De volta ao passado

em 25 de janeiro de 2009




Ando numa fase de relembrar o passado, não sei bem porque.


Hoje, no grupo de oração, me peguei com uma vontade doida de chorar, com um aperto no coração, uma coisa estranhíssima. E chorei mesmo, muito.


A enxurrada de lembranças começou porque uma pessoa me perguntou, em tom de crítica, por que eu sou tão apegada a cachorro, gato, qualquer filhote que seja e sou tão pouco ligada a pessoas em geral.


Vou contar um episódio da minha infância.


Eu devia ter uns dez anos, talvez menos, quando meu pai trouxe para casa um filhote de cachorro, bem preto, não muito grande, lindo e bem mansinho.Chamava-se Leão.


Engraçado como eu lembro de cada detalhe, mesmo passados 26 anos. No fundo de casa havia um pé de caju e meu pai amarrou o bichinho lá. Imagine o quanto o pobrezinho não chorou, sozinho, no meio do quintal, com medo, frio e sei lá mais o que se passa na cabeça de um bichinho.


Aquilo para mim era uma tortura, mas o pior ainda estava por vir: para "ensinar" o cãozinho meu pai batia nele com pedaços de borracha, dessas de molhar jardim, sabe? Surrava o coitado tanto, mas tanto, que ao fim de um mês sendo surrado (como aliás os filhos também eram) o cachorrinho morreu. Morreu magrinho, quase um bebê ainda, amarrado e sem defesa. Nada que a gente dissesse adiantava mas eu lembro de ficar horas sentada no chão ao lado dele enquanto ele estava preso. Eu chorava muito quando via meu pai ir ao quintal "ver" o cachorro. Daí que o Leão morreu, e eu fiquei muito feliz, sabe? Aquilo não era vida...Lembro de temer a hora que meu pai chegaria em casa e esse sentimento perdurou mesmo após a morte do cachorro.


Não foi a única vez que eu presenciei maus tratos em casa, mas foi o que mais me marcou.


Então, hoje em dia, eu já perdi a conta das vezes que eu e minha irmã( e o marido, claro) cuidamos de ninhadas que são abandonadas na rua da minha casa. E sempre conseguimos adotantes para cada filhotinho... E já chamei a polícia quando consigo descobrir quem abandonou.


A verdade é que nem sempre a maçã cai perto da macieira e as atitudes cruéis do meu pai com animais geraram em mim atitudes 100% opostas.


Foi mais ou menos o que eu respondi ao amigo que me perguntou a razão do apego aos animais.


E como eu não gosto de ficar lembrando de quando eu era pequena, me dá essa vontade de chorar, mesmo agora enquanto eu escrevo. Mas é bom exorcizar o passado,né?


Falando nisso, este blog é mesmo uma terapia, consigo dizer aqui coisas que eu havia enterrado há anos...


Meu pai?

Continua o mesmo, pelo que sei. Hoje vive sozinho, depois de deixar a mulher com quem viveu por dez anos numa cadeira de rodas que, dizem, foi em função de uma surra que levou dele. Mas isso eu não posso afirmar, e nem quero saber.

Alguém que escreve. Especialista em si mesma. Leitora que lê muito menos do que gostaria. Blogueira por paixão e profissão. Propriedade da Princesa e da Menininha, e de um cachorrinho muito levado chamado Bloguinho. Tentando viver. Sempre.

10 comentários , comente também!

  1. Querida, eu DUVIDO que você seja alguém que não se ligue a pessoas. Quem te disse isso, certamente não a conhece.
    Como você bem disse, aqui no blog a gente se mostra muito, diz quem realmente é. E pelo pouco que vi, desde que comecei a ler seu blog, você é super carinhosa com sua irmã (e cunhado) e sobrinhos.
    Sabe qual é a minha leitura?
    Você precisa ser conquistada. E depois que isso acontece... Bum!
    A gente passa a ser como seus cachorrinhos!!! Hehehehe (Isso não foi uma ofensa para mim!)

    Mas chorar e revisitar o passado é bom, expurga as dores da alma!

    Que Deus te abençoe, sempre!!!

    Beijão!!!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Elaine!

    Sabe que eu tenho a mesma sensação que vc? Eu sou muito mais apegada aos animais que às pessoas. O motivo disso, acredito eu, é que quando vc trata o animalzinho com carinho e respeito, ele sabe reconhecer isso e tornam-se companheiros inseparáveis!

    Com os animais, não há segundas intenções, ironia, mentira. Os sentimentos deles são verdadeiros. Respeito demais isso!

    Schopenhauer (já ouviu falar dele?) era um filósofo pessimista. Mas, pessimista em relação à humanidade e, portanto, tinha um cachorrinho no qual colocou o seu próprio nome nele.

    Tenho um lema: só serei completamente feliz quando souber que nenhum animal na face da Terra está sendo maltratado. Então, acredito que, nesta existência, não o serei completamente!

    Beijoquinhas!

    ResponderExcluir
  3. Querida, só quero te dar aqui um abraço. Bem forte! Fique repleta de luz! Beijão!

    ResponderExcluir
  4. Elaine, bom dia, querida...
    Eu também duvido que vc não liga para as pessoas....liga, se importa, chora, ri.
    Faça de sua vida o que é melhor por ela! Seja resgatando, seja adorando, ou até cuidando! Seja feliz!!!
    Um beijo enorme pra vc!

    ResponderExcluir
  5. acho que essa pessoa que fez esse comentário tão infeliz deve ser ressentida,seca e amarga da vida, nunca soube a felicidade de ter um animal na vida, de ter um amor verdadeiro sem interesse algum, então deixe esse ser humano pra lá com suas mazelas e continue com tuas lindas ações, que nessa vida ações são o que importam, fique bem em relação ao passado, ele serve para nos tornar o que somos hoje, pessoas melhores.
    Beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  6. Os Bichinhos são anjos de patas tem coração, sentimentos e são muito bondozos, o ser humano é um bicho idiota e sem restrições, pois ele usa da força para maltratar qualque serzinho inofencivo, acho que esse tipo de gente tem que ser maltratado como o bichinho foi.
    Vc tem o mesmo sentimento que tenho pelos bichinhos, mas nunca passei uma esperiência dessas na minha vida e se tiver que passar vou lutar pelos animais, só eles tem o dom de nos amar sem pedir nada em troca. Bjs

    ResponderExcluir
  7. Que fatos tristes,Elaine! E viste, essas pessoas acabam sós ou abandonadas...É a lei da vida, colhem o que plantaram...beijos,

    ResponderExcluir
  8. Nossa Elaine, que história difícil. Tenho algumas não só do meu pai mas de outras pessoas que conviveram comigo que se for lembrar. Por que será que não conseguimos deixar que o passado se vá, não é?

    ResponderExcluir
  9. Elaine
    querida
    que coração generoso e forte é o seu.
    não é a toa que é tão amada.
    se você gosta tanto dos bichinhos assim, faça-os felizes então.
    são criaturinhas de Deus, não são?
    um abraço muito carinhoso.

    ResponderExcluir
  10. Oi elaine, vc agora é minha psicologa virtual de verdade, pois aqui encontro perguntas e respostas, digo isso pq eu me sinto tipo assim: lendo seus post é como se tivesse frente a frente com vc, sei lá não sei explikr, axo q vc é mágica e lendo esse post voltei lá na mihna infancia que um dia assim como seu leão eu tmb ja fui amarrada e isso era ruim, pq assim como o leão era indefeso eu tmb era pq crianças e filhtinhos ñ sabem se defender, ainda bem que jesus levou ele, porque com certeza ele tmb ia fikr com marcas e sempre q acontecesse algo parecido ow não ele iria lembrar dos momentos ruins, pq isso é tão ruim, msm a gente ñ qrendo lembrar, cicatrizes ficam, ñ cicatrizes física mais na alma no coração. obrigadah por esse blog tão belo!!! eu amo está aqui. bjs

    ResponderExcluir

Olá! Muito obrigada por ler meu blog e obrigada também por se dispor a comentar meus posts. Seja muito bem-vindo(a)!

Importante!
Devido à falta de tempo hábil eu não me comprometo a responder perguntas referentes aos tutoriais postados neste blog.
Pedidos de ajuda individual serão respondidos conforme o meu tempo e disponibilidade permitirem.
Por favor, entenda: comentários sem relação alguma com o post não serão liberados e nem respondidos.

Para saber mais sobre a melhor forma de utilizar este blog leia Termos de uso do blog.



Muito obrigada, fique à vontade para interagir.
Mas lembre-se:
Gentileza, educação e boas maneiras servem também para a vida nos blogs…