Crise profunda de confiança

em 3 de setembro de 2009

Deixa eu te contar (mais) um segredo obscuro sobre mim: eu tenho problemas com confiança. Levo uma vida e meia para confiar em alguém e meio segundo para desconfiar. E como eu acredito que ninguém é como é porque é eu fico pensando e daí venho aqui no blog fazer terapia...

Depois que meus pais se separaram, minha mãe partiu para o ataque. Falava coisas duras e terríveis contra meu pai, culpando-o por cada desgraça que se abatia sobre nós. E as desgraças eram muitas. Com o tempo, porém, ela já não se contentava apenas em infernizar nossa vida com relatos do quanto ele a fizera sofrer mas começou a mentir. Vou explicar:
Havia um homem que morava num casebre que fazia fundo com nossa casa. Ele era um sujeito vagabundo, caolho e beberrão, dez vezes pior que meu pai. Mas esse sujeito começou a paquerar minha mãe. Então, enquanto eu e meu irmão de 14 anos saíamos todo santo dia para trabalhar e sustentar a casa (coisa que ela deveria ter feito mas se recusou terminantemente) ela colocava o sujeito prá dentro de casa. Minha irmã tinha na época 9 anos. E ficava muitas vezes sozinha em casa enquanto o tal sujeito se resfastelava no sofá esperando minha mãe chegar da rua. Imagina só o perigo! Minha mãe, em muitas ocasiões, tirava a comida de dentro de casa, a comida que eu e meu irmão lutávamos tanto para conseguir, e dava para o tal sujeito. Uma vez ela ficou 2 semanas sem falar comigo porque eu me recusei a aceitar o sujeito vir morar em nossa casa. Como poderia? Ele era um vagabundo bêbado e desconhecido! Eu o detestava. Meu irmão chorava só de saber que ele havia estado em casa. Então dissemos a ela que a vida era dela e que se ela queria o talzinho era problema dela. Mas dentro da nossa casa ele não pisava. Se eles queriam viver juntos que fossem morar na casa dele. Ela ficou possessa. Disse que ele era doente e que precisava dela. Que a gente tinha a obrigação de sustentar a casa com ele lá sim pois por culpa nossa meu pai havia ido embora e ela tinha o direito de ser feliz. Vivemos dias de inferno. Eu procurei meu padrinho, dono da casa onde a gente morava, e contei a ele a situação. Ele disse que na casa dele esse tipo não morava e que ela devia decidir o que queria. Ela então fingiu se separar do tipinho e mentia para mim com toda a naturalidade do mundo.
O tempo passou. Como eu disse minha irmã tinha 9 anos. E viveu por mais de 5 anos sob ameaças de todo tipo. Como ela era a única dos irmãos que ficava em casa sempre sabia de tudo mas era ameaçada com muita violência para jamais contar que assim que eu saía para trabalhar ele vinha ficar em casa. Ela dava a ele nossa comida, nosso dinheiro e até roupa do meu irmão ela deu...
Sabe quando eu vim a saber disso tudo? Quando minha irmã saiu de casa aos 21 anos! Enquanto nós trabalhávamos nossa mãe  mentia descaradamente! Não é de admirar que nunca nosso dinheiro dava! E haviam mais mentiras, sobre muitas coisas e ainda hoje é assim.
Eu tenho essas coisas gravadas a ferro e fogo na memória. Penso que se minha mãe foi capaz de mentir prá mim por tanto tempo e por diversos motivos diferentes, em quem dá prá confiar? Eu abomino mentira. Gente dissimulada, sabe? Tenho muito medo de um dia ficar assim...
Então, este negócio de blog é ou não é uma terapia? Tô até mais leve...

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

35 comentários , comente também!

  1. Olá Elaine!

    A respeito do convite, não participo de blogagens coletivas em nenhum dos meus blogs. Mas agradeço o carinho pelo convite. Fico feliz e parabenizo o seu espaço.

    Em relação ao texto sou o oposto. Desconfiar para mim é exceção a regra na minha vida. Acho que nem lá, nem cá. Tanto eu como você, precisamos de um ajuste para não termos consequências desagradáveis.


    A história é muito triste Elaine. Mesmo! Mas não foque tanto em si. Há uma enormidade de famílias com situações semelhantes e bem piores. Olhar em volta é sempre bom. Ajuda a si própria e poderá ajudar outros. Da nossa experiência de vida podemos fazer muito pelos que nos rodeiam. Expurgando o mal e espalhando o bem. Tudo o que você aponta de errado na educação materna , esta revolta, esta decepção serve para pautar a sua vida no certo, no correto, na verdade. Mas aqui são só palavras, que você deve estar cansada de ouvi-las. Na verdade, espero que voce descubra o caminho da renovação de sentimentos para reciclar a sua vida. Paz e bem!


    Carinhoso beijo

    ResponderExcluir
  2. Nossa te entendo perfeitamente!
    Também tenho os mesmo medos que você, acho que mãe é um ser tão angelical que mentira e mãe parece não caber em uma frase só!

    Fica mesmo difícil confiar, não sei se o pior é mentir ou nuca se arrepender!

    Mentira é horrível mesmo, vindo daqueles que amamos, ou que deveriam nos proteger é ainda pior!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Triste........um lamento sincero e profundo.
    E você tornou-se um ser improvavel,pois é alguem tão inteira,integra e linda.

    isso prova que podemos escolher e mudar nossa historia.
    tem minha admiração e carinho

    ResponderExcluir
  4. Olá estou vendo uns blogs sou amiga da Marcia gostei do teu Blog.
    Bjinhos

    ResponderExcluir
  5. Oi Elaine!
    Lembra do roseiral? Aquele que comentei no email? O SEU roseiral?... Pois é. A rosa precisa de cuidados é verdade, e entre estes cuidados, está o que devemos dar à terra onde a rosa é plantada. Sabe qual o melhor adulbo? Estrume. O Estrume enriquece a terra, que alimenta a rosa, que enfeita e embeleza o jardim. Essa rosa é vc, que apesar de receber adubo tão pouco nobre, não deixou ser a mais bela do jardim.
    Querida! Conecte-se com o seu "gênio da lâmpada" interior e pense (com toda a sua força) que só pessoas íntegras, de bom coração e absolutamente confiáveis irão aproximar-se de ti. As que assim não forem, se afastarão. Tenho certeza que dará certo.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Oi amiga linda,
    fiquei tão feliz e emocionada com o seu recado! obrigada pelo carinho...

    E sim blog é terapia e as vezes fugimos dela...

    Vim ler seu último post e mesmo com a pressão no peito que fica no final agradeço a Deus por ter te feito tão forte e estar de pé hoje depois de tudo...

    Eu confio em todo mundo e acabo quebrando a cara....mas aos poucos vou aprendendo.

    Beijooooos

    ResponderExcluir
  7. Elaine...esqueci de dizer que adorei a nova formatação do seu blog...aliás quase abri um comentário só para me explicar pq eu tava online tão tarde...rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. confiar em nós é ter a certeza que o próximo passo será seguro e firme sobre a estrada do futuro.

    ResponderExcluir
  9. Blog é sim uma bela terapia.
    Admiro sua coragem de colocar tudo o que tem pra fora e assim com tanta clareza. Te admiro muito minha linda.
    Sua vida não é muito diferente da minha, mas eu não tenho a mesma coragem sua.
    Elaine, muito obrigada pelo convite e já fiz minha inscrição.
    Beijos e beijos!

    ResponderExcluir
  10. È..realmente é complicado..em quem em geral mas se devia confiar..se perde a confiança..
    mas vc teve cabeça boa..e não se deixou envolver..que bom.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. ei elaine... essa sua desconfiança nada mais é q um reflexo do q aconteceu em sua vida... cabe a vc msm superar isso pra viver mais felliz ainda!! bjkss minha linda!

    ResponderExcluir
  12. Com certeza Elaine, é muito bom poder desabafar, colocar para fora tudo o que fica entalado na garganta e assombrando nossas mentes. Como eu disse antes, é como se isso fizesse a gente se segurar mais a realidade, e não se perder em nosso interior.

    Eu não imagino o que vc sentiu, provavelmente muita revolta, que gera raiva, e por último a mágoa. E principalmente por isso vir da sua mãe, que deveria ser a pessoa de mais confiança em sua vida né?

    Mas com certeza vc tem em mente e coração uma coisa: antes mesmo de nossa mãe, vem Deus, e nele nós podemos confiar!

    Depois que vc abrandar a raiva, pense em Deus, em Jesus, e na mensagem que ele nos trouxe: que devemos perdoar para sermos perdoados, dar a outra face, etc.

    Como espírita estou aprendendo aos poucos a trabalhar esse lado, que é difícil sim (perdoar e não guardar mágoa) mas com fé a gente consegue.

    Perdoe. Ela dizia que o homem era doente, mas ela também era de certa forma... Doente de baixa auto-estima, doente de fraqueza perante a vida, doente de negação.

    O importante é não seguirmos estes exemplos, e fazermos diferente e melhor do que os outros fizeram para nós.

    Fique com Deus, e que ele lhe ilumine!

    Bjo =^^=

    ResponderExcluir
  13. Oi,Elaine

    Querida,sua história me comoveu.Quem aprendeu a não confiar na própria mãe,tem razão em não confiar muito em quase ninguém!

    Parabéns pela superação!

    beijo

    ResponderExcluir
  14. Que pena né que sua mãe agiu assim. Acho que no fundo ela não soube lidar com essa separação, aí acabou descontando tudo no lado mais fraco, no caso vc e seus irmão que não podiam se defender. Eu tb tenho problemas pra confiar nas pessoas, mas é por outras questões. Que bom que esse desabafo te deixou mais leve!

    ResponderExcluir
  15. Nossa...que absurdo!!! Mas, flor, vc nunca vai ficar assim. A gente não escolhe os pais que teremos.....mas escolhemos, sim, o tipo de pessoa que queremos ser. Use tudo isso sobre sua vida e sua mãe para ser completamente diferente e para fazer uma outra história. :)

    beijos!

    ResponderExcluir
  16. Por isso que eu falo: o caráter das pessoas não depende dos pais. Com meu pai aconteceu algo semelhante ao que aconteceu com vc. Mas ele, assim como vc, é uma pessoa muito do bem.

    Não acho que desconfiança seja defeito; acho que é um cuidado necessário para não nos machucarmos.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  17. Estou participando da blogagem da Mylla. Passe lá.
    http://sandrarandrade7.blogspot.com/

    com carinho
    Sandra

    ResponderExcluir
  18. Eu te entendo. Mãe parece que é um ser intocavel mas não é. Ela erra também. Desabafar é bom.
    E você uma vez dissa que faz uns 20 anos isso tudo né? E resolveu falar só aqui? Fala p´ra ela também, derrepente ela nem sabe que te fez mal...
    Bjus.

    ResponderExcluir
  19. Poxa, que história triste! Com certeza Deus estava ao lado de você e seus irmãos durante esse período e não deixou nenhum mal acontecer, principalmente a sua irmã menor.A gente vê muita maldade nesse mundo. A minha mãe era a minha referência, meu anjo da guarda e Deus a levou embora. Penso assim: se não podemos confiar na nossa genitora, que nos deu a vida, em quem confiaremos?
    Mas sei tb que na vida existem pessoas boas ao nosso redor e com certeza vocês tiveram...
    É tão bom por p/fora não é mesmo?
    bjs e um otimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  20. Amiga tb tenho uma história nesse estilo...me trouxe muito amadurecimento, e fez tudo acontecer na minha vida mto cedo...às vezes olho pra tras e me magoo, mas me sinto forte por ser como sou

    ResponderExcluir
  21. Elaine... complicado mesmo... não sei como eu seria se minha mãe ou pai mentissem para mim, eles são pra mim o que há de melhor no quesito humano, um exemplo a seguir sempre. Difícil entender como se sente.

    De qq forma, posso dizer que a vida fica muito melhor se confiamos nos outros pq mesmo quebrando a cara de vez em quando a gente vive mais feliz.

    Beijos e tudo de bom pra você.

    ResponderExcluir
  22. Oi Elaine,
    Hoje estava lendo o seu post e estava imaginando o que eu faria para melhorar essa situaçao. Eu sempre tive minha mãe e meu pai como exemplo de vida, me mirei nos exemplos deles para construir o meu modo de vida, aperfeiçoando assim meu caráter e procurando ser uma pessoa do bem. Voce, ao contrario não teve essa oportunidade pois se voce se mirasse nos exemplos de sua mãe, seria uma pessoa mentirosa e fracassada. Dai é onde eu sempre digo...já nascemos com caráter formado..Deus já deciciu como seremos independente dos exemplos que temos a nossa frente. Sua mãe na verdade era uma mulher fraca, que não sabia como lidar com as dificuldades que a vida deu a ela...ela tambem precisava de ajuda.. tambem precisava que algúem a acolhesse e não soube onde procurar essa ajuda. Elaine, o blog é sim uma terapia. isso eu nao discuto, mas eu penso que se voce contasse a ela tudo o que contou aqui, talvez voces pudessem derrubar essa barreira, tentar um novo recomeço, pois a palavra perdão está ai para ser praticada, embora nao seja fácil, porém uma vez que voce consegue, a vida fica mais leve, mais clara...pensa nisso ta bom?
    Bjs e voce é uma pessoa que tem um coraçao muito lindo...
    Marcia

    ResponderExcluir
  23. Oi Elaine, vim para agradecer o convite para a blogagem, mas sou muito ruim para escrever textos, rs. Adoro ler, mas me falta inspiração para escrever. Sobre sua Mãe, acho que ela nunca entendeu os filhos maravilhosos que teve. Desconfiar é bom, mas as vezes é necessário dar um voto de confiança. Beijos, lindissimo fim de semana procêis.

    ResponderExcluir
  24. Ei... lí seu post e fiquei possessa! rsrsrs...
    É complicado msm confiar em alguém hj em dia!
    Eu tbm não confio... mas, não passei por situações iguais as suas não!
    Me decepcionei com amigas minhas msm... :(
    Uma decepção maior q a outra!
    Confesso q tbm uso o blog como terapia! me faz bem "escrever"... parece q confidencio um lado de mim... sabe?!?
    tiro um peso dos meus ombros...
    Um beijo grande!!!!
    bom feriado!
    =***

    ResponderExcluir
  25. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  26. Oie...
    Nossa, que história punk.
    Obrigada por dividi-la.
    Pois é, na infância é que são formadas algumas bases, como saber confiar nas pessoas.
    Tbém não tive um referencial confiável, mas estou tentando, devagarinho, não ser mais tão desconfiada.

    Ah, e gracias pelo menina, rsss,adorei. Sou só um pouco mais nova do que vc, Menina Elaine.:)

    bjos

    ResponderExcluir
  27. Oi Elaine, sua história é muito triste né, imagine o quanto sua mãe perdeu por ter se distanciado com a mentira, a mentira é uma "praga", quando chega em certas pessoas parece que não arreda o pé... Pra vcs deve ter sido terrivel descobrir a mentirada toda, mais quem saiu perdendo foi ela, imagine o quão teria sido bom e feliz para vcs se ela tivesse levantado e lutado ao lado de vcs por uma vida feliz e harmonioza...

    Que bom que pra vc o blog é uma terapia... melhoras...

    bjs

    Mônica

    ResponderExcluir
  28. Olá querida, que história triste...pq se passa com a pesssoa em que devíamos confiar integralmente, que é personificada na figura da "mãe".
    É tão estranho, Elaine, o que vem em primeiro lugar na vida de uma mulher, são os filhos. Nasa, nem ninguém importa....eu sempre digo: existe ex-marido, mas não existe ex-filho.
    Fiquei pensando em sua irmã também....que barra que ela enfrentou....e que perigo!!!!
    Blogar é uma terapia sem dúvida, e vc teve muita fibra em colocar tudo isso para fora!!!
    Obrigada por dividir conosco....cada vez que vc faz isso, é como se fosse um presente, pq é tão precioso....
    BJ

    ResponderExcluir
  29. "Aprendi com a natureza a me deixar cortar e voltar sempre inteira."

    Cecília Meireles

    Oi Elaine,

    Você é uma guerreira, tenha certeza disso, desejo que sejas feliz.

    Tem um selinho pra você no blog... Passa por lá.

    Beijos :)

    ResponderExcluir
  30. Oi Elaine,

    Eu sou desconfiada, mas acredito que numa escala bem leve, principalmente porque não passei por uma situação tão punk - e tão longa - como a que você e seus irmãos passaram.

    É triste, né? Porque a gente deveria ser capaz de entregar nossas vidas nas mãos dos nossos pais, mas, por outro lado, tristemente, entendo sua mãe, o que não signifique que a apóie. Quantas mulheres, de meia-idade ou menos, nós vemos fazendo isso; olha a Susana Vieira como exemplo maior aí e que se justificou dizendo que faz tudo por amor. E é verdade. O amor pra ela é assim.

    Que bom que depois de postar você ficou mais leve. Espero que com sua mãe a relação seja mais tranquila também.

    Agora deixa eu ler o post seguinte!!

    Beijocas e delicioso fds pra você e o maridão :)

    ResponderExcluir
  31. Quando comecei ler o post acima vi logo uma referência a este, não poderia deixar de vir ler. Não preciso dizer que não foi uma leitura agradável, não é mesmo?
    Não tenho muito o que dizer. A dor, o rancor, a mágoa, só vc sabe o que sente.
    Mas quero te deixar umas referências bíblicas.

    "Porque, quando meu pai e minha mãe me desampararem, o SENHOR me recolherá."Salmos 27: 10

    "Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti."Isaias 49: 15

    Mas tem uma outra que não é fácil, mas talvez seja a mais importante.

    "Honra teu pai e tua mãe"
    Isto não é condicional.

    Abraço!
    Bom final de semana para ti.
    Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  32. É moça...
    A vida é extranha!
    às vezes quem mais a gente ama nos fere...
    Difícil isso.

    Linda, só não vou participar desta blogagem por falta de tempo...
    Se der para postar depois do dia 20 me avisa, que me inscrevo.

    bjkas

    ResponderExcluir
  33. Elaine, querida, vou te dizer que já tive muito problema com confiança e decepção também, que é algo que está diretamente relacionada com a falta ou perda de confiança.
    Menina, de todo o jeito que você puder imaginar, tive este tipo de problema. Aconteceu mais na época em que tinha meus 18, 19 anos, pois era muito ingênua.
    Infelizmente, temos que passar por decepções para aprender a ser mais seletas com as pessoas e fatos...
    Hoje, considero-me uma pessoa segura das minhas opiniões, decisões e escolhas. Mas isso, graças às decepções que tive...
    Bjs, querida e um super domingo pra ti!

    ResponderExcluir
  34. Oi Elaine...

    Vim conhecer seu cantinho através da Alê do La Sorcière... amei e com certeza estarei sempre por aqui...
    Seu post me emocionou bastante... compreendo perfeitamente as coisas que você falou, principalmente em como é difícil confiar nas pessoas... meus pais se separaram quando eu já era adulta, mas foi um processo muito difícil, eu perdi a confiança em qualquer pessoa... ele mentia, enganava, traia... e se fez de santo por muitos anos, nunca passamos necessidade, mas também nunca tive paz em casa... quando descobrimos todas as coisas que ele havia feito, eu estava prestes a me casar... foi muito difícil, em vários momentos me perguntei se era possível confiar no meu novo marido... ele tem paciência comigo, mas sabe que eu não consigo mais confiar inteiramente... não acho que isso irá mudar, acho que a gente aprende a conviver com isso, e quanto ao meu pai... a cerca de um ano decidi tirá-lo da minha vida, é claro que não sou mais feliz por isso, mas não sou mais assombrada por velhos fantasmas... e isso por enquanto me basta...

    Adorei te conhecer, as vezes queria ter a mesma coragem de me abrir assim como você faz, mas apesar de manter um blog, várias vezes apaguei posts onde acabava colocando coisas mais pessoais...
    um grande beijo,
    Dé...

    ResponderExcluir
  35. Nossa Elaine...eu realmente me senti imensamente triste com tua história de vida. Eu sou mãe, tenho 4 filhas e elas são tudo prá mim. Me separei do pai delas e muitas coisas nos aconteceu, mas até hoje, eu não tenho o que falar dele apesar dele ter me traído por um bom tempo enquanto éramos casados.

    Sempre pensei que o mais importante que tenho a passar para minhas filhas é o meu exemplo...assim, procuro ser o melhor que puder diante de tudo.

    Confiar realmente é algo muito dificil. Eu confio, quebro a cara na maioria das vezes e sigo em frente com meu aprendizado...sei lá onde isso me leva.

    Um abraço. Bem forte. Que você seja sempre essa pessoa especial que é, essa pessoa maravilhosa que podemos (re)conhecer através dos seus relatos.

    Paz!!

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…