As novas Amélias

em 26 de abril de 2009


Há muito tempo mulher-Amélia era sinônimo daquela mulher que ficava à disposição do marido, que dependia dele, do homem, para tudo e que vivia para satisfazer as vontades e manhas de um marido que fora ele próprio criado por uma mãe-Amélia.

Também, por definição, era aquela mulher que não tinha grandes ambições, nem projetos pessoais. Pouco estudava. Pouco se expressava. Vivia a vida para cuidar do lar, incluindo aí filhos, marido, roupas, comida, limpeza, arrumação, pregar botão, cerzir meia (argh)...
Mas o conceito de Amélia que eu abordo aqui é mais profundo, mais pejorativo, pois representa a mulher subserviente, que aceita pequenas humilhações diárias, que abaixa a cabeça para grosserias e que precisa explicar o motivo de querer 1 real, por exemplo.. E isso eu não seria de jeito algum. Jamais.

Pois não é que surgem agora, em pleno século XXI, as novas Amélias?
Sim, aquelas mulheres que dependem da aprovação masculina para tudo.
Que vivem a vida para agradá-los, sejam eles maridos, amantes, ficantes, "patrocinadores", peguetes...
Vestem-se para eles, de acordo com o gosto deles.
Dançam como eles gostam. Rebolam, aliás.
Como eles apreciam.
Pensam, ou querem crer, que a decisão é sua mas não é, não mesmo.
São pseudo-livres pois eles gostam de mulheres "liberadas"; aboliram a modéstia e o recato pois eles gostam de que elas sejam desinibidas.

E tentam parecer cada vez mais jovens, com suas roupas cada vez mais curtas e justas, sem calcinha para que eles possam apreciar a depilação que as assemelha a meninas beemm novinhas, imberbes.
E não cortam o cabelo curtinho porque eles não gostam...
Afinal, o cabelo é para agradar a eles, como no passado.

As novas Amélias não sabem mas estão revivendo o padrão que as mães e as avós viveram.
Estão talvez ainda mais submissas ao homem do que a geração anterior. E são o mais triste tipo de submissas: aquelas que não se sabem oprimidas, que não se sabem dominadas.
Vivem em uma gaiola, cantam, dançam, falam, transam e tatuam o corpo quando são ordenadas a fazê-lo e acham que estão livres só porque as portas da gaiola estão escondidas atrás de cortinas...

A mulher-Amélia está em alta.
Ela não sabe, mas vive hoje ainda mais longe de ser verdadeiramente livre do que as mulheres do século passado.
Estas sabiam que precisavam lutar para desabrochar, para conquistar direitos e para serem respeitadas.
As Amélias de hoje nem sabem que estão secando sem jamais desabrochar.
Nem sabem que, usando a linguagem do funk: "tá tudo dominado!"
Por eles.

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

20 comentários , comente também!

  1. Olá amiga. Entrei sem pedir licença, me desculpe. Vim dar meu votinho a um dos seus cinco blogs em concurso, foi para a Ester. Aproveitei e dei uma olhadinha em seu espaço, gostei. Essa das Amélias, está interessante, há muito disso.... Tudo de bom para si.

    ResponderExcluir
  2. Ester, seu blog está lindo. Infelizmente as Amélias continuam por aí... Triste realidade.
    Meu voto é seu, sempre.
    beijinho
    Zezé

    ResponderExcluir
  3. Olha, eu não teria dito melhor!!! Adorei o texto. Foi perfeito. É exatamente o que eu penso e o que nunca consegui colocar de forma tão classuda!!!
    Pena dessas pobres Amélias. E eu me esforço para não ser mais uma. Porque, vamos falar a verdade, às vezes a gente quase cai na lábia deles.... e delas.. porque a amelice é contagiosa! Valha-me Deus.. quero não.

    ResponderExcluir
  4. esta postagem é tão realista ,nunca tinha pensado assim
    a aparencia engana essas amelias exixtem mesmo só que nem se tocam
    elaine obrigada pela visita e sinceras palavras espero que me visite mais vezes e pode contar com meu blog pra ajudar em qualquer divulgação!
    um bjo e fik com DEUS!

    ResponderExcluir
  5. Que fofo teu blog,vim votar e voltarei!
    bjs
    Mari

    ResponderExcluir
  6. Oi Elaine,

    Que texto interessante! Há muito o que pensar e este tema é amplo e bem complicado,
    penso que temos que ser fiéis a nós mesmo primeiro para sermos fiéis e honestas com os nossos relacionamentos,


    beijos querida e parabéns pelo sucesso do seu blog!

    ResponderExcluir
  7. E se falar que elas sao Amelias, Elaine, seria um insulto, né???

    ResponderExcluir
  8. concordo plenamente.rsrs, adorei este texto
    bjss

    ResponderExcluir
  9. Tá aí um texto corajoso, gostei.

    ResponderExcluir
  10. Ainda na semana passada estava pensando sobre isso... nessa falta de auto valorização que algumas mulheres se impõe... Beijos, as crianças já estam em festa pelo feriado. A proposito e os girassóis do seu quintal?

    ResponderExcluir
  11. Você como sempre sabe ordenar perfeitamente as palavras e escrever um post maravilhoso como esse.
    Eu tenho essa opinião tb, mulheres "amélias e subordinadas" é o pior que poderia acontecer a imagem das mulheres... não ter opinião própria, não fazer o que realmente gosta para agradar um homem, esse assunto me deixa profundamente irritada!!

    Eu no fundo, não queria ser uma amélia em si, mas queria ter a oportunidade de trabalhar só pela manhã, ou em casa mesmo, para ter tempo de cuidar da minha casa, preparar um jantar para o marido, cuidar, criar, fazer dever e brincar com os filhos, pôr na escola, coisas que não tenho tempo, por trabalhar de 09 as 18, mas sair de casa as 07:00hs e só chegar as 20:00hs...

    Um beijo e boa semana!!
    Obrigada pelo comentário da festa!!

    ResponderExcluir
  12. Olá!

    Há um teste e uma enquete lá no meu gueto... dá um pulinho lá! Tô esperando!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. É... Amélias sempre vão existir em qualquer século... Mas que são um tanto ridículas, são sim. Há de convir.
    Ser submissa ao homem de hoje é aceitar dele sem reclamar a violência em seus lares, tanto para elas mesmas, como para seus filhos!
    Se não mudar essa consciência a Mulher vai continuar como sempre esteve - atraz do homem!
    Belo post!

    ResponderExcluir
  14. Não sei o que é pior, a postura das novas Amélias ou a falta de esforço das mesmas em se mostrar um ser pensante!

    Graças a Deus sou Amélia de mim mesma!

    ResponderExcluir
  15. Eliane!
    Já votei.
    Obrigada pela visita.
    Sandra

    ResponderExcluir
  16. Olá Elaine,

    você definiu bem essas novas Amélias, elas acham que se vestem e se comportam ao seu gosto, mas não estão fazendo mais do que agradarem as vontades dos "companheiros".

    Excelente post, abraços!

    ResponderExcluir
  17. Elaine, que post interessante esse sobre as novas Amelias,huummmm. Nao vamos longe nao, eu msma sou uma, e pior, parei no seculo 20th, cheguei no 21th ainda nao,heheheh. Vou falar aqui como e a minha vida de Amelia casada com um habiby egipcio. Estao prontas pra ouvir? Aviso, nao sou infeliz nao, nao troco minha vida da Amelia por nenhuma excutiva de multinacionais, cheias de atitudes q ate parecem q tem testosterona.
    Aqui em casa, eu lavo, passo, prego botoes, engraxo os sapatos do habibe, cozinho 365 dias por ano,pq a ideia dele de comer fora e... comer no quintal!!!!!!! isso mesmo que voces acabaram de ler, no quintal!!o habibe acha q essa coisa de gastar dinheiro em restaurante e jogar dinheiro no lixo, q sai 100% mais barato comer em casa mesmo. Lavo meu carro e os dele tbm, cuido do jardim, ele planta, mas quem molha e arranca as ervas daninhas,ou capina sou eu. Cuido do cachorro, dou-lhe massagens se ele chega estressado demais do trabalho, sempre a troco de evitar argumentos de alto teor radiotivo, concordo com ele, dizendo,"querido, vc esta certo",tao vendo ai a imagem perfeita de uma Amelia, uma Poliana, sem tirar nem por. Agora vamos a parte positiva da minha historinha... O meu habibe e um excelente provedor, nem sequer exirge q eu trabalhe, mas eu ainda trabalho alguns meses no ano, gosto de sentir a vida la fora, ser util a sociedade, no meu caso cuido de velhinhos, e um trabalho gratificante. Continuando... o meu habibe nao fuma, nao bebe, nao joga, nao sai com grupo de amigos pra bares, pra farras de tipo algum, a vida dele e da casa p trabalho e vice-versa, e aos domingos igreja, ou seja, trabalho e oracao. E super fiel, na familia dele homem nenhum divorcia suas esposas, e uma questao de honra. Meu habibe tenta anteceder meus desejos, me trata com carinho, e super caliente, viajamos a beca pelo mundo afora, e se eu continuar do lado dele, nao vou morrer pobre debaixo de uma ponte matando cachorro a grito nao. Entao no meu caso, que mal ha em eu ser uma Amelia? Quantas mulheres nao gostariam de trocar lugar comigo? Ter um marido que poe td dentro de casa, te da casa e viagens de presente, e ainda mesada? Esse e o meu habibe, engraxo seus sapatos com td prazer.
    Espero q nao tenha matado de raiva a galera feminina do seu blog maravilhoso. Quanto as Amelias do seculo 21, ai e outra historia... perderam totalmente as lamparinas do juizo, em se turbinaram tanto, em, em se tornarem apenas coisas, mas q no fundo td nao passa de vontade de querer agradar os homens. A pressao e tanta, q se ve mulher com idade de ser vovozinha td tatuada, com piercing ate no nariz,heheheh. Gente, essa geracao vai chegar laaaaa na frente na velhice, com seus corpos cheinhos de buracos,kkkkkk um horror!
    Beijos, e por favor galera nao me metralhem,kkkkkkkkkkkkkk.

    ResponderExcluir
  18. parabéns este texto esta super boa semana beijinho

    ResponderExcluir
  19. Sabe uma entre tantas coisas que amo em seu blog? Ele me faz pensar.
    Sabe que muita coisa que leio aqui, eu reflito e carrego para minha vida. Parte do que aprendo eu devo a você... Levarei para o resto da vida.

    Beijos

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…