Dias melhores realmente vieram…

em 23 de agosto de 2011


Semana passada li 2 posts que me fizeram pensar.
Em um deles, no Tomando uma chávena de chá, a Alessandra ensinou uma receita de bolo de chocolate econômico e ao longo do artigo ela contou que em épocas de dificuldades aquele bolo ajudou a comemorar aniversários e matar a fome quando não havia pão.

O outro post foi escrito pela Dama de Cinzas em seu A menina por trás da Dama.
No post ela levantou uma questão que, aliada ao post da Alessandra, me fez pensar: porque não comigo?
Explico. Mas vou começar do começo.

Quando eu tinha 16 anos meus pais se separaram, já falei disso várias vezes aqui no blog. Foi uma época dura, meus irmãos eram crianças e só eu e meu pai trabalhávamos.
Àquela época ele fazia as compras de mantimentos no domingo pois ele, trabalhador rural, recebia por semana. E ele foi embora num sábado à tarde, levando todo o dinheiro que havia.
E o irônico é que eu havia acabado de entregar o pagamento do mês pra ele… sempre foi assim, jamais descontei um cheque enquanto ele esteve conosco.

E ele se foi.
Não havia comida.
Foi a pior semana da nossa vida. Não, mentira, Teve piores.
No começo minhas tias ajudaram, mas depois a gente teve que se virar.
E uns 45 dias depois eu perdi o emprego pois as fábricas sempre fecham no fim do ano.
Meu irmão tinha 12 anos e minha irmã não tinha 9 completos.
E nossa mãe chorava, dormia de tarde, batia nos filhos e dizia que jamais trabalharia, como de fato fez.
Foram dias duros.

Lembro de uma ocasião em que minha mãe se recusou a fazer comida porque não havia mistura, só 2 cenouras e 1 ovo na geladeira.
Eu fiz, cenoura ralada mexidinha com ovo. Ficou uma delícia.
Meu irmão saía pra vender picolé e na volta a gente comprava o arroz pra janta. Devagar a gente foi se arrumando.
Eu arranjei emprego. Meu irmão vendia picolé na rua.

Meu tio Antônio, fazendeiro em Goiás, era dono da casa onde morávamos. Lembro dele vir à nossa casinha e dizer que, enquanto minha mãe vivesse, ela não precisaria mais pagar aluguel e nem sair dali.
De fato, ela vive lá até hoje.

Dias vieram nos quais a gente comia mamão verde refogadinho igual batata.
Eu gosto até hoje, sabe? Acho que vem desta época eu gostar de tudo, de tudo mesmo.
Com o tempo meu irmão começou a trabalhar, éramos nós dois e a coisa melhorou. Lembro de ir à papelaria comprar caderno pra minha irmã estudar, os mais baratos que havia, um papel tão ruim que era bege.
Mas ela estudou, cresceu, nós crescemos.
Alguns anos depois nós 3 trabalhávamos na mesma fábrica; foi o melhor tempo pra nós!

Vem deste tempo meu terror de ficar sem um tostão.
E também vem deste tempo eu só conseguir ser feliz trabalhando.
Tenho horror de depender de alguém e esse alguém ir embora levando o dinheiro da comida…
Por tanta cura interior eu já passei, mas isso permaneceu em mim, esse medo de ficar sem nada…

A vida seguiu. Os tempos de comer arroz quirela passaram.
Quer saber?
Foi duro, mas já vi gente passar por coisas piores.
Nós sofremos, mas poderia ter sido pior.
E mesmo nos tempos ruins eu tinha noção de que era conosco, poderia ser com qualquer um. Mas era conosco e a gente venceu.

Digo isso porque a gente é mestre em bancar a vítima: "oh, por que comigo?".
Como disse a Dama de Cinzas: por que não comigo?
Foi ruim, mas me formou para o resto da vida.
Ao contrário do meu pai, eu ensinei meus irmãos que metade do salário era pra ajudar em casa, e metade deles.
Tenho pelos meus irmãos amor de mãe porque eu segurei as coisas quando os pais, brigando entre si, falharam.
Ficamos juntos, e mesmo crescendo em meio a rapazes que roubavam e se envolveram com drogas, meu irmão cresceu um homem de bem. E apesar do abandono, minha irmã hoje em dia é a filha com a qual meu pai conta; ela, que ele tentou de todo jeito fazer minha mãe tirar… ela, que tem um coração muito melhor do que o meu…

E o melhor é olhar pra trás e ver que hoje eu tenho uma vida pra lá de boa. Fruto do trabalho honesto, vida simples, mas boa.
Ao ver meus armários cheios e minha geladeira abastecida sinto uma alegria que só quem comeu arroz de 3ª pode entender.
Ver o Luís Otávio comer danoninho todo dia é saber que a nossa família tem uma vida muito melhor do que teve naqueles dias nublados…

Como eu disse pra Alessandra, comentando no post dela:
"Que bom que hoje a gente pode cobrir o bolo com ganache"…
Não é?

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

95 comentários , comente também!

  1. Emocionante esse post Elaine!!! A dificuldade nos ajuda a amadurecer, na hora a gente não entende mais talvez depois de um tempo o entendimento chegue néh!!!

    Também morro de orgulho de minha irmã, está cursando fisoterapia na Federal, isso não é para todo mundo e eu me orgulho de garantir para ela a traquilidade de apenas estudar.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que triste ter uma infãncia assim tão dura e que felicidade poder superar e saber valorizar!

    Desculpa a sinceridade, mas que porcaria de pais, credo! Por muito menos eu já os deletaria para sempre.

    Se uma pessoa te magoa uma vez, a culpa é dela, mas se te magou duas, a culpa é sua (que ficou ali para sofrer).

    Tu tens o coração muito bom, pois se preocupou em formar os irmãos e os sobrinhos. Deletar esses pais ineptos não é ter coração ruim, é ter senso de auto-preservação.

    Um beijo e obrigada por me contar esta história.

    ResponderExcluir
  3. Ai Elaine, essas coisas nos faz crescer tanto, não é? Também passei um sufoco parecido. Meu pai faleceu quando eu tinha 14 anos, com dois irmãos mais novos que eu. Fui estudar à noite e trabalhar em escritório. Eu estudava num colégio caro e era cheia de mordomias médias. Enfim, ficamos só com nossa casa, que meu pai comprou. Mamãe não tinha pensão nem nada. Os tios ajudaram um pouco no início. Também comi arroz com ovo (e adoro até hoje).
    Pois é, a vida é cheia de imprevistos e a gente acaba vencendo se tiver coragem e ir à luta, mesmo sofrendo ....
    Hoje somos felizes e estamos muito bem graças a Deus e o nosso esforço, o vendaval passou ...
    Que bom, não é?
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Eu também ainda gosto de comer algumas coisas dos tempos difíceis :) Eu e irmão as vezes relembramos os velhos tempos.. muitas vezes ele fez pipa para vender para comprar pão. Isso tudo só nos ajudou a dar mais valor as coisas. :)

    beijo e ótima semana!

    ResponderExcluir
  5. Olá Elaine,

    Nossa, você é uma guerreira!
    Sua história deve servir de exemplo para muitos que vivem por aí reclamanda da vida por coisas fúteis.
    Graças a Deus sua história teve um final feliz, e hoje estão todos bem, vivendo bem e em paz!
    Mas, infelizmente nem sempre é assim!

    Que Deus continue te abençoando grandemente, você merece ser sempre muito feliz!

    ...Fique em paz, uma ótima semana para você!...

    ResponderExcluir
  6. Oi Elaine!
    Linda história de superação! Me emocionou muito, não por pena, pois também tive na infãncia meu período farinha com açucar em que simplesmente não havia nada para cozinhar, mas pela lição de vida resultante de tantas coisas conspirando contra e vocês terem vencido as adversidades de maneira louvável.

    Beijos e uma semana iluminada!

    ResponderExcluir
  7. Quanto mais eu te descubro, mais eu te admiro! ;)
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir
  8. Nooooooooooossa amiga, estou sem palavras diante de um texto tão emocionante assim! Realmente as dificuldades fazem a gente entender, aceitar e superar... sei lá... a própria vida ensina!
    Muitas vezes as pessoas "julgam" sem conhecer nossa história, nosso sofrimento, o que a gente já passou... e todo mundo tem uma história, um momento que seja, que "dói" lembrar... e que emociona quem os lê! Como vc fez agora...
    Que Deus te preserve com esse "coração de mãe"!!!
    Grande beijo!!!
    Si

    ResponderExcluir
  9. Elaine,

    Que post lindo!!!! Concordo com vc, existe beleza na dor, existe beleza em superar a dor!
    Também já passamos necessidade, lembro bem, meu pai na época do confisco da poupança ficou sem NADA. Nós compravámos fiado uma lata de sardinha e minha mãe misturava no arroz e farinha, no outro dia era ovo, que a gente comprava por unidade, porque comprar por dúzia não dava. Mas sobrevivemos e dou muito valor a minha despensa, como vc. Adoro ver meus meninos comendo, adoro vê-los comendo tb porque até bem pouco tempo atrás, não comiam não porque não tínhamos, mas por conta de alergias alimentares.
    Lindo post.
    E sim, o tempo do ganache chegou!

    ResponderExcluir
  10. Que história linda Elaine, sempre falo aqui em casa que devemos deixar de pensar que o jardim do vizinho é mais bonito, porque na realidade o nosso é muito mais perfumado e florido.
    Devemos agradecer a deus todos os dias as bençãos que nos chegam e ser felizes, mesmo com tudo que passamos no passado ou hoje.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  11. Elaine,

    Bela história de vida.É na dificuldade que as grandes pessoas se revelam. Cada dia acredito mais que tem tem carater tem, quem não tem, nunca vai ter.
    Esta vida apertada e de sofrimento, nos ajuda a nos construirmos como pessoas fortes, lutadoras, solidarias.
    Parabens por ter se tornado a pessoa que é.

    bjo

    ResponderExcluir
  12. Oi querida, quanto tempo =)
    E então volto aqui e a mágica acontece, como sempre aconteceu. Vc me faz refletir, me emociona até as lágrimas com suas palavras tão limpas, sem nenhuma auto comiseração, apenas constatando os fatos e dividindo suas preciosidades conosco.
    Saudades e vontade de comer mamão verde abafadinho, só para saber como é!
    Bjks
    AlÊ

    ResponderExcluir
  13. Volto depois...agora não consigo dizer nada....bjo

    ResponderExcluir
  14. Tem dias que alguns textos pulam na nossa frente e quase gritam: me leia1 Me leia! rs

    Esse post foi um desses. Eu precisava ler hoje! rs

    E a frase "porque não comigo?" vai ecoar na minha mente hoje!

    Obrigada por compartilhar uma experiência tão dolorosa, mas tão edificante!

    ResponderExcluir
  15. esse post é sensacional.. engraçado que sempre q to meio desanimada, pensando nas coisas, vc escreve um post que parece feito pra mim, para me acordar pra vida e deixar de ser mal agradecida... vc tem um dom!

    ResponderExcluir
  16. É, frô, ainda bem que você é uma pessoa resiliente e que passou isso também pros teus irmãos.
    Ao longo da vida fui aprendendo o real poder do otimismo, e hoje, quando me acontece algo de ruim, lembro sempre do que a Fer reali me falou um dia: Você ainda está no lucro! Porque é bem assim mesmo, por pior q seja uma situação, ela sempre tem um lado bom, mesmo que a gente só descubra esse lado anos depois!

    Sempre te senti uma pessoa forte, mas suave, racionalmente sensível e com um coração que abarca muito mais do que deixa transparecer!

    Mega xêros, mulher exemplo!
    Paty

    ResponderExcluir
  17. Lindo! Post lindo demais!!!
    Vc é guerreira e nos deu uma lição nesse post, sermos gratos por tudo, sempre!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  18. Texto muito emocionante, acho que talvez porque a grande maioria passou por certas dificuldades assim. PASSOU...Graças a Deus!


    Bjs
    Mah

    ResponderExcluir
  19. Elaine, fiquei muito emocionada com seu post, acredito nisso também, que devemos aprender com a nossa realidade para poder modificá-la!
    bjs

    ResponderExcluir
  20. Elaine querida!

    Graças a Deus pela força e coragem que teve pra superar todos esses obstáculos. A vida é isso, constantes superações.
    Nunca passamos por privações em termos de alimentação e moradia, mas a coisa foi apertada por um longo tempo. Minha irmã mais nova que eu dois anos (somos 4 e eu a mais velha)usamos a mesma saia do uniforme durante um ano escolar todinho. Eu ia para escola pela manhã, não podia me sujar de jeito nenhum e chegava em casa, passava a saia pra ela, que já estava semi arrumada... Minha mãe refez cadernos com sobras de folhas de outros de anos anteriores... Nada disso impediu que nós quatro conseguíssemos passar em vestibulares e cursassemos universidade pública. Tudo isso por meus avós (paterno e materno) estarem muito doentes naquele período e meus pais precisarem gastar praticamente tudo que ganhavam cuidando deles. O dinheiro era contado, mas isso nos fez mais unidos e acima de tudo, conscientes de que nossos pais merecem de nós tudo e mais um pouco (embora não dependam financeiramente de nós), pelo exemplo de filhos que sempre foram.
    Crescemos com os pés no chão, sabendo que na vida há prioridades que certamente não são simplesmente as materiais.Temos o necessário para uma vida digna e procuramos ajudar para que outros também possam tê-la.
    Não vejo como problema essa coisa de vc sentir medo de ficar sem dinheiro,necessidade de trabalhar e cuidar para que possa suprir suas necessidades básicas, isso é ter noção exata do esforço que teve que fazer para chegar até aqui.
    Sua história é muito significativa, pois demostra que não é a quantidade de dinheiro que se tem no bolso que dá o rumo para a boa conduta. Seus irmãos foram seus filhos e acho que assim também deveria encarar seus pais, pois a fraqueza faz parte da vida. Alguns tem força de superação, outros fazem bobagens por despreparo do coração.
    Bjks
    Renata http://cercaviva.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. Com os olhos cheis d1água digo que vc é e sempre será uma guerreira!
    Te admiro muito!
    xero.

    ResponderExcluir
  22. Bela história de vida, Elaine! Por isso gosto de fazer desabafos nos meus blogs, porque sempre alguém vai passar por ali e se identificar e de alguma forma aquilo vai apontar saídas, ou pelos menos servirá de consolo.

    Contar as coisas ruins que aconteceram com a gente não diminui nossa imagem, não é feio, pelo contrário é humano e faz bem.

    Muito por conta disso sou contra essa onda de aparente felicidade que assola não só a internet, mas nosso cotidiano. Todos temos quase que a obrigação de estarmos sempre dizendo coisas boas, contando vantagens e mostrando felicidade, enquanto sabemos que na vida de cada um de nós os dramas estão lá, quer queiramos mostrá-los, ou não.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  23. Lindo isso aqui.Emocionante e que bom que tudo passa! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  24. Como eu gosto de ler histórias de vida como essas, que faz nos dar valor a cada dia. Que linda sua história, e tenho certeza que você hoje é uma pessoa muito melhor do que aquelas que ganham tudo pronto. Amei, parabéns.

    ResponderExcluir
  25. Que dias melhores sempre venham para ti... Uma coisa sempre aprendi Deus não dá uma cuz em que não possamos carregar. Não temos o direito de transferi-la para ninguém. Ela é nossa.
    Parabéns pela vitória. Bjs :D

    ResponderExcluir
  26. Que história heim! A minha tambem não foi fácil não, infância pobre e cheia de sonhos para um futuro que nem imaginava existir, adorei o texto e conhecer um pouco mais da sua vida, muito bom, beijos e bom dia!

    ResponderExcluir
  27. oi querida, passei por momentos difíceis quando meu pai faleceu, mas graças á DEUS MINHA MÃE consegui( até escrevi sobre isto no meu blog),como é bom saber a olhar para frente e ver que dias melhores virão,não é?bjos.

    ResponderExcluir
  28. "Pq Deus não nos dá uma cruz mais pesada do que possamos carregar".
    E tudo que a gente passa na vida, serve de lição pra quem no futuro nos ouve contar oque se passou.
    Linda história,que transformou vc nessa doçura de pessoa!Tô sempre por aqui,lendo os seus posts! Um abraço...=D

    ResponderExcluir
  29. Sabe o que é mais bacana? Vc comeu coisas simples, simples mesmo por necessidade e acha gostoso. O cuidado, o amor que vc tinha pela familia fez com que cozinhasse cenoura com ovos como um prato especial (ao contrario da sua mãe, que preferiu bater o pé e deixar todos com fome. Na infancia passei por momentos de fartura (fartava tudo!) mas meu terror não é de ficar sem nada, é ficar sem memória, senil! Eu morro hj com trinta e poucos se soubesse que amanha começo o processo de demênica. Juro! Morro hoje e morro feliz, mas não quero pra mim nem pro pior inimigo

    ResponderExcluir
  30. Oi Elaine!

    Nunca passamos fome, porém tinha/tenho uma mãe criativa na cozinha, quando faltava o pão, fazia um pirão escaldado de farinha com sal e fritava, nós adorávamos! Faltava café torrava milho, e resolvia, o perfume até hoje inesquecível...

    Hoje o que me chateia, é que muitos tem tudo de mão beijada e pouco valorizam...

    Um dia feliz p/ vc!

    Beijoooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  31. Lindo post!O texto emociona! Por que não escreve contos assim? Talento, carater e honestidade não se compra no armazem da esquina e você tem tudo isso.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  32. Elaine querida, essa sua trajetória de vida daria um livro, dos bons!
    Parabéns por essa mulher guerreira que você é, viu?
    Beijinho e muita paz, amiga linda!

    ResponderExcluir
  33. Oi Elaine,
    Só posso dizer que é uma lição de vida, devemos aprender a agradecer e não reclamar pelo pouco que temos, pensar que tem gente que passar apuros pior que os nossos, que bom que tudo é passado não é?

    Bjs

    ResponderExcluir
  34. Parabéns Elaine pela sua força, pela vontade de vencer.
    Já vi pessoas se entregarem por muito menos, ficar se lamentando e se perguntando "porque eu?" não nos leva a nada.
    Meus pais tb se separaram quando eu tinha 15 anos, mas felizmente ao contrario do seu ele continuou nos sustentando, minha mãe nunca trabalhou fora. Mesmo fora de casa e contra as opiniões de seu pai, que dizia que separou acabou o vinculo, ele formou meu irmão na faculdade e sempre me ajudou quando eu precisava, passamos por momentos dificeis, mas não chega nem aos pés do que você passou.
    O importante é não deixar que isso atrapalhe sua vida ao contrário, sirva sempre para o seu crescimento, como vejo que serviu.
    Quando nos desistimos e lutamos tem sempre uma força Superior que nos acolhe e nos ajuda a vencer.
    Parabéns mais uma vez por todo seu esforço em vencer sempre !!!
    Beijos no coração!!!
    Marcia

    ResponderExcluir
  35. Elaine,

    Me emocionei ao ler, mas saiba que não sinto pena, sinto sim mais admiração pela pessoa que você se tornou, pois apesar de todas as dificuldades, vc não sentou e ficou chorando ou se lamentando, deu educação aos seus irmãos, trabalhou, diividiu e acima de tudo manteve com eles o elo mais importante "AMOR".
    Lindo texto, linda história, linda lição de vida, obrigada por dividir um pouco da sua sabedoria e experiência.

    Bjos

    ResponderExcluir
  36. Que história emocionante e triste,mais vc venceu,isso é o que importa
    Cheiro!!

    ResponderExcluir
  37. emocionante seu relato! com certeza os dias melhores chegaram! passamos certa época da vida por muitas dificuldades! hj também graças a Deus vencemos e os dias de fartura chegaram, eu e meus irmãos ficamos muito próximos nessa epoca e somos assim até hoje e ninguem por conta das dificuldades foi para o mau caminho!um abraço Deus abençoe sempre voce e sua família

    ResponderExcluir
  38. Olá!
    Adoramos o post e o conteúdo do blog :)
    Acabamos de postar sobre as novidades da ecologia em moda, dá uma passadinha por lá.. e se gostar, siga-nos =)
    Uma ótima terça-feira para você!

    ResponderExcluir
  39. Olá!
    Adoramos o post e o conteúdo do blog :)
    Acabamos de postar sobre as novidades da ecologia em moda, dá uma passadinha por lá.. e se gostar, siga-nos =)
    Uma ótima terça-feira para você!

    ResponderExcluir
  40. Nossa muito emocionante a sua estoria.
    Minha infancia tb nao foi muito facil,amadureci tb muito cedo,mas isso me preparou pra vida e hoje dou muito valor ao que eu tenho e o que eu consquistei,tanto qto bens materias e principalmente espirituais como :familia,amigos etc..
    Vc merece o meu respeito e gosto daqui cada dia mais !!!beijocas

    ResponderExcluir
  41. Elaine,me encantou a sua narrativa,um banho de agua fria pra desperta, ando meio sem rumo e lendo o sua historia e por esperiencia propria sei que vai passa , mais que demora ha demora,voce venceu e ainda luta pra vencer essa é a belessa da vida e usa sua historia para eleva a auta estima de todos que leem seu blog, que por sinal muito lindo com post para la de especiais um forte abraço ha goste das suas dica de como ter um blog legal muito bom.

    ResponderExcluir
  42. Elaine, como a vida é sábia quando a gente quer tirar ensinamentos dela não é? Minha história de vida também foi dura...perdi meu pai cedo demais e comemos o pão que o Diabo amassou, mas comemos! E aprendemos muito com isso! Hoje sou uma pessoa melhor porque aproveitei o limão que a vida quis me oferecer e fiz uma limonada! Vejo tanta gente que tem de tudo e nunca passou por nada comparado a isso e se julga melhor que todo mundo. Fico com pena dessas pessoas, na verdade, porque vão passar a existência sem ter evoluído. Parabéns por ter se tornado esse ser humano incrível!

    Bjs

    ResponderExcluir
  43. Elaine, que bom ler este texto e aprender com ele. Todos nós passamos por dificuldades. Um mais, outro menos. O que nos torna mais fortes é atravessas pelos problemas, é superá-los, como vc diz.

    Tenho certeza de que com todas essas provações vc há de ter muitas coisas alegres para contar. A união dos irmãos, com certeza é uma delas.

    Um abraço de gratidão por dividir estas lembranças conosco.

    ResponderExcluir
  44. ELAINE,

    SEU POST É MARAVILHOSO! NO SENTIDO DA LUTA DE VCS PARA SOBREVIVER NESSE MUNDO AMARGO.

    MAS SÓ QUEM SOFRE ASSIM DÁ VALOR A VIDA...

    OLHA... TENHO UMA NOVIDADE QUE VC VAI GOSTAR: GANHEI NÃO UM MAS DOIS CACHORROS... SÃO IRMÃOS... E GANHARAM O NOME DE THOR E GAYA!!!

    AGORA MINHA FAMÍLIA AUMENTOU... UM GATO (ZEUS), OS CACHORROS, E O PEIXE BETA ODIN!!!

    MAS VOLTANDO AO POST, TB TIVE DIAS DIFÍCEIS EM 2007. ATÉ FOME PASSEI... MAS NÃO ME ARREPENDO DAQUILO QUE FIZ E PASSEI PQ SERVIRAM PARA O MEU CRESCIMENTO!!!

    BJINHOS

    ResponderExcluir
  45. Parece que passou um filme na minha cabeça... não com a mesma história, mas traumas de infância que a gente nunca mais esquece. Mas passa, graças à Deus passa. O pavor continua, mas isso a gente encara como uma força pra não parar nunca. Não desistir nunca.

    Quem comeu arroz quirela e quem já teve que passar o mês com 30,00 com duas crianças pequenas sabe do que se trata. É a vida, e ela gira...

    Beijos, Elaine... me emocionei.

    ResponderExcluir
  46. Elaine
    Sabe o que é bonito de ver? A superação.
    Você mesma já disse que não estudou muito (não foi à escola), mas está à frente de muita gente que foi, frequentou, tem um diploma e..... diz só besteira.
    Você soube tirar proveito de uma situação e aprender e eu acho que a vida é isso.
    Fico revoltada às vezes com pessoas que já adultas, ficam dizendo que são dessa forma ou outra por culpa dos pais. Pode até ser, até certo ponto e até uma certa idade. Depois,é ir em frente, buscar o seu próprio caminho e não ficar só olhando pra trás.
    Parabéns a você e seus irmãos por terem enxergado a vida pela frente.
    beijos

    ResponderExcluir
  47. Uma lição de vida e uma prova de que não são as dificuldades que levam as pessoas para a marginalidade!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  48. Acompanho "Tomando uma chávena de chá", fiz o bolo de chocolate no final da tarde - que ficou muito bom por sinal!

    Li sua matéria Elaine, meus pais se separaram qd. EU tinha 10 anos, minha mãe até então uma dona-de-casa foi a luta p/ criar uma filha, pagar aluguél, comida, e todo o necessário, foram tempos difíceis, mas comida nunca faltou em casa.

    Hoje EU e marido ainda passamos por intempéries, mas podemos nos considerar ricos, afinal no meu bolo coloquei cobertura de brigadeiro.


    Ótima semana a você.



    Audeni

    ResponderExcluir
  49. Lindo de se ler.
    Adoro vir aqui.
    Beijos cheios de saudade.

    ResponderExcluir
  50. Elaine, você é uma lutadora, um pessoa que faz a diferença.
    Toda vez que fala da sua família é emocionante.
    Se você fosse minha irmã, teria muito orgulho disso!
    Uma menina ainda e tomou as rédeas da família.
    Você merece todas as boas possibilidades da vida.
    Dinheiro é necessário pra nos dar uma vida digna e confortável.
    Mas a felicidade não vem em nenhum pacote de mantimento. Ela fica dentro de nós, latente.
    Não há fome ou frio que a tire de nós.
    Tenho certeza de que você é uma pessoa feliz.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  51. E pobre de quem não guarda seu passado, alegrias e tristezas, como forma de aprendizado e evolução. E pobre de quem não tem lembranças de que se orgulhar. Orgulhe-se muito delas e de seus irmãos. bjs

    ResponderExcluir
  52. Elaine querida, viajei a um passado que não gosto de lembrar.
    Dias melhores sempre vem sim, e a gente vence com certeza, mas teu post me deixou sem palavras.
    Beijos

    ResponderExcluir
  53. Comovente!
    Aí a gente vai descobrindo que nosso drama não é o maior e que nem toda blogueira nasceu com o rei na barriga, como aparentam!
    Quer saber?consigo me relacionar melhor com gente que vivenciou as agruras da vida; que ralou para chegar lá e que não nasceu em berço esplendido.
    Sei o quanto dói ver que tantos tiveram infância enquanto ralávamos para ajudar no sustento da casa...dói saber que nosso filho queria um apontador mais incrementado, uma mochilinha mais fashion e não pudemos comprar ou ainda, como meu filho mais velho reclama...aqueles kichutes já moldados em outros pés, deixaram meus dedos cheios de calos..Mas o caráter assim como o carvalho (rei da floresta), é moldado com as tempestades da vida...se verga mas
    não quebra...em noites de tempestade, entoam melodias...prefiro ser um carvalho com histórias para contar que uma simples flor bonitinha que passou pela vida somente para decorar bouquets, mesas e outras, coitadinhas, acompanhando funerais!
    Beijos e desculpe se me alonguei
    Dolly

    ResponderExcluir
  54. Boa Noite Elaine.
    É lendo histórias de vida como a sua, que vemos que famílias unidas, são famílias, que souberam superar as dificuldades se ajudando mutuamente, mesmo qdo tantos nos criticam porque estamos fazendo por quem não merece, o amor verdadeiro supera as barreiras e deixa sabor doce e não amargo em nossas bocas. Bjs.

    ResponderExcluir
  55. Elaine querida, choreiiiiiiiiiii lendo este post, me identifiquei muito, especialmente com o pensamento de que passar por dificuldades me fez cerscer e me tornou um ser humano de verdade.
    Muito bom conhecer mais um pouco de ti, te admiro DEMAIS!
    Beijosssssssssssssss
    Vero

    ResponderExcluir
  56. Ao ler seu post, que se percebe cada um de nós tem sua cota de problemas, e o que se percebe é que deles a gente consegue crescer, evoluir e ficar forte e assim dar um valor as coisas pequenas.. Obrigada por repartir sua caminhada, pois dela eu tambem aprendo e cresço...bjss

    ResponderExcluir
  57. Olá Elaine !! Como diz o outro "fazemos hoje as lembranças de amanhã" ! Mesmo que sejam essas, contam uma historia de vida vitoriosa. Trabalhando na educação infantil da rede publica a gente presencia historias realmente tristes para crianças tão pequenas. Penso que fazer um trabalho edificante para a auto estima dessas crianças que passam por algo semelhante é um dos papéis do professor. Tento passar isto no meu blog. Fico feliz em "manter contato" com pessoas como vc. Bjis

    ResponderExcluir
  58. Elaine, você é uma menina muito abençoada, seu aprendizado foi duro, mas muito produtivo. Deus sempre esteve contigo. Quando leio seus posts sei que é de uma jovem, mas com sabedoria milenar. Quantos de nós não precisa ouvir a frase "porque não comigo?"
    E você recebe o dom maravilhoso de poder semear em nosso terreno tanto amor. Obrigada por compartilhar conosco, abraços carinhosos

    ResponderExcluir
  59. Lindo esse post, me lembrei de muita coisa a ponto dos olhos marejarem Pensei nos meus filhos, nos meus país, me lembrei de um Natal em que eu ainda criança chorei por não ter ganho a boneca que eu queria e fiz minha mãe chorar...pena que o tempo não volta...
    Obrigada pelo lindo post e por me lembrar de agradecer pela vida que tive e que ainda posso oferecer aos meus filhos.

    ResponderExcluir
  60. Oi Elaine,
    teu relato me levou ao passado.
    Se puder leia

    http://contosoufatossurreais.blogspot.com/2011/08/por-que-nao-comigo.html

    ResponderExcluir
  61. Oi Elaine,

    Qnto tempo, né? Desculpe o sumiço, mas se serve como desculpa, sumi tb do meu blog... Dias corridos...

    Mas vamos falar desse post: Que post maravilhoso. O bom dos seus posts (e do seu blog todo) é que sempre me põem a pensar. A gente entra e se sente na sala da sua casa. Sua objetividade e serenidade para falar de certos assuntos delicados para se tratar 'em público' são ímpares.

    Seu blog merece o sucesso que tem! E vc tb!

    O bom é que sempre venho aqui pertinho da hora de dormir, então, levo suas palavras na minha cabeça qndo a ponho no travesseiro, e posso digeri-las e compreendê-las mais calmamente antes de dormir!

    Falou tudo!

    Um bjão pra vc, flor!
    E tenha uma ótima noite =]

    ResponderExcluir
  62. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  63. Oi Elaine!
    E eu vou reclamar do que? Que tempo difícil hein, amiga! Não tive esse tipo de dificuldade. Nunca fomos ricos, mas não chegamos a esse aperto. Eu estudei em boas escolas, na minha infância era escola particular, mas era apertado, lembro que minha mãe fazia rascunho de papel de pão para eu levar para a escola. os cadernos eram comprados em loja do MEC, eram brochuras bem baratinhas, mas eram boas. Aqui a coisa só apertou mesmo quando minha mãe adoeceu. Era arroz e ovo quase todo dia...a faculdade meu tio pagou por um tempo, mas nem chegou perto do seu sufoco. Minha mãe sempre me ensinou a guardar uma graninha, economizar, para as horas de aperto. Sempre que posso guardo um pouquinho.
    Depois de ler seu relato volto a dizer: quem sou eu para reclamar de alguma coisa! Mas acho que às vezes, a gente se faz de vítima se perguntando "porque comigo?"
    Beijos, renata
    palpitandoemtudo

    ResponderExcluir
  64. Eu ando tão sem tempo pras coisas virtuais.. Mas consegui passar por aqui hoje e ler o texto na íntegra.
    Puxa, Elaine, acho que o fechamento do texto foi o mais comovente. Poder cobrir o bolo com ganache.. Pq algumas pessoas tendem a, quando prosperam, ignorar o que já passaram. Claro que a gente espera não viver mais situações de aperto, mas quem pode garantir???
    Eu tive uma infância difícil. Nem sempre no sentido financeiro, mas em alguns momentos, também nele. E ainda hoje, quando nem sempre tem cobertura para o bolo, dou graças porque tem um bolo.
    Não sei se falei coisa com coisa, pq tô morta de sono, mas é que esse seu texto mexeu comigo.

    Saudades de tu nesse mundinho virtual.
    Beijos, Xuxu.

    ResponderExcluir
  65. Oi Elaine!
    nossa, eu tbm me emocionei com esse teu relato. Qt dureza meu Deus, qts abandonos vcs passaram, uma do pai, outro, indireto, da mae, que talvez pela dor do abandono, se recusou a dar um passo... mas os filhos deram, e vcs fizeram o que era necessário fazer, mostraram mt forca, viu? Impressionante, tao jovens.

    Mas é um fato, as coisas melhoraram mt. Hj a gente come e até estraga, antigamente, meu Deus, deixar resto era uma ofensa. Minha mae virava bicho :-(

    Bjs Elaine

    ResponderExcluir
  66. Elaine que infancia triste, mas com certeza uma lição de vida.

    Graças a Deus você e seus irmãos tiveram forças para passar por tudo isso.

    BJS!

    ResponderExcluir
  67. Não pude segurar as lágrimas Elaine, só posso te dizer que vc é guerreira! Parabéns pelo seu modo de lidar com os problemas. Não passei por um décimo do que vc relatou, e não sei se conseguiria! Lindo texto! Linda lição de vida! E eu reclamando de barriga cheia! Bom ler depoimentos como esse para acordar pra vida, e agradecer a Deus todos os dias pela vida que temos!Obrigada!

    ResponderExcluir
  68. Oi!! Guria, depois de tantos comentarios dizendo quase tudo que queria te dizer, acho que vamos lá: -li seu post no momento certo,
    -concordo que temos que continuar lutando,
    -tb acredito que não é por que passamos dificuldades que vamos virar bandido,
    -concordo com sua irmã em auxiliar seu pai pois não podemos fazer aos outros o que não queremos que façam para nós,
    e por ultimo e não menos importante, não te conheço pessoalmente, não passo muito por aqui mas realmente vc mexe com algo e foi muito importante para varias pessoas... Então OBRIGADA por compartilhar e passarei mais vezes!! Um grande beijo e que Deus te abençoe sempre

    ResponderExcluir
  69. Olá Eliane, acabei de chegar no seu cantinho, através da indicação da Angela - Corpo Sano.
    E pelo jeito cheguei em um ótimo dia, dia de superação!! de alegria!!
    Fiquei emocionada em conhecer um pouquinho de vc e ver sua história linda.
    Voltou depois pra ver outros posts e por eqto se quiser conhecer meu cantiho será muito bem vinda!!

    bjooo
    Fer

    ResponderExcluir
  70. Nossa amiga, que post é esse?
    Si miemocionei... já passei por VERDADEIRAS bassas tbém.... ai num gosto de se milembrar que choro!

    Mas amiga, tô aqui para te convidar para festa! Vc gosta num gosta?
    Então, eu fiz um post hoje, convidando para minha festa de niver dia 25 de setembro... vai lá cê vai? terá champangne! mentirinha... mas tem bolo e prosêco! ou Keep Cooler KKK

    É o seguinte, vc poderia participar da troquinha, oferecendo uma costumização de blog, ki tal? tenho certeza que muitas quererão trocar algo em troca desse item.

    Tô tiesperando lá.

    beijos

    ResponderExcluir
  71. Oi, tudo bem?
    Acompanho seu blog há algum tempo já; embora não tenha comentado antes, leio tudo que você posta, só que hoje esse post realmente me tocou...
    As coisas que você relata são tão parecidas com as que vivi,que me fizeram relembrar o passado. Meus pais nunca se separaram, mas ele era alcoólatra, ela é, ainda, uma pessoa extremamente dependente, de forma que enquanto crescia, ao invés de os sentir responsáveis por mim e meus irmãos, era o contrário. Sofremos muito, passamos muita fome, comemos muito mamão verde refogado (ao contrário de você, nem gosto de me lembrar do sabor daquilo...rsrsrs), muita mandioca, broto de abóbora, fruta roubada da plantação do patrão...
    Mas sabe? Tudo isso nos fortaleceu, a mim e meus irmãos, nos uniu e mudou o rumo de nossas vidas. Quando tinha dez anos uma senhora me ensinou a ler, eu ensinei meus irmãos e assim descobrimos que o mundo não precisava ser daquele jeito. Tive depois a recompensa de poder ouvir de meus irmãos que 'meu espírito de porco'e minha revolta é que os os ajudou a se tornar o que são hoje. E sim, aprendi que se nos acontecem coisas, porque não? Ainda pode ser muito pior com outras e se uma pessoa pode entender isso, já é meio caminho andado na busca por força e determinação, para mudar o que pode ser mudado e aceitar o que não pode ser modificado.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  72. Não tenho dúvidas que as dificuldades é que fazem as pessoas crescerem. E a satisfação que resulta em conquistar por esforço próprio, seja algo material ou algo espiritual, torna a vida muito mais prazerosa.
    Um ótimo texto e bastante revelador da sua personalidade!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  73. Olá, Elaine! Obrigada por compartilhar algo tão difícil de sua vida. E não perdeu a ternura, pois vive ajudando todo mundo da blogosfera, dando dicas e mensagens positivas. Vc é muito especial! Penso que cada um tem seu caminho a trilhar nessa vida, dele tirar ensinamentos e o que importa é o trajeto, o que fazemos dele e com ele, e não o final. É o que levamos de cada pedacinho de nossa vida que importa!
    Bjs e um lindo dia!

    ResponderExcluir
  74. Ola Elaine!!

    Linda sua historia, e mais linda ainda a superação de tudo.
    Que Deus abençoe vc e sua familia

    Bjkas

    Karen

    ResponderExcluir
  75. Querida...
    Que texto, lindo!
    Quando eu tinha 10 anos, minha irmã 13, minha mãe era bordadeira e meu pai ficou desempregado por 1 ano,tempos difíceis...
    Minha mãe,fazia saladinha de tomates com cebola temperadinhas no jantar para comer com 1 pão francês e no almoço, era arroz e 1 ovo frito...simplesmente, porque não tínhamos mais nada para comer.
    E uma tia "rica" - irmã do meu pai - na época nos ajudava levando os tomates "machucadinhos final de feirinha que ninguém mais vai comprar", ela comprava, e levava em casa pra nos ajudar...
    E assim, passamos tempos difíceis, mas tudo se arrumou, meu pai conseguiu trabalho e eu tbm, com 11 anos de idade...
    O que mudou?? Tudo...
    *Flor, estou sempre passando aqui, mas quase nunca comento nada...
    **Muita luz pra ti e toda família!
    Fique com Deus!
    Bjo
    Adriana (ATA/SP)

    ResponderExcluir
  76. Amei o post, me fez lembrar minha vó e os ensinamentos dela.
    Amei
    bjos
    Lilian

    ResponderExcluir
  77. Ei Elaine
    Eu, claro, coração mole que sou, me emocionei com seu post. Primeiro porque ele diz da realidade de muitos brasileirinhos da década de 70 que passaram fome nesse país, segundo pq é a história de uma pessoa maravilhosa como você, que apesar de ter te faltado afetos, você os sabe dar em abundância. Terceiro porque me retornar a minha infância onde muitas vezes passei fome.
    Mas o melhor de tudo isso é que você é GUERREIRA, sobreviveu a tudo isso e tem muito a ensinar.
    /Um beijo enorme na sua alma que é evoluída!
    Que seu resto de semana seja bem feliz!
    Gd beijo

    ResponderExcluir
  78. Oi, Elaine!
    Parece que todo mundo tem uma estória de tempos difíceis=superação prá contar, né?!
    Quando eu tinha seis anos, meus pais perderam seus empregos e ficamos um tempão comendo arroz com chuchu, que meu pai colhia na parreira lá da rua em que moramos até hoje mesmo.Meus avós maternos, já falecidos, ajudavam como e quando podiam, pois assim como nós, eram bem humildes... Mas os tempos mudaram prá melhor, graças à Deus e à "garra guerreira" dos meus pais (hoje, sempre tem Borges na despensa, prá felicidade geral do lar!!!). O que ficou? A lembrança, sempre acompanhada de um sorriso, e o aprendizado de que nunca devemos nos entregar, pois ficar pior sempre pode, mas só depende de nós mesmos, melhorar!
    Um grande rockiss prá você, guerreira!!!

    ResponderExcluir
  79. Elaine,
    que emoção ler o seu post ! A dificuldade nos faz fortes pra vida !
    É isso aí Elaine ! que vc tenha muitos e muitos momentos felizes !!!
    Um forte abraço!
    Rose Ramos

    ResponderExcluir
  80. Fiquei com os olhos marejados, com essa história de sofrimento e renovação.Graças a Deus que as coisas duras passam para serem substituidas por experiências e superações.Sempre quando venho aqui é para tirar dúvidas já que meu blog é novo(vai fazer 6 meses),e quando me deparo com teus textos pasmo como vc se supera a cada um dos anteriores...Ótima quinta.Abraço fraterno.
    http://angela-corposano.blogspot.com

    ResponderExcluir
  81. Elaine, tudo o que você já viveu faz você ser quem é. Acredito que dias melhores sempre, principalmente para alguém tão iluminada quanto você. Beijos, fique com Deus.

    ResponderExcluir
  82. Nossa Elaine... fiquei emocionada lendo seu post... Que bom mesmo que temos inclusive o bolo para cobrir com ganache...
    Na época da minha separação eu li essa frase "por que não comigo?" e confesso que foi bastante reconfortante...
    Cheguei ao seu blog através da Rê, do Cerca Viva...
    Estou com um problema no meu blog e ficaria muito agradecida se você pudesse me dizer se já viu algo parecido... as fotos estão todas pretas... e até anteontem estava tudo normal...
    um beijo e que tenham sempre o necessário para você e seus queridos... e também para compartilhar com quem mais precisar!

    ResponderExcluir
  83. Ah Elaine... estive aqui pensando, pensando depois de ler o seu post... Graças a Deus nunca passamos necessidades em casa, mas lembrei o quanto valorizávamos as poucas coisas que tínhamos...
    Os brinquedos eram simples e poucos...
    Mas o que mais me emociona é lembrar que no dia da compra do mês meus pais compravam um caderno de desenhar... e eu contava as folhas e já sabia quantas podia usar por dia, e sempre frente e verso, prá não acabar antes da compra do próximo mês... E era uma delícia!
    E lembro também que no dia da eleição, a gente juntava várias caixas de sapatos cheeeeeias de santinhos... e aí a gente brincava, brincava, brincava... muuuuuito bom mesmo!
    Obrigada por despertar essas memórias... obrigada mesmo!
    beijo e bom final de semana,
    Ro

    ResponderExcluir
  84. O que dizer diante de tamanha lição de vida, nossa você me emocionou muito, três guerreiros da luz reunidos para tentar levar um bocadinho de amor a dois corações menos esclarecidos, três guerreiros um para dar força ao outro, para que não deixassem as trevas derrubá-los em suas iluminadas missões, parabéns vocês são vitoriosos, e sei que continuam a guerrear com a espada do amor e o escudo da fé, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  85. Oi Elaine... eu de novo...
    Graças a um post seu de alguns dias atrás, descobri que o sumiço das minhas fotos se devia a algumas alterações que fiz em álbuns do Picasa... Fui lá, fucei fucei e arrumei...
    Muuuuuuuito obrigada mesmo!
    beijinhos e tenha um excelente final de semana,

    ResponderExcluir
  86. Este comentario está sendo feito atraves do texto onde fiz o LINK !!!! Acabei de parender lendo o post que tu me indicou!!! rsrsrsrrs OBRIGADAAAA Se fosse um pouquinho mais perto ia até ali te dar um bj. srsrsrr

    ResponderExcluir
  87. Elaine,

    Muitas vezes penso que sou masoquista, mas esses episódios servem para mostrar o quanto evoluímos, o quanto trabalhamos e melhoramos, por conta própria. Também passei por situações difíceis, mas tive o privilégio de contar com pais que fizeram o impossível para transformar nossas vidas, minha e do meu irmão, hoje somos o que vivenciamos e o que nos ensinado, e é o que vale, o fato de home poder usar ganache demonstra o quanto lutamos. Beijos no coração, te admiro cada vez mais.

    ResponderExcluir
  88. Nossa, és uma vencedora! É o que tenho a dizer, e tanta gente reclamando da vida, tendo de tudo ao alcance.

    Me fes refletir tbm, que muitas vezes reclamo e esqueço o passado que ja foi bem pior que o presente, mas se hj está bom, é pq a gente luta, nao é mesmo?

    Bjo..

    ResponderExcluir
  89. São nos momentos difíceis que nos surpreendemos e aprendemos a dar valor a vida!


    Amiga quero ler tudo e muito mais, mas volto mais tarde para colocar os comentários em dia.

    Beijos no seu coração

    ResponderExcluir
  90. Elaine, não li os 91 comentários anteriores ao meu, então, não sei se estou "chovendo no molhado". Mas a minha frase preferida é: "Que bom que o amargor dos dias que vivi não me deixaram amarga, mas me fizeram me esforçar a ser mais doce!"
    Também passei por durezas na vida, não exatamente como as suas. E é lindo olhar pro presente e ver que dias melhores realmente vieram. Que Deus continue a nos abençoar com dias ainda melhores!

    Bjoooo

    ResponderExcluir
  91. Meu Deusss!!!
    que bom que te encontrei por aqui!!!
    Passei por algo parecido sofri e as vezes me emociono muito quando me lembro!!!

    Revive alguns momentos da minha vida lendo seu post !

    Me lembro que por uma semana comemos repolho refogado(que custava 1 real) e fuba cozido com agua e sal, MUITO TRISTE ESTA ÉPOCA

    Mas superei tudo com a Graça e Misericordia do Nosso lindo Senhor Jesus!!!
    HOJE MINHA FILHINHA TBEM COMO O SEU TEM SEU DANONINHO E YAKUT PRA COMER TODOS OS DIAS ^^

    MAS ELE ESTEVE COMIGO EM TODOS OS MOMENTOS QUE PRECISEI, ME FORTALECEU E HOJE ESTOU AQUI PRA SUA GLÓRIA!!OBRIGADA JESUS!!!!!!!!!!

    BJS QUERIDAA!!!



    ☻/
    /▌
    / \
    http://seguidoresdecristoemsuzano.blogspot.com

    ResponderExcluir
  92. Nossa Elaine, que historia de vida querida! Estou emocionada vu! Sabe isso é bom pra quem tem tudo e vive reclamando. Eu nao passei pelo que passou, mas tivemos nossas dificuldades... Meus pais deram duro para eu e meu irmao estudarmos em colegio particular ate nos formarmos. E hoje ensino meus filhos a importancia de darmos valor nas coisas. Para voce ter uma ideia eles economizam a mesas que ganham e olha que é pouco, pedem dinheiro aos avos no lugar de brinquedos e ja compraram notebook, maquina digital, e ate etao ajudando na nossa reforma, os dois compraram suas camas box. E só teem 10 e 9 anos... Temos que dar valor em tudo, tudo mesmo que temos. bj Vanessa
    reformadosbuscapes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  93. Ola Elaine, tudo bem? Sei que esse post é antigo, mas procurando uma solução para o meu problemaa com o blackground, vim parar aqui... Nossa, como me identifiquei com seu post Elaine. Sabe, passei dias infernais e de meu pai tenho um misto de raiva e de pena, mas como você disse o importante é o aprendizado e o mais importante aindfa e ver que depois de todos percausos temos muito mais do que sonhamos ter um dia... isso me deu novo animo, estava meio tristinha. Obrigada por compartilhar experiencias tão intimas e edificantes, bom fim de semana para você e sua familia. Um abraço do tamanho de sua força e coragem.

    ResponderExcluir
  94. nem sei se tu irá ler...mas teu blog fez passar um filme na minha cabeça...hoje eu tenho muito medo de ficar sem um tostão...cheguei a não pagar uma conta por ter medo de ficar sem dinheiro e passar "trabalho' novamento com o meu filho...parabéns, mulher guerreira!!!!!!

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…