Uma confissão

em 22 de março de 2010

animais4 Sábado passado eu saí da toca, e fui ao centro da cidade fazer compra. Passei então pela praça 7 de setembro, que é a praça da Matriz, a praça central, sabe? Daquelas com coreto e bancos de madeira, coisa de interior mesmo!

Então. Estava acontecendo uma espécie de feira de adoção de filhotes em pleno centro da cidade.
Calma, não adotei nenhum, mas vontade não faltou. Eram uns bebezinhos bem novinhos, um monte, acho que uns 15 ou mais. E mais 4 já maiorzinhos, dentro de uma gaiola grande. No momento em que eu e marido estávamos passando uma amiga do marido estava adotando uma filhotinha. Coisa mais fofa do mundo… e pensar que tem quem abandone em rodovias para que os pobrezinhos sejam atropelados…

Agora deixa eu fazer uma confissão:
Desde o atropelamento do meu cachorrinho, que aconteceu bem no dia do nascimento do Luís Otávio,  eu desenvolvi uma coisa muito ruim: o som de uma moto, ou o barulho mais brusco de um carro faz meu coração falhar. Sinto um sobressalto, o coração falha, e em seguida dispara. É horrível pois tenho a sensação de medo  permanente. Um cachorro atravessando a rua me faz ficar aflita. Ainda semana passada eu comentei isso com minha irmã. Mas queria falar aqui, com você.

Não consigo imaginar como alguém consegue sobreviver depois da morte violenta de um filho, por exemplo. Se um filhotinho que eu ainda nem tinha tido tempo de me apegar já me deixou com essa dor, esse trauma, imagine uma mãe que perde um filho de modo violento, como a mãe da Isabela…
Se eu pudesse ter um único poder nessa vida, eu gostaria de ter o poder de acabar com toda a dor das perdas…

Esse post ficou confuso, né?
x1pAdjo0uCo2H2UgVA6n72_-Zq33rgoliIlYVvXM3QIxFP4MgRazkhbUvWm85y8qVpFoczhjsZtI4WN9NcJThWb2JWwabuZwbtOy1RWs5P_BREEZYequk3v0Q

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

39 comentários , comente também!

  1. Não é confuso, é que pensamos várias coisas sempre... Eu também acho que uma das maiores dores deve ser essa,de perder um filho...

    Um beijo e boa noite,estava desligando o Pc quando vi teu post entrar!chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Elaine, é brabo mesmo o tal de trauma, eu infelizmente já tenho o meu tbm e sei que é bem complicado, mas tudo na vida é evolução. Até as coisas ruins nos ensinam alguma coisa. Então vamos nos ajudando aos pouquinhos juntar nossos pedaços, enxergo assim a vida.
    Um bjão pra ti.

    ResponderExcluir
  3. Não ficou confuso, não; ficou bonito...

    Concordo com você! :/

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Confuso nada amiga! Muito coerente, isso sim! Entendo perfeitamente o teu sentimento. Já tive 3 cães que morreram. Cada um que se foi a dor foi imensa. Não dá nem pra falar em pessoas. Entes queridos...minha mãe morreu não tem um ano ainda...tu nem imagina...
    bjs
    Rosani

    ResponderExcluir
  5. Oi Elaine, não sou muito de fazer comentários mais mexeu com crianças mexeu comigo !!!
    Não sei se vc sabe mais perdi um filho no 7º mês de gestação, quase morri junto com ele e hoje carrego comigo uma decisão que não tem volta ... quando no centro cirurgico me perguntaram se eu gostaria de ver ele eu disse que não. Na hora me veio na cabeça que a imagem que eu gostaria de carregar para o resto da minha vida era o rostinho lindo que de vez enquando dava risadinhas quando eu fazia ultrasson.
    Será que eu fiz certo? eu não sei, só sei que até hoje me pergunto como era meu filho.
    Não consigo nem imaginar o sentimento uma mãe que teve o prazer de conviver com seu filho e depois perdê-lo, ainda mais, de forma tão trágica.
    Bj
    MM

    ResponderExcluir
  6. te entendi perfeitamente.. amo cachorros é uma paixão que não tem fim.. eu sei o que é perder um.. agora perder um filho.. deve ser como se um pedaçp da gente fosse arrancado.. cada vez que leio ou sei sobre um caso de morte violenta assim (apesar que toda morte é dolorida) fico revoltada que gostaria de fazer justiça com minhaas mãos.. filho é sagrado0.. carne e sangue nosso. ninguem tem o direito de magoar, machucar ou matar um ser inocente e indefeso. espero de todo meu coração que esse julgamento seja serio e que os culpados recebam o que merecem.. beijão

    ResponderExcluir
  7. Não ficou confuso vc relatou o trauma que deve existir quando se tem a noticia que alguem que vc ama se foi ainda mais quando a pessoa sai bem de casa e sua vida é seifada de forma absurda.

    Conheço varias mães que após anos ainda choram a perda de um filho de modo tragico.

    Tbm queria ter o poder de acabar com esse tipo de dor.

    Vc viu meu novo adotado?? Esta no post anterior ao de hj, agora tenho 13 cachorros que me custam 480,00 em ração sem contabilizar as vacinas passei a dar banho em casa agora, mas que vale a pena pela sinceridade da amizade, pelos olhos brilhando e rabinho abanando apenas por te ver chegar em casa, e somente esperam que vc sente-se no chão para uma boa brincadeira. Não tem explicação o que sinto.

    Bjao

    ResponderExcluir
  8. Ficou confuso não, entendi direitinho. Mas somente Deus, para explicar e confortar a dor de uma perda, como a da mãe de Isabela...

    Beijos
    Mah

    ResponderExcluir
  9. Ahhhh q post legal! Não ficou confuso não! Que lindo o q vc escreveu sobre acabar com a dor das pessoas... Beijão

    ResponderExcluir
  10. Deve ser uma dor que não passa nunca. A dor supera à vida dos pais, com certeza!
    Bj

    ResponderExcluir
  11. Não ficou confuso não Elaine, qdo falamos em dores, perdas, passam mil acontecimentos em nossa mente.

    beijooo.

    ResponderExcluir
  12. Nada de confuso querida...sei a dor de perder um animalzinho de estimação, é horrível, mas também sei a de perder um filho, pois perdi meu filho na hora do nascimento,e o pior, a enfermeira que derrubou...Isso aconteceu ha 22 anos, mas até hoje dói quando lembro a cena horrível do que aconteceu.Hj tenho outros dois filhos (17 e 21 anos). Tive muita dificuldade nas outras gravidez pq eu fiquei com trauma de enfermeira por um bom tempo, mas com a graça de Deus eu consegui superar esse trauma e honestamente consegui perdoar a moça(enfermeira) que a deixou cair. Ela se chamaria Sofhia...Penso que hj ela éum anjinho que tenho la juntinho de Deus, e issome conforta, embora nunca tenha esquecido seu rostinho. A dor da perda é muito difícil, e só Deus mesmo nos faz suportar, sozinha eunão teria conseguido, podes crer. Bjos e muita paz e esperança em tua vida.

    ResponderExcluir
  13. Nada de confusão... entendi vc perfeitamente.
    Quando comecei a ler o post, juro que imaginei vc voltando para casa com o cachorrinho adotado:)
    É a sua cara!!!!
    Bjks

    ResponderExcluir
  14. Bom dia Elaine!
    Eu não achei confuso: entendi perfeitamente, ou melhor, senti... Felizmente nunca perdi um filho humano, mas já perdi meus pais, alguns filhotes de 4 patas e uma ex-nora em um acidente horrível. A sensação e a angústia da possibilidade de novas perdas é horrível. Não sei se acontece contigo, mas durante o dia eu consigo me policiar e desviar os maus pensamentos, mas nas madrugadas, às vezes acordo com o coração apertado e sentindo medo... Aí eu rezo até me tranquilizar e dormir de novo. Viver não é fácil... Beijos mil

    ResponderExcluir
  15. Amiga,estou do outro lado do mundo(Japão)Mas estamos acompanhando tudo via internet e globo Internacional sobre o julgamento,e assim como todos,tbm queremos justiça! Mas sobre o seu post,nw ficou confuso nw...São sentimentos e sentimentos sw assim,perder 1 filho deve ser muito dolorido,um vazio q nada preenche,fica dificil avaliar a dor da mãe em perder uma filha tão linda e a crueldade do pai de tirar a vida da filha...
    Que Deus ilumine p/ que a justiça seja feita né....Bjs

    ResponderExcluir
  16. Eu não acho Elaine... Falar de dores e sentimentos da gente, pode fazer bem prá alma!!!

    Bom dia!!!

    bjão

    ResponderExcluir
  17. Perder um ente querido não é fácil. É muita dor, tristeza.
    Mas perder de maneira violenta deve ser algo quase impossível de suportar. Pq do nada não temos mais a pessoa que tanto amamos perto da gente.

    Não achei confuso não, eu entendi bem o significado e o sentimento.
    Sabe, Elaine...eu torci muito para que o pai e a madrasta fossem inocentes no caso da menina Isabella. Porque eu não queria que tivesse mesmo sido real um pai jogar a filha pela janela, uma madrasta esganar uma criança que ela não gosta. E depois todo aquele teatro de "não fui eu"...

    Muito triste mesmo, temos que orar muito para Deus iluminar essa gente louca.

    ResponderExcluir
  18. Oi Elaine!

    Achei seu post de hoje maravilhoso!
    Este caso é de deixar qualquer um emocionado. Pois até o advogado de defesa chorou!

    Então parabens pelo post!
    E pela sensibilidade que você tem e que lhe torna tão especial.

    Um lindo dia!

    Elaine Crespo

    ResponderExcluir
  19. Elaine,
    Eu sofro até hoje pelos meus cachorros que infelizmente já se foram. E outra coisa, deveria ser proibido o filho partir antes da mãe. Não consigo nem imaginar essa dor.
    Beijos
    Luka.

    ResponderExcluir
  20. Elaine, o post não ficou nada confuso, deu para compreender perfeitamente. Sempre que falamos de perda ou injustiça, nos vem mil coisas na cabeça, e o pior é a angustia que sentimos por não podermos fazer nada para acabar com tanta injustiça.

    ResponderExcluir
  21. Posso ser egoísta, mas peço à Deus todas as noites que não me deixa passar por uma dor de perda, principalmente perda de filhos, que são as únicas riquezas que tenho na vida. Dou minha vida por eles, pois acho que não aguentaria a dor!! É horrível mesmo e tenho também muito medo de acidentes, principalmente com carros, pois ando observando e os motoristas ultimamente não tem nenhum respeito pelos pedestres, é inacreditável a imprudência que vejo nas ruas.
    Beijos no coração!!

    ResponderExcluir
  22. Confuso nada, confuso é o mundo em que vivemos no qual pai é acusado de matar a propria filha...
    Nem posso imaginar a dor dessa mãe, só de ver o meu anjinho doentinho já fico desesperada.

    Beijos ♥ Edi

    ResponderExcluir
  23. É amiga. Domingo de manhã ainda chorei pelo Koda. Ontem quando Alex chegou estava com os olhos inchados. Ele foi pra imob como todos os domingos pra levar o Koda passear, brincar e alimentar. Acho que foi lá pra poder chorar,pois, na casa dele tem as crianças e a esposa está grávida. Deve ter chorado muito sozinho, a casa vazia. Nossa! Estamos de coração partido, por nós e por ele. Ontem ligamos música,procuramos rir e fazer planos pra nos alegrar.A gente sabe que logo passa,mas, pra uma mãe que perde um filho é uma ferida que não fecha.Uma dor que não cessa.A mãe da Isabella representando todas as mães que perderam seus filhos vítimas de maus tratos,está revivendo tudo de novo,uma dor que só quem passa sabe.Gostaria de ter o dom de devolvê-los a vida. Se Deus nos desse 1 dia para sermos Ele. Será que seríamos justos? Creio que eu devolveria a vida as vítimas inocentes,mas, baniria da Terra seus maus feitores. Ele sabe o que faz né?!Montão de bjs e abraços, fique bem.PS: Quando fiquei com pânico e esses sintomas procurei uma terapeuta de florais. Passou.Voc~e já foi ao médico?

    ResponderExcluir
  24. Não ficou confuso, é um desabafo!

    Perdas são tristes e inevitáveis, mas estou orando por ti, para que o conforto chegue à você, viu?

    beijos

    ResponderExcluir
  25. Oi querida, quanto tempo! Me perdoe a ausência, mas tive motivos fortes!
    Estou acompanhando o caso da menina Isabella e me espanta a crueldade, independente de terem sido os pais ou não, alguém o fez, alguém teve a capacidade de atirar uma criança ainda com vida de uma altura enorme.
    Prometo voltar!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  26. Não tem nada de confuso...
    E foi muito legal vc lembrar da menina Isabela. Estamos na semana do julgamento. Que a justiça seja feita. Beijos! Como faço para fazer o meu blog, assim como o seu.

    ResponderExcluir
  27. só DEUS amiga. Só Deus.
    melhor colocar a confusão pra fora, do que ela ficar dentro de vc. Isto cura o coração.
    Bj!

    ResponderExcluir
  28. Ficou um post desabafo e de alerta.

    Eu tb imagino coisas assim. Deve doer demais o coracao.

    Bjao

    ResponderExcluir
  29. parabens por vc ter ganhado o sorteio da Ná.. que sortuda vc!!! beijão

    ResponderExcluir
  30. Ficou confuso não Elaine, realmente a dor da perda é muito grande e sofrida, tb não consigo entender continuar a viver com uma perda daquelas da mãe da Isabela, sobretudo o modo q foi.....

    ResponderExcluir
  31. Realmente, a dor da perda é terrível...
    Seria tão bom se não esistissem mais perdas né??
    Mas infelizmente existe... Se estamos vivos temos esses riscos.
    bjos

    ResponderExcluir
  32. oi anjo cada historia mais comovente nossa nem vou dizer nada sinto muito por essa mãe Deus a abençoe mesmo beijinho fique bem

    ResponderExcluir
  33. são tantos sentimentos malucos que causam uma mistura de confusão nesse nosso coraceba, né? "conheço" uma pessoa que passou por situação assim. nas minhas andanças pela net descobri o blog dela há algum tempo: parafrancisco.blogspot.com. sabe o que aconteceu com ela? o marido dela morreu (de doença) dois meses antes do filhinho deles nascer. dá pra imaginar como ela se sentiu? acho que vc consegue sim... dor e alegria ao mesmo tempo não deve ser uma situação fácil de se lidar.

    ResponderExcluir
  34. Elaine, tudo bem com vc?
    Penso tbem que a maior dor deve ser a perda de um filho, se perder o melhor amigo dói, imagina filho, esta fazendo um ano e 3 meses que perdi a Sophia, uma Waimaraner linda, que nos fazia muito feliz, hoje não podemos ver cachorros na rua, assistir um filme... continua doente!!!prefiro não falar sobre filhos...
    Elaine, estou passando o endereço do seu blog para uma pessoinha que conheci ela é dona do blog do bolinho, ela esta precisando de algumas dicas.
    Bem quero muito participar do sorteio do livro, vou tentar estar mais vezes por aqui.
    Uma beijoka grande.

    ResponderExcluir
  35. ELAINE
    NÃO FICOU CONFUSO NÃO, SENSIBILIDADE NÃO PRECISA SER EXPLICADA..
    REALMENTE AMIGA NÃO CONSIGO IMAGINAR SEQUER A DOR DA PERDA DE UM FILHO, PERDI MINHA SOFHIA UMA FILA BRASILEIRA QUE ADOTEI ANTES DA BHASINHA NASCER E QUE MORREU A OITO ANOS DE OBESIDADE MÓRBIDA...ATÉ HOJE, COMO AGORA CHORO POR ELA...
    IMAGINA A DOR DE UMA MÃE...
    NÃO PARA DE DOER NUNCA.
    TORÇO DEMAIS PRA QUE A ANA CAROLINA DE OLIVEIRA TENHA PAZ FINALMENTE E POSSA SIMPLESMENTE SENTIR A DOR, MAS COM A CONSCIENCIA TRANQUILA DE QUE A JUSTIÇA FINALMENTE FOI FEITA.
    TENHA UMA SEMANA LINDA COMO SEU CORAÇÃO.
    BJUIVOS NELE.

    ResponderExcluir
  36. Oi Elaine!
    Confuso nada, eu te entendo muito bem. Também sofro desse mal. kkk
    Bjs querida

    ResponderExcluir
  37. Passei para desejar uma ótima semana.
    Beijo grande,
    Lilian.

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…