Fora do ninho…

em 22 de janeiro de 2010

a1a Outro dia estava conversando com minha professora do primário e… peraí, deixa eu te apresentar ela: clique aqui e aqui e depois volta para ler o resto. Eu te espero…



Então, estava conversando com ela e ela me disse que havia um ninho de pássaros em sua varanda. Que ficou dias e dias observando o ovinho, depois o filhote quando nasceu, o vaivém da mãezinha para alimentar o pequeno… até que um dia o filhotinho aprendeu a voar. E voou… E ela chorou.
Fiquei pensando…
Será isso que sentem as mães  e os pais quando os filhos ganham o mundo? E toda vez que vêem um passarinho voar para fora do ninho lembram do filhote que voou?
Diz aí, você que é mãe ou pai…
…que esse é um assunto que eu não domino… daisy

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

31 comentários , comente também!

  1. Elaine, eu me casei aos 17 anos de idade, mas a minha mãe me criou muito independente, e acho que sente a minha falta..., minha irmã hoje tem 18, mas duvido que ela a deixe sair de casa tão cedo.
    Quanto aos meus filhos, são pequenos ainda, mas...não quero nem pensar...rs, uma mulher qualquer vindo tirar meu louro de mim?? SOCORRO! rs.

    ResponderExcluir
  2. Oi elaine,
    é mais ou menos isso.
    Ficamos triste ao ver nossos filhotes voarem para longe sim, mas superamos a tristeza com a certeza de que voar é preciso.
    Muitas vezes acabamos voando junto para dar uma força, mas temos de voltar ao ninho, e ficarmos atentas para quando eles tiveren que fazer uma aterrizagem forçada.
    E ficamos radiante quando apesar dos tropeços o voo acaba sendo perfeito.
    Já passei por esta experiência.No começo é difícil, mas nada que a gente não supere.
    Ainda tenho um filhotinho no ninho,e sei que esta chegando a hora dele bater assas.
    Aí sim, vou ficar com o ninho vazio.
    Acredito que o bom passarinho sempre volta ao ninho,mem que seja para fazer uma visitinha rápida, passar as férias, Natal e por ai vai.

    Bom, acho que é isso!
    Beijim

    ResponderExcluir
  3. oi Elaine, não consegui postar o comentário no post da promoção.
    Já levei o selinho pro meu blog e repassei a várias amigas.
    se estiver valendo comentar aqui, e eu ganhar ,quero o livro Longe Daqui.
    Beijim

    ResponderExcluir
  4. Com certeza, Elaine, mas deve ser um misto com alegria tbm, pois afinal quero que minhas filhas tenha suas vidas, né? Disse acho pois não chegou essa hora p mim ainda, mas já estou me preparando... Bjos...

    ResponderExcluir
  5. É uma sensação muito estranha.Um paradoxo.Queremos que eles voem, tenham suas vidas, estejam prontos, mas na horinha, trememos na base. Depois acostumamos e é legal vê-los independentes. Aqui em casa, voaram, voltaram, voaram novamente,rsrssrsr...beijos,chica

    ResponderExcluir
  6. Com certeza absoluta!!!! Vou contar uma coisinha, mas não vai rir de mim. Ontem eu precisei ir a uma cidade vizinha da minha, levar minha mãe ao médico. A cidade fica há 2 horas da minha, só que amanheceu chovendo, minha mãe está cega, então fiquei pensando que ia ser difícil orientar minha mãe, escapar da chuva e ainda cuidar da Sofhia. Pelo bem dela fui obrigada a deixá la com minha irmã. Desde que ela nasceu nunca desgrudei dela, só para trabalhar e mesmo assim, quando bate a saudade corro pra escola dela dar uns beijinhos.
    Resumo: fui pra Bauru chorando....nem eu acredito que fiz isso, mas a saudade que senti dela foi tão grande, a preocupação se estava tudo bem....aiiiii
    Mas que delícia quando voltei, dentro do carro eu já ouvi o gritinho dela, - a mamãe chegou!!!!
    e veio correndo me abraçar e beijar!!!!
    Essa relação é de mais puro e infinito amor!!!!
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Eu e meu marido aindo nao temos filhos...mas acredito sim que as mães principalmente ficam anciosas por demais e com a angustia de algo possa dar de "errado" na vida dos seus filhos e elas nao estarem no local presente para ampara-los.

    Ate hoje minha mãe é super protetora.
    Todo projeto profissional ou decisao de compra de um bem material de maior valor, ela fica apreensiva. Por mais que eu possa pagar..ainda assim ela fica em parafusos e "se eu nao conseguir quitar as prestações? Sera que vou ficar frustada? Sera que ela no caso terá que assumir a responsabilidade, será que ela vai conseguir se manter ao longo de tal prestação? enfim...

    A mãe do meu esposo (minha sogra rs) é mais protetora e preocupada ainda..vc acredita que toda viagem fazemos ela implora pra ligarmos pra ela quando saimos e quando chegamos no destino?

    No começo eu ficava de cara, mas hoje tento entender...o medo de perder alguem que ama e que ela criou por tanto tempo,o cuidado em saber se ele esta doente se chegou bem ou não...essas coisas de mãe que só que é sabe e que espero um dia entender melhor.
    Um beijo a todas as mamães.

    beijos pra vc!

    ResponderExcluir
  8. Para mim... o amor de uma mãe é algo divino!
    Só o fato de gerarmos uma vida dentro de nós, acompanhar a evolução no mais íntimo de nossas entranhas... é algo até difícil de encontrar palavras.
    Ao observarmos a natureza, compreendemos como tudo é perfeito. Geramos a vida, alimentamos, ensinamos, guiamos os primeiros passos e os encorajamos ao voo, sob o nosso olhar de amor eterno!
    Um beijo carinhoso para vc!

    (Em tempo: Postei o selo em meu blog de selos e no meu blog principal ok?)

    ResponderExcluir
  9. Que legal você ter contato com ela até hoje!!

    Adorei o selinho....já fiz um post sobre ele e, em breve, publico, ok?

    beijos e obrigada! :)

    ResponderExcluir
  10. Elaine,

    Obrigado pelo selo!!! Vou postar no Dama das Águas!!!
    O primeiro selo do blog!!!

    Sobre seu post... Existem vários tipos de mães:
    Aquela que cria os filhos pro mundo... essas não choram.
    Aquelas que criam os filhos ao redor das saias delas... essas pranteiam sempre!
    Aquelas que criam os filhos prá elas... então qdo batem as asas ficam com ciúmes deles!
    E aquelas que mesmo mães, já são avós tb... Então nem sentem qdo os filhos e se vão...

    Eu criei meu filho pro Mundo, mas fico ressabiada qdo ele apronta umas e outras...
    Obrigado por alegrar o meu dia...

    Acho q a ficha de Mamãe caiu... A saudade tá apertando agora...

    bjão

    ResponderExcluir
  11. bom dia Elaine.. vc nem imagina como é dificil ver os filhos voarem (eu 2 filhas).tenho tantas lembranças de quando elas eram crianças.. mãe daqui..mãe dali..depois na adolescencia.. ficou em mim um vazio..elas não precisavam mais de mim.. acabou o mãe isso mãe aquilo. fica um vazio muito grande.. foi ai que comecei a trabalhar fora. senão eu não teria suportado..
    mas eu tambem voei.. sai do ninho.. é a vida... beijão querida

    ResponderExcluir
  12. Quando criamos os filhos, sabemos que um dia eles vão sair de casa e formar sua própria família. Dá uma dor muito grande, solidão que até das discuções sentimos falta. Mas é pior quando os filhos ficam e trazem consigo todo e qualquer tipo coisa que arranjou na rua, ai sim dá vontade de chorar e por vezes até de morrer.
    Por um filho no mundo hoje, não é somente penasr no bebezinho fofinho...Voe no tempo quando chegar a puberdade e a adolescência e descobrirá quem é seu filho, muitos dizem que é fase mas eu como uma mãe 24 hrs, digo fliho só para de aprontar quando quebra bem a cara e cansa.
    Ainda bem que não são todos assim, muitos ajudam os pais no que podem e respeitam os seus familiares, desculpe a franqueza mas, existem os dois lados da moeda. Um forte abraço

    ResponderExcluir
  13. Olá Elaine!! Esse assunto me entristece um pouco, pois eu sei que tudo isso é inevitável. Como dizem: Deus empresta os filhos para nós e temos a missão de cuidar e educar para o mundo. Assim como os animais, também não somos exceções.
    Um ótimo fim de semana e muitos beijos.

    ResponderExcluir
  14. Ainda não tenho filhos, então também não posso comentar... ;)

    ~> Ah, simplesmente amo essa história da sua professora, que te encontrou por causa do blog! Aproveitei a oportunidade para reler o texto da blogagem coletiva e o do reencontro, e, sabe, é mesmo uma bela história, prova de que, quando bem utilizada, a internet tem lá seus méritos de aproximar pessoas e não de afastá-las, como muitas vezes é apregoado por aí....

    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Oi... Bom, sou novata quando o assunto é blogue
    pois, mesmo tendo o meu há quase um ano, não sei muito, mas, aprendo mais a cada dia.

    E, é um gosto seguir este blogue tão cheio de harmonia e ideias legais.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Também não domino o assunto mas creio que é sim como os passarinhos...

    ebaaaa que bom que chegou e que vc gostou!!

    beijosss

    ResponderExcluir
  17. Oi Linda
    Menina só de ler oq vc postou já senti um aperto no peito, quando minha filha casou eu entrei em depressão e fiquei por dois anos chorando o voo dela, doi demais amiga, é uma dor de perca, mesmo q ela só casou, mas fica um vazio, uma ferida muito grande, sempre fui bem apegada a minha filha e isso é um erro, devemos criar os filhos para o mundo e não para nós, agora o meu mais novo esta com 18 anos e ja fazendo grandes voos, viagens de dias fora, e eu penso agora to preparada, mas q nada, vai doer tb quando ele se for, é normal as mães sentirem isso.Belo final de semana
    Beijoss

    ResponderExcluir
  18. Elaine,
    Eu vivo intensamente a alegria de ser mãe.
    Os meus meninos tem 12 e 6 anos e tudo é muito intenso em uma casa predominantemente masculina. Tento me apegar a essa intensidade e no pensamento que filhos são um empréstimo.
    Acredito que assim, quando o vôo acontecer será mais leve e poderei apreciar. Difícil será, eu sei.
    Beijos de fada.
    Luka.

    ResponderExcluir
  19. Oi Elaine, tudo bem contigo? O nome do cão é Átila, ele tem 2 anos 1 mês. É um bebezão. A criança da casa. Muito carinhoso e brincalhão. Ele pega uma garrafa pet na boca e fica convidando a gente pra correr atrás dele na sala de jantar, brincar de pega-pega. Tenho certeza de que tu irias te dar muito bem com ele. Ele adora pessoas, só não gosta muito de cachorros.kkk
    Excelente ano pra ti e pra tua família.
    Bjs no coração

    ResponderExcluir
  20. Ai Elaine, que cena linda que ela teve o privilégio de assistir! Não só a partida do passarinho, mas todo o trabalho da natureza seguindo seu curso bem ali pertinho dela!

    Eu não sou mãe, pretendo ser mas ainda não sei se posso (nunca fiz os exames), mas independente disso eu também ia deixar as lágrimas caírem ao assistir esse pequeno espetáculo da vida.

    Eu amo a natureza e os animais, e só de imaginar o que ela viu já fico um pouco emocionada também!

    Bjinhu!

    Fica com Deus!

    ResponderExcluir
  21. Afirmo que é isso mesmo! Qdo minha filhota "bateu asas e voou" em busca de campos e flores de outras cores e sabores, eu fiquei a olhar. Chorei muito. Mas... a qualquer hora,qdo ela liga, eu sorrio,meu coração canta. Qaundo ela e o esposo vem prá cá em dezembro, eu canto! E, como a mamãe passarinha,lá vou eu,´providenciar todo tipo de agrado... ehehe... talvez numa vã tentativa de fazê-la ficar...
    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Você diz isso pra uma pessoa normal ou manteiga?
    Eu choro sempre que me separo dela.
    E quando os dias passam tudo fica vazio.
    O coração fica apertado, um nó na garganta.
    Amo bebeinha tanto que me emociono só de escrever pra você aqui.
    Mas filhos são como navios... não são criados para ficar seguros nos portos e sim para navegar.
    Obrigada pela lembrança, pelo selinho, pela ajuda, por sua generosidade...enfim por tudo.
    Um beijo grande...Li

    ResponderExcluir
  23. Oi Elaine!
    Moro em chacara e tenho o privilegio de ter muitos passaros em volta. Uns dias atras, descobrimos uma familia de pica-paus. O "pai" fez o buraco no troco, algum tempo depois chegou a "mae" e mais algum tempo, vimos os filhotinhos. Meu filho mais velho, Ale, de sete anos acompanhou todo o desenrolar do evento, narrando e desenhando cada fase. O menor, Bruno, de 4, tbem adorou.
    Sou uma pessoa forte, mas acho que quando meus passarinhos baterem asas e forem fazer seus proprios ninhos, vou sofrer muito...
    Mas, por outra perspectiva, outro dia fui eu quem saiu de casa, do interior para Porto Alegre para estudar. Me formei e voltei para casa, casei, trabalhei com meu pai por uns quatro anos e dai me mudei de novo, para uma cidade a 100 Km da casa de meus pais, cidade tbem dos pais de meu marido.
    Para o nosso casamento, foi a melhor coisa que aconteceu. Deixamos de ser "filhos" e passamos a ter, de fato nossa familia.
    Bjks

    ResponderExcluir
  24. Olá querida!
    Te achei no blog essencia e palavras e vim te fazer uma visita...gostei demais do visual, dos textos e acabei tornando-me seguidora.Aguardo tua visita, se gostares e quiseres podes trazer meu selinho e link.

    Beijos...voltarei com mais tempo!

    ResponderExcluir
  25. Oi!
    Eu me vejo como uma mãe passara, pois sempre sinto quando devo solta-lo mais.
    É claro que sou bastante possesiva, mas tambem sei que um dia ele do ninho vai voar, melhor o deixar preparado do que ve-lo cair!
    Beijos e bom final de semana
    Aline

    ResponderExcluir
  26. Elaine,
    Tem uma homenagem prá vc, no DAMA DAS ÁGUAS!!!

    BJÃO

    ResponderExcluir
  27. A dor de vê-los partindo só tem início. Parece que nunca vai acabar. Comigo está acontecendo ainda. Meu filho acaba de completar 12 anos e decidiu morar com o pai a 300km daqui. Parece que é a única coisa que consigo pensar o dia todo, mesmo tendo mil e uma coisas pra fazer.

    ResponderExcluir
  28. Elaine..
    É bem assim, é um mal necessário, minha mãe sempre diz que criamos os filhos para o mundo e não para nós. Mas sempre é bom deixar claro que eles sempre terão um porto seguro, caso a caminhada não de muito certo, caso eles percam o rumo, aqui é o porto, e o recomeço de tudo!
    Minha filha tem 20 anos e já casou, doeu muito qdo ela saiu de casa (ela é filha única), te digo que até hj sinto falta dela aqui, apesar de nos vermos quase todo dia. É um laço que não se desfaz nunca!

    Bjos no ♥

    ResponderExcluir
  29. Oi querida!
    Sabe, meu filho Léo só tem 10 anos e eu já sofro pensando no dia em que ele vai sair de casa, é mole?? Sofro por antecipação!!!!

    Fiz a postagem de Em 2010 eu quero...
    Adoro participar de suas invenções:)

    ResponderExcluir
  30. Elaine,
    Tenho dois filhos a Lu com 11 anos e o André acabou de fazer 7 anos, mas estou me preparando e ao mesmo tempo preparando eles, para quando chegar o momento. Por enquanto, estamos só treinando.
    Este é um dos motivos, pelo qual eu quero que eles aprendam a pensar, decidir e a fazer as suas próprias escolhas, e ao mesmo tempo assumindo as escolhas que estão fazendo.
    Abraços e um excelente fim de semana.
    Marise.

    ResponderExcluir
  31. Eu costumo sofrer por antecedência. E ler esse post, infelizmente fez suscitar a dor de que um dia, meus dois passáros vão sair da gaiola e voar.

    Beijinhos em ti
    Mah

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…