dor.
    Vou levando...
    Vamos levando..
    Um grande abraço
    Teca

    ResponderExcluir
  47. Oi Elaine!

    Como vc está agora?
    Conheci seu blog através do blog da minha linda Edinir e sinceramente amei estar aqui!

    Quanto ao seu desabafo amiga, vc é como eu, quer falar o que sente e o que fica engasgado.

    Mas apesar de vc se preocupar com a velhice e ficar sozinha eu te digo algo importante.

    Realmente filhos, nora, netos não são determinantes, mas se vc realmente tiver amigos de verdade, vc jamais estará sozinha.

    Tenho 3 filhos, 2 rapazes... um com 24 anos, o outro com 19 anos e minha caçula com 7.

    São a minha vida e saõ sim muito companheiros, combinamos muito, nos damos muito bem, mas não é determinante em muitos casos.

    Quero que saiba que a vida amiga é mesmo assim, cheia de surpresas, cheias de obstáculos, mas que na verdade o mais importante é o amor, o respeito e a compaixão com o próximo e principalmente consigo mesma.

    Tenho certeza que vc jamais ficará sozinha, jamais... pense nisso.

    Quanto as coisas do passado, algumas marcam para o resto da vida, mas com o tempo, não dóem mais, ficam as marcas, mas a dor vai embora, só não vai se vc mexer nas feridas!

    Beijos minha flor e desculpe o meu desabafo!!!

    Conte sempre comigo!!

    ResponderExcluir
  48. Oi Elaine!

    Eu te escrevi um e-mail sobre esse post, mas me enrolei aqui na hora de clicar pra enviar e penso que não enviei e nem salvei... snif.

    Suas palavras sempre tão viscerais, tão verdadeiramente singelas e profundas ao mesmo tempo.

    Em casos de doença e morte (nunca pensei que ia acontecer isso comigo), a gente se torna mais reflexiva que o normal.

    Depois da morte do meu pai vejo muita coisa com outros olhos. Nem é culpa, mas penso que muita coisa poderia ter sido diferente.

    Graças a Deus meu pai foi uma pessoa boa, deve ter acumulado méritos durante os quase 60 anos que viveu e com certeza está em um bom lugar.

    Se puder te dizer uma coisa apenas hoje é: faça o seu melhor. Ninguém sabe dos desígnios de Deus, então o importante é sempre ter a consciência tranquila de que fizemos nossa parte.

    Eu nunca poderia ter retribuído à altura o que meu pai fez por mim, mas o que eu pude na época eu fiz, e isso me faz sentir com mais leveza a morte dele. (existe leveza na morte?)

    E quanto aos filhos... ah, os filhos...

    Beijos, já tô falando tudo junto e misturado, hora de ir dormir...rs...

    Clau

    ResponderExcluir
  49. Eu comecei a escrever um comentário enorme aqui mas acho melhor escrever mais curtinho. TENTE SE LEMBRAR DE TUDO O QUE VC UM DIA TEMEU NA SUA VIDA E NUNCA ACONTECEU. Te garanto que serve para esta situação.

    não pense pelo pior não. Nem se imagine tão sozinha, pq sempre tem alguém que vai se importar com vc, vc tem sua família de amigos que pensam em ti e não só na hora do "tá tudo bom". Fora seus sobrinhos q devem te amar muito tb...

    entendo mto o seu medo, o que vc pensa e sente...mas não pega por esse lado tão triste, viu?

    bjs

    ResponderExcluir
  50. Querida,ando passando momentos complicados com meus avôs,o triste é saber que eles tem filhos e nenhum deles acha que tem obrigação de cuidar!quando li seu post senti uma vontade enorme de de dar um abraço e minha solidadriedade,sinta se abraçada,e confie em DEUS,BJOS.

    ResponderExcluir
  51. É engraçado como passo sempre por aqui, mas pouco deixo meu comentário. feio isso, né? rsrsrs...

    hoje não consegui. achei lindo e bem profundo o texto. impossível não se identificar estando na mesma situação, mas o fato é que ainda não decidi se vou querer ou não ter filhos. enfim, aí já é um conflito meu e pro meu blog. hahahaha...

    por aqui deixo paz, amor e que você seja feliz nas suas escolhas.

    um beijo!

    ResponderExcluir
  52. Nossa Elaine que barra que você e sua família passaram hein...desejo melhoras á sua mãe e que Deus esteja á frente da vida de vocês...
    Uma semana super normal pra você.
    Ficxa com Deus.

    Bjinhus super carinhosos.
    ♥ Tami ♥

    ResponderExcluir
  53. Oi Elaine!
    Andei sumida dos blogs, mas voltei!
    Lamento pelo que você passou e espero que sua semana tenha voltado a normalidade. A vida tem dessas coisas, temos aqui minha sogra que com Alzeimer e é só preocupação, cada dia é uma batalha vencida.
    Beijinhos e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  54. Elaine amada, a vida prega peças na gente o tempo todo - quando estamos na semana comum, queremos uma revolução, quando estamos numa semana incomum, queremos a comum - ...e a vida segue.
    Sobre a sua dor fisica, graças a Deus não sei como é. Mas já a outra dor, da perda por exemplo, sei na pele como é de fato, pois já passei várias vezes - mãe, pai, irmãos...e envolve muitos sentimentos sim independente de tudo e é só na hora que vamos saber como lhe dar com todos eles.
    Sobre filhos: eu tinha muito esse medo...acho que é por isso que já estou na minha segunda bacurizinha rsrs.
    Bjs e melhoras.

    ResponderExcluir
  55. Ah, Elaine! Acho que temos que viver um dia atrás do outro, porque não adianta sofrer por antecipação. Quando minha adoeceu, fiquei com ela no hospital e ela veio a falecer. Foram dias de angústia e necessários. Eu que sempre tive medo de perder a minha mãe, fui a que adotei a postura racional que você bem disse. Tive que ser forte para os meus irmãos não surtarem - e eu que sempre fui a protegida por ser caçula. Mas é a vida!! Nenhum pensamento é em vão e eles vão amadurecendo e vamos aceitando. Vamos aceitando o destino. Hoje me pego também a pensar em outras pessoas que posso perder e a conclusão é essa mesmo: Nascemos sozinhos e vamos morrer sozinhos.
    Estou sabendo da novidade... Vim do blogue da Macá.
    Boa semana! Beijus,

    ResponderExcluir
  56. Boa tarde Elaine

    Sou solidária aos seus sentimentos, passo por isso quase todo dia com mãe e pai doentes

    E também não tenho filhos, nunca puder ter apesar de ainda ser nova

    Também penso no futuro, como você falou: sem filhos para chorar ao lado da cama, nem noras nem genros. Espero envelhecer ao lado do marido, mas só o tempo dirá

    Mas, essa é a vida que nós temos, o que tem que ser será!!

    Desejo melhoras à sua coluna, terrível essa dor que poda a pessoa de fazer o que se quer

    bjosss

    ResponderExcluir
  57. Elaine, hoje fomos ao médico com minha mãe, visita programada, levar exames. Ela tem 86 anos. Minha irmã, que foi comigo (ou eu com ela) tem 42 anos e não tem filhos. E falávamos sobre a velhice, minha mãe anda muito desanimada, mas tem boa saúde, não fosse a depressão e o pessimismo que a acompanham e fazem dela uma reclamadeira de mão cheia. Minha irmã falava de outras pessoas mais velhas que conhecemos e dizia que pensa muito em quem vai olhá-la quando envelhecer...Falou que vai providenciar para ter recursos para pagar um bom asilo, pois se não tiver mais o marido, não terá quem cuide dela. Agora, me diga, quantas mães de vários filhos não andam vivendo em asilos nesse momento? Filho não é garantia de companhia na velhice, de jeito nenhum
    Desejo melhoras à sua mãe.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  58. Ah! Elaine, eu já cheguei a esta conclusão...que somos nós por nós mesmos e devemos aprender com nossos pais/mães a não sermos teimosos no que diz respeito a tratamento e a saúde. Tenho uma certeza na vida, eu serei a última a ir, como sei disso? simples na hora do pega-pra-capá sou eu quem faz TUDO, os outros se desesperam e MORREM sem nem ao menos estarem destinados a isso....rsrs
    Mesmo tendo minha filha não pretendo ser um peso, pretendo sim, fazer o que for melhor para que ela tenha uma vida plena, comigo ao seu lado ou não.

    Mamãe esteve hospitalizada em dezembro e só veio se recuperar aqui em casa, por eu não ter dado opção de escolha, sou autoritária, agora ela voltou para a casa dela é um inferno de teimosa...rsrs

    Que sua semana seja muuuuuito normal, do jeito que você gosta.
    Muita Luz e Paz

    ResponderExcluir
  59. Nem te conheço direito, tem pouco tempo de frequento seu blog e pelos comentarios que vi por aqui você é uma pessoa de fibra e muito querida ,parabéns por ser assim ,que Deus te ilumine e de força para você e sua familia ,melhoras para sua mãe!
    A fé eo simples fundamento das coisas que não se vê e a certeza das coisas que se experam!

    ResponderExcluir
  60. Elaine,
    Você me emocionou, tanto pela sua mãe, o medo que temos da morte, as dificuldades que começamos a ter com nossos entes queridos quando vão ficando mais velhos e ranzinzas e principalmente essa parte de não ter filhos. Eu não sei por qual motivos vocês não os tem, e me sentir triste neste momento, porque tenho 03, vivo brigando com eles, passo raiva, dou palmadas, coloco de castiga, mas são minha fortuna nesta vida. Força amiga e se precisar estou por aqui, sabe que conquistou meu coração e cada dia aprendendo a amar mais esse seu jeito de ser e viver.
    Beijos
    Lena

    ResponderExcluir
  61. Olá Elaine!
    Descobri o seu blogue este fim de semana e já passei horas esquecidas para descobrir tudo (principalmente as dicas para blogue). Em primeiro lugar espero que a sua Mãe esteja melhor. Eu tenho 60 anos e já perdi os meus Pais há bastante tempo. A minha Mãe morreu de cancro com pouco mais que a minha idade e o meu Pai morreu já com mais de 80 anos e em consequência de um acidente de automóvel pois não conseguimos que le parasse de conduzir. Nunca é fácil mas o consolo que tive é que parei de ver os dois a sofrer sem eu ou a minha irmã podermos fazer nada para lhes valer. Eu tenho dois filhos que vivem comigo e divorciei-me ainda eles eram pequenos pelo que os criei sózinha. No entanto apesar de ter fihos e um cão, sempre gostei e ainda gosto de estar sózinha. Isso nunca me incomodou. Sou muito senhora do meu nariz, como se diz cá na minha terrinha...eheheheheh.
    No mundo da blogosfera tenho-me aventurado e até agora tenho dado conta do recado, melhor ou pior. Acho que agora que encontrei o seu blogue vou experimentar umas coisas.
    Se tiver alguma dúvida e com isto quero dizer, não conseguir mesmo, eu pergunto-lhe, ok? Já coloquei o seu blogue na minha lista e ao mesmo tempo juntei-o à lista dos meus links preferidos para que toda a gente que me visita possa ter acesso a ele. Beijo, as suas melhoras e uma boa semana.
    Milai

    ResponderExcluir
  62. Olá amiga,fiquei comovida com seu post,que bom que sua mãe está bem e que vc tb, a respeito da velhice acho, que ninguem está realmente preparad,O tempo vai passando que nós nem nos damos conta quando vimos já chegamos lá e depois só Deus sabe como vai ser mas sempre tem alguém que nos de uma mãozinha, um vizinho um parente alguem proximo a nós.Então o que fazer né , só nos resta esperar e semear coisas boas pra quando precisarmos ....fazer uma boa colheita bjs AMIGA e fica com DEUS

    ResponderExcluir
  63. Querida, primeiro, espero sinceramente que você esteja melhor da sua coluna, também sofro com isso e é terrível!

    Segundo, claro que todos esses acontecimentos fazem a gente pensar e sentir medos que, normalmente, escondemos bem, mais bem no íntimo.

    Mas, lembra da frase da frase da Raposa do Pequeno Príncipe? "Tu és eternamente responsável por aquilo que cativas?" então, querida, todos nós que fomos/somos cotidianamente cativadas por você, pela sua delicadeza, doçura, carinho e tantas outras coisas, passamos também a ser responsáveis por você.

    E tenha certeza de que sua família é bem maior do que a sua de sangue, sua família de coração está toda espalhada on line e off line - e me incluo nesse grupo, pronta para estar ao seu lado quando você precisar!

    Beijos e fique bem!

    ResponderExcluir
  64. Elaine

    Já tinha lido seu post pelo feed e na hora tudo que você contou tocou muito meu coração.
    Muitas coisas pareciam estar dando replay em momentos similares que passei em minha vida.
    E por mais que queira escrever alguma palavra não consigo. Fico muda, sem palavras.
    Pense positivo, viva um dia de cada vez que Ele sempre estará do teu lado dando forças.

    Beijos no seu coração

    ResponderExcluir
  65. Sabe Elaine, às vezes me identifico bastante com vc, tenho sérios problemas na coluna e travo assim do nada, tbm não tenho filhos e não os terei, assim a vida quis e me pego pensando na minha velhice, o que será de mim sem nenhum gato pra puxar pelo rabo? Seria cômico se não fosse triste, mas ao final não é triste não, é a vida, é a minha vida e seu eu não fizer dela o palco das alegrias viverei eternamente na platéia me lamentando. Vamos seguir adiante e o futuro a Deus pertence.
    Bjsss
    Sileni
    PS: A Belezinha é mt fofa!!! =)

    ResponderExcluir
  66. Acabei de me ver nesse post! Na verdade! minha situação é bem pior! Faço de suas palavras as minhas: sigo tentando ser o mais fria possível, alguém tem que apagar o incêndio… e isso é muito estressante!

    ResponderExcluir
  67. oi Elaine
    imagino que tudo isto causou muita tensão, não é?
    Ter que ser forte por você e pelos outros.
    Permita-se desmoranar de vez em quando, permita-se ser frágil também.
    E você fez muito bem em repartir os seus medos e conflitos para os amigos.
    Mas, eu aprendi que os medos crescem e aparecem muito quando estamos frágeis.
    E foi isso que aconteceu: você com dores, tendo que fazer tanto esforço.
    Todo mundo tem medo da velhice, mas nem todos admitem isso.
    É um processo difícil mesmo.
    E como disse a Patricia Dalto você cativou e cativa tantas pessoas, não apenas na sua família....
    Cuide-se com carinho, procure uma atividade física para diminuir o stress.
    Você trabalha muito tempo sentada, né.
    Alongue-se e cuide bem da alimentação.
    Tudo dará certo, você vai ver....
    As vezes estou muito ausente, mas estou presente no coração.
    Estimo que sua mãezinha fique bem (com menos teimosia, né) rs
    beijos.
    Fica com Deus.

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…