A comida que a gente come- Blogagem Coletiva #52semanasdegratidão


Eu amo cozinhar.
Aprendi antes dos nove anos, na beira do fogão à lenha, e depois na beira de um fogão Dako de asinha, azul e branco. Quanta saudade eu tenho daquele fogão... do Dakinho azul e branco, não do fogão à lenha, que esse eu detestava...
Aprendi o básico com minha mãe, mas quem me ensinou fazer o mais básico de tudo, arroz, foi meu pai.

Um dia, eu mal alcançava a altura do fogão, ele me mostrou como fazia... me ensinou a cobrir o arroz com água, a ficar de olho pra não queimar...
Aprendi cozinhar as comidas que ele gostava: maionese, macarronada, frango ensopado, "sopa de mandioca", carne de porco... porque queria transmitir amor através da comida.


Daí, anos depois, com 12 anos, trabalhei em uma casa onde eu fazia o almoço. Fui aprendendo, testando, descobri que gostava. Inventava pratos, aprendia sozinha.
Sentia alegria quando elogiavam as comidas que eu fazia. Lembro de um patrão gostar muito da polenta recheada com molho de carne moída...


Hoje em dia cozinhar, pra mim, é uma prova de amor.
Parece clichê, mas acredito que a gente coloca no preparo da comida as nossas intenções, os nossos afetos, o nosso amor.
Gosto de cozinhar pra mim, para meu marido.
Gosto quando tenho mais tempo e faço uma comida mais caprichada, e mando um pouco pra minha irmã... acredito que a comida transfere afeto.
Confort food...

E me sinto imensamente grata pela comida. Amo comer, amo cozinhar, amo ter comida com fartura porque nem sempre foi assim pra mim e sei, com muita tristeza, que não é assim pra milhões de pessoas.
Tenho um profundo respeito pela comida...


Quando eu era menina uma professora ensinou que jamais devemos desperdiçar comida. Ela dizia que até os grãos de arroz que a gente deixa ir embora quando lava o arroz na pia deveriam ser preservados porque aquilo que a gente desperdiça está faltando na mesa de alguém. Isso ficou em mim de tal forma que toda vez que vou lavar arroz lembro dela e desse ensinamento.
Sou dessas... fico triste quando algum alimento se perde aqui em casa...


Como eu disse, sou muito, muito grata pela comida. Grata por quem plantou, por quem fez chegar até mim. Sou grata pela fartura de hoje, sou grata por viver num país tão incrível, basta jogar uma semente na terra e ela vira alimento.
Na casa onde minha mãe mora, onde eu cresci, sempre foi assim.
Cresci com pés de mandioca, milho, abóbora, caxi... que saudade eu sinto de caxi...
Basta plantar, e daí um tempo, colhe-se.

Não tem mandioca mais macia e saborosa que aquela da casa da minha mãe.
Nem cebolinha mais cheirosa...
Esses dias minha mãe mandou abobrinhas, colhidas de um pé que brotou sozinho no quintal dela. Não é um milagre?



Sinto uma alegria muito grande quando cozinho. Coloco amor, faço com amor, faço agradecida...
Sou grata por ter o dom de cozinhar bem, por ter aprendido cedo, e porque nunca foi um peso ou uma imposição. Aprendi porque precisava, mas levei adiante porque gosto.

Muita gratidão pela comida que vai estar em meu prato hoje...
E pela comida que vai estar em seu prato hoje, querido leitor...
E, além da gratidão, esperança...
De que essa comida um dia não falte no prato de mais ninguém nessa Terra...


Dica: em cada imagem do post tem uma receita linkada. Clique pra ver, tudo coisa gostosa!


*Todas as imagens deste post são uma cortesia Shutterstock.

Venha participar com a gente da Blogagem Coletiva #52semanasdegratidão!

Importante: só serão aceitos os links dos posts que participam da BC #52semanasdegratidão. 
Não insira o link de seu blog se não está participando, ok?
Caracteriza participação na BC #52semanasdegratidão o post que estiver dentro do tema e exibir o selo e o link da blogagem, seja no post ou na sidebar do blog.
Posts aleatórios sobre outros temas não serão aceitos no Painel da Gratidão.
Por favor não insista.


QUERO LER O POST COMPLETO

Antepasto de berinjela- pronto em 5 minutos!

Antepasto de berinjela- pronto em 5 minutos!

Antepasto, caponata... cada um chama de um jeito, mas isso pouco importa. Importa que fica bom demais! Seja pra acompanhar um pão ou torrada, pra comer com arroz fresquinho... até como molho pra macarrão eu uso.
Vou te contar como faço, tá? Facinho, fica pronto em 5 minutos contados!


Como fazer caponata (ou antepasto) de berinjela em 5 minutos


Ingredientes:
1 pimentão vermelho cortado em tiras;
1 pimentão amarelo cortado em tiras;
1 cebola grande cortada em rodelas ou em formato de meia lua;
2 berinjelas cortadas em cubos ou tiras;
1 tomate grande cortado em cubos;
2 dentes de alho espremidos (pode colocar mais se gostar, eu prefiro mais suave);
uva passa preta à gosto;
100 gramas de azeitonas fatiadas;
100 ml (mais ou menos) de azeite;
50 ml. de vinagre ou aceto balsâmico.

Modo de fazer:
A parte mais demorada é cortar os vegetais.
Olha como eu costumo fazer (mas você corta como achar melhor, claro):



Tudo cortadinho?
Coloque os vegetais na panela de pressão, salpique sal à gosto (uma colher de sobremesa rasa, em média), coloque o azeite e o vinagre (ou aceto balsâmico), as uvas passas e as azeitonas.
Tampe a panela e leve ao fogo.
Sim, mig@, sem colocar água.
Assim que a panela pegar pressão conte exatos 5 minutos.
Depois desse tempo desligue o fogo e deixe a pressão sair naturalmente.
Tá pronto seu antepasto de berinjela.

Depois de frio guarde em um pote (preferencialmente de vidro) na geladeira.
Por causa do vinagre (ou aceto balsâmico) aqui em casa dura mais uma semana.
Não sei a durabilidade exata, mas nem vai demorar tudo isso pra comer, né? Fica tão bom que acaba rapidinho...
Quer uma torradinha?


Você tem outra receita ou outro jeito de fazer?
Compartilha com a gente!



QUERO LER O POST COMPLETO

A importância da manutenção dos equipamentos de ar-condicionado


Com a intenção de fornecer uma melhor qualidade do ar no ambiente, equipamentos modernos de ar-condicionado podem trazer inúmeros benefícios e vantagens para todos os que usufruem de seus atributos.

Tanto no que diz respeito a refrescar o local e fazer com que a temperatura fique agradável, como também no bom funcionamento do equipamento, a manutenção periódica pode favorecer a saúde dos usuários e impedir que alguns tipos de bactérias se propaguem pelo ar, assim como também mau cheiro e fumaça de cigarro.

O ar climatizado é filtrado e quando utilizado com responsabilidade melhora consideravelmente a disposição das pessoas que estiverem no local, nesse caso, em um escritório, por exemplo, um ar de qualidade pode realizar melhorias na mão de obra colaborativa, e reduzir completamente as ocorrências de mal-estar que atrapalham o dia laboral.


Manter o sistema de ar-condicionado com boa manutenção gera diversas vantagens para seus usuários, entre elas:


  •  Controle da temperatura
  •  Controle da umidade relativa do ar
  •  Velocidade dos distribuidores e ventiladores
  •  Controle na concentração do gás refrigerador
  •  Eliminação de fungos através da filtragem
  •  Aumento na vida útil dos equipamentos
  •  Redução do consumo de energia


Afinal de contas não basta somente possuir um bom sistema de ar-condicionado!
Ele precisa estar em bom estado, recebendo as manutenções periódicas e principalmente a limpeza para que as bactérias e fungos não se alojem nas tubulações e no equipamento, fazendo com que a saúde das pessoas sejam prejudicadas.

Quando o equipamento carece de manutenção, normalmente a sujeira faz com que as pessoas se enfermem, e acabem colocando a culpa no ar condicionado, sendo que na verdade, as bactérias estão se espalhando no ar devido à falta de manutenção do equipamento, e não por causa da temperatura do ar em si como muita gente pensa.


As empresas mais robustas nesse tipo de segmento conseguem fornecer equipamentos modernos assim como também a mão de obra necessária para mantê-los na mais perfeita condição, assim como a www.arcondicionado.com.br, empresa que se destaca no ramo de forma considerável.

Tanto com o uso residencial como também empresarial o ar-condicionado é uma necessidade nos dias atuais, e pode ser bem utilizado através de cuidados simples que devem ser observados periodicamente para melhorar a qualidade de funcionamento, assim como também, distribuir um ar que esteja climatizado e dentro dos padrões estabelecidos de qualidade.
QUERO LER O POST COMPLETO

Como adicionar Rich Pins em um blog do Blogger?

Como adicionar Rich Pins em um blog do Blogger?

Você é usuário do Pinterest?
Se já é com certeza deve ter percebido que ele, o Pinterest, é uma ferramenta poderosa na divulgação dos posts do blog, né?
Se não usa ainda para essa finalidade, não tem ideia do que está perdendo!

Hoje nós vamos falar de algo que ainda não encontrei um tutorial em português que fosse eficiente e desse resultado de fato: Como adicionar Rich Pins em um blog do Blogger.
Não sabe o que são os rich pins?
Vem comigo, vou te explicar e você vai amar descobrir!


Quando "pinamos" uma imagem no Pinterest e ela é proveniente de um blog que não tem os rich pins ativados essa imagem aparece assim, no Pinterest:


Sem maiores informações, percebe?

Quando o blog tem os rich pins ativados a imagem aparece assim, com descrição, favicon do blog, nome do post, nome do autor e mais informações, como no exemplo que capturei de um pin do blog Reciclar e Decorar:



Percebe as informações? Nome do blog antes da imagem, logo do blog, nome do autor, resumo do post, etc...
Mas você pode se perguntar:
Qual a vantagem?
Muitas!

Além de ficar mais completo e rico, pins validados aparecem melhor posicionados no Pinterest, tanto na página inicial quanto nas pesquisas internas.
E também aparecem melhor posicionados nas pesquisas Google.
Legal, né? Quer aprender como tornar os pins de seu blog ricos e lindos?
Vem comigo! Vamos aprender!


Para funcionar você precisa ativar a Descrição da pesquisa em seu blog.
Se já fez isso, ok, passe para a próxima etapa.
Se ainda não fez siga esse passo-a-passo:


Como ativar a Descrição da pesquisa em blogs do Blogger?


Vá ao painel administrativo de seu blog e clique na aba Configurações.
A seguir clique em Preferências de pesquisa.
No campo Metatags clique em Descrição.
Se já tiver algo aí significa que sua Descrição da pesquisa está ativa. Deixe como está e passe para a próxima etapa.
Se, contudo, aparecer assim:


significa que você precisa ativar.
Clique em Editar e na caixinha que aparecer escolha Sim e digite a descrição de seu blog em até 150 caracteres. Salve.

À partir daí, sempre que você fizer um post verá, na lateral direita de seu editor de postagem, um campo denominado Descrição da pesquisa.
Clique nele e a área expandirá. Nessa área você precisa digitar a descrição de sua postagem, sobre o que ela trata, etc. Depois de pronto, salve e publique seu post normalmente.
Isso é essencial, ok?
Não só por causa do Pinterest, mas por causa do Google+, do Facebook, etc.
Todas as redes sociais onde você ou algum leitor seu compartilhar seus posts vão buscar e renderizar essa descrição. Portanto, nunca a esqueça!

Descrição da pesquisa ativada? Vamos ao tutorial que ensina como adicionar rich pins à um blog do Blogger!



Como adicionar rich pins à um blog do Blogger


Em todos os tutoriais que achei pela internet afora sempre faltava algo e o rich pin não validava.
Levei algum tempo pra juntar algumas dicas colhidas de sites americanos e montar o código que funciona sem erros e que venho usando no blog há mais de 1 ano.
É esse código que vou compartilhar, bem como o passo a passo de como inserir os rich pins em seu blog do Blogger.

Para começar você precisa acessar a aba Modelo de seu blog.
Aí clique em Editar HTML e dentro da caixa de código tecle Ctrl+F.
Na barra de busca que expandir cole isso:



E tecle Enter para localizar.
Abaixo desse comando cole este código:


Copiar o código


Altere onde está SEU NOME AQUI pelo seu nome, aquele que usa para assinar/identificar seus posts. Não precisa ser o nome de seu perfil Pinterest, é o seu nome, de autor do blog, ok?
Preste atenção ao que vou explicar:
Eu escolhi a tag "article" para definir meus rich pins.
Há as seguintes opções:

  • Article Pins
  • Movie Pins
  • Place Pins
  • Product Pins
  • Recipe Pins
  • Reference

Escolha qual se encaixa melhor no tema de seu blog e troque a palavra article do código pela palavra que você escolher.
Exemplo: se seu blog é um blog de receitas escolha recipes e troque article por recipes.
E assim por diante.
Ok?
Feito isso, salve.

Estamos terminando. Agora vamos validar seus rich pins.
Clique Pinterest’s Rich Pins Validator.
Na página que abrir coloque a url de um post seu, que tenha a descrição da pesquisa, no campo indicado. Assim:


Colocou o endereço de seu post? Veja bem, é endereço de um post, ok
Clique em Validate.
Caso tenha dado tudo certo vai aparecer essa página:

Clique então em Apply now.
Está feito!

Mas atenção!
Pode demorar um pouco para que o Pinterest valide seus rich pins. Essa demora varia de horas até semanas, mas assim que for feita será aplicada à todos os seus pins, novos e antigos.

Gostou do tutorial?
Aproveite e siga meu perfil lá no Pinterest:

Elaine Gaspareto


Aproveite o tutorial, estude-o até entender, aplique em seu blog!
E caso queira me fazer uma gentileza compartilhe esse post em suas redes sociais, curta, divulgue...
Eu ficarei muito feliz e grata...
QUERO LER O POST COMPLETO

Por que presenteamos os recém-nascidos?

Por que presenteamos os recém-nascidos?

Aqui no Brasil, toda vez que nasce um bebê, as pessoas que vão visita-lo levam presentes.
Você já se perguntou o motivo disso?
Digo, o motivo eu sei, é um "seja bem-vindo!", mas o que eu pergunto é: de onde vem o costume de presentear um bebê recém-nascido?
Você sabe?

Eu tinha minhas desconfianças, mas fui pesquisar mais profundamente para saber e ver se eu estava certa, errada ou meio certa e meio errada.
Vou te contar o que descobri!


Em países de tradição cristã/católica o costume de presentear um bebê vem da visita que os 3 reis magos Baltazar, Melchior e Gaspar fizeram à Jesus, recém-nascido, na manjedoura.

Eles levaram, de acordo com a Bíblia: ouro (para o Rei), incenso (para o sacerdote) e mirra (para o homem).

Aqui há uma explicação bem completa sobre o significado dos presentes que Jesus recebeu.
São mencionados apenas no Evangelho segundo Mateus e seus nomes não são citados.
Mas a Tradição, amparada nos escritos de São Beda, os nomeia e descreve:
" Belquior era velho de setenta anos, de cabelos e barbas brancas, tendo partido de Ur, terra dos Caldeus. Gaspar era moço, de vinte anos, robusto e partira de uma distante região montanhosa, perto do Mar Cáspio. E Baltasar era mouro, de barba cerrada e com quarenta anos, partira do Golfo Pérsico, na Arábia Feliz."
Daí vem o costume de presentear os bebês, como eu disse, nos países de tradição cristã/católica.

Mas, e pelo mundo afora? Existe o hábito de presentear os recém-nascidos?
Sim, existe!
De formas diferentes, com nuances culturais diversas, e com base em outras tradições ou lendas, o costume existe!
Veja algumas curiosidades:


Japão
No Japão, para celebrar o nascimento (Go-shūssan iwai) é costume dar brinquedos, roupas ou até mesmo dinheiro durante a primeira semana de vida do recém-nascido.

Para retribuir o presente ou o dinheiro, os pais normalmente enviam uma lembrancinha com a inscrição do nome do bebê.





Tradição cigana:
Presentear sapatinhos vermelhos tem seu significado em um antigo costume cigano que simboliza proteção e o desejo de boa sorte, saúde e felicidade para o resto da vida.
De acordo com a lenda que envolve os sapatinhos, cada bebê escolhe um casal para ser seus pais.
Mas havia um que estava muito preocupado com sua nova experiência.

Percebendo as dúvidas do pequeno, apareceu a Mestra que tem o poder de sentir todas as coisas. Ela colocou a mão em sua cabeça e falou: “Tenha confiança. Para que sua vida na Terra seja tranquila eu enviarei um amuleto sob a forma de presente, garantindo sua saúde e felicidade".

O destino reservou que aquele bebê nascesse numa família de ciganos europeus. E o primeiro presente que recebeu foi um par de sapatinhos
vermelhos que ele usou e guardou para sempre. O bebê cresceu e tornou-se muito conhecido e respeitado por todos, assim como seu amuleto. A
partir de então, a tradição de dar sapatinhos vermelhos para os recém-nascidos se espalhou pelos cinco continentes."



Finlândia:
Na Finlândia o governo distribui a caixa para bebê, que contém roupas, fraldas, brinquedinhos, etc.
É muito comum, inclusive, que o bebê durma na caixa nos primeiros meses.

A baby-box também é entregue na Escócia e está sendo implementada em alguns hospitais do Reino Unido.


Na caixa tem presentes para os recém-nascidos e as mamães, tem até camisinha :)
A baby-box, além de presentear, tem contribuído para reduzir a taxa de mortalidade nos países onde está implantada.
Demais, né?


Reino Unido:
No Reino Unido, quando do nascimento do Príncipe George, os primeiros 2013 bebês que nasceram no mesmo dia receberam uma moeda de prata comemorativa, edição exclusiva e limitada.

A tradição é antiga e não é exclusiva dos britânicos. Remonta, segundo a lenda, ao nascimento de Alexandre, o Grande!




China (e Coréia):
Na China e Coréia, quando um bebê completa 30 dias (ou 100 dias, depende da região) ele é finalmente apresentado à família e recebe presentes variados.

Antes disso o bebê e a mãe devem sair de casa o mínimo possível, para evitar riscos à saúde de ambos.
A tradição vem do tempo em que a mortalidade infantil era alta, antes do avanço da medicina.

Um presente comum é dar anéis ou pulseiras de ouro ao bebê e depois, quando a criança crescer, o acessório é transformado em uma joia para a filha (se for menina) ou para a futura esposa do filho (se for menino).
Também são dados, em especial na China, envelopes com dinheiro, os Li-shihs.
E roupinhas, vermelhas de preferência, para simbolizar boa sorte e prosperidade.


Turquia:
Na Turquia a tradição é dar ao recém-nascido uma medalhinha de ouro, que depois será vendida pelos pais. Sim, isso mesmo.

O dinheiro vai ajudar a compra do enxoval da criança pois lá não existe a tradição do chá-de-bebê.




Muito legal, né?
E aqui no Brasil, quais são os presentes mais comuns dados ao recém-nascido?

Aqui é costume presentear com roupinhas, com brinquedinhos, e se for alguém bem próximo do bebê, uma joia (alô madrinhas!), etc...

Mas quero deixar uma sugestão simples, muito útil e bem em conta (tempos de crise, quem nunca?) para você presentear o bebê que acabou de chegar ao mundo!
Produtos de higiene, by Cotton Line.


Uma amiga da minha irmã terá bebê em breve e estamos montando um kit com produtinhos Cotton Line, empresa parceira do blog.
Vamos adicionar um body aos produtos, minha irmã vai enfeitar uma caixinha, revestir com tecido (eu, duas mãos esquerdas, lembra?) e pronto, um presente simples, econômico e muito útil!

Vou usar no kit as hastes flexíveis com pontas de algodão, o algodão colorido em bolas, o algodão branco, as toalhinhas umedecidas e os lencinhos umedecidos.
Não tinha no momento mas o ideal é esse, sem perfume, indicado especificamente para recém-nascidos.

E se o bebê que você quer presentear for menino (e você preferir os detalhes em outra cor) tem assim, em azul, olha que lindo:


Não é uma dica legal?
Então, #ficaadica: presente útil e fofo para um bebezinho? Produtos da linha Baby Care by Cotton Line!


Aqui em casa usamos (os humanos, os caninos e os sobrinhos grandes e pequenos...) e recomendamos os produtos Cotton Line.
Jamais recomendaria algo que não conhecesse e aprovasse.
Conheça os produtos da marca.
Procure na sua farmácia ou supermercado, e se não achar peça ao responsável para disponibilizar.

QUERO LER O POST COMPLETO

Amor que suporta- Blogagem Coletiva #52semanasdegratidão


Sentada no lado do passageiro, dentro do carro, eu olho de soslaio para meu marido.
A expressão cansada, os olhos fundos, fixos na estrada, as mãos bonitas, uma no volante e a outra na troca de marcha, o cabelo tão preto... a barba cerrada, tão bonita, cheia de fios brancos.
Ele percebe meu olhar fixo, "que foi?"
"Nada, tô olhando, pode não?"
Ele ri, sabe que sou assim, nunca consegue decifrar o que estou pensando.

Nesse momento penso em como sou grata por ele ser meu marido. Penso em como fui abençoada nessa vida, em como tenho sorte de tê-lo...

De vez em quando acontece, aqui no blog (e na vida), de alguém me elogiar por ser forte pra ele, por ser cuidadosa, por ficar ao lado dele, por brigar por ele.
Não me elogie. De jeito nenhum. Porque a verdade verdadeira é que a melhor parte de nós é ele.

Ao longo dos nossos anos juntos (nos conhecemos em 1992, casamos em 1995) esse homem sempre foi muito gentil e muito tolerante comigo.
Ele nunca me decepcionou, nunca foi rude, nem perdeu a paciência comigo.
E, acredite, eu mesma perco, muito amiúde, a paciência comigo.

E eu sei, de um modo que não deixa dúvidas, o quanto já o decepcionei, o quanto já fui rude e o quanto já perdi a paciência com ele.
E ele nunca, de jeito nenhum, nunca revidou.
Porque ele é essa pessoa gentil, amável, doce. Assim como meu sogro, é de pai pra filho, só pode...

Ele é perfeito? Não, claro que não.
Mas pra mim, para a pessoa que eu sou, ele é.
Nem se eu procurasse pelo mundo todo acharia um marido mais "desenhado pra mim" do que ele...

Sabe, eu sou muito limitada. Tenho muitas deficiências, como pessoa, como esposa. E ele nunca me culpou por nada do que ele não viveu por estar comigo. Ele nunca exigiu aquilo que eu não poderia ser.
E isso é, pra mim, um motivo imenso para me sentir grata.


Quando ele foi diagnosticado com EM eu disse algo que vale pra sempre: a situação de saúde dele é uma oportunidade para mim. Para retribuir, nem que seja um pouco, tudo o que ele fez e faz por mim todos os dias.
Claro que a doença é ruim, mas odiá-la não a fará ir embora, então aprendemos, eu especialmente, a extrair de uma situação sem jeito algo positivo. E, no meu caso, é a chance de ser pra ele o melhor apoio e amparo que eu puder, por quanto tempo ele precisar. Para sempre.


Uma vez, conversando com a Margaret, eu disse algo que ilustra bem como me sinto:
"Nasci para este homem, para viver com ele para sempre. Ele é o homem da minha vida".
E a verdade é que fui agraciada com ele, me sinto muito grata por ele viver comigo, por ele estar comigo em qualquer situação.
Ele é daquele tipo de marido que faz tudo que eu peço, sabe como é?
Tudo que está ao alcance dele ele faz para me ver feliz.
No dia que eu conseguir ter ao menos metade da bondade dele eu serei uma pessoa melhor.
Ele me inspira, me apoia, me anima, me ampara, me ajuda. Ele me suporta.


Acha estranho eu dizer que ele me suporta? Não, não é estranho, é lindo!
Suportar vem de dar suporte, de amparar, de apoiar.
A gente costuma usar a palavra suportar no sentido de aguentar com esforço, de sacrifício, mas não é nesse sentido que uso a palavra aqui.
A palavra vem do latim e originalmente quer dizer "levar algo ou alguém de baixo para cima".
Não é lindo?

Então, sou grata porque esse homem, meu marido, me suporta.
Ele me eleva, me leva de baixo para cima. Me sustenta.
Ele me faz melhor, e isso é o que é mais lindo em alguém que amamos: a capacidade de nos tornar melhores...
Não é?



Venha participar com a gente da Blogagem Coletiva #52semanasdegratidão!

Importante: só serão aceitos os links dos posts que participam da BC #52semanasdegratidão. 
Não insira o link de seu blog se não está participando, ok?
Caracteriza participação na BC #52semanasdegratidão o post que estiver dentro do tema e exibir o selo e o link da blogagem, seja no post ou na sidebar do blog.
Posts aleatórios sobre outros temas não serão aceitos no Painel da Gratidão.
Por favor não insista.



QUERO LER O POST COMPLETO

Dica de série (excelente): This is Us

Dica de série (excelente): This is Us

Há séries que chegam na vida da gente assim, despretensiosamente, sem que a gente dê atenção no começo.
A gente lê sobre ela, alguma imagem chama a nossa atenção, mas por vários motivos deixamos de lado.
Até que um dia ela, a série, nos pega de jeito.

E é exatamente desse tipo de série, que te pega pra sempre que quero falar hoje.
Sim, precisamos falar de This is Us, mig@s!


Conheci a série por acaso, li uma resenha por aí e era tão bem escrita que achei que valia a pena.
Assisti ao piloto, que geralmente dá a medida do amor ou do ódio que a série vai despertar em mim.
E foi amor puro, à primeira vista, impossível não grudar na série.
Veja o resumo:

As vezes a vida pode surpreender você.
Com Mandy Moore (Um Amor para Recordar), Milo Ventimiglia (Heroes, Gilmore Girls) Justin Hartley (Revenge), Chrissy Metz (American Horror Story: Freak Show) e Sterling K. Brown (American Crime Story), essa nova e provocativa série segue um grupo de pessoas cujos caminhos se cruzam, fazendo com que suas histórias se entrelacem de maneiras muito curiosas.
Descobrimos que vários deles partilham da mesma data de nascimento e muito mais do que podemos imaginar. 

À partir daqui tem spoilers do primeiro episódio, tá?
Se você não aguenta spoilers pare por aqui e vá ver as outras dicas de filmes e séries que já postei por aqui.
Ok?
Ok.

Já que você ficou, vou te falar da série, o que eu achei do piloto e dos episódios que já vi até aqui.
No piloto vemos Jack e Rebecca grávidos, à espera de trigêmeos.
Coisa mais linda do mundo ver um casal tão apaixonado... é impossível não se apaixonar pelo Jack de Milo Ventimiglia: amoroso, dedicado, apaixonado pela família. E a primeira cena do episódio é ele pelado, bumbum de fora. Tem como ser mais interessante? Tem não...

De Rebecca sabemos pouco no piloto, mas nos episódios seguintes vamos descobrindo a mulher incrível, a mãe maravilhosa que ela se torna...
E Mandy Moore é aquela coisa linda, né? A gente ama só de olhar, e de ouvir (a bonita canta que é uma beleza).


Também somos apresentados aos gêmeos Kevin e Kate.
Ele, um ator de sitcom lindo, perfeito, privilegiado, frustrado, chato...
Ela, uma mulher linda, seriamente obesa, cuja vida gira em torno disso, do peso.
Aliás, numa cena de um dos episódios futuros, ela diz exatamente isso: "Sempre será sobre meu peso. Entro num lugar e fico tensa: será que a cadeira vai me aguentar:  Será que passo naquela porta?"
Kate, eu te entendo.


E há Randall.
Ele foi abandonado recém-nascido na porta do quartel dos bombeiros, enrolado em um cobertor velho.
No piloto vemos sua busca pelo pai biológico, e sem enrolação, o encontro dos dois.
Nada de drama, muito legal a cena.
E o desenvolvimento dessa relação é a coisa mais linda da série, até os 13 episódios que já vi.
Randall é casado com Beth e tem 2 filhas.
Ele é, sem sombra de dúvida, o mais parecido com Jack: pai perfeito, marido perfeito, tô apaixonada... por ele e pela Beth. Que mulher linda, risada gostosa, companheira, apaixonada...



Ao longo do piloto vamos tendo pistas de qual é a relação entre os personagens.
Confesso que matei a charada na hora que o médico que faz o parto de Rebecca diz o nome dele, ou melhor, a maneira como o chamam: Dr. K.
Kate e Kevin, os gêmeos... devem o nome ao médico.


Também desconfiei da linha temporal de Jack e Becca ser diferente dos gêmeos e Randall. Não pelo figurino ou cenários  (que nesse piloto são quase neutros, enganam mesmo, só se revelam na cena do hospital...), mas por detalhes, sabe?
Em 2016 nenhum bombeiro fumaria no berçário de um hospital...
Depois de um capítulo achando que o casal Becca e Jack estão na mesma linha temporal que nós, descobrimos que a história deles se passa há mais de 30 anos.

Aí restava saber o que houve com o terceiro bebê (Becca grávida de trigêmeos, lembra?).
Não é difícil imaginar: ele não sobrevive, e quem vai para casa com a família é o bebê achado na porta dos bombeiros... Randall.
Essa eu só entendi no final, ao ver a foto de família...

Nos episódios seguintes a gente vai entendendo melhor cada personagem, vai vendo exatamente como cada um chegou a ser o que é, e onde está Jack, o big daddy...
Vemos Rebecca, vemos os meninos em fases distintas, a série vai e volta no tempo, é muito legal. É como um quebra-cabeças, a gente quer ver os episódios pra entender como as peças se encaixam.


E elas se encaixam, perfeitamente. Cada pequena cena tem um motivo, cada palavra está no lugar, cada ação tem um porquê.
E tem o elenco!
Muito bom, cada ator perfeito em seu personagem, e as crianças... escalação perfeita!
Impossível não derreter com a meiguice da Kate e a doçura do Randall.
Quero aquele menino pra mim, pessoinha incrível demais!


Um comentário meu:
Em um dos episódios vemos como era a vida de Jack e Becca antes da gravidez. Jovens, recém casados, com problemas, com um amor maior que tudo.
Fiquei pensando em algo que li anos atrás: a gente pensa que a vida dos nossos pais começou no dia que a gente nasceu.


Raramente pensamos neles como pessoas jovens, que iam em bares se divertir, que saíam com os amigos, que tinham os mesmo problemas da gente...
Nunca pensamos na nossa mãe grávida, nas dúvidas dela, nos medos, nas certezas.
Nunca pensamos em nosso pai jovem, com a esposa grávida, surtando.
Nos sacrifícios que ele pode ter tido que fazer...

A série This is Us me fez pensar porque mostra pais e filhos, cada um em sua própria linha temporal, mais ou menos na mesma idade... como é interessante pensar nos pais não como pais mas como pessoas...



This is Us não é daquelas séries grandiosas, bem ao contrário. Ela é intimista, é íntima, é delicada.
Dos 13 episódios que já vi não teve nenhum que não saí com os olhos inchados de chorar.
Mexe com a gente, faz a gente pensar, faz a gente ter fé na vida, na bondade, no amor.


Você já conhecia? Ficou com vontade ver?
Conta pra mim!
Eu não gosto muito, mas como a série ainda não é exibida no Brasil tem a opção de assistir This is Us online.
Dá pra ver online ou baixar :)

QUERO LER O POST COMPLETO

Tag Literária- para quem é apaixonado por livros!


Nos idos de 2008 (sempre quis dizer isso: nos idos...) quando eu comecei este blog, era muito comum uma forma de interação entre blogs que a gente chamava de meme.
Meme nada mais era do que o que hoje em dia, 2017, a internet chama de tag: um tema, algumas perguntas e alguns indicados para postarem em seus blogs ou canais as próprias respostas.

Todo mundo já viu, claro, seja em blogs ou em canais do Youtube, e recentemente tenho visto em alguns perfis do Facebook.
E foi lá, no Facebook, que eu achei essa tag e senti uma nostalgia imensa daqueles tempos do blog, dos memes, dos selos...

E pensei: por que não levar para o blog, responder, convidar algumas pessoas para participar (e deixar aberto para quem quiser) também?
Então escolhi uma tag da qual gostei e trouxe para o blog.
Chama-se Tag Literária, e eu gostei muito!
Vem ver minhas respostas!
No final deixo meus indicados para responder, mas fique à vontade se quiser levar a brincadeira para seu blog!


Respondendo à Tag Literária



1. Nunca li:
Nenhum livro da saga Harry Potter (J.K Rowling).

Sim, eu sei, o mundo leu e/ou viu os filmes.
Eu não li, e nem lerei... implicância, falta de apelo, sei lá...
Quando os livros foram sendo lançados eu estava em outra fase da vida, e o tema não me atraiu em nada.
Depois, com o passar dos anos, as resenhas que lia, o que ouvia falar da saga... aí sim é que fui tomando aversão mesmo. Ai, gente... me deixa rsrsrs


2. Não sinto vontade de ler: 
A culpa é das estrelas- John Green

Sabe, eu tenho um problema com obras que a mídia "endeusa" demais.
Foi assim com Como eu era antes de você, nem o filme fui ver porque queria ler o livro antes. Ai não li o livro e a vontade passou...
Acho que por ler tanta resenha, ler tanto review do filme, ver tanto meme com as imagens... sei lá, cansei antes de ler.
Não sinto vontade, dificilmente lerei, especialmente considerando a fila imensa que tenho e que não sai do lugar há muito tempo...


3. Ninguém que eu conheça leu, mas eu gosto:
A voz do coração- Barbara Taylor Bradford

Tenho um exemplar há muitos anos, li e reli, gosto muito, muito, muito.
Mas nunca achei ninguém que tenha lido...

A estória é bem bonita e triste, e os personagens sãoincríveis... cometem tantos erros, pagam por eles ao longo de décadas...
Impossível não odiar Katherine Tempest, e depois é impossível não querer abraçar Katherine Tempest.
Complexa, detestável, apaixonante...


4. Último livro que eu li:
O diabo veste Prada- Lauren Weisberger

Sim, li recentemente, anos depois de ver o filme.
Gostei do livro, assim como gostei do filme.
Mas sabe? Ler o livro depois de ver o filme é meio estranho.
Primeiro que a gente não consegue tirar da cabeça os atores e atrizes que encarnaram cada personagem.
E depois porque a gente fica comparando o roteiro do filme com o livro. Ruim, prefiro sempre ler o livro antes...



5. Tenho preguiça de ler: 
As crônicas de gelo e fogo- George R.R. Martin

Sim, heresia, eu sei.
Até comprei um box com os volumes já lançados mas me deu um desânimo...
Ando numa fase mais lenta, e sagas grandes me desanimam, especialmente se ainda não estão concluídas.
Também nunca vi nenhum episódio da série.
Mas lerei, quem sabe quando tio George concluir a saga...



6. Livro da minha vida:
...E o vento levou- Margaret Mitchell

Livro da minha vida é exagero, mas um livro que amo e guardo o exemplar que tenho com muito zelo é ...E o vento levou.
Esse é um raro caso onde ter visto o filme antes não me impediu de amar o livro dicunforça.
Amo tanto que tenho inclusive a "obra complementar" O clã Rhett Butler... que não, claro, escrito pela autora mas ainda assim é bem interessante e bem feito.
Ele reconta basicamente a mesma estória mas do ponto de vista de Rhett Butler, meu anti-herói favorito desde sempre...



7. Leria de novo: 
Trilogia O Século, de Ken Follet.

Gente é uma trilogia daquelas, cada volume é imenso, mas é tão perfeito, tão bem escrito, faz a gente mergulhar tão profundamente na História (sim, História com H maiúsculo mesmo) que minha vontade é deixar a fila dos não-lidos e mergulhar de novo na trilogia.
É perfeita, reconstituição histórica primorosa, personagens inesquecíveis. Pronto, deu saudade, quero ler de novo rsrsrsr


8. Tenho vergonha, mas li e gostei: 
Diários do Vampiro- L.J. Smith

Não diria vergonha, porque penso que nada do que lemos é vergonhoso. Sempre serve pra alguma coisa, algum aprendizado.

No caso específico da saga Diários do Vampiro eu li assim que foram sendo lançados, e tempos depois vi a série (que está sendo finalizada na 8ª temporada).
Os livros não têm quase nada a ver com a série, apenas a premissa.
São ambos bons, livros e séries. Eu gostei. Me julguem rsrsr.


9. Muita gente leu e gostou e eu detestei:
A trilogia 50 tons de cinza.

Detestei tanto que me recuso a ver os filmes.
Tomei tanta birra do falso galã, da mocinha mega-ultra chata, da insuportável "deusa interior" dela...
Gente, acho inacreditável que alguém veja nessa trilogia um romance.
Aquele homem manipulador, aquela moça boba, as cenas mal escritas de sexo.. Não consegui terminar a trilogia não. Parei no meio do segundo livro...


Para participar da brincadeira comigo, responder à tag em seu blog e chamar mais 5 pessoas para fazer o mesmo eu convido:




Convidei nomeadamente essas pessoas que sei que amam os livros, mas claro, a brincadeira é aberta e você pode/deve postar suas respostas em seu blog, se sentir vontade.
Tudo leve, livre, lindo...


Se responder a tag em seu blog me diz, vou gostar muito de ver suas respostas!
Aproveite e comente nesse post:
Você gostou? Leu os livros que eu citei? Concorda comigo ou discorda dicunforça?
Vamos papear?

QUERO LER O POST COMPLETO
Para receber os posts diariamente:

Digite seu email e receba nossas
atualizações gratuitamente



Para receber a newsletter semanal fofa e especial:

Assine minha newsletter linda!

* indicates required