Na estação Mogiana…

em 12 de março de 2011

Na plataforma deserta não havia sequer um banco limpo o suficiente para colocar o bebê. A estação estava sofrendo há anos o abandono típico das plataformas ferroviárias sendo desativadas e agora Marta pensava se realmente era uma boa ideia deixar o bebê ali. O vento gelado zunia perigosamente no silêncio da noite e o bebê se mexeu no sono. Ela olhou de soslaio para o rostinho adormecido. "Não olhe para ele." ela pensou pela milésima vez. Se olhasse não conseguiria.

Caminhou mais alguns passos e escolheu o banco mais protegido, quase dentro da estação. Quase 5 horas da madrugada e em menos de 30 minutos o trem chegaria, um dos últimos trens a fazer parada na velha estação. Ela ajeitou o menininho no banco frio de pedra. Ele continuava a dormir, confiante como apenas os bebês conseguem ser. Marta pensava em si, em como viera parar na situação em que estava agora.

Fizera planos completos durante os 9 meses de espera mas agora parecia que seu corpo não obedecia... Forçou-se a soltar o embrulho com o bebê e deu uns cinco passos para sair da estação. Ele seria encontrado por algum passageiro desembarcando, ou talvez por alguém que viesse esperar para receber alguém. Claro que ninguém deixaria de acudir um bebezinho na madrugada fria. Deu mais alguns passos. Todo o corpo doía, a cabeça latejava e ela sentia o maior frio de sua vida. O parto solitário estava cobrando seu preço... Caminhou mais um pouco e finalmente saiu da estação deserta. Ouviu ao longe o apito do trem chegando. Acelerou o passo. Voltar para a pensão era impossível, mas haviam outras pensões...

Então aconteceu. Acima do apito do trem ela ouviu. No começo era um chorinho leve, depois tão alto que parecia irromper de dentro dela mesma. Caminhava mais depressa agora do que jamais caminhara em toda a vida. Estava mesmo correndo sem se dar conta. As pessoas passavam por ela, ligeiramente curiosas pela mulher correndo na madrugada que findava. A estação estava agora cheia de pessoas que iam e vinham. Ela se atirou no meio da pequena multidão aglomerada em torno do banco de pedra:

"É meu! Fui comprar leite e de repente o trem chegou. Mas o bebê é meu."

Abraçou o pequenino com tanta força que ele gemeu. Antes que alguém esboçasse um gesto ela desapareceu no meio das pessoas na estação.

Acreditara realmente que conseguiria. Fizera planos: deixaria a criança na estação e sumiria no mundo. Uma mulher jovem sozinha teria muitas chances mais do que uma jovem com um filho. Trabalharia. Mas se enganara.Como poderia? Não, jamais poderia abandonar aquele menino. Jamais faria com ele o que fizeram com ela 15 anos atrás, quando ela própria havia sido um bebê abandonado na estação de trem...

Um conto apenas. Quando estou triste eu escrevo…

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

23 comentários , comente também!

  1. Comecei a matar a saudade já chorando....
    Que linda história, no fim o bem sempre vence!!
    Obrigada Elaine!

    ResponderExcluir
  2. belíssimo conto! obrigada querida, pela sensibilidade e emoção! bjs Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderExcluir
  3. Elaine que conto LINDO, chorei e me emocionei MUITO!

    Parabéns, você sabe como tocar no coração das pessoas!

    Beijos e ótimo fim de semana para você!!!

    ResponderExcluir
  4. frô, li num fôlego só, quase sufoquei, mas nem sei direito se foi pela falta de ar ou pelas lágrimas! ;oD
    É tão fácil julgar as pessoas por atos que a gente só tem a leve noção, não é? Não sou a favor de uma monte de coisas, mas sempre procuro ver o outro lado, pra poder entender a razão de ser desse tipo de coisa.
    Mas no final eu percebi, que muitas vezes, é necessário mais coragem pra abandonar, pensando no melhor da criança do que mal cuidar por falta de tantos outros recursos.

    Há casos e muitos outros tantos casos...

    Ótimo conto e ainda bem que a pequena Marta fez o que seu coração mandou, mesmo que na hora derradeira! ;oD

    Xerinhos, frô!
    Paty

    ResponderExcluir
  5. Essa mulher é mesmo corajosa! Ela voltou e enfrentou a multidão!!!Lindo conto!!! beijo, Ro

    ResponderExcluir
  6. Pena que estava triste, mas...
    Depois de uma obra prima dessas!?!
    Aposto que o humor melhorou muito pois, o meu ficou estasiado com o final feliz desta maravilhosa estória.

    Obrigado!!!

    ResponderExcluir
  7. Lindo conto. Triste... gostei do final.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Conto de amolecer nossos corações. =)

    Quem nos dera se todas as histórias que se assemelham a este conto tivessem um final feliz.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Lindo!
    E vc ainda diz "apenas"... Vc escreve maravilhosamente bem!
    ótimo fds!
    xero.

    ResponderExcluir
  10. Adorei o texto...bravo!

    Abraços
    de luz e paz

    ResponderExcluir
  11. Lindo..
    Poderia bem ser verdadeiro...
    História da vida real. Vc mesmo triste produz? (humor mórbdo, desculpe)
    Beijos,

    ResponderExcluir
  12. É o que a maioria de nós faz. Alguns com mais talento que outros.. rs.. Mas a tristeza me impeliu ao blog hj tb.
    Lindo conto. Triste, mas lindo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Que linda história, Elaine.
    E com final feliz! Sempre.
    Bj
    Bom final de semana!
    Deborah

    www.delicias1001.com.br

    ResponderExcluir
  14. Eu sabia que ela não o abandonaria!
    Não num conto escrito por você.
    Sua vida será sempre de finais felizes.
    (sei que a história é de sua imaginação, não real. Mas quando somos bons, arranjamos solução pra tudo...)
    Beijo!

    ResponderExcluir
  15. Minha Flor que comovente historia , eu adorei
    bjs

    ResponderExcluir
  16. Já li a entrevista. Parabéns. Agora vamos torcer para ganharmos o livro. Parabéns a Vaness PELA DEDICAÇÃO.
    cARINHOSAMENTE,
    SANDRA

    ResponderExcluir
  17. Oi Eliane,
    cheguei aqui hoje e adorei o conto.
    Lindo e emocionante.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Olá adorei teu blog, lindo mesmo. Parabéns. Fique a vontade para fazer uma visitinha ao nosso “Alto-falante” e seja mais um membro. Você é nosso convidado especial. http://poetarenatodouglas.blogspot.com/.
    Um grande abraço!

    Renato Douglas!

    ResponderExcluir
  19. Apesar de ter gostado e me emocionado com o conto, me entristeceu saber que vc está triste. Logo você que sempre nos anima, nos dá licões de vida e nos ensina tanto. Se já passou, fico feliz, mas se ainda estiver triste seja qual for a razão, confie que o amanhã será bem melhor. Beijokas e te desejo um ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  20. Um conto apenas????

    O conto mais lindo que já li em minha vida.

    Nada a declarar.

    ResponderExcluir
  21. Ai que conto lindo e comovente. Adorei! Não quero que você fique triste, mas se caso ficar, escreva mais contos tá?


    P.S
    Tive uma colega de trabalho que ela foi encontrada bebezinha, dentro do mato, toda cheia de formigas. O pai dela de coração ia passando de cavalo e a viu. Ela é uma pessoa feliz e tem verdadeira adoração por esse pai.


    Beijos
    Mah

    ResponderExcluir
  22. Um artista/escritor triste tras ARTE pura aos seus fas... sempre tive essa angustia dentro de mim... sempre estimei encontrar um bebezinho abandonado... para ama-lo... esse bebezinho tinha a maezinha dele... ainda bem...
    Bjs...

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…