Aqui o texto que desejar Aqui o texto que desejar
1 2 3

Corretivo: como escolher e como usar

no dia 22 de outubro de 2014

Depois de falarmos sobre as escolhas da base ( se não viu clique aqui ), trago um post bem parecido que lhe auxiliará na escolha de um corretivo.
Nos meus cursos recebo sempre a pergunta:
- É obrigatório o uso do corretivo?
A resposta é você mesma quem vai me dar. Na maquiagem nada é regra, tudo pode! Claro que o bom senso e o estilo de maquiagem que deseja contam muitos pontos na decisão do quê usar.

Se você tem uma pele que não precisa de muitas correções ( função do corretivo ), obviamente não fará uso deste produto, consequentemente terá uma pele menos carregada.
Mas se você ( assim como eu, abafa rsrs ) precisa de correções de manchinhas, ou olheiras, ou marcas de acne, ou até mesmo iluminar, não exite, siga em frente neste post!!! ;)

Escolhendo a textura do corretivo

Primeiro precisamos definir qual a cobertura que precisamos e saber o nosso tipo de pele, para então escolher a textura.
O corretivo assim como a base, pode ser de cobertura, leve, média e alta.
Os corretivos hidratantes, geralmente possuem uma cobertura extremamente leve, sendo utilizados somente para uma hidratação intensa na região abaixo dos olhos e não pode ser usado no restante do rosto.
Eles evitam e muito o efeito craquelado, que é ocasionado pela falta de hidratação da região ou pela textura do corretivo ser muito seca.
Mas não se engane, o corretivo muito oleoso também é vilão e pode acumular nas irritantes linhas finas de expressão!

Eu, particularmente, não indico, não gosto e não uso corretivo seco (aqueles compactos), dou preferência sempre para os líquidos e cremosos, que geralmente são de cobertura média a alta.

Abaixo da região dos olhos aplicamos sempre um corretivo 1 tom ( eu disse 1 tom somente meninas, para evitarmos o famoso efeito " panda invertido " rsrs ) mais claro que o tom da nossa base.

Por quê?
Porque desta forma criamos iluminação na região abaixo dos olhos, pois naturalmente é uma região mais "afundadinha" e tudo aquilo que iluminamos nós conseguimos um efeito de "trazer para frente", evidenciar...ou seja:  deixamos tudo no mesmo nível.
Mas existe uma forma correta de aplicação, que é em formato de triângulo invertido abaixo dos olhos, conforme foto abaixo!


Muito cuidado caso você tenha olheiras muito arroxeadas ou hiperpigmentação na região, pois pode deixar um efeito acinzentado.
Se este é seu caso, use corretivos colorido, para amenizar a coloração, base e só depois o corretivo para iluminar.

Corretivos coloridos?

Sim, eles são grandes aliados na uniformização do tom da nossa pele e para fazer a escolha certa, lembre-se sempre que o tom matriz da nossa pele é o marrom, então, utilizamos a regra de cores para encontrar o resultado perfeito.
Exemplo:
Para olheiras arroxeadas, utilizamos o corretivo amarelo...amarelo+roxo= marrom
Para manchas vermelhas, utilizamos o corretivo verde...vermelho+verde=marrom
Para manchas marrom, como melasma, vitiligo, usamos o corretivo lilás, pois ele quebra a coloração mais forte de marrom.

Opções em textura nos corretivos coloridos

Agora que já sabemos como utilizar os corretivos coloridos, vamos às opções que temos em textura.
A melhor opção é sempre testar na pele antes de comprar, mas os corretivos cremosos e líquidos, como citei acima, são os melhores por serem mais emolientes.

Gosto muito das versões Select CoverUp M.A.C, linha Velvet Contém 1G, ( coberturas média a alta ). Se optar por um corretivo em versão Pro Longwear ( para durar mais ), não esqueça que eles depois que secam oxidam, logo, eles escurecem!
Quer uma versão com cobertura altíssima? Full Cover - Make Up For Ever, como o próprio nome diz, cobre tudo rsrs, mas cuidado, pois é espesso, concentrado e pode marcar até as linhas que ainda estão para aparecer!!



O corretivo é aconselhável utilizar sempre depois da base pois assim ele só faz o serviço que a base não cumpriu, ou seja, você vai aplicar pontualmente onde ainda tem correções a serem feitas, manchinhas que ficaram evidentes.

Dica da Elaine para economizar na compra de corretivos e maquiagem em geral

Claro que a gente ama uma comprinha, e se ela vier com desconto, melhor ainda, né?
Experimente a loja Época Cosméticos.
Acesse aqui:
http://www.cupom.org/epocacosmeticos.com.br/
O site Cupom.org sempre oferece cupons com descontos que variam e podem chegar a 15% do valor total da compra.
E tem mais: além dos cupons de desconto (que podem chegar a 15%) tem brindes (como por exemplo uma mala Ralph Lauren grátis nas compras acima de 249 reais).
Navegue pelos cupons e divirta-se!


Espero que este post auxilie na escolha do seu próximo corretivo, caso tenha algo a acrescentar, ou queira dividir conosco o produto que usa e que recomenda, deixe nos comentários, vamos adorar saber!

Beijos

http://www.tupperwarecia.com.br/

Talharim com abobrinha e pimentões pronto em menos de 20 minutos

no dia 20 de outubro de 2014

talharim com abobrinha e pimentões
Eu tenho feito muitas receitas sem carne.
Não chegam a ser vegetarianas porque algumas vezes tem presunto, por exemplo, mas a maioria não leva nadinha nem de carnes nem embutidos.
E estou gostando muito.
Tenho percebido que eu não sinto falta exatamente do gosto das carnes, a gente aprecia na verdade os temperos.
E tenho experimentado algumas coisas, e essa que vou compartilhar hoje é uma que gostei muito.

Ingredientes da receita

Você vai precisar de:
500 gramas de massa fresca tipo talharim. Claro que pode usar a massa seca, pode usar espaguete, ou qualquer massa que queira mas nada se compara à textura e ao sabor de uma massa fresca boa, de qualidade. Experimente!
2 abobrinhas italianas cortadas em cubos pequenos, e do mesmo tamanho;
1 pimentão amarelo cortado em tiras e depois em cubinhos pequenos;
1 pimentão vermelho cortado igual ao pimentão amarelo;
4 tomates maduros, sem pele nem sementes, cortados em cubinhos pequenos;
2 dentes de alho bem espremidos;
1 cebola pequena raladinha ou cortada em cubos bem pequenos;
Azeite
Cheiro verde bem picadinho (nesse dia não usei);
1 cubo de caldo de legumes;
Azeitonas verdes fatiadas

Como preparar

Vou te contar meu passo a passo, tá?
Claro que se você é cozinheira não precisa nem ler, mas como meu blog recebe muitas visitas de garotas começando na cozinha, de meninos também começando, acho legal dar as dicas de como faço essa massa em 20 minutos.

Comece colocando a água em que vai cozinhar a massa pra ferver. Coloque sal, uma colher de sopa rasa para 3 litros de água. Não coloque nem óleo, nem azeite, nada. Só sal.

Enquanto a água ferve pique os vegetais, esprema o alho, pique o cheiro verde. Quando a água ferver mergulhe os tomates nela, espere 2 minutos, retire e a seguir coloque a massa pra cozinhar.

Retire a pele dos tomates e pique-os.
Leve uma panela de fundo grosso ao fogo, coloque o azeite e doure o alho. Junte a cebola, deixe ela murchar.
A seguir coloque os vegetais picados, e o caldo de legumes. Mexa sempre, devagar para os vegetais não grudarem no fundo.
Não coloque água. Tomate, cebola, e os demais soltam água.
Continue mexendo.
Quando a massa estiver cozida escorra-a, transfira para a travessa de servir.
Envolva a massa no molho, salpique cheiro verde.
E bom apetite!
Fica divino, simples, fácil, saudável e se tiver um vinho pra acompanhar fica ainda mais perfeito...
Mas um suco serve também, claro...
Faz aí e me conta...

Professora...

no dia 15 de outubro de 2014



Durante toda a minha vida escolar eu estudei em apenas duas escolas. E a que mais contribuiu para a minha formação foi, sem dúvida, a escola onde eu estudei desde a 1ª série. Não tanto pela escola em si mas sim pela professora que eu tive a dádiva de ter. Digo dádiva pois essa mulher ímpar foi a responsável pela minha alfabetização, tendo sido minha professora da 1ª à 4ª série. E foi ela quem suscitou em mim o maior amor que eu experimentei naqueles anos durante os quais emergia a pessoa que eu seria: o amor aos livros.

Naquela época a escola onde eu estudava não possuía ainda biblioteca. Era uma escola pequena, erguida bem no meio de um bairro pobre, de periferia mesmo. E que era frequentada por filhos de boias-frias, domésticas e migrantes. O mais próximo que estas crianças haviam chegado de um livro era o contato com as antigas cartilhas. Mas a minha professora era uma mulher incomum, muito à frente de seu tempo. Ela foi, a seu próprio custo e empenho, constituindo uma biblioteca dentro da sala de aula.
Naquele tempo cada professora tinha uma sala fixa, e nesta sala ficavam os armários onde ela guardava todo o material usado pelos alunos. Não sei se ainda hoje é assim, mas naquele época esse armário era um mistério para os alunos. E para as crianças da minha sala era um mundo mágico, encantado, maravilhoso! Aquele armário abrigava livros!!!


Todos os dias, depois que as crianças acabavam os trabalhos do dia, ela abria para nós aquele mundo cheio de figuras, de palavras que nós não conhecíamos ainda o significado, de personagens que nós não acreditávamos que não fossem reais!
No começo só podíamos ler os livros durante aqueles breves momentos entre o fim das tarefas do dia e a hora de ir para casa mas com o passar do tempo, e penso que principalmente vendo ela o quanto nos era custoso deixar o amigo no armário, pudemos enfim levá-lo para casa, para passar uma semana!

Eu era a que mais lia, com certeza! Aprendi a ler antes de quase toda a turma e encontrava na leitura um mundo muito diferente do que eu estava acostumada. Minha professora viu isso, colaborou para que isso se fortalecesse, me instigava e me motivava. O primeiro livro que ganhei na vida veio dela, uma beleza: Rosinha, minha canoa.
Ela sempre promovia competições de leitura entre os alunos e o prêmio era sempre um livro. Sempre um mundo novo que se descortinava...

E ela sempre elogiava os alunos que apreciavam os livros. Era capaz de descrever em detalhes livros inteiros, fazendo com que a gente quisesse muito ler cada um deles. Às vezes ela nos contava apenas uma parte do livro, e dizia que o resto quem contaria seríamos nós. Falava de seus autores preferidos e muito do que eu gosto ainda hoje é fruto desta influência.

Quando eu passei à 5ª série tive outras professoras, boas cada uma à sua maneira. Mas nenhuma me marcou tão definitivamente quanto ela. Ela, que me convenceu que um livro é uma porta aberta para o mundo; que me mostrou com seu exemplo que uma pessoa pode ser maior que sua origem; ela, que me ensinou que tudo o que apreendemos da leitura de um bom livro entra pela nossa mente e ninguém pode nos tirar pois passa a ser parte definitiva de nós.

Por tudo isso, por ter sido ela quem primeiro me mostrou que "um país é feito de homens e livros" é que sinto, no fundo do coração, ter sido esta professora de uma pequena escola de periferia o meu Monteiro Lobato.


Para Nora Gley Fiorin Bombig, com gratidão.


*Este texto foi publicado originalmente em 2009 para participar da Blogagem Coletiva:Quem foi seu Monteiro Lobato? promovida pelo blog Fio de Ariadne , e rendeu inclusive um reencontro emocionante com minha antiga professora.
Confira aqui.