Sobre amar…sobre acolher

em 13 de novembro de 2010

image Um dos meus posts mais acessados é este: Quando sua criança é diferente das demais. E por causa dela eu recebo muitos emails, para meu espanto.
Um desses emails me tocou tanto que eu pedi à autora licença para postar no blog. Claro que vou resguardar a pessoa pois ela é relativamente conhecida nos blogs e pediu que eu fosse discreta. Serei.
Este é um trecho do email:

“Elaine, meu filho de 17 anos resolver rolar. Estou desesperada. Não durmo, não como, choro muito. O pai dele nem sonha, já pensou? Minha amiga, me ajude! Eu tenho medo, ele vai sofrer. Tenho medo. O que eu faço?”

Disse a ela o que vou repetir aqui.
Francamente eu não sei. Não vivi essa realidade, nem tenho filhos. Tudo o que digo eu o faço de fora, olhando e observando a vida. E às vezes a gente enxerga melhor a árvore de fora da floresta…
Deixa eu contar uma coisa:

Eu tenho um amigo muito querido, de longos e tortuosos anos. Um menino que conheço desde quando ele tinha 14 anos. Hoje é um homem de 30 anos. Inteligente, gentil, sabido, meigo, que faz um molho de palmito delicioso. Que lê muito (inclusive meu blog, e vai se reconhecer na hora), blogueiro, ativo na Igreja, bom filho. Cheiroso, bem vestido. Homossexual. Desde quando? Desde sempre, eu acho.
Disse que ele é ativo e atuante na Igreja e sua orelha deve ter ardido pensando que isso é impossível. Bem, não é impossível. Mas não é assim um mar de rosas. Como poderia?

Não há sofrimento maior do que não poder ser de fato aquilo que se é. Nem é possível fugir de si mesmo para sempre. Eu sempre disse isso ao meu amigo, e é realmente o que penso.
Penso também que homem (ou mulher) algum escolhe ser assim ou assado. Você escolheu ser homem ou mulher? Poderia ser gay se escolhesse? Eu não. E acho que homossexuais também não escolhem.

Não estou dizendo que é certo, nem que é errado. Estou emitindo uma opinião muito pessoal, de quem não sabe todas as respostas e nem conhece toda a verdade. Mas quer aprender.
E aceitar as diferenças é parte do árduo aprendizado que é a vida. Sei apenas uma coisa, com toda a certeza que há em mim: bondade, gentileza, caráter e afeto não se definem pelo que fazemos, e com quem, na cama. Sempre digo isso.

E claro que sei o quanto deva ser difícil para os pais. Mãe alguma pega seu bebê no colo e pensa: “Quando ele crescer quero que seja gay” E sabe porque? Porque as mães sabem, elas e os pais sabem o quanto ser diferente causa sofrimento. Porque o mundo em que vivemos é cruel, habitado por pessoas que descontam naqueles que são “diferentes” suas frustrações.

Eu tenho 4 sobrinhos: 2 meninas e 2 meninos. Sou muito próxima dos 3 filhos de minha irmã, madrinha de 2 deles. Amo aos pequenos muito mais do que posso dizer. Quando seguro o Luís Otávio e ele sorri pra mim meu coração se ilumina. E quero que ele seja feliz. Que seja bom, que seja honesto e gentil.

E se for gay? Quero que ele seja feliz, honesto e bom. Eu sempre estarei aqui para ele. E para os outros.
Pois no mundo não faltarão quem os ataque.
 

608289q08o3aylgm

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

39 comentários , comente também!

  1. É, Elaine... descobrir um filho gay é lutar contra os próprios preconceitos. Existem pessoas com menos preconceitos ou que já convivem com homossexuais e tem uma facilidade em aceitar a situação, mas ainda permanecem no medo do mundo lá fora (pelo filho).
    Fato é que, PAIS e família precisam lutar contra os preconceitos, colocar o amor acima de qquer preconceito e cuidar do filho pois, inicialmente, é o que ele vai precisar.
    Espero que essa pessoa possa seguir amando o filho do mesmo jeito!
    Conheço casos que venceram a dificuldade, venceram o preconceito (que parecia invencível!). Histórias muito lindas! Se ela quiser, pode entrar em ctto (maciel.telma@gmail.com).
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Oi amiga
    Parabéns pelo seu blogue.
    Gostei.
    Um abraço
    Maria Souza

    ResponderExcluir
  3. Eu sempre digo que o novo causa estranhamento, dá medo e por isso uns se afastam e outros atacam. Mas se pararmos pra ver, o homossexualismo não tem nada de novo e não deveria "assustar" tanto assim. Tenho amigos gays, lésbicas, bi e me dou muito bem com todos, pois são pessoas de ótimo caráter, mas é estranho vê-los vivendo meio que em guetos, isso me é mto triste, porque não era pra ser assim, há espaço pra todos nesse mundo, e fico pensando, porque as pessoas não se lembram de Jesus aprendem a "amar uns aos outros como a ti mesmos..."

    Xêros bonita
    Paty

    ResponderExcluir
  4. Oi Elaine!
    A impressão que tenho é que nada que eu possa dizer deixa de parecer idiota diante dessa mãe nessa situação.

    Eu provavelmente não passarei por isso, já que não tenho filhos, mas é uma situação bem difícil, pelo menos na fase inicial...

    Enfim, vim aqui mais para dizer que assim que der faço um PAP dos marcadores de páginas, tá bom?

    Bjos.

    ResponderExcluir
  5. Nossa...minha vez de esperar a boca fechar depois do susto. Me sinto imensamente honrada de ser citada no seu post, você sabe(eu espero) da admiração que tenho por vc e pelo seu blog. Mesmo quando discordamos. E afinal a vida é feita disso né? É na discordância que a gente aprende.

    Sobre o post e o meu blog...NINGUÉM pensa em ter um filho gay. E ninguém sai alegre e saltitante qnd escuta isso de um filho. Mente quem disser o contrário. A gente tem anos de uma educação repressora e preconceituosa, a gente tem medos e mitos na cabeça, a gente morre de culpa de achar que fez algo ou deixou de fazer algo que podia ter mudado essa história. E a gente sente o luto de perder aquele filho idealizado que ia seguir o roteiro que a gente sonhou pro bebê fofinho.

    Mas no fim de tudo isso (e de muitas lágrimas pode ter certeza) só nos resta duas escolhas: a gente pode se mexer e acolher o filho real que tá ali na nossa frente ou a gente pode deixar ele escapar para um mundo onde a gente nunca vai entrar. Por que a gente TEM ESCOLHA. A gente pode decidir. Optar. Ele não. Por que ninguém escolhe ser gay,ninguém escolhe ser alvo de chacota todo dia, ser visto com preconceito, ser acusado, sofrer e muitas vezes viver sozinho e longe da família.

    Desculpa o longo testamento, quase fiz um post nos seus comentários. Para quem passar e quiser conversar eu digo que melhora. Que quando a gente decide acolher a gente descobre que o filho ainda é o mesmo de sempre.

    ResponderExcluir
  6. Bem... Você que me lê faz um tempinho, sabe que não tenho absolutamente nada contra homossexualidade. Sempre enxerguei como um jeito diferente de expressar a sexualidade e só isso, sem esses medos, traumas e dramas que as pessoas fazem em volta do assunto. Não entendo o porquê de tanta discriminação, se as pessoas não estão fazendo mal a ninguém.

    Mas é óbvio que tenho que concordar que os homossexuais sofrem uma pressão social imensa. E por isso a família teme, porque essa pressão vai cair sobre todos.

    Tem o machismo tão evidente no nosso país que também piora muito o quadro para os homossexuais...

    Mas creio sinceramente que se tivesse um filho homossexual, no início iria temer pelos possíveis sofrimentos, mas iria defendê-lo muito, muito mesmo, e daria todo meu apoio.

    Beijocas

    p.s:

    1) Mais uma vez apareceu um monte de pessoas novas no meu blog, por causa do post do layout, seu blog tem força hein? eheheh

    2) Uma frase no seu post diz que o filho resolveu rolar. Rolar é gíria? Nunca ouvi isso... rs

    ResponderExcluir
  7. Oi Elaine,
    tá crescendo mesmo, eu ficava insegura em mostrar minhas aventuras no artesanato, mas percebi que os leitores gostam muito, os acessos sobem, os comentários tb. Já me pediram Paps e vou providenciar.
    Mas vc ajudou muito no crescimento desse blog bebê como vc mesma diz.
    bjs e ótimo dia!
    inventandocasa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Elaine! Bom dia!!
    Sabe, eu tenho um amigo maravilhoso, aquele para todas as horas? Pois é...e esse amigo disse que pior coisa para um gay é a solidão, claro muitos héteros tbém sofrem com a solidão, mas segundo esse meu amigo, a solidão do gay é muito mais dolorida. Ele diz que adoraria poder escolher...e então não seria gay. Eu tenho tanta pena quando ouço ele falando assim - já cheguei até a chorar.
    Não sei se com outros acontece o mesmo, mas eu sofro de imaginar o R. (bom filho, bom amigo, bom funcionário) sofrendo assim. Entendo o sofrimento dessa mãe.
    A única coisa possível é ficar ao lado dele, apoiar e fazer dele uma pessoa boa e honesta.
    Tenha um ótimo final de semana.
    Beijo doce, perfumado e cheio de luz.

    ResponderExcluir
  9. Elaine,

    Eu sinto que sou diferente das outras pessoas...
    Não consigo fazer as mesmas coisas que para eles, é normal...
    Não amo como elas... Eu sempre afasto, maltrato quem eu amo...
    Talvez seja apenas auto-defesa minha.
    Já sofri muito e não quero passar por isso de novo...
    Mas a verdade é essa... Sou como a criança do pulapula... quero apenas rolar e não pular... Pular, significa para mim infelicidade e rolar é apenas deixar passar a vida!
    Eu juro que já tentei mudar... Mas não consegui...
    Agora eu apenas viver a vida...

    bjo

    ResponderExcluir
  10. Oi!
    Eu ia sugerir justamente esse blog a ela:
    http://maedefilhogay.blogspot.com/
    Muito bom!
    Sou seguidora e tenho aprendido muito com ela!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Elaine,

    Muito legal o jeito com que colocou o assunto. O que interessa é o caráter da pessoa, não o que ela faz entre quatro paredes com alguém. Só não entendi o termo "rolar" que a pessoa colocou na pergunta dela... "meu filho de 17 anos resolveu rolar". Que é isso?
    Entendi pela sua resposta, mas se alguém me fizesse essa pergunta eu não saberia responder, pois nunca ouvi esse termo antes.

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  12. Elaine,

    Muito legal o jeito com que colocou o assunto. O que interessa é o caráter da pessoa, não o que ela faz entre quatro paredes com alguém. Só não entendi o termo "rolar" que a pessoa colocou na pergunta dela... "meu filho de 17 anos resolveu rolar". Que é isso?
    Entendi pela sua resposta, mas se alguém me fizesse essa pergunta eu não saberia responder, pois nunca ouvi esse termo antes.

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  13. Elaine
    E isto mesmo. O que a gente quer é que sejam felizes e honestos.
    Os meus 5 sobrinhos , quatro jovens e uma mocinha são maravilhosos.
    Rezo diariamente para que simplesmente sejam felizes.
    com carinho Mônica

    ResponderExcluir
  14. Meu Deus quanta grandeza, humildade, compreensão, companheirismo e tudo mais de bom que o caiba dentro do coração de uma pessoa. Elaine eu já te disse tanto que apesar da tua idade, você é nossa mãe.
    Estou chorando aqui e queria tanto que muitas pessoas que conheço o lessem esse texto.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  15. Querida Elaine
    Me comovi muitíssimo com o depoimento dessa mãe e sua resposta. Não sei quem é claro e não vou ser abelhuda em querer saber ,isso não importa.Julgo-me uma pessoa sem preconceito e você tem toda razão,não escolhemos o que queremos ser nem o que nossos filhos serão,mas uma coisa que eu também sempre quiz foi só que fossem felizes.Só isso.Amor é isso,querer ver nossos queridos felizes,mesmo que não sigam o caminho que nós escolhemos.
    Não posso falar com conhecimento de causa,apenas digo o que penso e se uma de minhas filhas fosse homossexual, procuraria mostrar-lhe que meu amor por ela é incondicional.E iria dizer ao pai tudo que disse a você aqui porque principalmente ele tem que ajudar a dar apoio e amor ao filho que mais precisa no momento.
    Sabe,minha filha caçula ,que é a mãe de meu neto,um dia veio me dizer : mãe,vou morar com ele ( no caso o hoje seu marido )você diz a meu pai?
    Eu falei ,você é quem vai dizer,assumir sua decisão.Mas voce sabe como mãe é ,então fui preparar o espírito do pai.Quando falei ele vira e diz o que faço?
    Respondi,você vai dizer a ela :
    Que Deus te abençõe,porque só quero que voce seja feliz.
    Ele chorou,mas quando ela lhe contou fez como eu disse.
    Amamos os nosso apesar de, e nunca por causa de...
    Um grande abraço
    Teca

    ResponderExcluir
  16. Passando para desejar um excelente fim de semana. Bjks

    ResponderExcluir
  17. Minha querida ,
    Concordo com seu texto , acho que a dor de uma mãe por ter um filho gay e como a segurança física do filho , pois sabemos como a sociedade pode ser dura
    bjs

    ResponderExcluir
  18. me emocionei mto com este post. Eu acho que homossexualidade é como cor dos olhos, vc nasce com ela e pto!
    Antes de ser gay, lesbica, bissexual ou transgeneros ele é meu filho!

    ResponderExcluir
  19. Impressionante o depoimento de Lilah! Forte, sério e de mãe mesmo...um beijo às duas,tudo de bom,chicA

    ResponderExcluir
  20. Adorei o seu post de hoje e fiquei maravilhada com os comentários que li. Conselhos sábios e que com certeza confortarão a mãe angustiada. Tudo isto que vi aqui hoje é GENTILEZA. Dia 13 de Novembro foi escolhido para ser o dia da GENTILEZA e por isso vim cá hoje. O mundo precisa muito de actos gentis e o seu post veio confirmar isso. Conselhos, compreensão, tolerância, são exemplos de actos de Gentileza. Obrigada, Elaine e vamos lá...todos a lutar por um mundo mais gentil. Um grande beijinho e...Fique BEM!
    Emília

    ResponderExcluir
  21. Oi linda, li teu post e concordo em gênero, número e grau! Tenho duas filhas e um filho, que já tem 3 filhos e uma filha! O que quero? Que sempre sejam bons, honestos e principalmente FELIZES!!!!! Bjus e obrigada por tu ser como és!!!! Ilumina meus dias

    ResponderExcluir
  22. Ah, eu tenho medo que meu filho seja gay e te digo o motivo. É muito duro vc ter de pedir desculpas ao mundo por ser quem é, correr o risco de apanhar pq deu um beijo ou andou de mãos dadas com quem ama. Sinceramente não quero este tipo de sofrimento para meu filho. Agora, se o mundo fosse diferente, sinceramente não importaria. Tudo o que a gente quer é ver o filho feliz.

    beijos

    ResponderExcluir
  23. Eu amo seu blog e vejo muitas razões para amá-lo. Hoje descobri mais uma: quanta gente linda por aqui... lindas por dentro, com coração e mente aberta...
    Dize-me com quem andas... nada mais verdadeiro.
    Estou sinceramente tocada. Bjks. Neli Alves

    ResponderExcluir
  24. Ninguém escolhe ser gay ou hetero, a gente é como é, quer ser aceito e amado com o pacote completo.

    Sempre digo isso:

    Julgue e condene uma pessoa pela forma que ela demonstra seu ódio, nunca pela forma que ela demonstra o seu amor.

    beijoooo

    ResponderExcluir
  25. A Lilah falou tudo! o comentário dela é perfeito.
    é triste, muita gente ainda treme qdo dá a mão a um negro, imagina aceitar o homossexualismo. Fora a condenação do ponto de vista moral/religioso, como se a pessoa ser gay fosse uma escolha de vida e não algo inerente ao ser.
    Ninguém acorda jogando o cabelo pro alto, se olhando no espelho e dizendo: hj vou ser gay. é um sentimento da pessoa, algo que esta nela desde sempre.

    muitas mães se assustam por medo. Na cabeça delas tem o estereótipo: meu filho vai virar travesti, vai se prostituir, vai virar devasso/minha filha vai dar entrada no caminhão dela.

    é o maior problema da sociedade: a aceitação das diferenças.

    mais um show post! eita menina Elaine que sempre faz melhor o que já é bom!

    ResponderExcluir
  26. Oi linda

    Achei sua resposta acima de tudo surpreendente,ninguém quer ser gay,ninguém quer ser rotulado,deve ser um sofrimento muito grande ser diferente,digo isto porque tenho um primo com o qual cresci,e sempre notei,desde pequena que ele tinha algo de diferente.Depois que se tornou adolescente a vida dele se tornou um caos....chorava,entrou em depressão,sofreu horrores.Quando contou ao pai....fazendeiro rustico,foi um pesadelo,como se ele tivesse culpa,porque eu vi...ninguém me contou...eu vi ele crescer.O pai dele,meu tio teve 04 derrames,e hoje esta muito fraco,se tratando....uma tristeza,afetou demais toda a familia.Sera que se os meus tios tivessem sido avisados,preparados eles não sofreriam menos?,ninguém sabe,acho até que minha tia sabia...era visivel,mas meu tio não....muito triste.
    Uma vez eu disse a ele...não conte aos seus pais...pra que?,va cuidar da sua vida....eles não vão aguentar....
    Mas só a pessoa que esta sofrendo pode dizer o quanto e dificil,ele sofreu muito e ainda sofre.Tenho amigos gays,nõ vejo nenhum problema....cada um no seu quadrado.
    Bjs
    Deusa
    vasinhos coloridos

    ResponderExcluir
  27. Elaine

    Muito bom o conteudo de seu post. Acabei de ler um livro que ganhei de uma amiga que conheci no ônibus que diáriamente me leva para o trabalho.

    Chama-se Fátima Moura e é uma jornalista, professora de teologia e psicologia. Além disso é espiritualista e escreve livros que são editados e seus direitos cedidos as entidades que investem nos trabalhos de ajuda as famílias que passam necessidades momentâneas fazendo distribuição de cestas básicas, oferecendo alimentação a crianças e gestantes carentes , enfim um trabalho muito bonito de entrega e doação ao próximo.
    Foi nesse trajeto diário que se criou um laço afetivo e um dia me presentou com um de seus livros "Descobrindo um caminho" que aborda sobre o Romance entre jovens,a timidez, o sexo sem compromisso e outros aspectos numa linguagem sinples e tocando em assuntos que eu mesma parei para pensar em atitudes de meu filho na fase de sua adolescência.

    Existem situações e momentos em nossa vida que acontecem esses encontros e não me pergunte porque teria que ganhar esse livro e me encontrar com situações que na ocasião me preocupava e com o tempo não era nada do que imaginava.

    A mãe cria uma imagem para seu filho e acha que tudo tem que correr como manda o figurino, mas a vida não caminha assim. Temos deixar fluir naturalmente e acompanhar, apoiar e orientar oq ue for necessário.

    Estive na Mãe de filho gay e me deparei com um post muito interessante que toca sobre as vontades no menina desde sua infância. Lilah me impressionou com sua forma de levar e tratar sobre este assunto.
    Deixei inclusive no seu comentário um link sobre um post que fala sobre esse tema e tem um vídeo que achei super. Campanhas que devriam ser feitas.

    Amiga tenho que parar de falar senão isso vira um testamento.

    Beijos e bom domingo

    ResponderExcluir
  28. Elaine

    Muito bom o conteudo de seu post. Acabei de ler um livro que ganhei de uma amiga que conheci no ônibus que diáriamente me leva para o trabalho.

    Chama-se Fátima Moura e é uma jornalista, professora de teologia e psicologia. Além disso é espiritualista e escreve livros que são editados e seus direitos cedidos as entidades que investem nos trabalhos de ajuda as famílias que passam necessidades momentâneas fazendo distribuição de cestas básicas, oferecendo alimentação a crianças e gestantes carentes , enfim um trabalho muito bonito de entrega e doação ao próximo.
    Foi nesse trajeto diário que se criou um laço afetivo e um dia me presentou com um de seus livros "Descobrindo um caminho" que aborda sobre o Romance entre jovens,a timidez, o sexo sem compromisso e outros aspectos numa linguagem sinples e tocando em assuntos que eu mesma parei para pensar em atitudes de meu filho na fase de sua adolescência.

    Existem situações e momentos em nossa vida que acontecem esses encontros e não me pergunte porque teria que ganhar esse livro e me encontrar com situações que na ocasião me preocupava e com o tempo não era nada do que imaginava.

    A mãe cria uma imagem para seu filho e acha que tudo tem que correr como manda o figurino, mas a vida não caminha assim. Temos deixar fluir naturalmente e acompanhar, apoiar e orientar oq ue for necessário.

    Estive na Mãe de filho gay e me deparei com um post muito interessante que toca sobre as vontades no menina desde sua infância. Lilah me impressionou com sua forma de levar e tratar sobre este assunto.
    Deixei inclusive no seu comentário um link sobre um post que fala sobre esse tema e tem um vídeo que achei super. Campanhas que devriam ser feitas.

    Amiga tenho que parar de falar senão isso vira um testamento.

    Beijos e bom domingo

    ResponderExcluir
  29. OIIIII!!!!
    Ser diferente nunca será fácil. Seja por opção, doença, inteligência, capacidade, beleza, timidez...
    Os diferentes devem serem amados.
    Bjus

    ResponderExcluir
  30. A unica coisa que posso dizer é que ...
    Todas as formas de amar, valem a pena!
    Independente das circunstâncias!
    Amar é amar...
    Amar pelo simples fato de querer amar alguem!!
    bjs
    lu

    ResponderExcluir
  31. ELAINE QUERIDA..
    o termo rolar como disse a carla eu nunca havia lido ou escutado...novidade..
    mas de gay eu entendo, afinal vivi na noite por muitos anos e na noite se ve de tudo...tenhos amigos,amigas e afins...rsr
    sou liberal, gosto de gente e pra mim não me importa se é cru ou assado...
    concordo com vc que ninguém escolhe ser gay.
    ah! resolvi que a partir de hoje seri gay e sofrerei discriminaçaõ, solidão, humilhação e todos os infortunios que essa opção traz "xipofogamente'atrelados a sí.
    não ninguém é gay por que quer, infelizmente não é opcional tipo acessorio de carro...
    nasce gay, morre gay.
    é uma escoha dificil e dolorosa, eles todos sofrem muito até que consigam se encarar e na a maioria das vezes suas familias são as primeiras a negar-lhes o carinho e a compreenção necessarios .
    entendo que não deva ser fácil pra pai e mãe escutar isso de um filho, claro que não é...
    mas amor é incondicional.
    então acho que o dialogo , compreenção e amor são fundamentais prar lidar com a questão e poderem juntos encarar esse fato com muito mais suavidade e simplicidade.
    carater, honestidade, labuta e posicionamento frente a vida vem da educação que se recebe não da orientação sexual que a pessoa segue.
    sua amiga saberá com tranquilidade e amor trabalhar esse problema e achar dentro de sí mesma um entendimento,,,pois acredito que o amor que ela sente pelo filho é muito maior do que qualquer preconceito .
    juntos eles saberão se compreender.
    boa sorte.
    bjuivos a vc querida.
    esse tema é pra dias , meses, anos de dissertação...
    rsr
    tenha dias lindos.

    ResponderExcluir
  32. ELAINE QUERIDA..
    o termo rolar como disse a carla eu nunca havia lido ou escutado...novidade..
    mas de gay eu entendo, afinal vivi na noite por muitos anos e na noite se ve de tudo...tenhos amigos,amigas e afins...rsr
    sou liberal, gosto de gente e pra mim não me importa se é cru ou assado...
    concordo com vc que ninguém escolhe ser gay.
    ah! resolvi que a partir de hoje seri gay e sofrerei discriminaçaõ, solidão, humilhação e todos os infortunios que essa opção traz "xipofogamente'atrelados a sí.
    não ninguém é gay por que quer, infelizmente não é opcional tipo acessorio de carro...
    nasce gay, morre gay.
    é uma escoha dificil e dolorosa, eles todos sofrem muito até que consigam se encarar e na a maioria das vezes suas familias são as primeiras a negar-lhes o carinho e a compreenção necessarios .
    entendo que não deva ser fácil pra pai e mãe escutar isso de um filho, claro que não é...
    mas amor é incondicional.
    então acho que o dialogo , compreenção e amor são fundamentais prar lidar com a questão e poderem juntos encarar esse fato com muito mais suavidade e simplicidade.
    carater, honestidade, labuta e posicionamento frente a vida vem da educação que se recebe não da orientação sexual que a pessoa segue.
    sua amiga saberá com tranquilidade e amor trabalhar esse problema e achar dentro de sí mesma um entendimento,,,pois acredito que o amor que ela sente pelo filho é muito maior do que qualquer preconceito .
    juntos eles saberão se compreender.
    boa sorte.
    bjuivos a vc querida.
    esse tema é pra dias , meses, anos de dissertação...
    rsr
    tenha dias lindos.

    ResponderExcluir
  33. Ai...consegui! chegeui ao terceiro post que perdi durante o feriado...ui?

    Digo apenas que: Devemos amar simplesmente...
    Jesus não ama o pecado...mas sim o PECADOR...amar um homosexual, não significa que amo o que ele faz...e assim é em todas as esferas...

    Posso amar um traficante, querer ve-lo liberto das drogas, mas abomino as drogas que ele usa e vende...

    será que me espressei bem?

    Joana Campos

    ResponderExcluir
  34. Eu não serei hipócrita. Eu não aceito, não concordo com o homossexualismo. Ás vezes de "brincadeirinha" me chamam até de homofóbica. E eu não sou preconceituosa. NÃO SOU. Tenho amigos queridos demais por mim, que são gays, e eu os abraço, dou cheiro, converso, frequentam minha casa, eu os amo. Mais aceitar, concordar com a prática, isso não. Por isso eu tenho pavor que meus filhos venham a ser gay, sei que jamais os abadonaria e deixaria de amar-los. Mais aceitar e levantar bandeira pela causa, isso não.


    Bjs
    Mah

    ResponderExcluir
  35. Acredito que não é uma escolha, somos o que somos e não o que escolhemos ser. Certa vez conversando com a avó de meu sobrinho que é homossexual, fiz uma comparação que sei que é infantil,mas, que funcionou; ao menos quando toca no assunto comigo. Perguntei a ela: quando você nasceu disse a alguém que preferia ser pobre e não rica? Como pode achar que ele escolheu ser quem é? Sei que o que fiz pra alguns, pode parecer preconceituoso, mas o que eu queria era que ela simplesmente percebesse
    que se não era fácil pra ela, também não era pra ele. Como se pode amar uma pessoa que não respeitamos? Se um de meus filhos; tenho um casal,um dia se descobrir homossexual. Vou ama-lo como semprei amei, ficarei ao lado dele(a) e apoiarei. Por que já basta a pressão que sofrerão do preconceito alheio, dos conhecidos e desconhecidos que aparecerão em sua vida. Mas, comigo podem contar. Meu amor vai além do preconceito.

    ResponderExcluir
  36. bonito post, vim pela Fernanda Reali, abraços

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…