Divitae Divitae Divitae
1 2 3

Siamo tutti bonna gente

no dia 23 de março de 2012


Não sei se já falei aqui mas eu tenho ascendência italiana. Se bem que com Gaspareto no nome nem precisa falar, não é?

Pois então, eu sou bisneta daquela segunda geração de imigrantes italianos que vieram para o Brasil no começo do século 20, em busca de terras e trabalho. Trabalho eles acharam mas a terra já tinha dono fazia era tempo!

Minha bisavó italiana veio para o Brasil recém casada e grávida da minha avó materna. Ela era napolitana e minha mãe conta que era também uma guerreira. Ficou viúva com os filhos pequenos para criar, morando no que chamavam de colônias, que nada mais era do que um amontoado de casinhas construídas em semi círculo nas fazendas de café aqui de São Paulo e de Minas Gerais. Imagina uma viúva, sem falar a língua, com filhos pequenos para criar e distante de sua terra e de sua gente. Minha avó dizia que eles às vezes corriam atrás do cuidador dos porcos para pedir os restos que vinham da sede da fazenda com destino à pocilga para matar a fome. Fome, gente, fome de verdade. Nada do romantismo dos imigrantes retratada na televisão.

A família do meu avô veio da Calábria e meu avô chegou aqui recém nascido. Chamava-se Antônio Gaspareto e minha avó chamava-se Amélia Rosa Bolsoni. Minha mãe não conheceu os pais do meu avô e pouco sabe deles.

Meus avós tiveram 7 filhas. Sim, 7 filhas e nenhum filho. Imagine a desgraça! Numa época em que o homem era julgado pela capacidade de gerar filhos machos, e ainda mais importante, onde filhos homens significavam força de trabalho, calcule a dureza da vida do meu avô. Como resultado deste tanto de meninas em casa, minha mãe e minhas tias foram bem cedo para o trabalho na roça: aos 7 anos acabaram-se os bancos da escola rural e começava a luta pela vida. 

Surgiram daí mulheres fortes, aguerridas, capazes de fazer tudo o que um homem faria e mais: capazes de bordar toalhas lindas e delicadas (que eu guardo ainda hoje como relíquias) à luz de velas e lamparinas, capazes de aprender a costurar e de cozinhar como só as italianas sabem e também de construir cercas, capinar a roça, colher café, ordenhar o gado, abater o gado...

Minha tia mais velha tem hoje quase 90 anos e a mais nova tem 65. Das 7, apenas 2 tias e minha mãe têm o marido ( no caso dela, ex) vivo. E uma não teve filhos, assim como da minha geração apenas eu não os tive ( mesmo motivo, aliás). Mas o número de primos e primas é incalculável, passa de 50. Sem contar os de segundo e terceiros graus...Imagine esse povo todo junto!

Tem uma história que mostra bem de que material é feita a mulher desta família:
Quando estava grávida da 3ª filha minha avó soube que o marido tão bonitão, que saía todo domingo de tarde para assistir ao "jogo de bola" no campo da fazenda, de terno claro de linho e todo cheiroso, ia na verdade era em outra fazenda visitar... a noiva!

Isso mesmo, o meu avô ficou noivo de uma moça quando já era casado!
Logo que soube, minha avó não fez escândalo, não deu alarme. Deixou que ele se aprontasse todo e fosse para o "jogo". Assim que ele saiu, ela pegou as filhas pela mão e foi atrás. E neste dia ele foi de fato a um jogo de bola, mas acompanhado pela noiva! Quando chegaram ao campo de futebol, ela e as meninas de um lado e ele e a noiva do outro. Ela foi até eles e colocou as meninas, as duas, no colo da atônita moça, que nem desconfiava da esparrela em que estava se metendo.

Imagine a cena. Minha avó virou as costas e foi-se embora. Daí a pouco chega meu avô, todo rasgado com as duas filhas. Nem uma palavra. E nunca mais deu uma de engraçadinho. Levou uma surra do pai da moça.

Quando minha avó morreu eu tinha apenas 4 meses. Não conheço dela sequer uma foto, já que nunca se deixou retratar, tão parecida comigo! Sei apenas que era uma mulher a quem eu admiro muito. A nona, como os primos mais velhos chamam. Sim, porque eu sou a antepenúltima neta, a última que ela conheceu. Tenho primos com 70 anos...

De meu avô eu sou, juntamente com um primo que tem uma fazenda em Minas Gerais, a única que herdou o sobrenome. Todos os meus primos tem apenas os nomes de seus pais. Gaspareto, do Antônio, só eu e o primo mineiro. Tem outros, claro, mas de irmãos do meu avô; dele, só dois herdaram o nome.

Pois então, é dessa gente que eu descendo. Dessas mulheres fortes e valentes, das quais eu tenho um orgulho enorme. Sou muito brasileira, mas tenho pela Itália dos meus avós um amor, um respeito...

Um viva! para minha nona estrategista e para suas filhas bordadeiras e aguerridas!

http://www.tupperwarecia.com.br/
Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Google+

64 comentários:

  1. Olá bom dia venho agradecer a sua visita ao meu cantinho e dizer que volte sempre pois é muito bem vinda.
    Amei o seu espaço. Aqui já cheira a Primavera e respira-se o Amor. O Amor de Jesus.
    Que Deus a continue a abençoar como até aqui.
    Ao ler o seu post já fiquei a conhecê-la um pouco melhor.
    Beijinhos.
    Um dia lindo.
    Fique bem. Fique com Deus.
    Anita (amor fraternal)

    ResponderExcluir
  2. que barato, que bonito reverenciar assim as mulheres da familia, e que tática maravilhosa a Nona achou pra assustar o vô danadinho... uau! mulher de fibra hein?

    bacana mesmo!

    ResponderExcluir
  3. outro post muito bonito!! minha família é uma bagunça só, tem italiano, austríaco, português e espanhol, além de alemães... ou seja, sou mais brasileira do que tudo, filha da mistura! E agora inventei de casar com um egipcio para misturar mais um pouquinho :-)

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Dá pra sentir a força da "Nona" só no episódio do marido trapalhão.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  5. Hey!
    Eis reusltado no meu blog, ok?

    xo xo

    ResponderExcluir
  6. È, a vida do meu pai, tb imigrante, foi dura, mas não de roça.

    Gostei do texto!

    Abracci!

    ResponderExcluir
  7. Elaine te respondi para seu e-mail contando que meus pais, avós todos Italianos, como foi difícil a vida deles vindo para o Brasil para tentar melhorar, uma história de muita coragem e fibra de minhas avós.
    Beijos
    Anna

    ResponderExcluir
  8. Que história gostosa de ouvir! E adorei a estratégia da Nona! Merece aplausos, muitos, muitos!!!

    Beijoooo

    ResponderExcluir
  9. Que post perfeito, Elaine! Não tô encontrando as palavras certas, mas simplesmente amei essa parte da história da sua família.. :)

    Bjos.. :)

    ResponderExcluir
  10. Linda história, texto gostoso de ler, emocionante! Me lembrou uma novela beeem antiga e que eu assisti quando a band reprisou http://pt.wikipedia.org/wiki/Os_Imigrantes

    beijooo

    ResponderExcluir
  11. Fiquei gamada na sua avó, que deixou as filhas com a noiva rsrsrs parece coisa de novela mesmo.
    Ah esses italianos!
    bjk

    ResponderExcluir
  12. Elaine,
    você escreveu de uma forma tão rica e tão detalhada, que eu tenho a imprensão de que conheço todas essas mulheres, que somos conhecidas de longa data.... nossa!
    Amei!
    Deus continue abençoando sua família!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  13. Que bonito... adoro histórias de família!

    bj

    ResponderExcluir
  14. Delícia de história, família é tudo de bom, mesmo que muitas vezes pensemos o contrário. Meu marido também é neto de italianos da gema. E tem todo o tipo. Do meu lado sou neta de espanhola, minha avó veio para o Brasil já mocinha.
    Imagina meus filhos, com essa mistura de sangue italiano e espanhosl!
    Somos passionais! rsrs
    Nossos imigrantes sofreram muito, né? Além da urgência pra sair da pátria, em busca de vida melhor, chegando aqui muitas vezes se depararam com a extrema pobreza. Mas eram fortes e resolutos, morrer de fome nunca!
    (estou emocionada!)
    Beijo!

    ResponderExcluir
  15. Que mulheres fortes tem na sua família!Apesar do sofrimento é uma linda história!Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Elaine, Bacana sua história! O avô do meu marido também veio da Calábria. Nossa história brasileira é muito parecida! De luta, fibra e muito sucesso!
    beijos,

    ResponderExcluir
  17. q post lindo!!! amei!
    tenho historias d minha avò realmente lindas e comovedoras, nunca pensei de contar no blog para recordar...vc me inspirou! beijos.

    ResponderExcluir
  18. com todo o respeito pela memória de seu avô mas ele tomou uma merecida hahaha. e sua avó, que mulher danada, bem a frente de seu tempo. minha avó, por parte de pai tb é italiana e conta umas histórias tb mto interessantes. conta mais histórias de sua família, Elaine.
    boa sexta!

    ResponderExcluir
  19. Muito bom reverencias as origens.
    Vim dar um xero e desejar um final de semana abençõado.
    Beijos
    hptt://cafeecetim.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Uma bela historia de família, meus bisavós tbm vieram da Calábria e Pádua ou Paduva, agora não recordo direito, quem sabe se conheciam, rs

    Venho avisar que meu blog Sei que Deus existe sumiu e foi excluído, fiz um novo espaço, já estou te seguindo com meu novo perfil, convido gentilmente para conhecer, sua presença me deixaria honrada.

    http://blogueirosquepensam.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. E você mostra a guerreira que é, agora sabemos de onde você herdou ........
    Que linda história!
    Vocês poderiam promover um encontro das pessoas da família, do clã. Já pensou que confusão para saber quem é quem? Seria divertido.
    Amiga, você é poderosa. E que avó sabida e esperta heimmmm!!!!!
    Obrigada por compartilhar conosco essa linda história.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  22. Como uma boa ascendente de italianos eu não podia deixar de me pronunciar.
    As mulheres sempre se mostraram mais fortes e sábias diante das adversidades, não é mesmo? Tenho um orgulho danado dessas mulheres.
    Também sou bisnetas de italianos. Ambos da região da Calábria (Tirol e Ascoli Piceno)e tive o prazer de conviver com meus bisas. Aliás os bisas chegaram a conhecer o tataraneto. Meu filho mais velho que hoje tem 20 anos.
    Eles vieram tentar uma vida melhor quando ainda eram bem pequenos, mas as histórias que conheço são de quando já eram mais adultos. Não sei se trabalharam na roça...mas sei que sempre tiveram restaurantes e bares na região do Bexiga em SP.
    Tanto que até hoje todo mundo me enche o saco por eu falar meio cantado, exatamente como os italianos kkkkk. Não nego a raça!
    Amei poder relembrar coisas que fazem parte da minha vida, mas que acabam passando batido no dia a dia.
    Beijo

    ResponderExcluir
  23. oi Elaine
    que história linda... de muitas lutas mas também de muitas vitórias!!!
    ter histórias para contar é tudo... belo post!

    um garnde bjo ♥

    ResponderExcluir
  24. Que história bacana, hein?
    Bem que eu queria ter a minha árvore genealógica. Em minha familia, sie tão pouco..

    ..Beijos!

    ResponderExcluir
  25. Olá Elaine adorei a história e li com muito prazer. A forma como a "Nona" lidou com a situação foi perfeita e um bom exemplo. Curiosamente também tenho ascendência Italiana do meu Trisavô se não me engano. No meu caso foram 3 irmãos Italianos (um deles o meu trisavô) que decidiram emigrar de Itália para a zona de trás-os montes em Portugal.
    Beijinhos grandes.

    ResponderExcluir
  26. sou apaixonado pela Itália , meu bisavô tambpem era italiano de olhos azuis, minha bisavó é viva ainda ,anda doentinha mas, ta aí, ela é brasileira, viramos uma mistura muito tipica... abraços, A.R

    ResponderExcluir
  27. Oi Elaine!
    Linda história! Gosto muito de história de família, da raiz. Ela dá uma base na gente, não consigo explicar...curto genealogia, mas minha família é tanta mistura, que eu nem sei direito o que é verdade ou o que é fantasia nas estórias que me contaram.

    Beijos, Renata
    palpitandoemtudo

    ResponderExcluir
  28. Linda a história de sua família. Obrigada por compartilha-lá conosco. Um dia conto a minha tb...

    ResponderExcluir
  29. Que delícia de história.

    Tbm sou descendente de italianos e sei bem como é essa turma de mulheres guerreiras.
    Saudades de minha nonna... que me chamava de "bolotona" porque eu era um butijãozinho de fofa!!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  30. Adorei a história, Elaine!
    Que mulher inteligente a sua vó! Desculpe a minha franqueza, mas seu avô mereceu a surra. rsrs
    Beijos!

    ResponderExcluir
  31. Elaine que linda história da sua familia, realmente as mulheres eram eternas guerreiras e mãezonas, minha mãe tbém veio da Iugoslava e meu pai era filho de italianos, lembro muito da minha nona, mulher determinada, forte, brava que só, mas um coração de ouro. Adorei saber um pouco da sua familia, a quem vc tem tanto orgulho e com toda razão. Muito bonita. Adorei. Bjos ótimo final de semana

    ResponderExcluir
  32. Família, família...
    O que seriamos sem eles?!
    Excelente post...

    Bjs!!!

    ResponderExcluir
  33. Oi Elaine, estava passeando pelos blogs e encontrei o seu, vim parar aqui há aproximadamente 3 horas por um link do concurso, que estou doida para participar mas vou criar algo novinho para isso, adicionei meu blog a sua página de divulgações e como retribuição linkei você nos meus parceiros! Nossa seu blog é muito show está de parabéns eu como novata que sou já aproveitei algumas dicas de seus tutoriais; e não consigo parar de ler várias de suas postagens!
    Mas enfim vim só deixar um grande abraço.
    Pri.
    http://www.metamorfoseparalela.com.br/

    ResponderExcluir
  34. A sua forma de escrever o que foi uma tragédia foi muito especial, valorizou a inteligência de uma mulher que não teve estudos, mas acima de tudo era muito inteligente e sagaz. Atitude de uma grande guerreira: estratégia.
    Parabéns, abraços carinhosos

    ResponderExcluir
  35. Adorei! Descendo de vó espanhola(que não conheci) e filhos de portugueses, os quais passei a maior parte de minha vida.

    Da avó espanhola soube que ela fazia bolo e distribuía às crianças que brincavam em sua porta. Ela e minha familia tinham muitos filhos pois AMAVAM crianças. Não as tinha só porque não havia métodos anticoncepcionais. Elas curtem crianças até hoje e as tratam, educam, alimentam, principalmente muito bem, independentemente de recursos financeiros. Acho isso lindo em minha família, na velha geração. Parabéns por sua família linda e batalhadora que ajudou a construir o Brasil (inclusive na culinária, mama mia)

    Abraços xará.

    ResponderExcluir
  36. Então amiga, viu ja naqueles tempos ELES aprontavam indo jogar bola,comprar cigarros...tudo continua.. Apesar dos pesares a Vida é linda e vale viver!!!beijos

    * Mil Alegrias !!!

    ResponderExcluir
  37. Elaine,

    Amei a atitude de sua avó... Eu faria o mesmo!
    E que surra bem merecida viu?

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Li aqui e fiquei imaginando a cena...

    A minha família tem mta mistura, até índia pega no laço tem!
    Mas o grosso mesmo vem de Portugal e França.

    Um dia vou colocar essa história no blog...

    bjos e bom fds!!!

    ResponderExcluir
  38. Tenho muita vontade de conhecer a Itália. País lindo *-*
    To seguindo seu blog, segue o meu?
    manuscritodecabeceira.blogspot.com
    Bjs.

    ResponderExcluir
  39. Seu blog está cade vez mais lindo...
    o vídeo já está pronto...
    Se você tiver um tempinho livre,passa lá
    Beijinhos da Bea
    www.biaalini.blogspot.com

    ResponderExcluir
  40. Adorei, Elaine!
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir
  41. Achei e acho o maximo sua historia de familia , legal ! as pessoas nunca tem a coragem de contar sua verdadeira historia e é por isso que te admiro, é verdadeira no que fala e meus parabéns tem mesmo que se orgulhar da familia que possui e me visite será um prazer. Beijos
    www.susi-susuartsepintura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  42. AMEI CONHECER MAIS UM POUCO DE VOCÊ.QUE HISTÓRIA LINDA E QUE MULHERES DE FIBRA,SUA AVÓ E SUA BISAVÓ.DARIA UM LINDO ROMANCE E ATÉ MESMO UM FILME.HERÓIS E HEROÍNAS ANONIMOS,QUE FIZERAM PARTE DA CONSTRUÇÃO DO NOSSO BRASIL.VOCÊ TEM TODA RAZÃO EM SENTIR ORGULHO DE TER EM SUAS VEIAS SANGUE DE GENTE TÃO BATALHADORA.BEIJOS.

    ResponderExcluir
  43. Olá querida,
    Vim conhecer seu blog e amei suas dicas! Nossa como você nos ajuda com sua presteza!
    Venho pedir uma ajuda, aonde eu encontro respostas(Como seguir blogs que não consigo?) No link que você sugere só tem (Como deixar de seguir)
    Obrigada pela sua atenção!
    Abraços,
    Carla.

    ResponderExcluir
  44. Oi Elaine, é a Vi, também descendemos de italianos por parte de pai.
    Sua avó deu um fim no noivado de seu avô de uma forma muito inteligente, resta saber até quando ele achou que ia levar aquela situação?
    Muitos beijos,Vi

    ResponderExcluir
  45. Bom dia!!!
    Passei para meu dia de visita e amei tudo o que vi por aqui. Desculpe ter ficado sem comentar, visito sempre que posso, mas a correria está grande. Te convido a dar um pulinho lá no blog e me ajude se puder na campanha que estou lançando. Mil beijos!!!
    www.negracriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  46. Que historia linda, gostei muito de conhecer um pouquinho mais de você.

    BJS!

    ResponderExcluir
  47. @Criando Artes Carla, boa tarde
    Em geral para seguir um blog basta clicar em Participar no gadget Seguidores. Como ele andou apresentando problemas pode ser que o blog não tenha. Nesse caso pode clicar em Seguir no alto do blog, na barra de navegação chamada navbar.
    Ou ainda pode ser algum problema com os cookies e o cache de seu navegador. Tente limpar e veja se consegue seguir.Ou experimente outro navegador.
    Em último caso entre em contato com o dono do blog que está com dificuldade em seguir.
    Lembre que isso só se aplica à blogs do Blogger/Blogspot, tá?
    Wordpress não tem seguidores.

    beijossss

    ResponderExcluir
  48. Olá minha querida, adorei seu cantinho! Super inspirador e aconchegante.
    Um semana repleta de paz e harmonia!
    Um beijo enorme.
    Lorena Viana
    pequena-prendiz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  49. Oi miga, passei para te desejar um ótimo dia. Continue me visitando sempre.
    Bjus

    ResponderExcluir
  50. Adorei a historia!!!

    Beijos no coração
    Andrea

    ResponderExcluir
  51. Oi Elaine tudo bem?
    Em primeiro lugar obrigada por responder ao meu e-mail.
    Eu te indiquei para uma brincadeira, confira lá no meu blog Minha casa eu decoro
    Beijos

    ResponderExcluir
  52. Olá Elaine,

    Parabens pelo a historia contada com graça. O blog esta cada vez melhor!

    Fiquei muito tempo sem blogar, mas agora estou voltando aos poucos e ´revendo´ amigos e conhecidos.

    Abraços

    ResponderExcluir
  53. Minha filha, pelo lado do pai dela, herdou essas qualidades - e têm somadas as do lado germânico, meu... às vezes os dois lados, dentro dela, se brigam... pq são muito fortes. Mas ela é um resultado lindo disso tudo, mesmo convivendo muito pouco com o lado italiano...! Bom domingo! Marion

    ResponderExcluir
  54. OLÁ, querida Elaine
    Estive ausente pela Quaresma...

    Páscoa é:

    "Coragem é a resistência ao medo,
    domínio do medo,
    e não a ausência do medo."
    (Mark Twain )

    SAIR DO PRÓPRIO TÚMULO

    Jesus libertou-me... enviou-me anjos para me soltar das amarras que me prendiam...

    Apóstolo Pedro: “precisamos dar razões que justifiquem a nossa Esperança” (1Ps 3,15).

    FELIZ PÁSCOA PARA TODOS NÓS!!!
    Abraços fraternos de paz

    ResponderExcluir
  55. Olá flor adoro suas postagens!
    Estou te seguindo!
    Beijos!

    Bruna
    (http://casinhadasnozzles.blogspot.com.br)

    ResponderExcluir
  56. Passando para te desejar um bom dia.
    Aguardo sua visita.

    ResponderExcluir
  57. Elaine, vim ver como vc está, anda sumida, tudo bem???

    Bjs

    Sueli

    ResponderExcluir
  58. Oi estou aqui pela primeira vez , adorei as dicas que vc dá no seu blog , estava justamente pensando em fazer um sorteio nomeu blog e qdo digitei a pesquisa no google ele me apontou seu blog , entrei gostei e fiquei , já favoritei , parabéns pelo bom senso e pelas dicas Elaine .Ahhh minha Família tb é Tutte bona Gente rsrsrrsr
    Bjus

    ResponderExcluir
  59. Gostei muito da narrativa. Algum dia se eu for pesquisar a imigração italiana vou conversar com vc (faço história da faculdade). Parabéns por ter pessoas tão direitas e fortes na família. No meu caso as mulheres da familia também foram muito fortes, mas alguns dos homens foram umas vergonhas.

    ResponderExcluir
  60. Que história gostosa de se ler, texto riquíssimo! Estou sentindo falta dos seus posts, espero que tudo esteja bem, volta logo!

    Feliz Páscoa prá você e prá sua família!

    Beijos ♥

    ResponderExcluir
  61. Achei linda a história das mulheres fortes de sua família!

    ResponderExcluir
  62. elaine axo q to morando no seu blog, tds os dias to por aki revirando atras de contos historias lindas como essa amooooooooooooo perdão tá maissssssss amooooooo d verdade ta no seu blog, vc é uma lindah!!! bj

    ResponderExcluir
  63. Legal, tambem descendo de uma familia de mulheres italianas. Hj em dia moro na Italia, e posso dizer que realmente as mulheres italianas sao muito guerreiras.

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.


Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…

Marcadores

Arquivo

Visualizações

Siga o blog no BlogLovin

Follow on Bloglovin
Follow on Bloglovin

Contando...

Dias online
Postagens
comentários

Agregadores



GeraLinks - Agregador de links Google +