Quando sua criança é diferente das demais…

em 30 de agosto de 2010

diferente Sábado passado eu fui com marido à Feira do Livro e Exposição de carros antigos que aconteceu aqui em São Joaquim da Barra. Depois falo da feira, tá?

A praça central estava lotada. Com barraquinhas de cachorro-quente, pipoca e muito mais. Em um canto da praça uma cama elástica foi colocada para crianças pequenas, 2 dinheiros por 15 minutos de pula-cai-levanta-pula. Muitos pais e seus pimpolhos… fiquei observando.

Colocaram um garotinho de uns 3 ou 4 anos na cama elástica. Ele sentou e queria rolar. Do lado de fora o pai e a mãe insistiam eufóricos: “Pula, filho!”. E o garotinho rolava de um lado para o outro.

Todas as crianças pulava alto, faziam malabarismos, davam piruetas. Mas o garotinho queria apenas rolar. De fora, os pais começaram a ficar agoniados: “Pula, menino! Todo mundo tá pulando, só você é diferente?”. A voz já não tão doce: “Pula, que você tá aí pra pular!”.

Mas, diferente das demais crianças, ele queria rolar. Ria feliz. Uma menina maior pegou o garotinho pela mão, a mando dos pais aflitos porque o filho não pulava, e tentou fazer com que ele pulasse como toda criança normal estava fazendo. A diversão acabou para ele. Chorou, soltou a mãozinha. ele não queria pular. Ele queria rolar.

Quanta expectativa os pais colocaram nos 2 reais pagos para que o filho pulasse. Mas ele queria rolar, ele era diferente. Quanta expectativa os pais colocam nos filhos!

Já pensou nisso?

Tenho, há dias, pensado sobre isso e na forma mais adequada de tocar no assunto. Acredito que achei.

Quando temos um filho, ou sobrinho, ou afilhado, ou irmão menor, ou mesmo um amigo querido e próximo, colocamos sobre esse serzinho tantas expectativas: ele será isso, ele será aquilo, terá filhos, serei avó, terei sobrinhos-netos. A namorada será assim, o casamento será desse jeito…

Mas de repente o menino não quer pular, ele quer rolar. Ao invés de uma namorada ele quer um namorado. Não haverá uma noiva e nem marcha nupcial. Sem vestido para a mãe do noivo. Sem netos biológicos, ou sobrinhos-netos. O menino (ou a menina) não quer pular como a maioria.

Ele, ou ela, quer rolar e ser feliz. Ainda que os outros se afastem dele por achar esquisito demais alguém assim tão diferente.

Mas os pais pagaram 2 reais. E mais do que dinheiro eles investiram expectativas, sonharam com o filho voando alto na cama elástica, pulando mais alto que todas as crianças, dando cambalhotas.

E o menino, ou menina, quer rolar.

E agora? Deixar rolar? Aliás, tem como impedir que a natureza de alguém se manifeste?

Mas eu penso que, seja rolando, seja pulando, ainda é sua criança. Ainda é a mesma criança. Apenas que as nossas expectativas nem sempre encontram reciprocidade…

Mas ainda é a mesma criança. E o fato de pular ou rolar é apenas um aspecto da personalidade. Não define o todo, mas apenas um aspecto da pessoa.

Afinal, ninguém é apenas um aspecto, mas sim muitos mais, inúmeros. As demais características, como afetividade, caráter, honestidade, gentileza, doçura, força, garra, inteligência e bom humor, não desaparecem porque a pessoa rola ao invés de pular com a maioria.

Você mintendeu?boa-s2

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

51 comentários , comente também!

  1. É bem isso! Não só com crianças, como vc disse, mas também adultos. Às vezes temos alguma expectativa e a pessoa age diferente, quer diferente. É a natureza de cada ser humano! Como impedir? Não precisa, né... Cada um faz como quer, como gosta, como se sente bem. Isso que importa! Bjos, adorei aqui e to seguindo!

    ResponderExcluir
  2. Elaine que assunto delicado, é fácil julgar os pais que não aceitam uma coisa dessas, mas quando se coloca no lugar deles é diferente. Eu penso da seguinte forma: faço mil planos para minha filha, se de repente os planos dela forem diferentes dos meus, jamis deixará de ser minha filha, ou será menos amada. Não será uma coisa fácil de lidar, no entanto coloco como prioridade na vida da Sofhia a felicidade. Penso muito nisso, a única certeza absoluta que tenho, e que seja qual for a escolha da minha filha, estarei sempre do seu lado.
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que post bonito. Conseguiu tirar de uma cena casual,toda uma análise tão profunda sobre aceitação e negação. Gostei muito.

    ResponderExcluir
  4. Muito sensível e bem escrito.
    Meu caçula é dos que rolam e não pulam...adorei a forma como vc escreveu!

    ResponderExcluir
  5. Elaine, nunca te vi e sempre te amei, hehe.

    "E o fato de pular ou rolar é apenas um aspecto da personalidade. Não define o todo, mas apenas um aspecto da pessoa."

    SIM!!!

    É por causa de posts como esse que eu te admiro, pois sei que tu tens firmes convicções religiosas e, mesmo assim, não embaça a visão com dogmas que a tua Igreja impõe.

    Tu tens a tua fé, mas tem a tua opinião, e isso te faz mais equilibrada e mais sensível frente aos fatos da vida.

    Eu te admiro muito. É assim que eu quero ser quando eu crescer, uma Elaine Gaspareto.

    ResponderExcluir
  6. Oiiii Elaine, amei seu post, sabe que penso nisso as vezes quando olho meu filhote dormir, fico imaginando como vai ser o amanhã, hoje ele é pequeno tem apenas 4 aninhos e mesmo assim já sabe expor quando quer pular ou rolar independente de eu esperar o contrário.
    Mas como você colocou no post ele é meu, independente dele atender as minhas expectativas ou não de ser igual ao demais ou não, ele é meu. Meu coração em forma humana e possui o meu amor infinito, o importante é que ele seja feliz muito feliz essa é a expectativa que quero que ele me corresponda, a de ser uma pessoa honesta e mto feliz.
    Bjs ótima semana.

    ResponderExcluir
  7. eu gostei desse guri. ele tem coragem de rolar numa cama elástica, enquanto eu não consigo nem subir. Hehehe. gosto dele. se tivesse perto, gritaria aos pais: deixa! ele quer deitar e rolar...

    ResponderExcluir
  8. Muitas vezes me pego pensando neste assunto... pq temos a tendencia de achar que as coisas tem que acontecer do jeito que queremos ? Pô, deixa o curso do rio correr naturalmente....

    Bjks e boa semana pra vc tbem.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Elaine!
    É a primeira vez que comento aqui, seu post foi irresistível! Quanta sensibilidade, mulher! Sabe, essa forma de pensar e enxergar as coisas me acompanha há muuuuito tempo, pois meus pais sempre colocaram as mais altas expectativas em mim e no meu irmão... Como eles mesmos dizem, somos "atípicos": amamos o conhecimento, os estudos, prezamos valores, caráter, princípios, detestamos baladas, bebida, cigarro e mal saímos de casa; mas, como a minha mãe diz, ela queria filhos "normais", só que normal p/ ela é ser como ela quer que sejamos, é fazer as vontades dela, coisa que não acontece. Esse tipo de julgamento e cobrança tende a limitar demais a criança, fazer com que se sinta incapaz de decidir por si mesma, não desenvolve a autonomia, gera um sentimento de culpa imeeenso por frustrar os pais, sentimento de rejeição também, personalidade frágil, além de se tornar ansiosa e estar vulnerável a tantos transtornos psicológicos... A culpa, a rejeição e ansiedade eu conheço bem haha. Um vacilo comum e grave dos pais, que deveriam estar mais atentos à forma como se relacionam com os filhos... e vc está atenta, isso é lindo!!! De verdade, admiro DEMAIS quem se preocupa em como criar um filho, me toca, me emociona e me enche de uma alegre esperança! O mundo certamente te agradece!!!
    Um super beijo de admiração!

    ResponderExcluir
  10. *A propósito, já assistiu "Happy Feet"?? Está entre meus desenhos preferidos hahahahaha (sim, adoro os BONS desenhos, os que acrescentam algo além do lúdico)! Quando comecei a ler o post, logo me lembrei desse filminho... vale assistir!

    ResponderExcluir
  11. Elaine querida! Que post lindo, muito bem observado, além de redigido é claro.
    É muito dificil administrar expectativas, eu mesma me encaixo na classe dos aprendizes nessa matéria ainda. Mas pelo menos, entender que só podemos algo sobre o que temos algum controle, já é meio caminho andado para a evolução. Com isso, é preciso ter a sensibilidade de compreender que sobre outrem que não a si mesmo é impossível controlar. Entao, deixe rolar!
    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  12. Elaine querida! Que post lindo, muito bem observado, além de redigido é claro.
    É muito dificil administrar expectativas, eu mesma me encaixo na classe dos aprendizes nessa matéria ainda. Mas pelo menos, entender que só podemos algo sobre o que temos algum controle, já é meio caminho andado para a evolução. Com isso, é preciso ter a sensibilidade de compreender que sobre outrem que não a si mesmo é impossível controlar. Entao, deixe rolar!
    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  13. Lindo texto!!!

    Infelizmente já há várias pesquisas provando que a maioria das pessoas escolhe ter filho com a esperança de aliviar suas próprias frustrações. Por isso querem que os filhos sejam tudo aquilo que eles (os pais) não conseguiram ser.

    Os pais deveria planejar menos e educar melhor os filhos para que eles tenham condições de fazer as melhores escolhas, sem se sentirem obrigados a trairem a si próprios para satisfazer os pais ou vice-versa.

    Até mais!

    ResponderExcluir
  14. Entendo perfeitamente o que vc quis dizer.
    Agora posso falar sobre esse assunto como quem passa na pele esse problema.
    Quando a gente vê acontecer na casa do vizinho ou na feira da cidade é uma coisa.
    Mas qdo é dentro da nossa casa,a coisa é bem diferente.
    Porque não é simplesmente descobrir que sua filha gosta de meninas e sim a enxurrada de mentiras que vc descobre junto.
    Eu peguei minha filha pelos braços e chacoalhei de tanto desespero.
    E infelizmente não consigo aceitar.
    Tenho nojo dela.
    E pra assumir esse sentimento todo é muito complicado.
    Meu amor secou e eu não sou capaz de fazer resurgir.
    E ainda por cima eu tive que descobrir que como ser humano eu posso ser muito fria,seja com quem for,e disso eu não sabia.
    Só quem passa é que sabe a real dimensão.
    Mas mesmo assim eu entendo que alguém possa me achar dura demais.
    Entendo perfeitamente que a minha decisão de riscar essa filha da minha vida assuste as outras pessoas e não fico com raiva das críticas.
    A vida nos prega peças e virar a página,às vezes dói demais.
    Um beijo amiga.

    Andréa

    ResponderExcluir
  15. Eu te entendi sim... Acgi que tenho que levar a serio suas palavras... Sei lá e vestir a carapuça pq hoje ela me serve... Você falou de um menos em geral e eu tou passando por uma situação assim nos ultimos tempo, sempre quis que minha irmã caçula fizesse uma engenharia, faço de tudo, trabalho duro para que ela tenha tudo o que precisa e possa só estudar e se dedicar ao vestibular para engenharia, mas a danada não quer pular ela quer rolar... Ela não quer papo com engenharia, ela quer ser biologa... se apaixonou por biologia!!! Eu já coloquei todas as vantagens de ser engenheira, mostrei a ela todas as possibilidades, o quanto pular é legal, mas ela quer rolar...

    Que raiva!!!

    Mas, a vida é dela e não minha... e se rolar faz bem a ela e ela gosta eu tenho que me esforçar e respeitar... Outras pessoas já vem comentando isso comigo, que preciso parar de resmungar por causa dessa questão... enfim...

    É dificil educar e aceitar que temos que deixar as crianças descobrirem por si só o que as faz feliz... Mas, vc tem razão "seja rolando, seja pulando, ainda é sua criança. Ainda é a mesma criança. Apenas que as nossas expectativas nem sempre encontram reciprocidade…"

    E que ela seja biologa!!!

    ______

    Rolou um desabafo... Sua postagem foi pertinente demais, isso é tão comum nas famílias, espero que todos entendam o recado!!!

    ResponderExcluir
  16. Demais, Elaine. Suei!

    Se estivesse a pular como as crianças, não sentiria tanta emoção.
    Lendo seu post, pensei no que meu pai sonhou para nós, seus filhos. E fico pensando, no que ele não pode mesmo realizar, mas que tenho certeza estaria feliz mesmo assim, pois sempre nos amou e muito.

    Dos meus, a expectativa e os sonhos já foram mais concretos. Não tive muitos sonhos, a não ser vê-los formados. E consegui. O mais estaria disposta a aceitar fosse o que fosse.
    Mesmo assim, existem tantas coisas que queremos deles e que não adianta exigir que "pulem se eles apenas querem rolar". Aceitar é o mais importante.
    O amor talvez não consiga superar muitas expectativas dos pais e a revolta e abandono aparecem.
    É muito triste quando isso acontece.

    Nossa você foi fundo, menina!
    Que reflexão...

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  17. Ah, se todos tivessem essa garra, essa coragem de aceitar os outros como vc tem, Elaine Gaspareto! Com certeza nosso mundo, diferente e igual, seria tudo uma coisa só: União!
    Sei que criar expectativas, idealizar as coisas são atos complicados, mega difícil de não ter pra gde maioria, mas quem os faz sempre vão encontrar frustração e decepção, porque qdo se idealia algo, não se imagina nada menos que a perfeição, e isso, infelizmente não existe! ;oD

    Obrigada por me emocionar mais uma vez, frô!

    Xerinhos
    Paty

    ResponderExcluir
  18. Oi!
    Cheguei aqui no seu cantinho através do blog Fina Flor e me encantei!
    No primeiro post que li já me identifiquei, esta questão de espectativas ao criar os filhos me tira o sono! A minha Cecília só tem dois anos, mas como boa marinheira de primeira viagem, eu sou um tantinho insegura, um tantinho indecisa, um tantinho precavida demais! rs!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  19. Claro que entendi! Meus pais colocaram expectativas bastante diferentes do que eu queria pra minha vida... E isso foi um transtorno na minha adolescência e início da vida adulta. Por que não entendia o porquê de ter que seguir aqueles caminhos chatíssimos que eles me ofereciam, quase que obrigatoriamente... ehehe...

    Não tenho filhos, então não saberia como iria ser com eles, mas certamente, sendo humana, colocaria expectativas do mesmo jeito. A diferença toda é mesmo a forma como lidamos com isso!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  20. Nao queria estar na pele dessa criança. Os pais já deixaram bem claro à criança o recado: filho, você terá que fazer o que achamos que é certo, o que queremos. Dane-se sua vontade, dane-se o que vc é.

    Com o tempo o menino receberá dos pais a pesada carga de ser o que eles não foram. Pais que projetam seus sonhos nos filhos e os pobres coitados que sejam o que eles determinaram que vão ser.

    O pezinho da criança vai querer pisar torto, desviar do caminho. Mas terá que sempre caminhar em linha reta, para não desagradar seus pais. Ou então escolher seguir outro caminho, que caminhará sozinho e solitário.

    Triste.

    boa semana pra vc! excelente post

    ResponderExcluir
  21. Olá Elaine

    Lindo post muito profundo...É uma situação dificil que eu acho que é só na hora que acontecer que a gente vai ver a nossa reação... mas a felicidade ainda vem em primeiro lugar com certeza.

    Adoro seus post e quando não comento é pq não sei usar as palavras assim como vc que expressa tão bem o que sente e o que vê. Parabéns!

    Bjs

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  23. Entendi sim, Elaine! :)
    Principalmente porque sei que não atendi ás expectativas de meus pais em alguns aspectos. E por isso mesmo, já me peguei pensando sobre isso. Por estar no papel de filha, sei como o filho que quer viver a vida do seu jeito se sente quando percebe que não foi bem assim que os pais sonharam. O filho também sofre de alguma forma. Por isso, quando for mãe, não quero perder de vista esta perspectiva, para saber me controlar e jamais fazer com que meu filho(a) sinta-se pressionado(a) por mim de alguma forma.

    Ótima reflexão! :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. hm... acabei de pensar: o q meus pais esperavam de mim?
    nossa... não sei responder!
    preciso de tempo e pensar!

    só sei q espero q meu filho seja um homem bom, só isso, se quiser pular ou rolar, é escolha dele, desde q seja um bom homem...
    entendeu?!

    amo seus posts!!!

    bj
    da Li

    PS. leu meu email? tô aguardando o endereço!!!...

    ResponderExcluir
  25. Escrevi ´´um testamento´´ mas nao tenho certeza se vc recebeu... se vc receber, vc me conta? Senao... tento escrever outra vez, ta?
    Bjka!

    ResponderExcluir
  26. Oi Elaine!

    Escrevi um post como esse lá no meu blog sobre expectativa dos pais em relação aos filhos...Pior que é inevitável porque a gente quer "aparecer" através deles! hehehehe

    Bjs

    ResponderExcluir
  27. Sim entendo!!!
    Minha mãe tinha muitas expectativas e sonhos para mim e minha irmã, Quando nós resolvemos fazer nossa própria história e ter nossos próprios sonhos ela se decepcionou, se zangou, brigou e de vez em quando lembra, e aí é aquele lenga-lenga...Mas agora já passou, tento não cometer os mesmos erros com meus filhos, mas confesso que as vezes me vejo fazendo isso.
    BJKS DE KARLA\***

    ResponderExcluir
  28. Entendi e estou de acordo com seu pensamento. Pais tem a feia mania de querer viver a vida do filho. Ai o filho fica frustrado por se sentir decepcionando os pais e deixa de viver suas vontades e deixa de ser feliz. Que horrível...

    ResponderExcluir
  29. Entendi, Elaine. Perfeitamente.
    E concordo com você. Por isso nunca impus carreira,namoros, aos filhos. Uma, por não me ouvir , "deu com os burros n'água".
    Falar eu falo, mas impor não dá.
    Muito menos quanto a sexualidade, aí é que não dá pra exigir nada. Cada um é um e o amor dos pais tem que ser incondicional.
    Deixo pular, deixo rolar e cada um que assuma as consequências.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  30. Entendi sim. Tem que deixar a criança fazer o que realmente a faz se sentir bem pois é assim que cria a sua individualidade, a sua personalidade.
    Os pais, muitas vezes, voltados aos seus anseios se esquecem disso e acabam exigindo algo que começa a criar conflitos na criança.

    Grande beijo e boa semana

    ResponderExcluir
  31. Adorei esse post!
    Sempre me pergunto por quê as pessoas não conseguem aceitar as outras como elas são. Cada um vive sua vida como achar melhor.
    Esse post foi uma lição para os pais, irmãos, tios e amigos que teimam em achar que sabem o que é melhor para a pessoa que amam sem se quer pergutarem o que essa pessoa realmente quer para si mesma.
    Acho que o importante mesmo é ser feliz! Pulando ou rolando...

    ResponderExcluir
  32. A postagem foi muito bem escrita, como todas aliás, mas o resultado disto foi fantástico, você percebeu?
    De um texto surgiu quase uma terapia. Alguns se sentiram incomodados, outros conseguiram rever suas posturas! Muito bacana.
    Relacionamento é difícil pra caramba! Seja com "estranhos", seja com família.
    Temos muito a evoluir.
    Enfim....
    Vim aqui para contar que adorei sua visita meu blog. Tadinho não é tao delicado e arrumadinho como o seu mas é que sou leiga de tudo.
    Eu relacionei algumas caracteristimcas em comum:
    Amor pelos animais
    Equilíbrio precario (o meu é precaríssimo kkkkk)
    "paúra" de anfíbios e lagartos
    Leitora voraz
    indiferença às baratas (devemos ser as únicas mulheres
    Não acho bobagem sofrer e chorar pelos animais.
    Vamos ter muito assunto pela frente, inclusive um que vai ser a pedrinha no sapato

    ResponderExcluir
  33. Entendido. Você passou o recado com perfeição, Elaine.
    Achei bacana essa abordagem. Realmente temos a tendência de sonhar, de imaginar, de querer decidir, pelos nossos filhos, esquecendo que eles podem não pensar como nós, ou ter outras idéias para o futuro, diferente das nossas. E essas escolham, que eles fazem, devem ser respeitadas, assim como queremos que respeitem as nossas.

    :D
    Socorro Melo

    ResponderExcluir
  34. Elaine,
    Parabéns por tanta sensibilidade e respeito. Assino embaixo de tudo que você escreveu e..sim... rolando ou pulando eles serão sempre nossos filhos amados e apoio e solidariedade todos gostam sim e agradecem...
    Bjs carinhosos
    Márcia

    ResponderExcluir
  35. Para mim querida, ser criança ou ser adulto fazer direito quando deve fazer torto o que interessa é que está a agir como quer e se sente bem é humano, quem somos no´s para achar que é como queremos que está certo né?beijões e sejam felizes

    ResponderExcluir
  36. Elaine,

    Lindas palavras... é por isso que adoro esse seu cantinho. Às vezes não dá para comentar em todos os posts, mas sempre leio todos. Seus textos servem para refletirmos ou apenas ver por um ponto de vista que não tinhamos pensado antes!

    E deixe a "criança" rolar, pular, ou até dar cambalhotas, pois ela será sempre seu filho/a, independente das escolhas que fizer na vida. E nada no mundo mudará isso.
    Aliás, considero que as expectativas (que colocam em nós e que nós mesmo colocamos), às vezes, nos impedem de 'voar'.

    Beijos

    ResponderExcluir
  37. Pois é, expectativas acho que sempre temos quando os filhos chegam, o negocio é ter consciência, informação e maturidade para não passar do limite. Me policio muito. O problema também é quando os pais se projetam nos filhos...ui....aí o negocio fica pesado!!
    Beijocas!!

    ResponderExcluir
  38. ELAINE QUERIDA..
    que postagem maravilhosa..
    realmente como é bom poder rolar quando as pessoas querem que vc pule e ele o fez, apesar de toda a expectativa frustrada dos pais, ele, o menino foi feliz memo que por momentos..
    expectativas todos temos em relação aoa filhos mas as vezes a vida nos prepara surpresas.. e temos de conviver com elas da melhor maneira possivél e focar nossas expectativas numa realidade totalmente adversa daquela inicial..
    foi assim comigo..
    tive a minha RAINHA e ela passou da "normalidade" a deficiencia num estalar de dedos..
    claro que não foi fácil , mas entendemos que essa nova realidade foi um presente concedido a nós para que pudessemos evoluir como pessoas e como pais..
    hoje minhas expectativas são diferentes, não ha cobranças para que ela seja desta ou daquela meneira, ela é da maneira que é e evolui a passinhos pequeninos e quanto prazer e alegria ha nisso.
    filhos são filhos com grandes ou pequenas realizações, essas realizações são deles e nós só devemos agradecer por poder partilha-las e por estar alí vendo tudo acontecer...
    ha tanta felicidade em um copo de agua quando este sacia nossa sede, por que não deveriamos nos contentar com as surpresas que as crianças nos preparam por mais simples que estas nos pareçam???
    as vezes rolar é tudo de bom e como....
    bjuivos no coração.
    tenha uma semana de saltos, rolagens e alegrias...
    loba.

    ResponderExcluir
  39. Aconteça o que acontecer, NUNCA DEIXAREI DE AMAR MEUS FILHOS. Porém existe uma certa "natureza" que se preciso for, eu gritarei clamando bem alto em meu íntimo: Senhor EU NÃO ACEITO!


    Beijos
    Mah

    ResponderExcluir
  40. Tenho 2 filhos (lindos diga-se de passagem) de 6 e 5 anos. O de 6 está no 2º ano e por isso já tem provas e trabalhos valendo nota. Minha maior preocupação sempre foi deixar claro o quanto o estudo é importante, mas sem presioná-lo em só tirar 10. Para ambos falo que sempre temos que fazer o nosso melhor, que os resultados virão. Quero apenas que eles sejam felizes e tenha saúde. Se ele vão rolar ou pular, não me importo, espero apenas que sejam homens de verdade! Bjs, rose.

    ResponderExcluir
  41. É difícil não esperar nada das pessoas. Sempre desejamos algo e acredito que esse algo está intimamente ligado ao nosso modo de ver o mundo, ao nosso "eu" e não no do outro. Um exemplo: conheço mt gente q só presenteia o próximo com o que ele gosta ou quer que o outro goste, não com o que realmente a outra pessoa gosta. Não sei se soube explicar direito. Mas por mais que queiramos que o outro seja de certa forma, devemos aprender a gostar de como ele é e de como ele decidiu viver e ser.
    O que realmente importa é o amor. Ele vence tudo, todas as barreiras. Inclusive as nossas.
    *Fui meio piegas, mas tah valendo!
    bjs***

    ResponderExcluir
  42. Feito pra mim esse post.

    Sempre rolei ao invez de pular!

    ResponderExcluir
  43. Adorei seu texto. De uma sinceridade e sensibilidade incríveis. Muito sutil e ao mesmo tempo cheio de significados tão pugentes, cheio de lições preciosas desde que reflitamos despidos de qualquer preconceito. Parabéns! Eu também sou da turma que preferi rolar a pular.
    Gostaria de publicar seu texto no meu blog. Se permitir, ficarei grato.

    O meu blog é esse aqui:
    http://liquidificadordigital.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  44. Adorei seu texto. De uma sinceridade e sensibilidade incríveis. Muito sutil e ao mesmo tempo cheio de significados tão pugentes, cheio de lições preciosas desde que reflitamos despidos de qualquer preconceito. Parabéns! Eu também sou da turma que preferi rolar a pular.
    Gostaria de publicar seu texto no meu blog. Se permitir, ficarei grato.

    O meu blog é esse aqui:
    http://liquidificadordigital.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  45. Seu ponto de observação é incrivel. Sensivel! Emocionante!
    O importante é ser feliz. Quando mn filha nasceu eu aprendi que a unica expectativa que eu poderia ter era de que ela fosse saudavel. Ela é saudavel! Tem um jeito particular, intimo e unico de ser! Que como mãe respeito muito.
    É importante respeitar esse jeito unico, intimo e particular de ser de cada pessoa.


    beijos

    Fer

    ResponderExcluir
  46. Adorei o texto.

    Curioso que outro dia estava lendo justamente sobre isso.

    Quando a gente é criança, querem que sejamos iguais aos outros, quando crescemos, precisamos ser diferentes para não ser medíocres.

    Este é o processo de destruição de criatividade que ocorre durante nosso amadurecimento. Somos tão acostumados com o "não pode fazer" que acabamos tolhendo nosso cérebro.

    Parabéns pelo post e pelo blog!

    ResponderExcluir
  47. Concordo plenamente com vc! Texto maravilhoso! Posso publicar no meu blog? www.filhodocoracao.blogspot.com

    Abraços!

    ResponderExcluir
  48. Nossa , que lindo seu blog ...
    Chorei quando li seu post ...
    Sou mãe de tres filhos e são pequenos ainda e sei bem o que é sonhar a vida deles entende ?!!
    Mas ja entendi que cd um tem sua vida , né ...
    E que nossos filhos tambem tera sendo iguais ou diferentes dos outros , o importante mesmo é o Amor que temos por eles ...
    Amei seu blog...
    Bjjos
    Graziela Gutierrez

    ResponderExcluir
  49. Esquece o que te perguntei sobre rolar... rs... É que minha memória é péssima, muito ruim mesmo, mas tem motivos para ser assim. Então eu não lembrava desse post, que achei muito legal!

    Agora entendi o email da moça que dizia que o filho dela queria rolar... rs

    Beijocas

    ResponderExcluir
  50. Elaine adoreiiii o post...demais...lendo ele me fez lembrar de um acontecimento comigo...aqui onde moro sempre tem festa julina, e sempre tem a tal cama elástica. Na última festa nós estávamos com visita em casa e falei vamos lá um pouquinho tomar um vinho quente...todos aceitaram...quando vi a cama elástica, menina do céu, me deu uma vontade doidaaaa de entrar lá, mas tinha receio, pois todos que tinha conhecido até aquele momento não deixavam adultos entrar (detalhe só sou adulta na idade pq na mente sempre terei 15 e no corpo sempre serei criança pois tenho 1,49cm...kkkkkkk) continuando...eu olhando pra cama, imaginando a sensação que seria estar lá dentro quando a moça perguntou se eu não queria entrar, eu respondi com outra pergunta: Mas eu posso??? Ela respondeu clarooo, menina do céu não pensei duas vezes catei os dois reais e corri pra lá...quando entrei nossaaaaaaa foi demais, não tinha ninguém só eu, então aproveiteiiii e começei a tentar ficar em pé e pular pois aquilo é muito dificil viu!!!! De repente tava eu lá pulando que nem doida e dando risadas, nessa hora as crianças entraram junto!!! Mas de longe eu conseguia enxergar os olhares atonitos das pessoas, sentia no olhar eles dizendo Cara ela é doida, nossa como pode uma mulher dessa fazer isso!!!! Eu não estava ligando a minima meus convidados não acreditaram mas não me recriminaram mesmo pq o maridon já tinha falado: Ela é assim mesmo!!!!! Só sei que no fim saí de la renovada me sentindo mega feliz!!! E com pena das pessoas que se privam de fazer as coisas que gostariam por se importar com que os outros pensam...eu não ligo e não tô nem aí!!!! kkkk Me sinto meio a Jack da novela TiTiTi sabe...kkkkkkkkkkkkk sou igual a ela hahahahaha mas amo ser assim...bjokas querida e um lindo feriadão!!!!!

    ResponderExcluir
  51. Elaine, querida quem é professora convive todos os dias com essas situações, a direção da escola exige e o sistema educacional exige que tratamos alunos como iguais e insistimos em dizer que cada um é diferente, tem um ritmo, talentos e aptidões diferentes, muitas vezes por falta de conhecimentos os pais tendem a anular e oprimir seu filhos uma pena!
    bjs

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…